COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

MAIS DO MESMO

1 – Parecia interessante a movimentação inicial do São Paulo, investindo nas características de Centurión. O enfrentamento com Fágner prometia ser favorável ao argentino, desde que explorado com insistência e inteligência para gerar superioridade. Mas o ataque são-paulino preferiu outras rotas, todas bloqueadas pela proteção da área dos visitantes, sem problemas. Instalava-se algo frequente na história recente deste clássico: a sensação de maior iniciativa do São Paulo.

2 – Nem todos os observadores perceberam (ainda que não seja difícil), mas Tite tem posicionado o Corinthians para ser um time que joga no espaço. A ideia é pressionar a bola não só para desarmar, mas para ativar o contragolpe engatilhadoTimes que jogam com essa proposta sorriem quando o adversário se move com burocracia e se aproveitam do engano de quem se imagina no controle.

3 – O gol de Danilo, aos 12 minutos, celebrou o encontro da oportunidade com a capacidade. Falha evidente de posicionamento da defesa são-paulina, desatenta no instante em que Fágner cobrou o lateral. Danilo entrou na área andando, Guerrero foi presenteado com tempo para escolher o que fazer.bola viajou pelo alto até o corintiano chapar de pé direito, como se fosse vigiado por seres inanimados. O resultado não poderia ser outro.

4 – Danilo não tem receio de usar o pé auxiliar. Ao contrário, confia nele em qualquer situação. Esté uma – só uma – de suas qualidades.

5 – O primeiro tempo não terminou empatado porque Cássio impediu um gol certo de Centurión. Lance difícil: o goleiro não conseguiu cortar o cruzamento de Michel Bastos e teve de voltar para se atirar diante do argentino. 

6 – Ocasião de tripla punição a favor do São Paulo: o chute de Michel Bastos desviou no braço de Gil, que estava dentro da área. A arbitragem decidiu pela marcação do pênalti e a exibição do segundo cartão amarelo para o zagueiro, ainda que o gesto de proteger o rosto tenha sido claroA terceira punição seria o gol de Rogério Ceni, que Cássio evitou com a perna e o travessão. 

7 – O segundo tempo ainda não tinha dez minutos de vida. Com um homem a mais e tanto tempo por jogar, o São Paulo se viu com tudo a favor para mudar o rumo do clássico. Mas mostrou pouco mais do que o previsível domínio territorial, com Centurión sendo o elemento mais perigoso pelo lado esquerdo do ataque. Ganso e Luis Fabiano, novamente, um tom acima em nervos e alguns abaixo em jogo.

8 – Assim como se viu no jogo contra o Palmeiras, o Corinthians se sentiu cômodo em inferioridade numérica. Tite mexeu para recuperar o nível de energia do time, Guerrero fechou um dos lados do campo, o Corinthians permaneceu concentrado sob pressão.

– O recado deixado pelo encontro da quarta-feira de cinzas em Itaquera, pela Libertadores, foi enfatizado no Morumbi: em termos de formação de equipe e ideia de jogo, o Corinthians continua consideravelmente à frente do rival. A impressão de que o São Paulo jogou mais neste domingo deve-se aos 42 minutos com onze contra dez, período que não teve influência no resultado.

PREGUIÇA

O retrocesso fica escancarado quando velhas ideias alcançam a superfície e tomam o lugar da discussão sobre os verdadeiros problemas. É inútil debater sobre fórmulas de disputa a partir do momento em que não se percebe a importância de manter clubes em atividade pelo maior tempo possível. Mesmo se os estádios estivessem ocupados, os salários fossem pagos em dia e os clubes experimentassem o progresso, apostar na imprevisibilidade como forma de equilibrar a diferença de orçamento já seria perder tempo com a ideia errada, além de um tiro no pé. Com o panorama atual, é uma irresponsabilidade que punirá quem tenta trabalhar no sentido certo. Veja quais são os dirigentes que se manifestaram a favor do retorno do mata-mata e avalie a situação dos clubes que eles administram. A imprevisibilidade é a tábua de salvação dos que perceberam que trabalhar dá… trabalho.



  • Boa tarde André.
    O Corinthians realmente mostra uma boa postura em campo, não se apavora com um homem a menos (pelo menos até agora), e tem jogado com “consistência”, digamos assim.
    O que me assusta é a possibilidade de perder Guerrero e Gil.
    Já vi o Corinthians se “desmontar” com a saída de duas ou três “peças” e não gostaria de ver de novo. Embora a saída do Gil não tenha ocasionado a derrota no clássico, ficamos no sufoco.
    Acha que podemos confiar no time caso ocorram tais perdas?

  • José Henrique

    Impressionante o passe do Guerrero para o Danilo. Se aquele passe fosse feito pelo Ganso, e o SPFC vencido o jogo, hoje com certeza as redações e mesas, estariam em coro pedindo até a seleção.
    Só uma observação, gosto de assistir o Sportcenter, mas, atendendo a #falouitaqueraomudeideestacao, quando o Antero entra, eu mudo para o SporTv.

    • RENATO77

      Tostão escreveu sobre Ganso, não pude ler porque não assino UOL…mas o título era “Saudades do que nunca existiru”.
      Abraço.

      • Ricardo Trevisan

        Vocês viram o passe de lado do Ganso? Se fosse o magic Jadson seria ‘jênio’.

        #falouitaqueraomudeideestacao Sensacional! Adorei.

  • José Henrique

    #falouitaqueraomudeideestacao. Gosto muito do Sportcenter, não perco, mas, quando o Antero entra, mudo para o SportvNews.
    O comentário dele sobre esse jogo, foi de um mau gosto espantoso. Não passou nada de útil, ou abordou aspectos táticos da partida. Apenas ironias. Triste.

    • RENATO77

      JH, não perca seu tempo…só vai ficar nervoso, nada além disso. A ESPN Br agoniza.
      Abraço.

  • José Henrique

    Por falar em retrocesso e velhas ideias André, o Santos pretende entrar com pedido de arrendamento do Pacaembu, hoje às traças por picuinhas clubísticas de vereadores de pouca estatura, que quando o Corinthians pleiteou, fizeram valer a sua preferência futebolística, em prejuízo dos interesses da cidade. Era o único caso no planeta, onde um clube privado iria investir recursos na modernização de um imóvel publico.
    Depois reclamam de uma eleição de um Tiririca. Acho que nem ele teria uma visão tão obtusa como essa.
    Se aprovarem agora, a cessão ao Santos, passarão recibo sobre os reais motivos da posição absurda que tiveram na oportunidade solicitada pelo Corinthians.

MaisRecentes

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo