COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

DONOS DO MOMENTO

A julgar pelo estado em que o Palmeiras concluiu a temporada passada, e pelas notícias que saíram de Santos no início do ano, não era lógico imaginar que ambos se encontrariam na decisão do título estadual. O Campeonato Brasileiro de 2014 correu sério risco de terminar com uma despedida do Palmeiras da Série A, ao final da celebração do centenário e nos primeiros jogos de vida do novo estádio. Para o Santos, 2015 começou com dramáticos problemas administrativos e a ameaça de perda de jogadores. A final do Campeonato Paulista é um testemunho da imprevisibilidade do futebol e de sua capacidade de renovação.

É possível afirmar com segurança que a busca do Palmeiras pela recuperação da própria relevância está no caminho certo. Enquanto existem argumentos válidos no âmbito da gestão e da estrutura, a validação de um time de futebol só chega quando seu comportamento em campo encontra a altura de sua ambição. E neste ponto é difícil discutir com o segundo tempo palmeirense na Arena Corinthians, no domingo passado. O oponente era o maior rival, o ambiente era inóspito, o placar era eliminatório. A atitude foi corajosa e ousada. A maneira como o Palmeiras buscou o empate é própria das equipes bem preparadas e convictas de suas possibilidades. A compostura nas séries de pênaltis revelou um sentido de bravura que formações recentes não tinham, inclusive o time que conquistou a Copa do Brasil em 2012.

O Santos não teve de enfrentar apenas as dificuldades financeiras que sobrevoam praticamente todos os clubes do país, com níveis de gravidade que acompanham a capacidade de gestão e as boas intenções. O efeito mais importante se dá no produto final, com o apequenamento do time e a desvalorização da camisa. Como já se destacou aqui, parte da solução foi substituir um comando problemático pelo que se chama de autogestão, quando o vestiário se governa e transborda para a influência na tomada de decisões. É um cenário muito mais comum no futebol do que se imagina, baseado na manutenção de um ambiente produtivo que amplia a área de atuação dos jogadores. Robinho emergiu como uma liderança poderosa, Lucas Lima e Geuvânio como referências futebolísticas e Ricardo Oliveira como fiador de um time capaz de subjugar o São Paulo sem permitir contestações, como ficou evidente na Vila Belmiro.

A final contrapõe a alta frequência do Santos – sétima aparição consecutiva – com o retorno do Palmeiras – ausente desde 2008 – ao momento decisivo do campeonato estadual. Um dado que sugere maior sede de conquista para o time dirigido por Oswaldo de Oliveira, mais pelo contexto simbólico do que esportivo. Mesmo porque o Campeonato Paulista há tempos sofre clara deterioração de seu significado como objetivo de clubes de grande representatividade. Prova de tal processo é o mínimo peso do título estadual na avaliação da temporada de equipes desse porte, especialmente quando não têm bom desempenho no Campeonato Brasileiro. Mas essa não é uma questão para ser ponderada agora pelos dois finalistas, diante da oportunidade de viver uma alegria no próximo domingo.

PROBLEMAS

Será uma pena se Robinho e Valdivia não puderem jogar amanhã. Neste caso, o Santos perde mais.

BARÇA X BAYERN

É muito melhor que Barcelona e Bayern de Munique se encontrem nas semifinais da Liga dos Campeões da UEFA, em comparação a fazerem a decisão, pelo simples fato de podermos acompanhar duas vezes um dos jogos mais interessantes dos últimos tempos. Nos processos de evolução dos dois times, este encontro marca o teste supremo. O sorteio foi bondoso com o futebol.

JUVE X MADRID

Do outro lado, é correto dizer que tanto Real Madrid quanto Juventus “ganharam” o sorteio realizado ontem. O time espanhol, porque terá como adversário a equipe que é sem dúvida a inferior, do ponto de vista técnico, entre as quatro semifinalistas. E o time italiano, porque tem, em termos de encaixe, mais possibilidades contra o Madrid do que teria contra os outros dois possíveis oponentes.



  • RENATO77

    O formula de disputa do melhor campeonato do mundo não condiz com a qualidade dos participantes. O tempo entre as partidas da semifinal e a final, quase um mes…exagero.
    Uma final em jogo único também considero uma aberração se comparado à importância esportiva do evento.
    O paulista que é o paulista já é criticado pela fase final absolutamente desequilibrada, a liga dos campeões mereceria um formato melhor.

    “recuperação da própria relevância”…muito bem definido sobre a SEP. O Palmeiras precisa mais desse título.

    Abraço.

    • Nilton

      A liga tem um belo formato, e não consigo ver como deixar ela melhor (lembrando que “o maior” evento do esporte é o Super Bowl que é disputado em jogo único e em uma sede pré definida como a Liga).
      Com relação a sua observação sobre o “quase um mes… exagero” realmente é uma tortura para quem esta louco para ver um Barça X Bayern, mas esta dentro do que o André chama de calendário.

  • Charles

    Do campeonato carioca, semifinais e finais?

  • Vai ser muito interessante ver a semifinal entre Bayern e Barcelona em dois jogos. O trio Messi/Neymar/Suarez está arrebentando no Barça, e ainda tem o Iniesta que insiste em “dar aulas de futebol”. Do outro lado (dos alemães), um time muito forte e cheio de talentos. Só que o Real Madrid também tem seus trunfos, como mostrou no ano passado diante do Bayern e depois na final contra o Atlético. Mas como você bem disse, a imprevisibilidade do futebol se renova constantemente, fazendo com que todo nosso “estudo e conhecimento” seja contrariado a cada campeonato. Uma coisa é certa: vai valer o ingresso.

MaisRecentes

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo