COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

CLAREZA

Se estivesse preocupada com a lisura do Campeonato Brasileiro e o correto entendimento das decisões tomadas por seus árbitros em campo, a CBF teria agido durante esta semana. Com dois objetivos: reforçar as orientações aos apitadores no que diz respeito à polêmica do toque de mão na bola, e explicar à indústria do futebol brasileiro o que está certo e errado neste episódio.

O segundo objetivo é o mais simples. Bastaria que o chefe da arbitragem nacional, Sérgio Corrêa da Silva, convocasse uma entrevista coletiva para demonstrar o que mudou na interpretação desse tipo de lance (mais sobre isso adiante), quais são os novos conceitos que árbitros devem considerar, quais foram os erros e os acertos cometidos nas últimas rodadas.

O primeiro objetivo, mais importante e urgente, também é o mais complicado. Mas não faltam recursos e estrutura à CBF para organizar reuniões com os juízes envolvidos na rodada deste fim de semana. Os dez árbitros que estarão em ação hoje e amanhã deveriam ter sido chamados ao Rio de Janeiro e submetidos a um encontro com instrutores, para que as interpretações da regra fossem repassadas e todas as dúvidas, dirimidas. Tal providência, entre outros benefícios, faria descansar a suspeita de que nossos apitadores “não entenderam” as instruções da FIFA.

Que não reste dúvida: o seminário realizado em agosto, ministrado pelo ex-árbitro uruguaio Jorge Larrionda, apresentou novas orientações sobre o toque de mão na bola. Por conta da impressão de que “qualquer contato deve ser marcado” (um erro, sempre), deduziu-se que a nova leitura diminuiu o campo da interpretação, quando na verdade se deu o contrário. No “sistema novo” – usando as palavras de Corrêa da Silva –, os árbitros devem ponderar mais aspectos antes de decidir. Se o jogador de defesa quis ou não disputar a bola, se correu ou não o risco de tocá-la com o braço, ou se poderia ou não ter tirado o braço da trajetória são alguns dos pontos a ser observados. Quando a dificuldade aumenta, equívocos a acompanham.

O problema é que a CBF não está preocupada com os temas que convulsionaram o BR-14 nos últimos dias. Se muito, quer enterrá-los o quanto antes. A declaração de Corrêa da Silva responsabilizando “a mídia” por uma polêmica que pode produzir mais erros de arbitragem revela o nível de ficção com o qual temos de lidar. Não fosse o questionamento, não haveria necessidade de esclarecimentos. Do ponto de vista de quem prefere as coisas transparentes, lógico.

É certo que as medidas sugeridas aqui não foram nem mesmo ventiladas por quem deveria tomá-las. Aos árbitros que trabalharão neste fim de semana, a CBF apenas pediu firmeza na aplicação dos conceitos atuais sobre lances de toque de mão. A tradução feita por quem estará exposto uma vez mais é automática: falhem menos. A partir de agora, espere uma ocorrência maior de casos de pênaltis que acontecem e não são marcados. Esse tipo de erro é considerado menos grave do que o inverso.

NÃO PODE SER SÉRIO

Para adicionar insulto à infâmia, Sérgio Corrêa da Silva disse o seguinte ao SporTV (sobre a utilização do recurso de vídeo para auxiliar a arbitragem no futebol): “Vai acabar com a discussão e o futebol vai ficar muito chato. Vai tornar o futebol mais justo, mas vai perder a graça”. Uma barbaridade como essa deveria ser suficiente para demissão imediata.

TRANSFORMAÇÃO

A decisão da FIFA de que apenas clubes podem ser donos de direitos econômicos de jogadores de futebol, regra a ser aplicada após um período de “adaptação” de três ou quatro anos, deve ter um impacto transformador no futebol brasileiro. Se não permitir desvios, beneficiará a boa gestão ao impedir que empresários/investidores se tornem controladores de clubes mal administrados. Hoje, o futebol brasileiro é viciado nesse gênero de operação, em que os clubes, desesperados, se capitalizam ao ceder fatias de jogadores.



MaisRecentes

Roteador



Continue Lendo

Gabriel Gol, 22



Continue Lendo

Moeda no ar



Continue Lendo