CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

BORRACHA

Antes mesmo da apreciação da assembleia condominial chamada STJD, o caso de Petros já produziu um absurdo que tem tudo para expor o futebol brasileiro ao ridículo internacional. O adendo do árbitro Raphael Claus à súmula de Santos x Corinthians, após ver o lance pela televisão e mudar seu conceito sobre o que houve em campo, pode contribuir para a interrupção da carreira de um jogador por seis meses.

O precedente a ser aberto dependendo da decisão dos humoristas do tribunal é perigoso. Se o “comentário do dia seguinte” for aceito, todos os árbitros brasileiros estarão autorizados a retocar suas súmulas com ajuda do videotape. Faltas não marcadas podem gerar cartões amarelos, amarelos podem se converter em vermelhos, e empurrões que escaparam aos olhos da arbitragem podem se tornar motivos para suspensões de cento e oitenta dias. Calcule o que isso significa.

O noticiário informa que Claus foi orientado a “corrigir” o que escreveu na súmula para evitar que ele próprio fosse punido. Difícil compreender por quê. O árbitro estava de costas, foi abalroado por Petros sem ter ideia do que acontecia, razão pela qual não tinha como julgar se a ação foi proposital ou um acidente. As mesmas imagens que complicam o meia corintiano isentam Claus de qualquer falha. Ele comprovadamente não viu.

Usar o recurso de vídeo para suspender um jogador que deu uma cotovelada na boca de um adversário, em um gesto indiscutível de briga de rua, é uma coisa. Já aconteceu até em Copa do Mundo. Alterar o que está escrito na súmula, extraindo conclusões do replay para modificar decisões tomadas em campo, é uma barbaridade inaceitável.

A ironia desse episódio é a possibilidade de consagrar a tecnologia como auxílio ao árbitro, mas não em questões técnicas, muito mais importantes. Anular um gol de mão inicialmente validado, e mudar o resultado de um jogo, pode ser traumático. Mas ao menos seria justo.

SURTO

Petros cometeu um erro. Encostar no árbitro é um pedido para ser punido. Mas condená-lo como quem agarrou o apitador pelo pescoço e lhe quebrou o nariz com uma cabeçada é brigar com a realidade. Tanto quanto dizer que o encontrão em Claus foi sem querer. Que as excelências estejam em um bom dia e o suspendam por três jogos. E que ele se comporte.

GÊNIOS

O Botafogo é tão bem administrado que, quando apareceu um dinheiro para honrar os salários de jogadores, a diretoria rachou o time entre os que receberam e os que não. Não é espetacular? Sabe-se lá como, os jogadores vinham mantendo um bom ambiente de trabalho, mesmo de graça. Mas a genialidade da cartolagem conseguiu acabar com isso também.



MaisRecentes

Voltando a Berlim



Continue Lendo

Passo adiante



Continue Lendo

Futebol champanhe



Continue Lendo