COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

REELEIÇÃO

Em campeonatos disputados em sistema de pontos corridos não há finais. A não ser que, por conspiração cósmica, um jogo tenha a capacidade matemática de decidir o título para ambas as equipes em campo (motivo para suicídio em massa dos detratores do formato). O que não significa que não haja partidas de caráter decisivo, que moldam o rumo da disputa e aproximam times do título. Quem pensa que a esses encontros falta alguma coisa, pelo fato de não serem eliminatórios ou não colocarem um troféu em jogo, precisa rever conceitos a respeito do que um campeonato deve ser.

Cruzeiro x Internacional foi uma dessas partidas. De um ponto de vista, preferido por quem gostaria de ver o atual campeão brasileiro desafiado no caminho para o bi, era a chance única do Inter ficar a três pontos do líder à custa apenas do próprio esforço. Ao mesmo tempo, para o Cruzeiro, o jogo representava a oportunidade de afastar ainda mais o adversário que o perseguia. E na comparação entre o prêmio que a vitória significava, para um e para outro, o Cruzeiro tinha muito mais a ganhar se terminasse o sábado com três pontos somados: a noção de que o título estava mais perto.

Do apito ao intervalo, só os mineiros jogaram de acordo com a importância da ocasião. Linhas adiantadas e pressão permanente, uma estratégia de ataque disfarçada de defesa agressiva. Quando a perseguição à bola é feita de forma coordenada nas proximidades da área contrária, o objetivo principal não é o desarme, mas o gol. Marcelo Moreno e Willian cercaram Aránguiz na linha da meia-lua, provocando o erro que criou o 1 x 0. O segundo gol foi produto da visão de Éverton Ribeiro e da pane da defesa colorada, congelada enquanto Marquinhos apareceu para concluir. O Cruzeiro é um dos raros times brasileiros que, em vantagem, não trabalham para trancar jogos. É uma distinção honrosa.

O encontro só teve a verve esperada quando os times voltaram do vestiário, o visitante totalmente transformado em personalidade, disposto e ousado apesar do perigo e do tamanho da montanha que pretendia subir. O lindo gol de Alex confirmou a sensação de porta aberta que o pênalti perdido por Willian deixou. Três minutos separaram os lances que transformaram o placar, o ambiente e o restante do segundo tempo, disputado como um palanque em que só havia espaço para um dos candidatos. O Cruzeiro assegurou que não seria ofuscado em seu próprio território.

Foi a quarta vitória cruzeirense na rodada seguinte a um empate, e a diferença que poderia cair para três pontos inchou para o triplo. O que diminuiu na noite de sábado foi o risco do Cruzeiro não conquistar o campeonato. A esperança da concorrência depende agora de pelo menos três resultados ruins dos mineiros, derrotados apenas quatro vezes em vinte e seis rodadas. Não é um cenário em que se pode apostar. Se o jogo no Mineirão foi o último debate entre os principais candidatos, todas as pesquisas apontam para a reeleição do Cruzeiro.

APERTO

A distância do décimo colocado (Goiás) ao lanterna (Coritiba) do Campeonato Brasileiro é de sete pontos. Do décimo à zona de rebaixamento, seis. Ainda haverá muito sofrimento e contas a fazer até o dia sete de dezembro.

PACHECOS…

Diego Costa, aquele atacante que o pachequismo rotulou como refugo sem vê-lo jogar, já tem nove gols marcados em sete rodadas do Campeonato Inglês. Sua transição do Atlético de Madrid para o Chelsea dispensa argumentos como “adaptação a um novo clube e um novo país”, o que comprova sua qualidade como jogador e questiona a conduta da CBF quando Costa finalmente optou por jogar na seleção espanhola. A quem o vaiou nos estádios brasileiros durante a Copa do Mundo, porque não soube compreender uma decisão profissional à qual todos temos direito, só resta aplaudi-lo discretamente, torcendo para que ninguém veja.



  • David

    Sobre o Diego Costa..

    Que coisa irritante essa mentalidade dos tecnicos brasileiros, com suas velhas e burras manias. Convocam por preferencias individuais, sem valor ao merito ou fase atual, e preferem mais preservar o grupo, do que adicionar substancia ao time e elenco.

    Mesmo que o Diego fosse pra selecao, seria eterno reserva do Fred. Ja na Espanha, nao tiveram medo de arriscar com ele sem muito teste. E os analistas de resultado nao vao valorizar a aposta.

  • Cleibsom Carlos

    Sobre o Diego Costa;

    Esse teve muita sorte na vida! Vê-lo jogar na seleção espanhola é triste porque o cara tropeça nas bolas redondinhas que o Iniesta rola para ele…Os pobres espanhóis pensavam que tinham se livrado do Torres mas aí recebem de presente um grosso ainda maior!!!

  • Silva

    Caro André,

    Menooooooossssssssssssss.

    Diego Costa, para quem acompanhou Reinaldo, Careca, Romário e Ronaldo, com a camisa 9 da seleção, foi, é e será, sempre, um Bonde, Grosso, Trombador, muita força física e nenhuma técnica. Em tempos de vacas magras (Copa 2010, Luís Fabiano; Copa 2014, Fred) ele pode até servi. Acho que, quem deve rever conceitos, não são as pessoas que viram sua partidas na copa 2014, sofríveis, para dizer o mínimo.

    Eu acredito que o Brasil não perdeu nada com a escolha dele pela Espanha. Na copa de 2018, ele será reserva, ou não estará nem entre os 23 convocados.

    Vou guardar este post, se Deus quiser (Digo, estarmos vivos até lá) voltaremos a ele. Esteja eu, certo ou errado.

    Abraços.

    AK: Não me atrevo a prever o futuro. Fico com o desempenho que vi e vejo. E descarto a antipatia. Um abraço.

    • Nilton

      Silva, REALMENTE aquela arrancada do meio de campo, a matada de peito, e a finalização de cobertura do final de semana é coisa de “Bonde, Grosso, Trombador, muita força física e nenhuma técnica”.

  • Paulo Pinheiro

    O que explica a eliminação nas quartas de final do Cruzeiro na Libertadores?

    Resposta: bons em prova de resistência não são necessariamente bons nas provas de nervos e coragem (pra mim: qualidades que também definem um campeão).

    Exatamente o mesmo motivo do Cruzeiro não ter passado pelo Flamengo ano passado na Copa do Brasil.

    Eu ainda gosto de finais justamente porque corrobora um campeão. Isto porque eu vi um timaço que nós tínhamos em 1982 cair por falta de nervos no lugar. Desde então me interessam mais os atletas “copeiros” do que os “campeonateiros”. Os que não têm nervos e foco pra enfrentar uma final e corroborar sua superioridade não nos serão úteis numa Copa do Mundo.

    Mas opiniões são opiniões e todas devem ser respeitadas.

    AK: Opiniões não são fatos. O Corinthians ganhou o Campeonato Brasileiro em 2011 e a Libertadores – invicto – em 2012, com praticamente o mesmo time. Um abraço.

    • Charles

      Foi campeão invicto da Libertadores, mas poderia ter sido eliminado invicto também, caso Diego Souza tivesse feito aquele gol.

      AK: 1) Cássio defendeu o chute. 2) Isso muda alguma coisa?

      • Charles

        Não muda nada amigo.
        Mas foi mais gol perdido do atacante do que defesa do goleiro.

        AK: Além de não mudar nada, quem calcula esse “mais”?

        • Charles

          Todo VASCAÍNO !

          AK: Ah, ok. Já conversei com muitos jogadores sobre aquele lance. As opiniões são surpreendentes.

    • Paulo Piheiro

      Por isso usei o termo “nao necessariamente”. Nunca afirmei que quem ganha campeonato nao vence mata-mata. So estou dizendo “nao necessariamente”.

      PS: naquela Libertadores o Corinthians ganhou carta branca pra baixar o sarrafo no Neymar e por isso passou da semifinal. Mas nao e esse o assunto em questao.

      AK: O futebol teima em não aceitar imposições. Tremendo exagero no seu PS.

  • Marcel Carvalho

    PACHECOS…
    O Henrique é o artilheiro do Br 14. Josiel, Washington, Dimba, todos foram artilheiros do BR. Isso os faz (ou os fez) dignos de uma convocação? Não !! Fazer gols é a obrigação de um atacante e ponto. Diego Costa faz gols? Sim! Isso o torna selecionável? Não, na minha opinião , não. Os argumentos de quem o apoia (como parece ser seu caso) só tem alguma força pela celeuma causada por sua naturalização e escolha de jogar pela Fúria ! Uma coisa meio “olha o que perdemos”, somando a isso a antipatia qse unânime a tudo que a CBF faz ou não faz ! Isso é claro ! Diego Costa é grosso! Careca, Romário, R9……é, o futebol brasileiro realmente anda muito mal das pernas. Achar que que o Diego Costa é digno de aplausos é demais para minha cabeça ! Se eu o acho traidor da pátria? Claro que não ! Só o acho grosso mesmo !

    AK: Equívoco. Lamento que seja demais para a sua cabeça.

    • Nilton

      André, explica o que Diego Costa significa, é a mesma coisa de tenta mostrar porque o Hulk foi convocado por Mano, Felipão e Dunga. O cara joga na Europa faz tempo, é observado por diversos times, suas negociações rende milhões de Euros, mas para o torcedor brasileiro bom mesmo é o Valdivia, o Fabuloso, o Jobson, o Pato, Rafael Moura e demais “craques” do time de coração.

      • Cleibsom Carlos

        O futebol europeu, apesar de bem organizado no grandes centros, é um campo aberto de lavagem de dinheiro. Tentar justificar a “categoria” de algum jogador tendo como base o seu valor de mercado no velho continente é, para ser educado, ingenuidade. Diego Costa é um centrovante trombador, grosso e equiparável a um Jardel da vida, aquele que era do Grêmio e que acabou de se eleger deputado. O técnico espanhol, que não é bobo, sabe que o brasileiro só tem lugar na Espanha se o estilo de jogo da fúria for mudado e que, dada a “categoria” do jogador envolvido, o esforço não vale à pena…

        AK: Seu histórico de comentários mostra a tentativa de ser, digamos, um polemista. Cuidado para não se expor ao ridículo. Jardel teve carreira pouco expressiva na Europa.

        • Cleibsom Carlos

          Ak, de polemista eu não tenho nada! Cansei de ver jogadores de características similares que tiveram carreiras completamente diferentes. O fato de Diego Costa estar tendo mais sucesso na europa do que o Jardel jamais teve não significa que aquele é “obrigatoriamente” melhor do que esse. Este raciocínio raso me lembra dos infelizes que acham o Romário melhor do que o Zico apenas porque o baixinho foi campeão do mundo com a seleção brasileira e o galinho não. Se a simples atitude de expressar minhas opiniões me expõe ao ridículo, como você diz, somente porque, digamos, elas diferem da maioria, que assim seja!

          AK: Então é mais grave, porque você prossegue se expondo. Romário e Zico jamais deveriam ser comparados, em nenhum aspecto, porque são jogadores totalmente diferentes. Diego Costa e Jardel têm a mesma posição e, por isso, é perfeitamente razoável comparar suas carreiras na Europa.

          • Cleibsom Carlos

            Nas discussões inúteis das mesas redondas dos “melhores jogadores brasileiros de todos os tempos” o baixinho é quase sempre colocado na frente do galinho pelos “especialistas” pelo fato de ter sido campeão do mundo com o Brasil, o que eu acho uma idiotice. Se você nunca viu uma dessas discussões certamente muitos dos seus leitores já viram. No que se refere ao Diego Costa, talvez eu tenha me expressado mal ou você não entendeu meu raciocínio. Citei apenas que o fato de um jogador ter mais sucesso na europa do que outro na mesma posição não siginifica “obrigatoriamente” que um é melhor do que outro. Continuo com a opinião de que o Diego Costa é um grosso de marca maior que teve muita sorte na vida!!!Acho que posso tê-la, não? Para terminar: Diego Costa caminha para ter mais sucesso na europa do que o grande Careca…Pela sua linha simplória de raciocínio logo aquele será melhor do que este!

            AK: Você pode ter a opinião que bem entender. Mesmo que insista em não entender nada. Repito: cuidado com a exposição ao ridículo (como sua referência ao Careca, um dos melhores atacantes da história). Paramos aqui.

      • Marcel Carvalho

        Nilton, vc é, no mínimo, contraditório , seus argumentos são fraquíssimos ! Vc citou o PATO, certo? Vamos ao quesitos que vc listou :1- “O cara joga na Europa faz tempo”- o Pato jogou na Europa por tempo considerável ! 2- ” é observado por diversos times” – o Pato era observado por diversos times da Europa ; 3 – “suas negociações rende (sic) milhões de Euros” – O Pato foi contratado por 15 milhões de Euros !! Ou seja, ele está dentro dos quesitos que vc listou p/ defender que o Diego Costa é um grande jogador!! Mas pera aí….vc não acha Pato um perna de pau ( eu tb acho, acho ele fraco)??? Então meu amigo, jogar muito tempo na Europa, valer milhões e ser observado por alguns times não faz de ninguém um craque indiscutível. Se é do seu gosto o Hulk e o Diego Costa, eu respeito sua opinião mas me apareça com argumentos plausíveis ! Diga apenas que gosta de atacante trombador, fica mais simples!

        • Nilton

          No comentário anterior não perdi tempo fortalecendo os argumentos, os nomes citados foram jogados ao vento sem importar muito suas trajetórias passada e sim atual situação, já que a intenção era apenas avisa o André que ele não vai convencer quem acha o Diego um trombador (como a conversa com o Cleibsom provou meu ponto de vista).

          Agora voltando a minha opinião dar para ver que ela foi fraca mas não contraditória, se você pegar as trajetória do Pato, vai ver que ele atingiu o ápice em 2 ou 3 anos após chegar em Milão e depois devido as contusões foi apenas lampejos (lembro de um jogo contra o Barça em que ele entrou e conseguiu arrancar um empate), e nos últimos anos é apenas uma sombra daquele garoto que arrebentou no Inter-RS. Se medi o tempo dele na Europa vai dar 1/4 entre “enfermaria”, recuperação e ferias.

          Não lembro de ouvi, nos últimos anos, algum time grande ou médio fazendo proposta para comprar o Pato. O destino dele era ficar em Milão, Leste Europeu, Asia ou Brasil.

          O Corinthians pagou os 15 Milhões apenas porque achou que o problema do Pato seria as contusões e que depois de curado, como ele já tinha historia na Europa, poderia vender ele por uns 20 a 30 milhões além de aproveitar o seu rendimento/experiência dentro de campo.

          Hoje o Corinthians paga metade do salario dele para jogar no maior rival. Não me parece ser a trajetória de um grande jogador que esta em ascensão e é observado por grandes times.

          Com relação ao Diego Costa os últimos anos a trajetória dele é ascendente, saiu de um time pequeno da Espanha, se tornou Campeão Espanhol (deixando para trás Real e Barça), vice da Liga dos Campeões, se transferiu para um grande time e hoje o time dele é lider de numa das 2 melhores ligas do mundo e tem uma média de 1 gol por jogo (fora o golaço do final de semana).

          Também não acho o Diego Costa e o Hulk craque indiscutíveis, porém é evidente que os mesmo estão bem valorizados na Europa e isso não tem como discutir. O último jogador com o estilo parecido com os dois que foi considerado craque foi o Adriano e isto somente até 2006.

MaisRecentes

São Paulo joga, Corinthians soma



Continue Lendo

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo