GANHAMOS



IMG_1950.JPG

Essa foto parece ter sido retirada da cena de um filme. De certo modo, foi.

O filme da conquista da primeira Copa Libertadores pelo San Lorenzo.

Na imagem, o técnico Edgardo Bauza e o vice-presidente Marcelo Tinelli compartilham o troféu, um instante carregado de simbolismo.

Não me aprofundei sobre o conceito de Tinelli – famosíssimo apresentador de televisão na Argentina – como dirigente. Não sei se ele trouxe práticas oxigenadas para o futebol ou se é uma embalagem diferente para o mesmo produto de sempre.

Esta é uma conversa para outro dia.

Hoje o momento é de celebração para um torcedor do San Lorenzo que se envolveu na vida do clube, se tornou dirigente em 2012 e pôde “tocar a Copa”.

A Copa que seu clube esperou por décadas, finalmente entregue pelo técnico que a conquistou, na festa que comemorou a noite inesquecível.

Troféus como o da Libertadores preservam o amadorismo que o futebol perdeu, carregam os sonhos que o futebol continua a proporcionar, armazenam os sentimentos que são mais importantes do que as forças que tentam sufocá-los.

Apesar de tantos pesares, há algo puro e nobre no gesto de erguê-los, na expressão dos privilegiados para os quais esses objetos representam trabalho, sacrifício e ilusão. Não duvide que essas pessoas existem.

A foto acima capta todas as metáforas que fazem o futebol valer a pena.

“Aqui está. É nossa”.



  • José Henrique

    Torci para o São Lourenço. Era humilhado, como #semlibertadores, SL.
    E, como “os humilhados serão exaltados” me levaram ao #nuncaserao.
    Papa Francisco, sabe das coisas.
    Na semana passada, o que diziam?
    “Corinthians é o ultimo do G4″ (essa foi de doer nós úteros rsrsrs”)
    “Pato renasce, e Spfc já se aproxima dos líderes” (aqui é trabalho, meu!)
    “Inter é candidato ao título, e Fluminense sobe”
    “Corinthians tem sorte e vence o Santos”

    Hoje, já vejo muitas conversas sobre “entregadas”, afinal a “sulamericana” é muito mais interessante.

    Não sei se é só o futebol brasileiro que precisa ser repensado.

  • José Henrique

    Está demorando para cair a ficha, que pontos corridos tira a chance de espetáculos maravilhosos como esse do SL, de um Mazembe, e resultados em massa como de ontem na CB.
    Mata mata, é lindo, e justo. Ao contrario do que pregam os copiadores dos europeus.( lá sim, pequeno não tem chance)
    Incrível como os defensores dos pontos corridos tem a visão estreita.

    • Luiz Mello

      Deu para perceber neste comentário o que é ter visão “ampla”.

      • José Henrique

        Nem precisava ler meu comentário para compreender o óbvio.
        Bastaria interpretar o poder de síntese do André, no título do post.”GANHAMOS”.

      • Marcos Nowosad

        Sim, o futebol europeu é forte e empolgante, porque todas as suas competições nacionais são do tipo mata-mata!

        Cada um que aparece aqui…

        • José Hnrique

          Vc. acha que é forte, porque os recursos de lá vem de “origens”…..????.
          Com 25% da população desempregada e ainda tem paga paus prá eles.
          Ou será que você acha empolgante campeonato entre Barça e Real todos os anos?
          Lá um San Lourenzo ficaria campeão?
          Um Ituano levantaria um campeonato espanhol?
          Quem tem medo de mata-mata, está matando o nosso futebol.

          • Marcos Nowosad

            Ninguem tem medo de mata-mata. Tem mata-mata na Copa do Brasil, Estaduais, Libertadores,. etc.

            Quem quer “somente” mata-mata em TODAS as competições é que parece ter problemas com.as diferenças de pensamento.

            • José Henrique

              Medo. De perder para um Mazembe, uma Penapolense, ou um Ituano, ou um Guarani.
              Preferem a premiação pela “regularidade”, ou o time que “menos perde”, não ataca, se defende.
              Por isso desaparecem nossos atacantes, meias habilidosos, e sobram brucutus.
              Visão estreita mesmo.

              • Marcos Nowosad

                Já mostrei que tem mata-mata em TODAS as outras competições nacionais e internacionais que os times brasileiros disputam, menos o Brasileirão. Não falta op

                Mas você parece aquelas crianças infantis que querem que TUDO seja de uma maneira só, aquela que você prefere.

          • José Henrique, o contraponto ao seu pensamento, exposto por Luiz Mello, é menos uma questão de qual sistema proporciona maior emoção, senso de justiça ou qualquer outra coisa, e mais uma amostra de que quem defende o mata-mata para todas as competições do calendário brasileiro fala o óbvio, mas não entende o básico.

            Não trata-se de uma disputa entre justiça e emoção, mas, sim, uma melhor organização para o calendário brasileiro. Pontos corridos fornecem 38 compromissos para todos os times, metade em casa, facilita o planejamento de clubes, permite a venda de ingressos antecipados e mais uma série de fatores relevantes. E, além disso, o futebol por aqui não resume-se a isso. Há também fórmulas mata-mata, como Copa do Brasil, Libertadores e Sul-Americana.

            A plataforma para que os clubes brasileiros (pelo menos aqueles que pertencem a divisões relevantes) já existe. Não é inteligente discutir isso pois há tempos não é mais “justiça x emoção”… É “evolução x retrocesso”.

            Deveríamos gastar nossas energias em questões que realmente importam, como a melhor gestão dos clubes, a democratização da CBF e derivados, para justamente tornar realidade todas as oportunidades que o fato de a principal competição nacional da temporada ser disputada em pontos corridos.

            • José Henrique

              Os pontos corridos faliram, e ninguém percebe. Está aí o Ibope para mostrar.
              Fala-se muito em espanholização, sempre citando Corinthians e Flamengo, porém quando um sistema (pode até ser misto) põe em cheque a posição de “alguns grandes”, é bombardeado. Se isso não for medo de enfrentar um pequeno não sei o que é.
              Pontos corridos, beneficia clubes grandes. Isso é “espanholização”.

            • José Henrique

              Por oportuno, Gustavo. Assistindo o bate-bola da ESPN, o João que é santista estava reclamando que o jogo do Corinthians na vila, foi muito truncado, e que “ele não sabia se era ordem do Mano para não deixar ter jogo”, etc.
              O que ele queria? Em um campeonato de pontos corridos, jogar aberto na casa do adversário, para arriscar a tomar goleadas, e deixar o contra ataque para um time com Robinho, Thiago Ribeiro, Damião, todos jogadores de qualidade?
              E, jogo de mata-mata, o negócio é vencer, e vencer.
              Corridos? Retranca, pontos acumulados, empate fora é vitória, etc.
              Isso que está sendo questionado no futebol brasileiro.
              Pontos corridos é uma dos fatores principais da queda na qualidade.
              Times montados apenas para se manter, não cair, classificar para uma LA, e se der, por sorte disputar alguma coisa.
              Futebol sofrível como esse da Vila, e outros.

              • RENATO77

                Estadual em pontos corridos.
                Nacional com play off.
                Principalmente por uma questão de gosto pessoal.

                Não adianta discutir, apresentar números…todos os lados tem argumentos suficientemente fortes que justificariam adotar um ou outro modelo de disputa.
                O resto é tentar justificar gosto e preferencias pessoais.

                Abraço.

                • José Henrique

                  Renato, na mesma ESPN, vi o Mauro Cesar Pereira lançando uma questão, de como um clube com um orçamento pequeno eliminou 3 clubes brasileiros, sendo que Cruzeiro e Gremio foram os campeões e vice no ultimo brasileiro, além do Botafogo.
                  Isso explica porque os clubes brasileiros não querem mata-mata.
                  Medo.
                  Perder para uma Ponte, Penapolense, Ituano, assusta.
                  Então apoiam os pontos corridos.
                  Nacional poderia ser pontos corridos, mas com play off.

  • Alexandre

    “Troféus como o da Libertadores preservam o amadorismo que o futebol perdeu, carregam os sonhos que o futebol continua a proporcionar, armazenam os sentimentos que são mais importantes do que as forças que tentam sufocá-los.”

    Disse tudo que havia para ser dito, fantástico. Só mudaria o início, que seria assim: “A Libertadores é o único troféu que preserva…”

  • Eddie The Head

    Rapaz,desculpe,mas parece que você,decididamente,não quer mais saber do nosso futebol. Depois de uma quarta espantosa na Copa do Brasil você não posta nada a respeito!

    A zebra passeou livremente,o salto alto foi moda entre os tricolores,e nem uma linha a respeito.

MaisRecentes

São Paulo joga, Corinthians soma



Continue Lendo

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo