COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

CARTÓRIOS

Em nenhum ambiente profissional respeitável, seja qual for o campo de atuação, aceita-se um comportamento semelhante ao que Rubens Lopes exibiu no dia 30 de janeiro. Não estivéssemos tratando dos bastidores do futebol brasileiro, as ofensas pessoais dirigidas pelo presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro ao dirigente de um de seus clubes filiados teriam sido o penúltimo ato do cartola em sua cadeira. O último seria motivado pelos poderes que emanam da vergonha: um pedido público de desculpas, com a imediata entrega do cargo.

O fato de o dirigente ofendido ser Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, é ao mesmo tempo um agravante e um exemplo do ponto a que chegou a inversão de valores no modelo de gestão do futebol no país. Não que devêssemos relevar o episódio se nele estivesse envolvido o representante de um clube pequeno. Claro que não. Mas a ausência de preocupação de um dirigente de federação diante da ruptura com um clube das dimensões do Flamengo revela o quanto o futebol brasileiro já caminhou no sentido oposto ao que deveria. A primeira medida a tomar é parar no acostamento e substituir o motorista.

O nível rastejante de conduta de Lopes é absolutamente constrangedor, mas não consegue camuflar o que de fato importa nos desentendimentos entre o clube e a FERJ. Em uma disputa de braço de ferro em que de um lado está o Flamengo e no outro a federação, não há possibilidade de derrota para a maior torcida do país. É evidente que o mesmo raciocínio vale para os demais clubes brasileiros de grande representatividade, desde que, é claro, todos entendam como devem se portar para defender o produto do qual são proprietários.

Um caso parecido se deu em São Paulo, na sexta-feira passada. Em suas últimas horas como presidente do Corinthians, Mário Gobbi derrotou a ideia de torcida única no clássico no Allianz Parque com uma entrevista devastadora no conteúdo, ainda que folclórica na forma. Além das objeções do presidente do Corinthians quanto à maneira arbitrária com que se tentou impedir a realização de um jogo de futebol como se deve, foi o peso do clube que ele representa o fator decisivo para o passo atrás da Federação Paulista de Futebol. Aguarda-se a explicação da FPF sobre sua postura estranhamente apressada e unilateral em uma questão que deveria ser debatida com maior amplitude.

O ponto mais importante externado por Gobbi, no entanto, foi a incapacidade dos clubes de trabalhar como parceiros. Enquanto não descobrirem que são adversários apenas dentro do campo e que necessitam formar um bloco para impor suas condições no aspecto comercial, os clubes permitirão a existência e a influência de figuras como Rubens Lopes. E enquanto não tomarem para si a organização das competições que disputam, terão de enfrentar episódios como o que se viu às vésperas do clássico paulista.

Federações nada mais são do que cartórios dos quais os clubes não precisam. Que os eventos recentes no Rio de Janeiro em São Paulo abram os olhos de dirigentes subservientes.

IDADE

É natural que o Corinthians tenha sido superior ao Palmeiras, em jogo, no primeiro encontro dos rivais no ano. Há mais sentido coletivo em uma escalação alternativa de Tite do que em qualquer formação que Oswaldo de Oliveira possa escolher neste momento. É uma questão de construção de equipe que é simples de compreender e não deveria gerar impaciência entre torcedores palmeirenses. Um dos aspectos em que ela se manifesta é justamente a organização defensiva que o Corinthians mostrou a partir do instante em que ficou com um jogador a menos. Quanto à partida, talvez Cássio não tenha merecido o primeiro cartão amarelo por retardar o jogo, mas, uma vez advertido, não deveria testar a paciência do árbitro em uma situação idêntica. A expulsão que transformou o encontro era evitável, assim como a de Paolo Guerrero na quarta-feira.



  • Rodrigo – CPQ

    Dias, André! Bom ler seus textos aqui novamente!! Vamos por partes:
    – Torcida única: não adianta jogo com torcida única. As torcidas organizadas querem confusão: se não podem ir ao estádio, marcarão encontros nos pré e pós jogos para brigas animalescas. Certeza que farão emboscadas para torcidas adversárias, independente da torcida em questão. Isso é conversa para boi dormir. Já fui em alguns jogos do Corinthians aqui em Campinas, e quase apanhei na grande maioria deles. Detalhe: sou corinthiano, ficava na torcida do Corinthians e nunca fiz nada demais. Mas já tomei rasteira, pedrada e fui ameaçado, tudo por corinthiano. Não adianta: esses caras querem briga.
    – Sobre Cássio: atitude infantil no segundo lance; concordamos que não deveria receber amarelo no primeiro.

    []s e bom retorno!

  • Fabio

    Grande coluna, aos poucos os efeitos de nossa síndrome de abstinência dos posts vão passando.
    Se me permite outra triste constatação: a cartolagem ocupa quase toda a coluna e um jogo que foi até interessante é relegado aos últimos parágrafos

  • Muito bom o post. Os dirigentes tem que agir de modo profissional. Separar o “torcedor” do “dirigente”. Colocar a paixão para “gerir” o clube geralmente acaba mal. Talvez um dia nossos dirigentes aprendam que sua função primordial é de gestor, administrar, buscar ações que tragam lucro ao clube que dirigem. E a união é essencial para o fortalecimento dos times e do futebol brasileiro.

  • Soares

    Excelente texto, André. Com relação aos clubes organizarem as competições, isso não acontecerá tão cedo. Basta ver que na mentalidade de seus dirigentes é cada um por si. Lembremos que foram esses dois clubes (Flamengo e Corinthians) os principais causadores da extinção do Clube dos 13, o mais próximo que futebol brasileiro chegou de ter uma liga organizada pelos verdadeiros donos do espetáculo.

  • Nuno Cia

    Boa tarde, André;

    Os clubes, ou seus dirigentes, até podem não se ver como inimigos, mas entre eles, mais ainda que na sociedade, impera a lei de Gerson. Querem levar vantagem, pois acreditam que estão saindo na frente dos seus adversários se o fizerem. A implosão do Clube dos 13 após licitação ganha por outra tv que não a globo e consequente assinaturas de acordos individuais entre times e a emissora carioca comprova esse tipo de pensamento.

    Os espanhóis, com exceção de Real e Barça, claro, se movimentam para repartir de forma mais justa os direitos de televisão, como é feito na Inglaterra. Aqui, a FERJ ganha mais $ de bilheteria por jogo que o time mais popular do estado…

    • José Henrique

      Vírgula, na Espanha Barça e Real, levam metade da verba. Bem diferente daqui.
      E, na época do malfadado C13, a divisão era muito pior do que a atual. Confira a do seu clube, que certamente não é o Corinthians, nem o Flamengo, e nem o SPFC.

  • José Henrique

    Agora acredito…O MP vai processar Palmeiras e Corinthians. Então com isso os caras não combinarão mais batalhas pelas redes antissociais. Ótimo. Todos ficarão bonzinhos de medo porque os times que “torcem????” serão processados. Que beleza!! Como diria o grande Milton Leite.

  • Iran Né

    Caro André, eu imagino o que um homem fino e educado como o presidente Bandeira De Melo se sentiu tendo sua mãe xingada e sendo mandado enfiar a nota de papel naquele lugar. Quem têm que ir pra quele lugar são esses bandidos que usurpam do clubes cobrando taxas abusivas para não fazer nada como a federação carioca.
    Um grande abraço.
    Iran Nè

MaisRecentes

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo