COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

MUMIFICAÇÃO

O confronto de vândalos mais bem documentado da história do futebol brasileiro não será punido da maneira devida por falta de evidências. A frase anterior se encaixaria perfeitamente em um texto satírico, ou como tema de um desses stand-ups que convencem as pessoas a rir das próprias tragédias. Que fique claro: a história, de fato, é trágica. Menos para os miseráveis que se apropriaram do futebol e fizeram dele o ambiente nefasto que conhecemos. Dos gabinetes às arquibancadas, passando pelas redações e pelas redes antissociais.

Você se lembra do que aconteceu na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013, na Arena Joinville, durante o jogo entre Atlético Paranaense e Vasco. Criminosos disfarçados de torcedores produziram um espetáculo grotesco de violência que não provocou mortes por razões inexplicáveis. A guerra foi mostrada ao vivo pela televisão, em todos os seus requintes cruéis, com fartura de detalhes. Se fosse necessário, haveria condições para exibir a “câmera do falecimento” ou gráficos com a potência do impacto de um pé de mesa – com o prego – no crânio de um ser humano.

Quatorze dos trinta e um participantes da barbárie foram absolvidos das acusações de formação de quadrilha e dano ao patrimônio público, por solicitação do Ministério Público de Santa Catarina. Não há provas contra eles, acredite. Mas não perca a esperança: ainda responderão por promover tumulto e praticar ou incitar violência. Se houver “provas”, claro. Os absolvidos concordaram em não frequentar estádios de futebol por dois anos, promessa que certamente cumprirão com fervor religioso.

A parte mais engraçada do episódio é que um dos premiados é um torcedor do Vasco – que não terá o prazer de ver seu nome divulgado aqui – que foi preso no final do ano passado, no Maracanã, por não ter cumprido a determinação da Justiça de se apresentar a uma delegacia nos dias de jogos do clube. Testemunhamos a redefinição do esculacho, mas devemos, de alguma forma, crer que existe gente séria trabalhando para enfrentar o problema com inteligência. Apenas não sabemos quem são ou onde se reúnem. Pois os que estão aí, tomando decisões e sugerindo medidas de efeito placebo, nada mais fazem do que promover a vitória de quem pretende extinguir o futebol.

A simples consideração de torcida única no clássico entre Palmeiras e Corinthians foi o ato mais recente dessa campanha destrutiva. Independentemente do motivo. O Ministério Público de São Paulo – por intermédio do promotor Paulo Sérgio Castilho – se disse “farto do comportamento” dos torcedores organizados, mas curiosamente tentou emplacar a decisão de não lidar mais com eles ao recomendar a proibição do acesso de todos os corintianos ao Allianz Parque. Como não haveria violência no estádio, se houvesse em qualquer outro lugar seria um “caso isolado”, a versão futebolística do coração que não sente o que os olhos não enxergam. E seguimos.

Não tardará e alguém ainda tentará nos convencer de que o futebol no Brasil está como o monge mumificado encontrado na Mongólia, no mês passado. Não morreu, apenas se encontra em um profundíssimo estado de meditação, ao alcance de muito poucos.

ESPELHO

A questão do clássico paulista deste domingo só foi resolvida no início da noite de ontem. Entre acusações e ameaças, articulações e bravatas, sobravam perguntas não respondidas a poucas horas de um jogo entre dois dos principais clubes do país. Sempre tivemos os jogadores, a paixão e o interesse do público. Hoje temos os estádios. Jamais tivemos as cabeças para organizar nossos campeonatos de forma minimamente decente. Além de um reflexo da sociedade, o futebol brasileiro é o retrato de seus dirigentes.

FORÇA

Aplauso eterno a Douglas, goleiro do Capivariano, que raspou o cabelo em apoio ao atacante Silas, recentemente diagnosticado com leucemia. Não é preciso conhecer uma pessoa capaz desse tipo de gesto para identificar seu caráter. Coragem e toda sorte do mundo a Silas nos meses de tratamento, uma provação pela qual ninguém deveria ter de passar.



  • Desculpe André, seu “post” está ótimo, e o assunto é muito sério.
    Mas, brigas de torcidas à parte, o Palmeiras fez a nossa alegria.
    Diria o Falamansa:
    Rá rá rá rá eu estou rindo à toa, Não que a vida esteja assim tão boa, Mas o PARMERA ajuda a melhorar. Rá á rá rá rá…
    Declaro inaugurado o Estádio do Parmera, carimbado e assinado pela autoridade máxima.

  • André,
    Gente séria no Brasil é piada.
    Onde você acha que estão? No Executivo, no Legislativo ou no Judiciário?
    Resposta: Em nenhum desses lugares.
    Essa gente quer mexer na previdência “pobres”, mas Magistrados ganham salário altíssimo, tem 02 férias por ano e ainda ganham “auxílio moradia” em valor maior que o salário de milhões de brasileiros. A aposentadoria dessa gente é integral, “ferrando” com a vida de quem paga tais benefícios, pois a aposentadoria de “gente comum” é limitada e difícil de conseguir.
    Se essas pessoas não se envergonham dessas coisas, como poderemos ter gente séria no comando?
    Vão dizer que são amparados por leis: Eu digo: leis vergonhosas.

  • Grisalho

    Eu nunca entendi, não entendo e não vou entender porque as inúmeras imagens que vemos na TV, de todos os tipos de selvagerias, não coloca na cadeia os atores…

    • José Henrique

      Não é só no futebol não. Mais de 800 ônibus queimados nas cidades. Bancas de jornais, bancos, concessionarias de veículos vandalizadas, e…..
      O STJD, “tomando decisões e sugerindo medidas de efeito placebo”, punindo com perda de mandos, multas e portões fechados.
      E ficamos sabendo agora, que as cadeiras quebradas na “ARENA CORINTHIANS”, o corinthians por cortesia, não aceitou que o Palmeiras pagasse.
      Ou seja….. depois os “analistas”, dos gabinetes às arquibancadas, passando pelas redações e pelas redes antissociais, não entendem porque os grandes times estão com dificuldades em arrumar patrocínio.
      E o receio de ver uma camisa com o logo de sua empresa no peito, com um sujeito com uma barra de ferro nas mãos, matando uma pessoa com outra camisa com logo de outra?

  • Matheus Brito

    Boa tarde AK,

    Senti falta de um Post sobre a final da NFL. Mas seguimos em frente.

    Sobre a questão da Torcida única, tenho uma visão um tanto chata desse assunto. Acho que com a mudança econômica do futebol, principalmente o paulista, clássico de torcida única não é um avanço, mas se tornará uma necessidade econômica. Talvez não 100% mas o perfil 90-10.
    Palmeiras e Corinthians( pra ficar só nestes dois) “construíram” arenas modernas, confortáveis e caras.
    Lógico que com a questão do mando de campo, independente de quem esteja no estádio o mandante fatura sozinho. Mas com o avanço dos programas de sócios, o clube mandante precisará ter o direito de ter no mínimo a maioria absoluta da torcida. Eles precisarão disso pra atenderem melhor seus sócios. O Palmeiras hoje tem cerca de 90 mil sócios mas só cabem metade no estádio deles. Se dessa carga de ingressos ele ainda tiver que dividir com o Corinthians como fica o sócio do Palmeiras que quer ir ao clássico? não haverá lugar pra todos mesmo com 100% da carga, mas dividida haverá lugar pra menos ainda.

    Sou a favor da maioria da carga de ingressos para o mandante, não por conta da violência, mas por uma questão econômica. A violência é caso de polícia, é uma discussão mais ampla. Transformar os jogos em torcida única devido a violência é passar atestado de incompetência. Num país sério esses corintianos flagrados depredando o metrô estariam se apresentando agora à polícia para tentar diminuir a pena certa. Não estariam contando com a impunidade pra rir das autoridades com os demais cúmplices.

    Um abraço e seja bem vindo de volta

  • Matheus Brito

    Acabei não falando da comédia de Santa Catarina. Como não há provas do que esses caras fizeram? Não há provas de quem matou Juca Pirama, Odete Hoitman e até o JFK. Mas aquilo ali é batom na cueca. E Batom vagabundo. É só assistir aos vídeos e dar o veredicto. Não tem defesa, não precisa acusar, dava pra economizar tempo e dinheiro. É ver o vídeo e botar todo mundo em cana. 180 anos de cadeia pra cada um só na gestão da Dilma.

  • José Henrique

    Vendo entrevistas de autoridades hoje no SPORTV, ficou bem claro que a medida do MP, determinando um espaço para as uniformizadas, hoje é uma grande muleta para dirigentes de clubes e a direção das torcidas.
    Se o MP revogar essa medida, os clubes perderão de vez essa desculpa.

  • Regis

    Mesmo sendo intrometido e querer sugerir pauta, está mais do que na hora de uma discussão equilibrada, séria e sem clubismos sobre a divisão das cotas de TV.

    O sucesso da Premier League prova que a divisão tem que ser melhor dividida, e negociada pela “liga” e não individualmente por clubes.

    Se isso não for resolvido nunca teremos liga nenhuma por aqui.
    Abraços a todos.

    • José Henrique

      Acho até razoável. O que não pode é voltar aquela excrescência durante décadas praticada pelo extinto C13, onde clubes com menor share, recebiam igual aos maiores, porém nunca reclamaram em favor de ninguém, além da página 3, por motivos óbvios.
      E, sem pretender revogar o capitalismo, porque afinal, quem paga o espetáculo nem é a TV, e sim o patrocinador e, espetáculo com mais estrelas, custa mais caro.
      Difícil vai ser convencer os anunciantes de que, eles deva pagar o mesmo valor para espetáculos com menor exposição e share.
      Seria utópico, ver uma Samsung pagar o mesmo valor para ver seu logo na camisa do SPFC, por exemplo, do que na camisa do Flamengo, ou do Corinthians.
      Evidente que se isso não acontece é porque o que determina essa remuneração é uma coisa chamada “pontos”, medidos pelo “peoplemeter”.
      Por exemplo, em SP, cada ponto do Ibope representa 193.281 pessoas.
      CorinthiansxOnce Caldas, deu 25 pontos à Globo, sem contar o PPV, ou SPORTV, na TV fechada.
      Isso significa que o anunciante, da TV aberta, viu seu produto exposto durante 90 minutos, para 4,8 milhões de pessoas, e pagou por isso.
      Portanto, qualquer divisão de remuneração de clubes, pela TV (PPV depende de cada um, e nesse caso, nem adianta reclamarem, basta seus torcedores comprarem tanto como os demais), que saia desse parâmetro é pura utopia. Nem são os clubes que determinam, mas o mercado.
      Fora disso, a injustiça voltaria a ser praticada, como foi durante décadas, em beneficio de quem não produzia.
      Audiência no futebol dá, quem assiste mais. Não importa nem quem está na frente da TV, se para torcer para seu time, ou para secar rival.
      Relembrando o que disse um São Paulino: https://www.youtube.com/watch?v=ogm9ZMHg8aQ

    • José Henrique

      Mais uma informação: Campeonato Carioca

      A Globo registrou 23 pontos e participação de 41% na televisões ligadascom o duelo entre Flamengo e Barra Mansa. A Band registrou um ponto.

      Campeonato Paulista

      A Band exibiu com exclusividade para São Paulo o jogo entre Mogi Mirim e Santos e registrou 3 pontos de média.

      • Regis

        O rateio do dinheiro de PPV e’ calculado atraves de uma pesquisa Datafolha/Ibope cm 10.000 entrevistados, e não pelos dados reais de venda de pacotes. Confiar dinheiro a institudos de pesquisas e’ uma coisa maluca. Veja materia da ESPN

        http://espn.uol.com.br/noticia/480999_globo-divide-r-300-milhoes-de-pay-per-view-com-clubes-saiba-quanto-cada-um-ganhara

        Quanto a TV aberta, os indices não variam muito de clube pra clube. No ano passado o Sao Paulo teve o maior indice no primeiro turno (por meio ponto). Mas as diferenças são pequenas. Nada que se justifique pagar o triplo pra dois clubes.
        O jogo de maior audiencia em 2014 foi o do Galo contra o meu Cruzeiro. Nem pelo Campeonato Brasileiro foi. Mas deu goleada em qualquer jogo do Corinthians ou Flamengo.

        Abs!

        • José Henrique

          Bom hoje teremos um clássico em São Paulo, confira a audiência do clássico na Band, e o jogo do Corinthians contra o Once Caldas, na Globo.
          E, onde você leu que é o triplo de qual parâmetro?

          • Regis

            Flamengo e Corinthians receberão, a partir de 2016 R$ 170 MI.

            Galo, Cruzeiro, Fluminense, Botafogo, Gremio e Inter RS receberão R$60 MI.

            Sao numeros da TV aberta. Materia abaixo:

            http://terceirotempo.bol.uol.com.br/noticias/reportagem-espanholizacao-na-tv-assusta-futebol-brasileiro

            Note que Cruzeiro e Fluminense ganharam 4 dos ultimos 5 Brasileirōes e o Flamengo não vai ao G4 desde 2009 !!! Onde estão os critérios técnicos??

            Nāo conheço as audiencias do Paulistão, acredito que vc tenha razão, mas no Campeonato Brasileiro, em TV aberta, as diferenças de audiencia são mínimas. Por razōes obvias. O sujeito neutro que mora em Cuiaba e gosta de futebol se diverte vendo o que a televisão estiver passando.

            Até a Liga Espanhola está mudando isso. Não é possivel que nós aqui no nosso pobre futebol sejamos os unicos com razão. Alias, a audiencia em geral tem caido muito nos ultimos anos. O produto futebol está se desvalorizando e essa é uma das causas. (obviamente não a unica).

            Olha as divisōes na Europa.:

            https://twitter.com/_FuteNews/status/516251098806755330/photo/1

            Abs amigo e obrigado pelo debate!

            • José Henrique

              Como contraponto coloco que em Minas e no Rio Grande, praticamente existem só 02 clubes grandes não é?
              Gremio Inter, Galo e Cruzeiro.
              Não quero desmerecer a grandeza de nenhum clube, mas felizmente no Brasil “ainda”, prevalece o sistema capitalista.
              Nessa questão de remuneração da TV, depois de décadas com valores muito baixos, graças a cisão provocada pelo Corinthians no C13, que tinha como única função negociar os direitos com muitos gastos com salários,e custo para os clubes.
              Até quatro anos atrás (fonte espn): A Tv distribuia:
              O Palmeiras por exemplo que recebia 25 milhões, receberá 100 milhões.
              Lógico que Corinthians e Flamengo tem que receber mais, porém temos visto sugestões de distribuições mistas, com numero de torcedores, e colocação técnica nos campeonatos.
              Não acho nem um pouco justo, e também não acharão, os clubes que investem pesado em contratações, e por um ano ruim quase serem rebaixados, terem suas cotas reduzidas.
              Pelo que sabemos, o Brasil ainda (toc.toc.toc) é um sistema capitalista, onde o capital (anunciante) paga mais ao espetáculo com maior potencial de exposição de seus produtos, ou marca.
              Se essa premissa for ignorada, então, acho melhor irmos todos para a Espanha mesmo, onde lá estão querendo quebrar Barça e Real, só que, enfrentaremos uma fila de 25% da população desempregada que não ficaria nem um pouco feliz em nos receber.
              Abraços, e eu também agradeço a você.!

              • Regis

                Não entendi o seu contraponto em relaçao ao numero de times grandes em MG e RS. No rio há 4, e dois deles estão no ultimo grupo.

                Quer dizer que Fla e Cor. tem que receber mais apenas por terem mais torcedores? Mesmo que isso não se reflita em audiencia na TV aberta?

                Uma pena realmente o que acontece na Espanha com um quarto da populaçao desempregada. Sabe aonde isso não acontece? Na Inglaterra, na Alemanha, nos EUA. Como se divide a verba da Premier League, Bundesliga e NFL?

                Vc não vai sugerir que são paises socialistas, não é mesmo?

                Grande abraço!

                • José Henrique

                  Não mais também não quero comparar o Brasil com a Inglaterra. Seria muito bom se o Brasil, aceitasse o dinheiro de bilhardários russos, a troco de passaporte, mas seria lamentável do ponto de vista moral.
                  E, me desculpe por divergir, mas nunca achei certo comparar grandezas tão diferentes.
                  Vamos então copiar o salário dos trabalhadores desses países e copiar aqui, para que encham nossos estádios, não é?
                  E, a divisão de cotas de TV, nem é pelo número de torcedores, nunca ninguém disse isso.
                  Como você acha que é feita aqui no Brasil hoje?

                  • Regis

                    E’ feita atraves de pesquisa que determina o tamanho de cada torcida. Embora isso influencie muito pouco a audiencia de TV aberta.
                    Acho que o Brasil por seu tamanho, pelo tamanho de seu PIB tem sim que ser comparada a Inglaterra, Alemanha e EUA. E’ a isso que devemos aspirar para quem sabe um dia chegar la. Nosso potencial e’ muito maior do que o da Espanha.

                  • José Henrique

                    Só completando Regis, agora passada a quarta feira colo:
                    “O confronto entre Corinthians e Once Caldas, em Manizales, na Colômbia, foi exibido na televisão aberta pela Rede Globo. No mesmo horário, Santos e São Paulo se enfrentavam na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista . O clássico foi exibido na TV Bandeirantes.
                    A partida do Timão registrou 18,2 pontos de audiência. O jogo em Santos registrou 9,8 pontos, quase a metade do alvinegro. Cada ponto corresponde a 67 mil domicílios na Grande São Paulo.
                    Apesar da audiência elevada, na semana passada, na estreia do Corinthians na Libertadores, também contra o Once Caldas, os números foram muito mais altos. A transmissão da Rede Globo registrou 25,2 pontos, a maior audiência do futebol desde à Copa do Mundo.”

                    • Regis

                      Acredito que esse seja realmente o Universo da Grande São Paulo e do camepeonato Paulista.
                      Lhe peço que busque os indices de audiencia do Brasileiro de 2014 em TV aberta. Fácil de achar. A diferença, quando há, é mínima.

                    • José henrique

                      Em qualquer circunstância, final da Libertadores por exemplo, a nível nacional a diferença sempre foi significativa pro Corinthians. Isso é inegável, mesmo porque a Globo não seria tão incompetente a ponto de não reconhcer isso, e muito menos os anunciantes, que sabem que São Paulo é conhecida como a Califórnia brasileira.
                      Entendo que essa discussão, fique mais por conta de torcedores incomodados com essa preferência.
                      Também não desconsidero, opiniões de alguns jornalistas de alguns portais ligados a Tvs, rivais da Globo, que acham que todos os leitores são inocentes.
                      Ainda bem que nem todos, ignoram que bater no Corinthians, pretende-se muitas vezes bater na emissora.
                      Quem tem que julgar quanto vale, no final das contas é o artista, e o contratante do show.
                      Cada um que lute por melhor salário então, sem usar outros de escada.
                      É feio isso, sinal de inferioridade, ou inveja.

  • Juliano

    AK, nobre, vc está coberto de razão sobre a falta de cabeças para organizar campeonatos por aqui, não há discussão sobre isso. Porém, dada a falência completa nessa organização (claro que é o pior cenário), torcida única em clássicos de rivais desse porte é a alternativa que resta. Não é a melhor, mas é a que resta, porque a falência é total. Chamaria isso de minimização de danos, enquanto não houver trabalho sério e decente para inverter o cenário.

    Dito isso, duas notícias foram publicadas nos portais de esportes: 1) Corinthians ajuda a bancar ingressos da sua torcida para o clássico no Alianz Parque e, 2) Torcida do Corinthians depreda local onde ficou no Alianz Parque (com fotos). Pergunta: de quem é a responsabilidade? Não acho que o clube possa se eximir, afinal, “colocou” estes selvagens lá. Da mesma forma que bancou a torcida na, infelizmente, famosa tragédia de Oruro.

    Enquanto as cabeças dos clubes (não apenas do Corinthians, mas de todos os clubes que comungam da mesma prática de bancar “torcedores”) não evoluírem, não há esperança na evolução das cabeças das Federações.

    Falência total. Alguém jogue a pá de cal…

    Abraço!

MaisRecentes

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo

Troféu



Continue Lendo