COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

VER-GO-NHA

Émerson Sheik está certo. O que o atacante do Botafogo disse diante de uma câmera de televisão, saindo do campo no Maracanã, corresponde à verdade. Não vamos nos ater aqui ao onde, ao quando, ao como ou ao por que, apenas ao o quê. E também não daremos mais atenção do que merece a declaração de Carlos Eugênio Lopes, diretor jurídico da CBF, que comentou – ao repórter Martín Fernandez, do globoesporte.com – as palavras de Sheik dizendo que “a vida dele não é exemplar”.

Escapismo e preconceito em níveis elevados no comentário de Lopes, a quem convém questionar: por que a vida de Émerson Sheik não é exemplar? A vida de Ricardo Teixeira, ex-chefe do advogado na CBF, é exemplar? A vida de Marco Polo Marin, figura atemporal a quem Lopes hoje obedece, é exemplar? É obrigatório ter uma “vida exemplar” para exercer o direito constitucional de se expressar?

De fato, a CBF é uma vergonha. Uma vergonha como mantenedora do futebol no Brasil, onde conta dinheiro diante dos pobres clubes – e aqui estamos falando dos mais “ricos”. Onde atua como célula principal do modelo feudal de gestão que é replicado pelas federações, um sistema que troca benesses por poder e tem como único objetivo mantê-lo por toda a eternidade, em detrimento do avanço do esporte no país.

Uma vergonha como organizadora do calendário de competições, que provoca e ignora o desemprego em massa de jogadores de futebol ditos profissionais, ao não permitir que a maioria dos clubes brasileiros mantenha-se em atividade durante toda a temporada. Que não se preocupa com a qualidade do jogo que é oferecido ao público que o consome. Que desvaloriza os próprios torneios ao fechar os olhos para o conflito entre eles e os compromissos da Seleção Brasileira, privando os clubes de seus principais jogadores em momentos importantes.

Uma vergonha como gestora da Seleção, ao tratá-la como garota propaganda caçadora de cachês, um time que se apresenta em qualquer lugar, contra qualquer adversário, desde que receba o depósito. Ao não investir na recuperação de uma maneira própria de jogar, única forma de resgatar o verdadeiro motivo de existência de algo que receba o nome de Seleção Brasileira de futebol. Ao entender o epitáfio do Mineirão como um acidente e não aproveitá-lo como origem de um processo que garanta que tragédia semelhante jamais se repetirá.

A CBF é uma vergonha até para fazer gentilezas, como comprova a farra dos relógios distribuídos para membros do Comitê Executivo da FIFA, proibidos de aceitar presentes de alto valor. De acordo com um comunicado da entidade máxima do futebol, a confederação brasileira informou que os relógios custaram US$ 8.750, 00 cada, mas o mercado revelou o triplo desse montante. Os dirigentes agraciados foram chamados a devolver as peças. A gafe não esconde um feito: a CBF fez a FIFA parecer uma entidade zelosa com a ética de seus membros.

Émerson Sheik está certo. A CBF é uma vergonha.

IMPECÁVEL

Exemplar, sem dúvida, foi a postura de Aranha em suas duas visitas à Arena do Grêmio. No que fez, no que disse e no que se recusou a fazer. O comportamento de quem o vaiou revela o preconceito indisfarçável e a lógica perversa dos iluminados que optam por culpar a vítima. Como se Aranha, ou as mulheres que sofrem violência sexual, escolhesse passar por esse tipo de situação. As vaias revelam, também, o sucesso da punição imposta pela Justiça Desportiva. Não fosse a pena recebida pelo Grêmio, o goleiro do Santos seria novamente alvo de ofensas racistas no mesmo local. Quanto a quem, por completa ausência de educação e princípios, insiste que Aranha provocou alguma situação, só há uma opção: manter sufocado o grito de macaco e lidar com a própria sujeira. É desanimador, mas uma sociedade que pretende avançar precisa enfrentar esse efeito colateral.



  • Marcelo Santos

    Esse é o racismo brasileiro, que contesta a existência do preconceito e nega ao negro até mesmo o direito de se sentir ofendido. Não sei onde li essa definição, mas achei perfeita.

  • CBF, organizadora de corrupção, falcatruas e escândalos; menos do Futebol Brasileiro.
    Essa entidade trata-se de uma máfia organizada que deixa PCC e Comando Vermelho no chinelo! Não define um calendário viável para os clubes grandes, o que excede números de jogos em diferentes competições, ainda coincidem com datas FIFA para a convocação de Seleções. Não bastasse isso, os pequenos Clubes são esmagados pela falta de jogos e competições, o que leva bons esquadrões como o do Ituano a serem desmontados, ou por seus melhores jogadores migrarem para equipes da Série A do Campeonato Brasileiro. A CBF não busca patrocínio ou outro meio mantenedor para essas equipes; resultado: Clubes como Guarani, Ponte Preta, Bragantino, São Caetano, Bangu, América do Rio e outros tantos que se mesclavam entre a Série A e B, inclusive já disputaram finais do Campeonato Brasileiro e até conquistaram títulos nacionais (Guarani e Santo André), hoje estão praticamente falidas, esquecidas, perdidas nas séries B,C e até D do Campeonato Brasileiro. Os Clubes grandes também não equiparam um pouco as cotas televisivas com estas equipes menores, que devido seu fraco desempenho nas competições não criam uma identidade com suas torcidas já pequenas. Os Clubes que sobem para a série A oriundos da série B, fatalmente retornam à esta respectiva divisão, não conseguem se manter na Série A. Enquanto isto, vários bezerros corruptos vão mamando nas tetas fartas da CBF; enquanto eles enriquecem, o pobre futebol brasileiro vai empobrecendo a cada ano. Os 7 a 1 não ensinaram nada para eles, continuamos sendo o futebol glorioso que um passado distante nos deixou. Prevejo capítulos mais tenebrosos enquanto esses canalhas continuarem “organizando” nosso futebol.

    • José Henrique

      O fato dos jogadores do Ituano, pertencerem a “donos” outros que não são clubes, é o fator determinante pra tudo o que vc. apontou.
      Entretanto, parece que mexer com “empresário” dono de jogador é tabu.
      Clubes falidos, e gente rica com mais jogador e dinheiro que clubes, esse é o resultado dessa legislação absurda que matou o futebol brasileiro.
      Impressionante a omissão dessa questão nos debates esportivos, na midia.
      Parece que concordam com esse estado de coisas.Desanimador.

      • Rafael

        De acordo.
        A legislação tem que ser revista e atualizada. Óbvio que não se pode voltar a lei do passe, mas tem que se achar uma fórmula para a preservação dos clubes.
        Muitos falam que “os clubes tem que ser bem administrados”. Trata-se de um simplismo, o ambiente é muito desfavorável.

        AK: Simplismo é colocar a culpa na legislação e ignorar que o ambiente é o mesmo em outros lugares. Os problemas do futebol brasileiro são primordialmente de gestão, algo que os torcedores de dirigentes não conseguem enxergar. Um abraço.

        • José Henrique

          André. Me desculpe. Empresário está nadando de braçada, enquanto os clubes morrem a míngua.
          A legislação precisa sim ser revista, e os donos de direitos econômicos tem que dar a sua contribuição sim.
          Exige-se tudo dos clubes, até obras sociais, e deles nada. Não é justo com as equipes. Evidente que dirigentes de clubes se aproveitam e aliam-se a esses “investidores”.
          Então, mais ainda que se justifica limitar as ações desses últimos.

        • Rafael

          Andre,
          Não direcionei a você. Mas nesse ambiente nem o Lee Lacocca daria jeito.
          A legislação tem que se revista sim. Não só na área da lei do passe mas principalmente na área tributária e de regulamentação de direito de propriedade.
          Veja o sistema tributário Inglês e se acha é similar ao do Brasil, tudo bem, questão de opinião. Qualquer pessoa que já teve que administrar um armazém discordará.
          Também outras empresas tiveram em seu nascedouro o fim lucrativo e clubes de futebol não. Isso não pode ser ignorado.
          Claro que o problema é principalmente de gestão. Principalmente o passivo. Vem de 100 anos de descuido. E como se separa o futebol da parte social? E como um investidor pode passar a ter propriedade sobre o clube? A legislação está pronta para isso?
          Só dizer que tem que administrar bem é em minha opinião um simplismo. Desculpe se ofendo. Quero ver alguém ir lá fazer. Há clubes com dirigentes sérios que não saem do lugar.
          Abraços

          AK: Citei o “mesmo ambiente” em relação à questão dos agentes. É disso que se trata, não? Pessoalmente, sou favorável a uma série de ajustes, como no tocante a quem pode possuir direitos econômicos e negociá-los, por exemplo. A UEFA está agindo nesse ponto e entendo muitos argumentos (conflito de interesses, instrumentos de pressão sobre jogadores e clubes, etc.) como válidos. Também vejo a possibilidade de uma idade mínima para um jogador sair do Brasil como algo a ser discutido, ainda que isso envolva direitos constitucionais soberanos. De todo modo, quem afirma que a legislação “matou os clubes” não conhece o assunto e está fazendo o jogo daqueles que, de fato, colaboram para manter os clubes quebrados. Um abraço.

          • Rafael

            Perfeito.
            Estou de pleno acordo que não foi o que “matou”. Acho que precisa de ajustes, como os que você citou.
            Quando eu falava em ambiente, estava me referindo ao ambiente de negócios no sentido amplo.
            Penso que o futebol Brasileiro precisa de um choque de capitalismo. Nos moldes Americanos, com grupos empresariais, comprando clubes e os administrando. Com uma liga prospera, bem gerenciada pelos donos dos clubes e possivelmente até fechada.
            Talvez muito para a nossa cultura, reconheço. Hoje nem a legislação permitiria nada disso.
            Obrigado pela conversa.
            Abraços!

  • José Henrique

    Gostei da argumentação em defesa do Scheik. Muito bem colocada a questão da ” vida exemplar”.
    Quanto ao caso Aranha, acho que os torcedores foram burros. Afinal, a cera do Aranha que os irritou, foi até esquecida. Ou seja uma atitude anti desportiva, que é a cera, mirrou.
    A raiva pela derrota os induziu a um erro de avaliação, ao entrarem em comportamento de gado.
    O negócio na copa do Brasil agora, é escalar goleiros negros.
    Classificação garantida.

    • Alisson Sbrana

      Achei seu comentário, no mínimo, esquisito.

      A tal cera pode ser coibida pelo juiz. Não me lembro muito de o Aranha ter feito cera no primeiro jogo. E duvido que foi isso que irritou os torcedores. Deveriam se irritar por perderem gols, mas investiram o ódio do jogo na grotesca manifestação de racismo. No jogo do campeonato brasileiro apenas confirmaram a cultura.

      Perdoe-me, mas “escalar goleiros negros” foi uma péssima ironia. Muito parecida com a atitude gremista no campeonato brasileiro.

      • José Henrique

        Ué Alisson??? Escalar goleiros negros sim. Por que não?
        Sempre existe a possibilidade de contarmos com torcedores idiotas que desclassifiquem nossos rivais.
        A punição com desclassificação não tem objetivos profiláticos na sociedade?
        Então. Instrumento legitimado nas circunstâncias atuais é prá ser usado.
        Quem sabe os brancos melhorem, e acabemos com essa mania inclusive de substituir o hino brasileiro por hinos do próprio estado?
        Ou talvez coro festejando morte de um jogador?

      • APARECIDO

        A cera ou o anti jogo poderiam ser resolvido se o tempo fosse cronometrado, igual o que acontece no futsal e basquete, calcularia-se uma media, 30 minutos de jogo e pronto, acabaria com essa historia de jogador toda hora caindo e pedindo maca, demora nas substituições, demora na cobrança de faltas, que as vezes chegam até dois minutos de paralisação e no final acrescenta-se 1 ou 2 minutos no tempo, não de bola rolando.

    • Rodrigo – CPQ

      É isso aí. Só tem o Aranha de jogador negro fazendo cera. Lógico. Nenhum outro faz, por isso não são chamados de “macaco”.

      Fala sério: seu texto foi irônico, não foi??

      • José Henrique

        Evidente que escalar goleiro negro é ironia. Ou você acha que eu falava sério?
        Agora, se está difícil para entender a ironia, paciência.

  • Joao CWB

    O André está afiado hoje (pra variar)

    Ótimo texto. Acredito que estamos testemunhando o Kfouri “aprendiz” superando o Kfouri “mestre”.

    Abraço

  • RENATO77

    “…só há uma opção: manter sufocado o grito de macaco e lidar com a própria sujeira. É desanimador, mas uma sociedade que pretende avançar precisa enfrentar esse efeito colateral.”
    Sem mais, um abraço.

  • Emerson Cruz

    E se o Sheik tomar um gancho apenas pelas palavras ditas, a CBF/STJD apenas darão mais razão ainda ao que disse o jogador do Botafogo.

  • Fabio

    Andre, só um comentário: não acho que a CBF trate a seleção como “garota propaganda”, diria que está mais para “garota de programa”

    AK: Antepenúltimo parágrafo deste texto: http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2014/07/20/coluna-dominical-262/
    Um abraço.

  • Edgard Cruz Coelho

    Excelente texto. A conclusão maior disso tudo é a de que a “liberdade de expressão” foi cerceada por muitos anos na época da repressão e somente foi reconquistada após muita luta. Quanto a dupla Marin/Marco Polo, sem comentários, deixo para cada um tirar suas conclusões….

    • Rodrigo – CPQ

      Edgard, quado o Ricardo Teixeira saiu da CBF e o Marin assumiu, me lembro de ter uma sensação parecida com algo como “putz, parece que tiraram um mafioso de Hollywood e colocaram um malandro das pornochanchadas”. Acho que é por aí mesmo. A roubalheira continua, só mudou o estilo do ator…

  • Robert

    Andre, Poucas vezes vi bairrismo tão d escarado no futebol brasileiro. O técnico argentino chega, só indica contratacao de argentinos e o clube vai na onda e traz os caras (R$ 25 milhoes por um b ando de perna s d pa u diga se de passagem)… agora, os resultados nao estao surgindo ficando o clube brasileiro absolutamente refe m dos g ringos e do tec g.ringo (garec.a tera salarios pagos até jun / 2015!) Como ja ouvi dizerem por aqui pelo rj: m orrendo e aprendend o
    A bizarrice deste projeto portenho palmeirense é q ao ocupar posições estratégicas (meio/ataque) c/ gringos o clube está abrindo mao de revelar talento no futebol brasileiro, e consequentemente à seleção. se a moda pega…Qualquer semelhança c/ premier league inglesa não será coincidência: clubes nacionais cheios de gringos, seleção inglesa medíocre. Outra: qual o sentido de tocar o hino nacional brasileiro antes dos jogos do palmeiras? O + correto seria tocar o da argentina, concorda?

  • Cleibsom Carlos

    A atitude do Sheik cheira a ARMAÇÃO e HIPOCRISIA! Posso estar enganado mas acho que, como o Botafogo não paga o salário de ninguém, o cara fez o que fez de propósito para pegar um gancho pesado e não ter de trabalhar sem receber…( E o pisão do Valdívia no jogador do Flamengo se enquadra na mesma situação! O chileno, apesar de receber em dia, não quer mais jogar no Palmeiras e fará de tudo para não entrar em campo. Quero ver até onde o meu verdinho(antigo verdão) vai aguentar!) Que a CBF não merece o mínimo respeito e está levando o futebol brasileiro à falência nós todos sabemos, não precisa vir o Sheik com seu falso moralismo estérico nos “alertar”. Nesta pretensa “revolta” eu não caio, não!!!!

    • Glauco

      André sou fã do seu pai há muito tempo e pelo jeito você ganhou mais um admirador , o velho está fazendo escola, parabéns.
      Robert a bizarrice é ainda maior se pensarmos que podem jogar apenas 3 gringos e trouxeram 10. Apesar de corintiano, sou fanático pelo futebol bem jogado com craques e treinadores que instruem o time para fazer o gol e não apenas evitá-lo.
      Quanto à diretoria da CBF, basta lembrarmos o episódio onde o Marin afana a ,medalha do garoto na final da Taça São Paulo.

  • Thiago Mariz

    E sobre a jovem que teve a vida destruída por causa do caso Aranha: nenhuma linha, André?

    AK: Escrevi bastante a respeito do caso. Da mesma forma que critico quem tenta transformar vítima em culpado, não concordo com o processo contrário. Um abraço.

    • Alisson Sbrana

      AK, caro amigo.

      Não nos conhecemos pessoalmente. Temos quase a mesma idade (acho que sou mais velho, mas sem barba igualo). Temos a mesma profissão (embora exerça pouco e fique tentando o cinema) e torcemos por times diferentes. E gosto muito do seu blog, muito ao ponto de me “auto-enquadradar” naquele tipo que alguém nominou aqui muito bem de “torcedor de blog”… E digo que às vezes é mais pela literatura do que pela informação. Nem sei a quanto tempo o acompanho, mas acho que já tem mais de ano. Divirto-me com os negritos.

      Enfim… Escrevi tudo isso simplesmente para dizer que acho, acho mesmo, que encontrei sua resposta mais brilhante entre tantos e afortunados negritos. Abraço.

      AK: Obrigado pela companhia. Um abraço.

    • Thiago Mariz

      Então a culpa de ter a casa incendiada é da moça?

      Como a mulher que é culpada pelo estupro por causa da roupa?

      AK: Leia o que está escrito, por favor. E a relação que você fez está totalmente equivocada.

      • Thiago Mariz

        “AK: Escrevi bastante a respeito do caso. Da mesma forma que critico quem tenta transformar vítima em culpado, não concordo com o processo contrário.”

        Não concorda com o processo de tentar transformar quem é culpado em vítima. Disso, deduzi que estou tentando transformar a culpada em vítima. Se foi isso que você quis dizer (e é o que dá pra tirar da sua afirmação), existe um erro aí. Ela foi, sim, culpada de injúria racial e deve responder judicialmente por isso. Contudo, não acredito que ela seja culpada também por ter tido a casa incendiada por pessoas tão, ou mais, intolerantes que ela. Então, não estou tentando transformar a culpada em vítima, estou mostrando que, na situação em que você escreveu “bastante a respeito”, houve um evento absolutamente inaceitável. Considerando-se que você deu bastante atenção ao caso Aranha, era de se esperar que houvesse alguma repercussão sua acerca do que aconteceu com a menina. Não houve. Poderíamos pensar que fosse porque o caso já passou e você não quisesse mais falar disso. Não é o caso, já que você deu atenção ao novo encontro da torcida do Grêmio com Aranha. Mais uma vez, nada sobre a menina. Por que a seleção de fatos, André?

        E reformulo a minha pergunta: ela é culpada pela injúria racial, mas você sabe muito bem que me refiro ao fato de a casa dela ter sido incendiada. Ela é culpada por isso também?

        AK: E você sabe muito bem que ela não é culpada por isso. Por que a seleção de fatos? Porque selecionar fatos faz parte da minha obrigação, que é escrever primordialmente sobre o que se passa no âmbito esportivo, como as duas visitas de Aranha à Arena do Grêmio. E porque o criminoso que pôs fogo na casa da moça racista foi protamente identificado e detido para responder pelo crime que cometeu. Por fim, você está, sim, tentando transformar a culpada em vítima. Não espere que eu colabore.

  • Alan Bezerra

    A CBF é uma lástima, é verdade. Mas é sempre importante lembrar que que mantém isso funcionando são os clubes. Enquanto não contarmos com clubes de futebol que sejam independentes da Globo financeiramente (eu prefiro ver meu time, no caso o Palmeiras, jogando a Série D do que vê-lo na A capengando e eternamente dependente do dinheiro global) e tenham a capacidade de se juntar em uma liga.

    Caso isso não venha a ocorrer, o que aconteceu no Mineirão é só a aplicação da mais forte lei da natureza: a sobrevivência do mais forte, do mais apto.

    O futebol brasileiro está entrando em extinção em termos de relevância mundial. E só vê isso quem não quer.

    AK: De acordo. Um abraço.

    • José Henrique

      Tudo bem. E a liga? vende os direitos para qual TV.? Ou não teremos mais jogos pelas Tvs.?

    • Rafael

      Perfeito,
      A verba da televisão jamais pode ser a única fonte de renda de um clube de futebol, embora sempre vá ser importante.
      A formação da liga, revisão da legislação e transformação dos clubes em empresas é fundamental. Precisam deixar de ter só patrocinadores e passar a ter investidores, com participação no conselho, na admnistração e capital.
      As vezes eu acho que do jeito que vai a coisa só com intervenção do governo pra mudar alguma coisa.

  • Abel

    Cansados do “nível” do futebol brasileiro? Façam o que fiz: assistir a NFL! Aqueles são jogos que garantem boa diversão! É só começa a assistir e entender que vocês viram fãs! Porque o “futebolzinho” que a TV aberta mostra é, pra ser simpático, uma merda.

  • José Henrique

    Cronometrei hoje. O Linha de Passe, gastou 42 minutos de discussão sobre o lance do toque do Antonio Carlos, no clássico.
    Na semana passada, o mesmo toque do Fagner contra o Flamengo, consumiu exatos 4 minutos e 30 segundos do programa.
    Acho que é uma boa base para discutirmos essa questão de direitos de TV, distribuição de quotas, pagamentos de patrocinadores, jornalistas e profissionais do esporte.

    • RENATO77

      Boa JH!
      Por essas e outras não assisto essa empresa, quase nunca….mas deve ser mania de perseguição nossa….rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs…
      Abraço.

  • Romeu

    AK, o BSFC vem propondo soluções para esses problemas da CBF. O que o Sheik falou sobre o movimento? “Não apoio porque não sei exatamente do que se trata”. Sendo que ele era companheiro de time do Paulo André! Acho que, neste aspecto, ele merece sim algumas vaias, pela alienação.
    Sobre o comportamento da torcida do Grêmio, o Felipão não tem uma boa parcela de responsabilidade, ao discursar sobre a “esparrela” do Aranha?

  • gilmar paganelli

    Parabens. Muito bem colocado. Pena que poucos jornalistas tem a coragem de colocar o dedo na ferida. Por exemplo, poucos jornalistas falam da seleção. Mas continua a mesma coisa, como dante. Acho que a imprensa deveria fazer um movimento, para se rebelar com esse estado de coisa. Assim como na política, o jornalismo esportivo também está órfão de pai e mae. Poucos tem a coragem de botar a boca no trombone. Parabens, pela sua coragem.

  • romildo

    Culpados são os clubes que troca tudo isto por trocados , ele podem tira este ladrão , vamos fazer uma campanha nacional para acabar com com a CBF ,ja foi o tempo agora tem que ser uma liga todos clube tem direito de ganhar igual .

  • José Américo

    Acho que o racismo tem que ser punido severamente, mas até aí, excluir o time pelo que meia dúzia de torcedores fizeram, achei um tanto quanto exagerado e que abre um precedente terrível. Amanhã um torcedor a fim de prejudicar esse ou aquele clube, veste a camisa do adversário e vai no estádio xingar outro cara de macaco, e ai, o time também será banido da competição? Então acho que a exclusão do Grêmio foi muito exagerada, mas a atitude dos gaúchos só mostra o quão racistas eles são. O Aranha foi vitima, não é um coitadinho não, é um puta profissional que no exercício de sua profissão foi ofendido e por mais de uma vez, ele deveria e fez bem em levar o caso pra frente. Já a CBF, não tem nem o que comentar, parabéns ao Sheik pela coragem.

  • Eu queria dizer aos companheiros que estão comentando sobre empresários, que seriam eles, um dos males que aflora o futebol brasileiro, segundo alguns o maior de todos, que, medidas teriam sido implementadas caso estivesse de fato atrapalhando interesses de dirigentes. Não conheço nenhum dirigente que veio a público e mostrou essa matemática, ou como queiram, escândalo. Somente utilizam o assunto, quando há necessidade de se cobrir suas incompetências, suas falcatruas, e mesmo assim de tom ponderado, quase um enunciado(aqui eu recorro a linguística) e não uma crítica, uma denuncia, pois, a boquinha pode cessar.
    O que precisa acabar de vez, é esse status quo. Cartolas de clubes de futebol( Gestão profissional já) de federações (gestão profissional já) CBF (gestão profissional já) STDJ (eliminação já) empresários (sim desde que não interfira no patrimônio verdadeiro do clube que são os jogadores, seja da idade que for) lei pelé (elimina-se essa e vamos criar outra, para contemplar a reestruturação), da forma em que se encontra, juntos, operam magnificamente como uma quadrilha de dar inveja ao mensalão.

  • Julio

    Acontece que o Emerson e´uma boa bisca, mau carater.
    Um homem do calibre dele não tem credibilidade pra criticar nada. tá querendo folga, isso sim. Cavando uma suspensão.
    Ja que vc gosta tanto dele, leva pra casa.
    Era só o que faltava

    AK: “Calibre”? Você parece ter informações, digamos, privilegiadas…

    • Julio

      Hahaha
      Boa, mandou bem.
      dei mole, pedi por essa ai.
      Valeu, gostei do senso de humor.
      Que bom que ainda se pode brincar assim sem ninguem vir chamar de homofobia nao é mesmo?

  • O Aranha não provocou nada para receber o que injustamente recebeu da torcida (sic) do Gremio, como disse aquele que provocou a maior vergonha do futebol brasileiro de todos os tempos , né Felipao ?

  • Eduardo

    boa parte da culpa pelo atual estágio do futebol brasileiro, tanto em campo como administrativamente, é dos próprios clubes que são coniventes com os mandos/desmandos de dirigentes incompetentes pra exercerem as funções, tanto na falta de capacidade intelectual como nas questões ética/moral. e quando digo dirigentes não são somente os da cbf e federações mas tbm e principalmente dos clubes. o problema não é somente no futebol, infelizmente. o mal do país é a mentalidade diminuta, arcaica, provinciana q domina este país em todas as esferas, hj visto a situação política/economica em q estamos.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo