COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

SEMÂNTICA DO CALOTE

Na semana em que o Bom Senso Futebol Clube venceu o jogo em Brasília, ao impedir a votação apressada da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, descobrimos coisas interessantes a respeito de dois dirigentes que moldam o estereótipo do cartola brasileiro.

Pouco tempo após a Câmara dos Deputados decidir que a matéria será apreciada em outubro, Maurício Assumpção revelou, despreocupado, que optou por não pagar os impostos devidos pelo clube que preside, o Botafogo. A infâmia só não foi maior do que a de Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians, réu de ação penal por sonegação de cerca de R$ 100 milhões em tributos.

Assumpção confessou que, em nome do Botafogo, se apropriou do dinheiro dos funcionários do clube. Sanchez – junto com outros três dirigentes do Corinthians – está sendo processado por ter feito o mesmo. Ambos, naturalmente, são favoráveis ao refinanciamento das dívidas que ajudaram a fermentar em troca de mecanismos frouxos de fiscalização, como constava do texto que poderia ter sido aprovado na última terça-feira. A derrota parcial da desvergonha também atingiu o ministro do esporte, Aldo Rebelo, que trabalhou nos telefones pela votação.

É obrigatório lembrar que Andrés Sanchez e Maurício Assumpção foram personagens centrais na demolição do Clube dos 13, durante a discussão dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, em 2011. Sanchez sabotou a ideia de negociação em bloco por identificar a influência do São Paulo no processo conduzido por Ataíde Gil Guerreiro, então diretor-executivo da associação dos clubes. Assumpção formou uma espécie de grupo dissidente com os comandos dos outros três grandes do Rio de Janeiro.

O que poderia ser um marco na valorização do produto do qual os clubes são proprietários transformou-se em cada um por si para uns, salve-se quem puder para outros. Corinthians e Flamengo se distanciaram ainda mais em orçamento em relação aos concorrentes, fato que, para Assumpção, deveria ser tão importante quanto o aumento obtido em negociação individual com a televisão. A situação miserável do Botafogo não pode se dissociar da oportunidade que foi desperdiçada por seu presidente, que hoje lacrimeja em ameaças vazias de retirar o clube do Campeonato Brasileiro. Para Assumpção, o único alívio é, por enquanto, não ter a Justiça em seu encalço.

Sanchez e Assumpção qualificam como “opção administrativa” o ato criminoso de sonegar impostos, certos de que a União virá ao resgate com as benesses que garantem as práticas que deixaram os clubes com o pires na mão. A tarde de terça-feira serviu para colocar um pouco de dúvida na agenda da cartolagem, graças aos músculos de uma força que não existia em 2011: os jogadores mais atuantes e organizados da história do futebol no Brasil.

Tem dirigente dizendo que a televisão precisa salvar os clubes, como se ela já não fosse o aparelho que permite que eles respirem. É possível que, agora, ajoelhados, estejam todos dispostos a ficar do mesmo lado da mesa. É tarde.

ATÉ TU?

A crise administrativa é tamanha que até o São Paulo, visto como exemplo de gestão, deve salários e direitos de imagens a seu elenco. É evidente que o fato tem influência no desempenho do time, que joga menos do que pode e demonstra, por vezes, não se importar com isso. Nesse tipo de ambiente, geralmente quem paga é quem tem menos culpa.

SOFÁ

Nada pode ser mais apropriado do que o comando anacrônico da CBF falar na volta da lei do passe. Marco Polo Marin, o ex, atual e futuro presidente da confederação, redefine o significado da palavra “retrógrado” ao enxergar o mecanismo como medida para diminuir o poder dos empresários. Demagogia para desviar o debate sobre a incompetência de quem toma decisões. No aniversário de um mês do armageddon dos 7 x 1, a CBF dá mostras de que a terra continuará arrasada.



  • @Sal_ R9

    Andrés Sánchez explicou que a opção administrativa era atrasar impostos ou atrasar salários, como o São Paulo vem fazendo e também é criticado

    AK: E você acha que as críticas são injustas?

    • carlos macarini

      eu penso que os comentários são tendenciosos, são movidos pela paixão clubista, se o cara é torcedor do time A ele só fala bem quando é alguma coisa boa e esconde quando a coisa é macabra.

    • @Sal_ R9

      Acho que tem que se analisar dentro desse contexto.
      Quando o Andrés assumiu em 2007 a situação era de calamidade e ele teve que fazer escolhas.

      AK: E a escolha foi cometer um crime. Critério interessante.

      • AK,

        Sempre leio seus posts (ótimos, por sinal), mas dificilmente comento.

        Entretanto, como atuo na área do tema deste post específico, vou meter o bedelho na conversa…

        Não tenho (e nem quero ter) procuração do AS.

        Entretanto, SE é verdade o que disse o AS, a opção por pagar salários ao invés dos impostos não é uma opção por cometer um crime.

        Em verdade, isso se chama inexigibilidade de conduta diversa, que é exatamente uma excludente de ilicitude (e não um crime).

        Trocando em miúdos, se a opção foi pagar os funcionários ao invés de pagar os impostos (e, consequentemente, mandar os funcionários embora), não havia outra alternativa a não ser a sonegação.

        Isso é a inexigibilidade de conduta diversa, que exclui o crime, como eu disse antes.

        Além disso, SE é verdade que a dívida está sendo paga, o processo criminal deve ficar suspenso até o pagamento da última parcela da dívida, quando, por força do artigo 69, da Lei 11.941/09, referido processo deve ser encerrado, sem qualquer análise de mérito.

        Espero ter ajudado a ampliar o debate!

        Abs.,

        AK: Obrigado pelo comentário. Volto à notícia da ação penal: a denúncia do MPF, aceita pela Justiça, tem como base auditoria da Receita Federal que apontou “crime de apropriação indébita previdenciária” e “crime de sonegação de contribuição previdenciária”. Os impostos não recolhidos são referentes a pagamento de prestações de serviço, de funcionários contratados, de tercerizados e de empresas. Há juristas que entendem a questão de outra maneira, o que, claro, é salutar. Um abraço.

  • carlos macaraini

    Nossa! o São Paulo todo poderoso também deve? bom se esse time também deve, tá tudo certo, o que não esta certo e esses blogueiros de meia tigela, tendenciosos, não divulgarem a realidade dos outros pseudos grandes do futebol brasileiro. ai tem truta!

    AK: Parece-me que você veio ao blog errado. Um abraço.

    • Clayton

      Carlos, não é o momento de se deixar levar por rancores clubísticos e rebaixar o debate a um nível indigente e tacanho. Raciocine com mais calma, sem vitimização, como se apenas o seu clube fosse mais “perseguido” que os outros.

  • carlos macarini

    ainda não publicaram o meu comentário, provavelmente foi censurado.

    AK: Não foi. Mas, convenhamos, não faria muita falta. Creio que você pode fazer melhor. Um abraço.

  • carlos macarini

    Só rindo mesmo! o blogueiro afirma no seu perfil que não consegue separar trabalho do lazer, é a maior afirmação de parcialidade o que vai contra todos os príncipios do bom jornalismo, IMPARCIALIDADE.

    AK: Imagine a surpresa quando você encontrar um dicionário.

    • Rodrigo – CPQ

      Carlos, perca um tempinho olhando os comentários de outros posts e tente entender como as coisas funcionam por aqui. Há um debate sadio, respeitoso, coisa que inexiste em outros espaços. Não tenho que fazer as vezes da casa, mas incomoda ver pessoas como você chegando querendo ditar regras.

  • Clayton

    A crise é geral. Quando um clube como o São Paulo atrasa direito de imagem (dizem que é de 1 jogador, falam em Pato) e 3 clubes grandes do estado mais rico da federação estão sem patrocínio master (há mais de 1 ano), alguma coisa está fora do lugar. Tem um que se dá o luxo de ostentar patrocínio estatal, porque o contrato previa renovação automática pra esse ano. E depois? No RJ, um mecenas patrocina o Fluminense e depois que ele sair, como fica? Botafogo e Flamengo em petição de miséria. Caso fossem empresas, essas entidade seriam executadas e fechariam as portas.

    O futebol brasileiro é um castelo de areia. O Corinthians, outrora tão elogiado pela gestão, apropriou-se de recursos vultosos que deveriam ser repassados ao Fisco. Além de “opção administrativa” criminosa (haja vista a ação penal), desportivamente foi desleal. É um escárnio.

    Além da crise de credibilidade, o mercado e os clubes não falam a mesma língua. Como os clubes podem se insurgir contra a TV que de fato manda no futebol brasileiro, se ela é credora de todos os eles?

    AK: Sobre o São Paulo: não é só um jogador. Um abraço.

    • Paula

      André, vi uma declaração de que os direitos de imagens são pagos de 3 em 3 meses e que isso é sabido pelos jogadores e acordado. É verdade? O que está atrasado é os 3 meses de direitos de imagens ou 1 mês?

      AK: Como está escrito, salários e direitos de imagem. Um abraço.

  • Juliano

    Ótimo, AK.

    Agora, uma pena que já deve ter aqueles (sabemos quem) que irão dizer que você só escreveu isso tudo porque é “anti”, que é um texto “anti meu clube perfeito do coração”.

    Sanchez é , e adorado pelos torcedores. Vai entender! Nesse país precisamos de mais EDUCAÇÃO e menos PAIXÃO. A estes torcedores recomendamos doses cavalares de discernimento, separar o que é clube, o que é paixão, o que é certo, errado, lei e crime.

    Não dá pra ser conivente com bandido só porque ele é do “meu time do coração”. No Brasil é assim, o pobre vive de assistencialismo, o rico sonega, dá calote, e a classe média paga a conta. Gente que apóia esses cartolas que destroem o futebol nacional, patrimônio cultural de um país, e agora querem dar calote na união. Ah, mas voce é “anti”, AK!

    A ironia é legal que o jogador símbolo do movimento BSFC, por esclarecido que é, estudioso, engajado, veio de dentro do mesmo clube que atuava Sanchez. Não a toa foi transferido. Precisamos de mais Paulos André em todos os esportes.

    Da nota “ATÉ TU?”, daria pra acrescentar o clube para o qual torço, que desde que LAOR se afastou virou uma verdadeira zona. A dívida do time só cresce, existe um racha declarado entre os conselheiros, a direção é medonha. Sem patrocínio master há mais de ano, gastaram os tubos pra trazer o abaixo da crítica Damião. Agora o fazem com Robinho que, vá lá, teve história no clube, tem identificação, e quem sabe seja um investimento de retorno até mesmo pra buscar um novo patrocínio. Mas acho mesmo muito difícil. A diretoria vem colecionando erro atrás de erro, prejudicam o clube, o esporte, quem paga a conta?

    A nota “SOFÁ” é perfeita, a última frase sintetiza com precisão como foi, tem sido, e será!

    Abraço!!

  • Rodrigo

    O ponto é que dirigentes de clube (de A a Z), assim como os da CBF, não querem uma solução, já que ELES são o problema. Querem apenas que alguém tape os buracos que eles mesmos cavam. Aí fica difícil mudar alguma coisa. Ainda não perceberam que, dos 7×1, seis gols nos foram aplicados fora das quatro linhas.

  • Francisco Alves

    A mídia, os jornalistas esportivos e seus analistas estão seguindo o mesmo “modus operandi” da mídia tradicional. Não conta a história do ponto de vista jornalístico. Não vou defender um erro, no caso do Corinthians, mas em relação ao Botafogo, são casos diferentes. Vejam o tamanho do rombo e a a capacidade de pagar. Um jurista paulista chamado Ives Gandra perguntado, estranhou que um processo foi feito em cima de uma dívida renegociada. Acho que é apenas lobby para que seja aprovada a LRF. Eu concordo inteiramente com a proposta do BomSenso. Mas a mídia errou tanto no pré-copa e durante a copa, que embarcou nesse processo de querer “cabeças” a qualquer custo. Em tempo: O jornalismo precisa responder por que uma dívida de 615 milhões de reais de sonegação na compra dos direitos da copa do Japão, não rende uma reportagem sequer, como se a globo, não tivesse culpa no que aí está.

    AK: Os erros – para ser simpático – de Assumpção e Sanchez são iguais. Sua premissa está equivocada. Um abraço.

  • Joao Daniel

    Andre, boa tarde.

    O A.Sanchez disse na ESPN que o Corinthians jã fez uma negociacao com a Receita Federal e estã pagando o parcelamento. Inclusive com juros.

    Este fato nao pode atenuar suas (justas) críticas a esse caso?

    Abraços.

    AK: Não. Minha crítica é quanto à opção por não pagar impostos. Você não acha que a renegociação é uma demonstração de boa vontade, acha? Um abraço.

    • Rodrigo – CPQ

      AK, o João já perguntou o que eu queria saber. Agora, no embalo de sua resposta: a ideia que todos estão tendo é a de que o Corinthians deu calote, está devendo e não vai pagar. Acho que é isso que está pegando: não está claro que a instituição está pagando, e que a cobrança é em cima de uma punição aos dirigentes responsáveis (não falo pelo seu texto, mas pelo que vem sendo divulgado pelos grandes portais).

      AK: Foi feito um acordo para pagar. Um abraço.

      • Paula

        Queria eu deixar de pagar, investir meu dinheiro e depois pedir refinanciamento (descontos e parcelas a longo prazo).

        Tem um monte de gente que faz isso com IPTU!

  • Marciel M.

    1. Devem tudo isso e contrataram o Pato?
    2. Uma das ultimas notas do P. Andre já deixava nas entrelinhas o seu conhecimento sobre o não repasse do IRPF pelos clubes e que uma anistia/parcelamento pode importar em extinçao da punibilidade criminal. Ou seja, já devia saber da situação do AS.
    3. Mesmo o meu Atlético Pr, que há muito tempo tem uma gestão austera quanto a salário de jogadores e principalmente de técnicos (muitas vezes não conseguindo reter nem um nem outro e dependendo sempre de meninos), aparenta estar super endividado por conta da reforma do estádio.

    • Joao CWB

      O Furacão pode estar super endividado por causa da Arena, mas porque ainda nem começou a colher os frutos dos futuros investimentos. (Na verdade ainda mal plantou)

      Temos que ver quanto o clube arrecadará com os eventos que serão realizados no estádio, mensalidades dos sócios, naming rights, etc.

      Muitos criticam o Petraglia por não cometer uma extravagância ou outra de vez em quando. Dizem que não querem superávit, querem títulos. Concordo em parte, mas caso haja uma punição séria contra os clubes mal geridos acredito que o Atlético-PR terá certa vantagem.

      Abraço.

  • Emerson Cruz

    Corintianos que defendem Sanchez e seus asseclas, acordem!
    Estes sujeitos não são maiores que o clube, não há o que relativizar neste caso, eles optaram por cometer uma infração(pensei em usar um outro termo aqui) e devem ser punidos.
    A confissão do ex-presidente em relação aos fatos revelados pela ESPN nesta semana, já é motivo suficiente para que o conselho do clube peça a exclusão dele, e dos demais envolvidos, da vida do Sport Clube Corinthians Paulista.
    No lugar de advogados de dirigente “esperto”, nós, corintianos, devemos questionar se o dinheiro que desviado do pagamento de tributos foi realmente todo gasto apenas com outras despesas do clube (não que isto justificasse a picaretagem) ou algum trocado foi parar no bolso de alguém.
    Lembremos que é Andrés quem administra o estádio em Itaquera, como será que andam as contas por lá?
    E o atual presidente Mario Gobbi, que embora não tenha sido citado no processo, fazia parte da diretoria à época, ele não sabia de nada?
    Uma sindicância interna, independente e isenta se faz absolutamente necessária neste momento.
    Não esqueçamos também que outro envolvido no escândalo, Roberto de Andrade é nome forte a sair candidato à presidência do Corinthians no próximo pleito, o que seria um absurdo.
    Para o bem do Corinthians e do futebol brasileiro pessoas como Andrés, André Luís, Raul, e Roberto e quem mais ainda os apoiar devem sumir deste esporte.

    • José Henrique

      Asseclas? Outro termo? Qual seria.? Ladrão certamente não seria não é, senhor juiz?

  • José Henrique

    Bom, minha conclusão de tudo o que eu li, até daqueles que estão sentindo orgasmos, pela situação do eleito “inimigo publico número 1” pelos mesmos, é que, é absolutamente desnecessária essa lei de renegociação de dívidas, porque o que estamos assistindo,e, vendido como verdade absoluta, os crimes já foram cometidos. Ou não?
    E, ao amigo que chama o Sanchez de e , faltou acrescentar que tem a cara defeituosa, fuma e bebe também.
    Porém, é bom que saiba que ladrão não é. Não se apropriou de um centavo nesse caso.
    Recomendo lerem algumas decisões já proferidas sobre o assunto, para se envergonharem dos adjetivos pejorativos, como adoram rotular pessoas, por mera antipatia clubistica indisfarçavel, por mais que tentem, tem pregado na testa, a letra I.

    • RENATO77

      Interessante …uma acusação de 3 anos atrás vir à tona agora…será que tem alguma coisa a ver com a candidatura do Sanchez a dep. federal pelo PT?
      Deve ser coincidência.
      Abraço.

      • Matheus Brito

        Cara, não vá por esse caminho. Você espera que Sanchez ao ser eleito faça algo pelo país ou pelo Corinthians?
        Eu sou Vascaíno, e posso dizer que achava lindo quando o Eurico batia de frente com todo mundo, com a Globo, com a imprensa, com os outros clubes. Eu tinha meus 16 anos quando o Vasco foi campeão da Libertadores. Nessa época era um time temido, tanto pelo que tinha em campo (Juninho, Felipe, Pedrinho, M. Galvão, Luizão, Edmundo voltou no ano seguinte, enfim.) quanto pela força do seu dirigente fora dele. O Vasco não perdia uma batalha nos bastidores. Adiava jogos, mexia nas tabelas, encerrava jogos quando tudo saia diferente do plano (Vasco e Paraná em São Januário).
        O Eurico fez parte da bancada da bola durante anos. Sempre foi sincero quando dizia que estava sendo eleito para defender os interesses do Vasco. Nós Vascaínos o colocávamos lá somente para isso, atender os interesses do Vasco. Um cara que dizia que não faria nada pelo povo, atenderia somente seus interesses e ainda assim seria eleito deputado federal.
        Sanchez não fará nada pelo Brasil, ou por você ou por São Paulo. Ele atenderá aos interesses dele e no máximo aos do Corinthians, que o beneficiarão depois.
        Meu clube, o Vasco, um gigante que aprendi a amar no gol de Sorato no Morumbi em 1989, está falido, com uma política suja, no pior momento de sua história, e prestes a ver mais do mesmo por muito tempo.
        O Corinthians tem jeito, o Vasco tem jeito. Quem não tem jeito são pessoas como Sanchez e Eurico. Não importa o que você ache que ele fez pelo seu clube, o estrago foi maior do que qualquer estádio que ele tenha construído. Seu clube ser visto como sonegador de impostos, ostentando uma riqueza e solidez que não existem na verdade, nenhum legado pode ser pior que este. Digo mais, esse estádio ainda vai dar muitas alegrias a vocês, mas ainda vai trazer dores de cabeça terríveis. Tem muita sujeira sob os entulhos dessa arena. Quer você queira ou não.

        • RENATO77

          O maior crime de AS foi gerenciar o clube de maneira empresarial, visando os interesses da entidade que ele representava. prática absolutamente comum, legitima e até obrigatória.
          Muitos queriam a continuidade da incompetência que durou 100 anos. Acabou.
          Não conheço as particularidades do Vasco….o SCCP JÁ DEU JEITO.
          Abraço.

  • Charles

    Isso é a cara da política do Brasil. Veja ainda, que Andrés como candidato a deputado federal, tem como expectativa 1 milhão de votos,nada mais nada menos,para ajudar a legenda a “puxar votos”

    http://blogs.lancenet.com.br/blogdojanca/2014/08/05/1-milhao-de-votos

  • Leonardo Pires

    André, se lhe fosse dada uma e só uma opção: atrasar impostos ou atrasar salários. Que escolha faria?

    AK: Eu cumpriria a lei. Mas não acredito que essa situação exista em clubes administrados de maneira séria.

    • Matheus Brito

      O Corinthians e os Corintianos se vangloriaram durante muito tempo de serem “o clube mais rico do Brasil”. Essa “opção” administrativa foi a que permitiu ao Corinthians pagar os salários mais caros do país e fazer contratações que só víamos a Europa fazer. Ou seja, o modelo de gestão e o gestor que tanto foras aclamados por seus torcedores e boa parte da imprensa (paulista principalmente), na verdade, estava fazendo acordos e fechando contratos que não podiam ser pagos. Simples assim. Se você paga os salários mas não paga os impostos referentes a esses salários então está pagando parte do compromisso. Quando se tem a certeza de que seria assim no momento da assinatura do contrato, bom, vira caso de polícia mesmo.

    • Matheus Brito

      Posso dar um pitaco? nesse caso eu não faria contratos que não pudesse pagar em sua totalidade.

    • Paula

      O problema não é atrasar os impostos. É não repassar o imposto que deve ser pago pelo funcionário. Ele é retido na fonte, porque o governo é glutão!! O clube tem usado o dinheiro dos funcionários para financiar sei lá o que! Isso é absurdo!

  • Marcelo

    André, eu sonho em ver um Brasileirão feito por uma liga de clubes, com cotas de televisão divididas de maneira justas entre os times e jogos em horários decentes para os torcedores. Um calendário alinhado com o futebol europeu, que respeite uma quantidade máxima de jogos, respeite as datas FIFA e permita aos clubes menores jogar durante o ano inteiro. Também sonho com leis de responsabilidade financeira e regras que obriguem os clubes a terem categorias de base. E que tudo isso resulte em dirigentes, técnicos e jogadores modernos, que saibam jogar o jogo de maneira estratégica e não somente a base de talentos individuais. Aí quem sabe daqui uns 10 anos não estejamos de novo a frente do futebol mundial.

    Porém não sou ingênuo. Sei que quem comanda o futebol brasileiro nesse momento não tem o menor interesse que isso aconteça pois seria ameaçar o poder e consequentemente o estilo de vida dessas pessoas. Em outras palavras, para que mudar algo que continua enchendo os bolsos de tanta gente? Podem aprovar uma ou outra mudança insignificante, que em nada irá mudar o rumo do nosso futebol.

    Na minha opinião só tem um jeito de mudar isso: os jogadores da Serie A tem que cruzar os bracos. Greve geral mesmo. Só jogam novamente se mudanças profundas forem aprovadas, se não o ganha pão desses dirigentes e empresários sangue sugas acaba. Os jogadores são os únicos que tem poder de mudar o rumo das coisas, sem eles não há campeonato. Para mim, ou eles fazem esse momento histórico de ruptura contra essa laia que comanda o futebol brasileiro, ou nada nunca mudará. O que você acha sobre isso?

    AK: Acho que isso está evidente para muitos deles. Um abraço.

    • José Henrique

      Olhem o samba do crioulo doido que está estabelecido ante as reivindicações para o futebol:
      1) Pedem melhores espetáculos…….e reivindicam ingressos populares…para evitar a “elitização”.aff
      2) Criticam os clubes por não segurarem craques no Brasil…..mas omitem que os jogadores não são mais dos clubes…..são de pessoas físicas….ou até de supermercados…bancos, etc.(isso tá certo pra eles)
      3) Tratam os clubes como empresas, e os tributam como se assim fossem (absurda estupidez).
      4) A justiça do trabalho, trata jogador como CLT, e as indenizações quebram as instituições..
      5) Pedem menos jogos aos clubes, quando decente seria pedirem limite de jogos para cada jogador (querem que os clubes joguem menos, e faturem menos, mas não pedem que paguem menos salários que em alguns casos, chegam a uma mega-sena em 6 meses)
      6) Punem clubes porque um copo de água é atirado no campo, mas não punem quando cusparadas são uma verdadeira chuva sobre o banco de reservas e técnicos.
      7) Pedem mais jogos para os times menores, exigindo mais uma série no campeonato brasileiro, mas não explicam como esses “pequeninos” viajarão, já que estão todos falidos e com patrimônio penhorado.
      E aí, a Princesa Leopoldina, se casou com Tiradentes, e “fundaram” a “Lei áurea”.

  • RENATO77

    Existem penalidades para esses crimes. Que sejam aplicadas…A TODOS.
    A pratica é generalizada, diga-se de passagem por todos os segmentos e atividades econômicas. do mercadinho da esquina á grande industria.
    Sonegar quase sempre é vantajoso, depois renegocia-se a dívida com a viúva. Talvez um mal tão grande, ou maior, que a corrupção neste país.
    A ligação entre esse caso contra o fisco e a discussão sobre cotas de TV e a dissolução do C13 mostra uma visão míope.

    Resumir uma discussão ampla e complexa à meramente culpar duas instituições é um caminho que não elevará o nível do debate. Querer resolver os 7×1, calendário, sonegação, deficiência no futebol de base, violência entre torcidas, nível das arbitragens, entre outros problemas, tudo duma vez só, não levará a nada. Apenas semear a desesperança.

    Sanchez não “sabotou” coisa alguma! Apenas posicionou-se, representando e defendendo a instituição que representava. Ou esse não era um direito seu?
    Todo o teor do edital para a venda dos direitos de transmissão ter sido confeccionado por Athaide G. Guerreiro, atual vice presidente do SPFC, levando em conta a relação entre a diretoria desta agremiação e a Rede Record, não seria motivo de uma apuração da chamada “mídia investigativa”?

    Cair na vala comum de atirar pedra na “Geni do futebol brasileiro” mostra fraqueza na capacidade de análise.
    Sabotagem? PQP escolheu mal demais a palavra…
    Abraço.

    AK: A palavra que você considera mal escolhida é exatamente a que foi usada, à época e agora, por pessoas envolvidas no processo. De modo que, ao contrário, está muito bem empregada. E visão míope é não identificar o que a discussão de 2011 poderia significar para os clubes. Mas é complicado, reconheço, pedir esse tipo de leitura a quem não está interessado em fazê-la. Um abraço.

    • José Henrique

      Sanchez, não sabotou o C13. Implodiu, e disse as claras que iria negociar em separado, sozinho, e o fez.
      Sabotagem é algo feito as escondidas, de maneira sorrateira para não ser percebido, para prejudicar alguém ou outrem. Ou seja, liderou um movimento para mudar o sistema de divisão de quotas que há décadas beneficiava clube de forma injusta, com assento e poder na negociação com a TV.
      Sabotagem por exemplo, é criar um apelido para um estádio, visando prejudicar ou dificultar uma futura venda do naming rights. E, nesse caso, o “sabotador” permanece incógnito. Não é uma beleza?

    • RENATO77

      Não estou interessado em faze-la mesmo! Eu e outros milhões de Corinthianos.
      Durante 100 anos, administrado por amadores, incautos e outros mal intencionados…ou tudo isso junto. O que interessou durante esse 100 anos foi a visão “empresarial”, tudo por um “clube empresa”…tudo sob a ótica capitalista, afinal é o modelo que nossa sociedade escolheu. Uma que nosso clube era administrado completamente FORA desse contexto.

      Pois bem, a historia está aí…quem viveu viu, ouviu e sentiu.
      Sem estadio, jogamos por anos no estádio do rival, dando lucro à concorrência.
      Anos e anos, dividindo de maneira não proporcional, as cotas de TV, subsidiando outros clubes.
      Enquanto nossa torcida clamava por uma diretoria eficiente, víamos o SCCP minguar financeiramente e adversários crescerem como instituições fortes sob o ponto de vista do “negocio” futebol.
      Se olharmos também sob a ótica política e de influencia nos destinos do “negocio” futebol, meu clube teve MUITO POUCA participação nas decisões, historicamente falando.

      Veja, meu comentário não é sobre titulos, vitorias ou nada do que acontece dentro de campo.
      Durante todo esse tempo, o que ví da imprensa, demais clubes, federação e o resto do mundo do futebol nesses anos todos? Alguma campanha pra tirar o clube do atraso administrativo? Algum tipo de “ajuda” da “concorrência”? Uma espécie de intervenção para tirar o gigante das mãos incompetentes?
      Fizessem algo parecido nos tempos em que vivemos o caos administrativo, amadorismo, do “faz-me rir”, do jejum de títulos, do “sem estádio” e do “sem libertadores”. O que tivemos do resto do “mundo do futebol”? Nada, nada além de escárnio generalizado.

      Pra não me alongar mais, como torcedor do Corinthians, desejo toda a paz e organização dentro dos estádios e em tudo o que envolva o futebol sob o ponto de vista puramente esportivo.

      Já sob o ponto de vista administrativo, da gestão empresarial do “negócio”, o que eu desejo da direção do meu clube é GUERRA! Sem trégua aos concorrentes. NENHUM CENTAVO de subsidio a quem quer que seja. Se isso vai causar a falência de muitos, f…
      O futebol brasileiro vai falir, será dominado apenas por SCCP, Flamengo e SPFC? F…
      Jogaremos contra River, Boca, mexicanos e norte americanos, numa enorme libertadores.
      Sob o ponto de vista gerencial, é guerra. O SCCP não a iniciou, é bom que se diga. Eramos inocentes úteis nas mãos dos que REALMENTE mandavam nos negócios do futebol.
      Guerra que SEMPRE existiu e nossas diretorias(do SCCP) pateticamente amadoras insistiram em não enxergar. Guerra que sempre foi aplaudida por todos, chamando-a carinhosamente de “boas administrações”.

      A regra geral sempre foi essa. A do capitalismo, clube empresa. Empresas não ajudam a concorrência. Vivemos 100 anos sob essa ótica.
      Agora, que estamos na liderança disparada do “negócio”, não vamos admitir a socialização do lucros justo nesse momento, em que estamos prestes a colher frutos esportivos depois da revolução interna ocorrida em 2008. PÓS REBAIXAMENTO, só pra lembrar onde tudo começou e de apenas uma das diversas marcas no dorso do Corinthiano.

      O capitalismo no futebol foi selvagem durante 100 anos, e só apanhamos dele. Pedir mudança agora é oportunismo.
      Tenho certeza que falo, sob esse tema, pela imensa maioria dos Corinthianos.
      Um grande abraço!

      • Matheus Brito

        “Não seria quais armas serão utilizadas na terceira guerra, mas na quarta serão paus e pedras” Einstein. A guerra de 03 contra o resto do mundo me lembra a segunda guerra. Os três foram derrotados. E estava tão fácil de derrotar os três. Bastava um pouco de união dos demais. Não aceitar a divisão de cotas da forma como foi imposta por Flamengo, Corinthians e mais para o fim o São Paulo. Formavam um bloco e ameaçavam assinar com outra emissora caso a divisão não fosse revista. os três só poderiam transmitir jogos entre eles. Perderiam a guerra em quanto tempo? Quem patrocinaria esses clubes? Enorme Libertadores? quais os grandes jogadores que iriam jogar em clubes que não seriam vitrines?
        Falar que o SCCP subsidiava clubes menores é não estar atento ao que acontece no mundo. A liga mais disputada do planeta tem a divisão mais justa de cotas TV do mundo. Ninguém faliu e os grandes ficam mais gigantes a cada ano.
        O Cerne da questão não está no fato de o Corinthians não ter estádio durante décadas, ou de só ter ganho Libertadores agora. Está no fato de que o dirigente que é idolatrado sonegou milhões com uma estratégia administrativa. Faz parte da sua guerra esse comportamento? Não seria melhor armas químicas logo?

        • RENATO77

          Para Corinthianos, o cerne da questão futebol é o Corinthians, estranho que para outras torcidas também seja.
          Abraço.

          • Alexandre

            É bem claro que qualquer discussão com alguém que, como você, não consegue enxergar um palmo além de sua paixão clubística, é totalmente infrutífera, porque não há um mínimo de racionalidade.

            • RENATO77

              Só o exorcismo para tirar o ódio ao Corinthians.
              Melhoras!

              • Alexandre

                C.Q.D.

    • Matheus Brito

      Me chamou a atenção a referência à música do Chico Buarque “Geni e o Zepelim”. Uma obra prima que usa e abusa da ironia para falar da discriminação e do comportamento hipócrita de poderosos que se ajoelham para beijar-lhe a mão quando estes precisam dela para salvar suas vidas e a de uma sociedade afundada em preconceitos, e apedrejando-a quando não necessitam mais de seus serviços.
      Considerar Sanchez a “Geni do futebol Brasileiro” é no mínimo não ter entendido a mensagem da música. Sanchez nesse contexto talvez fosse o Comandante, que exigiu de Geni uma noite para não acabar com a cidade. A diferença é que ele dormiu com a Geni e acabou com a cidade do mesmo jeito.
      Sanchez implodiu o Clube dos 13 vendendo a ideia aos seus pares de que seria melhor para os clubes negociarem individualmente. Foi o primeiro a assinar com a Vênus platinada e exigiu que somente o Flamengo ganhasse valores iguais ou maiores.
      Vendeu a ideia de profissionalismo, quase conseguiu vender a ideia de que seria melhor para o Futebol Brasileiro que ele comandasse a CBF. No fim o que restou foi sonegação e uma dívida estratosférica para o Corinthians pagar.
      Agora a sua “Geni” empunha a bandeira do calote junto a seus comparsas, dizendo que será benéfico para os clubes, esquecendo-se de que se trata de dinheiro que deveria pertencer à sociedade Brasileira.
      Nenhum clube irá fechar as portas se a lei não for aprovada esse ano, como quiseram nos empurrar goela abaixo.
      Sou a favor de que os clubes sentem à mesa com a fazenda nacional e renegociem suas dívidas. Vasco e Flamengo o fizeram (foram forçados a isso pelo bloqueio das verbas) e terão times medíocres por um bom tempo por falta de dinheiro, mas em cinco anos a dívida estará paga. Claro, sempre há a chance desses clubes não pagarem essas parcelas ou de estarem acumulando novas dívidas, mas aí se trata de casos sem solução.
      Parcelar com prazo final até a próxima Copa no Brasil é que não me desce na garganta. O Corinthians arrecada 300 milhões por ano se não me engano. Destinasse 20 milhões para o pagamento das dívidas em dez anos estaria sanado e ainda teria um belo orçamento para fazer o clube funcionar. Mas o que eles querem é ganhar 300 dever 500 e pagar 5 por ano. Assim eu também quero na minha empresa.

      • RENATO77

        A lista dos clubes e suas respectivas dividas com o fisco está no google. Todos os grandes clubes estão nela. Todos os devedores fizeram gastos diversos que poderiam ter sido para quitar suas dividas. Pequenas ou grandes. Todos.
        Mas vcs preferem continuar discutindo o assunto como se só o SCCP tivesse seguido esse caminho, pena que a discussão não avança.
        Abraço.

        • Matheus Brito

          Na verdade esse é um mal dos Corintianos. Eles acham que as críticas às ações do Corinthians são sempre infundadas e coisa de “Anti”. Em momento algum da coluna, muito menos no meu comentário, foi dito que só o Corinthians deve ao Fisco. Se estão todos forçando a barra para que a lei seja aprovada então ou estão devendo ou estão pretendendo sonegar. Os casos do presidente do Botafogo e do ex-presidente do Corinthians foram citados pois os respectivos assumiram que usaram como estratégia Administrativa. E esse é o tema da coluna. Os clubes estão falidos e inclusive o São Paulo, outrora colocado como exemplo de administração, foi citado por estar devendo salários.
          O que não dá pra aceitar, porque seria o fim do mundo, é que vocês Corintianos achem correta a estratégia do calote pra tentar “refinanciar” e dizer que está pagando o que deve. Mas vai ver que até justiça, que fez de Sanchez réu por sonegação, deve ser feita por “Antis”.

    • Ricardo

      “…posicionou-se, representando e defendendo a instituição que representava. Ou esse não era um direito seu?…”
      É direito de alguém cometer um crime?

  • Robermar

    Andre, as pessoas mal parecem se lembrar do ‘penduricalho’ do governo que veio junto com o refinanciamento. Mais de 100 milhoes de multas e juros sobre a irresponsabilidade do dirigente, e quem vai pagar a diferenca? Pelo jeito, sobra nas costas da instituicao, que ja se ve as voltas com uma divida imensa a ser equacionada. Sei que os erros sao em quase toda parte, mas vale a pena citar a diretoria do Flamengo que, de forma inedita nesse Pais, se negou a gastar milhoes na montagem de um novo time e se voltou para reorganizar o clube financeiramente, o que acredito que a maioria dos brasileiros – esquecam a bobagem de ‘torco para x quero que o fla morra’ – veja com bons olhos essa nova mentalidade. Bem, eh isso, sucesso em seu blog, esta de parabens pelo nivel apresentado.

  • RENATO77
    • Juliano

      Sr Renato, noticiazinha sensacionalista a respeito do Santos, me admira não ter sido escrita pelo Perrone.

      MAS, veja bem, EU CONCORDO! O time está há mais de ano sem patrocínio master, a dívida só AUMENTA (não vou fingir o contrário por amor ao meu clube como muitos fazem por aqui), não é mesmo o momento de gastar MEIO MILHÃO a mais com um jogador extra. O elenco faz bem em estar insatisfeito, não com o Robson, mas com a diretoria. O mesmo exercício de raciocínio cabe se voltarmos 7 meses, na contratação de Damião (sem patrocínio, jogador caro, etc etc), com um diferencial importante: Robson foi vitorioso com o time, tem identificação com clube, torcida e cidade, e pro nível do futebol nacional pode trazer algum retorno dentro de campo, coisa que Damião não traz.

      Dito isso, desde a saída de LAOR o Santos virou um caos, perde receita e aumenta dívida. Se culminar em algum CALOTE, sou o primeiro a apontar o dedo pro ato CRIMINOSO SIM de quem o fizer, pra mim não importa se sou santista. Sei separar, não sou doente. Sou brasileiro e pago imposto. Futebol tem cartolas mafiosos, não aceito esse tipo de conduta de qualquer brasileiro (E DANE-SE qual clube esteja envolvido, tire isso da sua cabeça, esse papinho de “anti” já venceu, vire a página, seja CIDADÃO, cresça).

      Como você reage quando alguém te deve e assume que não vai te pagar? Aposto que não reages bem e diz belos nomes ao devedor. Lanço o desafio, faça esse exercício. Dar calote na união pode, desde que seja pro meu clube amado do coração?? Valha-me! Cresça, seja cidadão, existem valores que devem vir antes de qualquer amor irracional por qualquer clube.

      Aí vem outro dizer devaneios que, “sabotagem é apelidar o estádio” com os argumentos mais insanos do mundo. Bom, legal ter lido isso, porque justo nessa semana AS anunciou seu desligamento da Arena, não conseguiu cumprir o que prometeu, e olhe que ele rodou o mundo procurando investidor pro naming rights hein… aposto que foi de primeira classe! Mas que beleza esse AS!

      Aproveito pra citar o sempre coerente (deveria ser o exemplo a ser seguido) Juca, CORINTHIANO, e o que ele publicara em seu blog, e por assim ter o feito, talvez explicite um pouco o que ele, CORINTHIANO, pensa a respeito do imaculado AS: http://blogdojuca.uol.com.br/2011/08/andres-sanchez-segundo-a-revista-isto-e/

      O Juca é “anti”! A IstoÉ é “anti”!

      Moderação/AK, vejo muito nonsense sendo publicado, outrora neste mesmo tópico tive um comentário não publicado, mesmo sem faltar com a educação para com nenhum interlocutor. Não entendi o critério. Chato esse mimimi, mas enfim… espero que publiquem. E desculpem qualquer coisa. Abraço!

      AK: Não há nenhum comentário seu parado na fila de moderação. Um abraço.

      • RENATO77

        kkk….pô Juliano…pimenta nos olhos dos outros é refresco….a imprensa só é sensacionalista e tendenciosa contra o SFC…
        Tá serto!
        Abraço.

        • José Henrique

          Renato, parceiro, abri o link que você sugeriu e destaquei:
          “Exemplo de fora. O Corinthians planeja implantar no seu estádio o sistema PSL (Personal Seat License), que na prática é a venda, ou aluguel, de assentos por um prazo determinado, que tradicionalmente pode variar entre uma e três temporadas.

          Custo benefício. Os preços variarão de acordo com a posição da cadeira escolhida. Ou seja, quanto mais centralizada a sua posição, maior será seu preço. Até o fim do ano, o clube pretende testar a receptividade do sistema entre seus torcedores.”

          Bem melhor do que “La cuspideira”.

        • Juliano

          Renato, você não se propôs a fazer o que pedi.
          Outra, jamais disse que a imprensa é isso ou aquilo com o Santos. Eu tenho uma relação salutar com tudo isso, vitimismo eu deixo pra voces. Não leia o que eu não escrevi.

          AK, deve ser alguma coisa no meu navegador então. Grato pelo retorno.

          Abraço!!

          • RENATO77

            Deu calote?
            “Sed lex dura lex”. Pra todos, de todos os segmentos. Pessoas físicas inclusive.
            Já que gosta de desafios, mostre um texto meu que eu tenha defendido o calote, ou a opção pelo calote. Disse que era pratica comum, em várias áreas, infelizmente.
            O que eu combato, e o farei quando quiser e tiver vontade, é quando os “crimes” do SCCP são iguais aos outros mas tratados e julgados com maior rigor apenas e tão somente por clubismo.
            Abraço.

  • Eddie The Head

    Bem,(infelizmente) não temos mais Notinhas Pós Rodada,e não tenho visto muitos posts sobre nosso combalido,mas sempre emocionante,campeonato brasileiro.

    O que me chamou a atenção nesse fim de semana foi um fator extra campo,que,creio eu,esteja de uma certa forma ligados a outros acontecimentos relacionados ao mesmo clube.

    A algum tempo,Adriano,então jogador do Flamengo,teve divulgada uma foto sua em que segurava um fuzil,estando ele em uma comunidade. Dias depois,Vagner Love,então jogador do Flamengo,teve divulgada uma foto sua abraçado com traficantes procurados pela justiça. Algum tempo depois estourou o caso Eliza Samudio,onde Bruno,goleiro do Flamengo,era o principal suspeito/culpado.

    O mais recente caso de polícia envolvendo um jogador do Flamengo é um em que Luiz Antônio é acusado de envolvimento com milícia e estelionato.

    Não parece que o clube não é muito eficiente em orientação social ou psicológica a seus jogadores?

  • Fabricio

    Andre, como sempre, otima coluna. Mas e o outro lado da moeda? Eu vi um video na ESPN, de um advogado falando da culpa do governo nisso tbm. Ignorando a parte que ele justifica com “empresas tbm sonegam” e “clubes nao sao os maiores credores, entao ta tudo certo!”, o que acha do argumento sobre a Time Mania, e os clubes aceitando o aumento da divida, com a promessa que tudo seria acertado com a Time Mania?

    Veja bem, nao estou postando concordando com tudo o que o advgado esta dizendo. Apenas gostaria de saber sua opiniao sobre isso.

    Link do video: http://espn.uol.com.br/noticia/430283_em-possivel-dia-d-jogadores-protestam-em-brasilia-contra-lei-de-responsabilidade-falta-bom-senso

    Abraco

  • Lippi

    Esses comentários parecem reposts dos comentários da coluna sobre o presidente do Botafogo. Impressionante como o clube cega as pessoas.

  • lm_rj

    Andre, sugiro um post sobre o tema:
    Poucas vezes vi um bairrismo tão descarado no futebol brasileiro
    O tecnico argentino chega, só indica contratacao de argentinos e o clube vai na onda e traz os caras
    agora, os resultados nao estao surgindo ficando o clube brasileiro absolutamente refem dos gringos e do tec gringo
    Como ja ouvi dizerem por aqui pelo rj:
    morrendo e aprendendo
    FUI

  • RENATO77

    Quando o camburão for buscar Andres Sanches e os outros 2 diretores acusados, aproveita e leva também o Petros…aquele agressor covarde que bateu no arbitro pelas costas, coisa pra banir do futebol…vergonha.
    Abraço.

  • Teobaldo

    Prezado AK e amigos, permitam-me alguns pitacos e não interpretem-me como pedante.

    1 – É impressionante como algumas pessoas, em uma postagem de linguagem tão objetiva, se deixam dominar pela bandeira única do IUPST. O que foi postado aqui, salvo engano, são fatos consumados. Ou não?

    2 – Sonegação de impostos é crime. Reter contribuições sociais retiradas de salários e não repassar ao fisco é crime. Simples assim. Não importam os motivos que levaram a tal conduta, não importa quem é o criminoso e nem a quais organizações os mesmos pertencem.

    3 – Vendo a situação do Botafogo fico a lembrar as palavras da minha mãe quando via esse filho dela em “más companhias”: Teobaldo, meu santinho, galinha que acompanha pato morre afogado!

  • RENATO77
    • José Henrique

      De tão óbvio, desaparecem os defensores da moral e dos bons costumes …seletivos.

      • Matheus Brito

        Sinceramente, Nunca achei justa a tributação aos clubes, principalmente relativos aos direitos trabalhistas de jogadores que ganham uma mega-sena por ano. Contudo, já dizia o Sertanejo: “O acertado não é caro e nem barato, é o acertado”. Uma coisa é brigar pra que a lei mude e haja uma redução da carga tributária. Outra coisa é descontar os impostos na fonte e não repassar a quem é de direito. Entenda, os clubes estão sonegando impostos que são retidos na fonte. Pior que isso, a maior parte são de terceirizados, prestadores de serviços, empresa contratadas, enfim. Não há são recursos oriundos da folha de pagamento. Ademais, o orçamento de 2014, por exemplo, deve ter sido feito em 2013. Esse orçamento é aprovado por conselhos, diretorias e afins, dependendo de como é a gestão dos clubes. Se no orçamento está previsto o gasto de X com terceirização, me recuso a acreditar que dentro de X não estão orçados os impostos. Não pagam porque não querem mesmo.

        • José Henrique

          Matheus. A retenção do IR, por qualquer empresa e não recolhida, desde que não desviada, contabilizada em seus balanços, ou seja não for “escondida”, “negada”, em direito, não sedimenta crime algum.
          E mais, se, os valores forem apropriados, definitivamente, aí sim tipifica crime.
          No Corinthians, esses valores sempre foram demonstrados como dívidas fiscais (o balanço do Corinthians mostra isso com muita clareza).
          E, quando há uma renegociação, então está comprovada que o não recolhimento do imposto não implicou em posse definitiva. Crime? Se for considerado para todos os valores renegociados com a Receita, todos os estádios do Brasil, não terão espaço para prender todos os brasileiros.
          Bom, mas se para que daqui prá frente, todos sejam presos, concordo.

          • RENATO77

            Matheus, não pagar mesmo porque não querem tratam como uma opção administrativa. Infelizmente muito comum aqui no Brasil.
            O que dá no saco é ver apenas alguns “sonegadores” nas manchetes.
            Abraço.

  • Valderi Felizado da Silva

    Estranha-me o fato do caro colunista criticar o fim dessa lei chamada Pelé (a qual foi criticada pelo próprio autor que deu seu nome), que somente beneficiou um tipo de profissional: Os “empresários” de futebol. Prometeu-se uma “lei áurea”, mas na verdade transferiu o poder dos clubes aos grupos de investidores, agentes FIFA, empresa de alimento (Sonda, GPA, etc). Antes negociava-se o “passe” do jogador nas salas dos clubes, hoje negocia-se na casa do familiar do atleta, às vezes um barraco sem reboco na parede. Quando eu vejo empresários reunidos, dando entrevistas, e aconchavados com jornalista, chego a conclusão que eles sempre serão defendidos.

    AK: Discurso de cartola, para esconder a própria incompetência. O fato de agentes existirem em todos os países onde o futebol é importante, sem que se diga que viraram “donos dos clubes”, deve ser mero acaso. O problema é a gestão, e nenhuma cortina de fumaça é capaz de encobri-lo.

  • RENATO77

    AK, sobre futebol propriamente dito…de dentro de campo.
    Muito se discute sobre tática e filosofia de jogo dos times brasileiros. Os treinadores se defendem dizendo que se perdem 3 partidas seguidas, perdem o emprego.
    Voce acha que o sistema argentino que define o rebaixamento, acho que é feito pela média dos ultimos 3 anos, seria uma maneira de que os clubes daqui(os grandes principalmente) tenham mais coragem para propor e adotar taticas mais ofensivas, um futebol mais “atraente” ao público?
    Afinal, o Fluminense foi campeão 2012, no ano seguinte foi matematicamente rebaixado e no atual brasileirão está muito bem colocado, jogando um bom futebol inclusive. O que caracteriza que seis meses “infelizes” podem levar um bom time ao rebaixamento, com todas as consequências ruins, até desastrosas para alguns clubes.
    Abraço.

    • José Henrique

      Dentro de campo, depois de uma semana, ouvindo 4.256 vezes que o Robinho nunca perdeu para o Corinthians, 7 jogos, tantos empates, etc, e do esforço “conjunto” para colocá-lo em campo no clássico, pelo menos hoje podemos desabafar com um pedala, que certamente nunca mais será mencionado tantas e repetidas vezes, quando foram as sobre o Rogério.
      Mas, nós nunca esqueceremos, essas pedaladas:
      http://www.youtube.com/watch?v=KNaxLhQ912o

      • Juliano

        José, que dom de escrever coisas patéticas é esse? Robinho perdeu PELA PRIMEIRA VEZ para o Corinthians, e só aconteceu depois que ele havia deixado o campo – sei lá, deve haver alguma magia nisso tudo. Comemore. Mas veja, o retrospecto ainda é MUITO favorável ao jogador santista. Em que pese golaços, dança da cúmbia e títulos.

        O jogador Ferrugem fez uma belíssima partida, responsável pela vitória do Corinthians. Aplicou um drible espetacular em Alan Santos, conseguiu o escanteio e fez o time vencer, para ele tenho apenas elogios. Voce deveria fazer o mesmo quando Robinho teve sucesso. Seria capaz? Qual o problema em aplaudir o adversário? Não vejo problema nenhum, mas talvez seja impossível para você, que possui relação insalubre com o esporte.

        E, apesar de toda a minha reverência ao Ferrugem, bom, o que ele fez não foi numa final de campeonato, etc etc etc (nem preciso citar os demais elementos que diferenciam um feito do outro). Final em duas partidas, DUAS VITÓRIAS, show do Robinho não só contra o Rogério, mas também no segundo jogo em belíssima jogada com assistência para Elano. Título! Sério, tem como comparar?

        Comemore a vitória de ontem. Esqueça o Robinho e pense apenas no seu time. Que legal que você nunca vai esquecer o drible do Ferrugem, que ele se imortalizou na sua cabecinha. Sinal do tamanho da importância que você dá ao Santos. Pobre José… tem muito o que crescer ainda…

        Ah, em tempo: a goleada do Paulista, já esqueceu ou ainda não?

        • José Henrique

          Dormi muito bem domingo, depois de uma semana de pedaladas na TV.
          Acho que no próximo jogo, as pedaladas serão utilizadas com moderação. eheheh

MaisRecentes

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo