NOTINHAS PÓS-RODADA (e Berlim)



As notas da rodada 6 do BR-15:

* O Santos (2 x 2 com a Ponte Preta: Geuvânio, Felipe Azevedo, Ricardo Oliveira e Renato Cajá – 5.508 pagantes na Vila Belmiro) acumula cinco jogos sem vitória.

* A Ponte Preta é um time que se recusa a se entregar, uma das histórias do campeonato até agora.

* O Flamengo enfim venceu (1 x 0 na Chapecoense: Gabriel – 16.960 pagantes no Maracanã) e os “torcedores” que foram incomodar o time na sexta-feira acham que têm algo a ver com isso.

* A Chapecoense ainda não somou pontos como visitante, mas as vitórias em casa mantém o time no meio da tabela.

* Jogadores mais aproximados em campo. Mudança perceptível no São Paulo (2 x 0 no Grêmio: Luis Fabiano e Rogério Ceni – 16.952 pagantes no Morumbi) de Juan Carlos Osorio.

* E Ceni já tem mais gols (129) pelo São Paulo do que Raí.

* O líder Atlético Paranaense (2 x 0 no Vasco: Nikão e Ytalo – 16.750 presentes na Arena da Baixada) ainda não levou gol em casa.

* Só há dois times sem vitória no campeonato. O Vasco é um deles.

* Acabou em 11 clássicos, desde junho de 2013, o tabu do Cruzeiro (3 x 1 no Atlético: Luan, Gemerson-contra, Gabriel Xavier e Marquinhos – 20.092 pagantes no Independência) diante do rival.

* E da melhor forma possível para o Cruzeiro, no Horto.

* Bonito gol de Jadson, na vitória (1 x 0 no Joinville – 14.131 pagantes na Arena Joinville) que devolveu um pouco de tranquilidade ao Corinthians.

* O time de Tite foi pressionado pelo lanterna do campeonato no segundo tempo, motivo para preocupação.

* Em manhã de homenagens a Fernandão, Vitinho abriu a vitória do Internacional (2 x 0 no Coritiba: Vitinho e Nilmar – 35.766 pagantes no Beira-Rio) com um golaço.

* O Coritiba já se parece com o time que foi mal no campeonato estadual.

* O contragolpe do Figueirense venceu (2 x 1: Carlos Alberto, Gabriel e Thiago Santana – público ND no Orlando Scarpelli) o Palmeiras.

* Será uma semana tensa para Oswaldo de Oliveira.

* Pouco a dizer sobre o 0 x 0 (13.108 pagantes no Maracanã) entre Fluminense e Sport, além do fato de os visitantes terem conseguido o que foram buscar no Rio de Janeiro.

* O Goiás também homenageou Fernandão, mas levou um gol do Avaí (1 x 0: Rômulo – 1.105 pagantes no Serra Dourada) nos acréscimos e perdeu em casa.

* O jogo teve o pior público do campeonato.

______

Sobre a final da Liga dos Campeões da UEFA (Barcelona 3 x 1 Juventus: Rakitic, Morata, Suárez e Neymar), escrevi as linhas abaixo, no Lance! de hoje:

MAIS UM

O terceiro título europeu do Barcelona em seis anos comprova o desenvolvimento de um time dinástico. O termo mais adequado não é evolução, mas adaptação. A solução encontrada para vencer após a saída de Pep Guardiola foi agrupar jogadores cuja função é romper a harmonia coletiva do time, porque o dano ao adversário é maior. O tridente alterou a dimensão da tarefa de conter o Barcelona, pois defender a própria área e rezar não é mais um expediente viável. Messi, Neymar e Suárez criam medo, dúvidas e contragolpes. Mas os princípios da ideia de jogo permanecem os mesmos, motivo pelo qual Andrés Iniesta foi o dono da noite em Berlim. Os dois primeiros gols revelam exatamente que tipo de time é esse: quinze passes até Rakitic surgir diante de Buffon, e apenas um passe de Rakitic para Messi cruzar o campo. O gol de Neymar não fez diferença para o vencedor, mas fez justiça ao jogo: 2 x 1 era pouco.



MaisRecentes

Novo



Continue Lendo

Virtual



Continue Lendo

Falante



Continue Lendo