DIAS 11, 12 e 13 – SÃO PAULO



(Nota pessoal: tenho mais um agradecimento a fazer à seleção espanhola. A eliminação precoce me permitiu passar os últimos quatro dias em casa. Um bônus inesperado no meio de uma Copa que prometia um mês e meio viajando. Gracias.)

As entrevistas coletivas de Louis Van Gaal têm estabelecido um ambiente de tensão respeitosa entre o técnico holandês e os jornalistas de seu país. Devo confessar meu interesse particular no tema.

Van Gaal, um casca grossa de fama mundial, aproveita suas aparições para estocar aqueles que criticam seu trabalho. E como seus alvos são numerosos e estão presentes, cada entrevista é o cenário para interações em que o embate fica evidente.

A questão é a forma como a Holanda joga esta Copa. O sistema preferencialmente utilizado, um 5-3-2 que se converte em 3-5-2 durante as partidas, é considerado defensivo demais para as tradições do país que se orgulha de ser uma das escolas que mais contribuíram para o desenvolvimento do futebol de ataque.

Setores da mídia holandesa reclamam das escolhas de Van Gaal, que rebate com os resultados até agora obtidos e com pesadas doses de sarcasmo. No meio do “conflito”, os jogadores – obviamente em posição difícil para comentar – tentam responder perguntas sem se comprometer.

O que chama a atenção é que o debate não se personaliza e não se rebaixa ao território do bate boca. As perguntas são duras, as respostas idem, e o jogo segue. Em comparação com o que nos acostumamos a ver no Brasil (em que a mesma narrativa estilo x resultado é comum), percebe-se um clima mais civilizado, em que inimizades não afloram e momentos constrangedores são evitados.

Na véspera do jogo contra o Chile, LVG estava contrariado pelo fato de seu treino fechado para a imprensa, realizado no Pacaembu, ter sido espionado por alguns fotógrafos. Informações sobre a possível escalação do time foram publicadas em jornais e sites holandeses, o que o técnico enxergou como “fogo amigo”. Um jornalista abriu a coletiva na Arena Corinthians com “pelo que pudemos apurar sobre o treino de ontem…”, senha para a alteração no semblante do técnico.

Van Gaal, por equívoco, e como a enorme maioria de seus colegas no mundo todo, entende que a imprensa holandesa tem o dever de ajudar a seleção. Ou, pelo menos, não atrapalhar. “Deveríamos estar na mesma página, mas pelo jeito não conseguimos”, reclamou. O elogio de um jornalista estrangeiro à campanha da Holanda na Copa lhe devolveu o sorriso, acompanhado de um golpe de ironia: “obrigado, mas ainda tenho de convencer a imprensa de meu país de que estamos jogando bem”.

O principal argumento de LVG é o melhor aproveitamento do grupo que tem em mãos. Ele tem dito repetidas vezes que o sistema é resultado das características dos jogadores, não o contrário. A posição pode estar correta, em teoria, mas perde de vista o que é óbvio: foi Van Gaal quem escolheu os nomes. Uma coisa é um técnico assumir um clube com elenco formado por outro profissional e dizer que faz o melhor com o que está disponível. Outra é usar a mesma linha de posicionamento em relação ao próprio time.

Os críticos respondem com o currículo holandês em copas, que não tem títulos mas tem jogo. A participação laranja na África do Sul, onde, excluindo a final, a Holanda venceu jogando bem, tem sido lembrada com frequência. Van Gaal está vencendo e os vencedores, até que as coisas mudem, têm sempre a última palavra.

Van Gaal também tem uma conspiração cósmica a favor de seu sistema, comprovada pelo número de gols que a Holanda marcou nas três vitórias na fase de grupos da Copa: 5-3-2.

Ontem, contra os chilenos, o primeiro gol praticamente decidiu a ordem dos classificados no grupo B, já que à Holanda bastava o empate para ficar em primeiro lugar. O gol de Fer foi produto de um erro defensivo dos chilenos, provocado por uma substituição feita na seleção holandesa.

O cabeceio para a rede foi apenas o segundo toque de Fer na bola. Ele tinha acabado de entrar no jogo, em substituição a Sneijder, que era o jogador que o Chile não precisava marcar em lances de bola parada, exatamente por ser o cobrador de faltas e escanteios.

Sem Sneijder em campo, a defesa chilena cometeu um lapso mental ao não notar a presença de um homem a mais na área. O escanteio rapidamente foi cobrado para trás e o cruzamento achou Fer com toda a liberdade. Os chilenos deixaram o estádio lamentando a falha decisiva em um jogo que, até então, estava trancado por uma batalha tática entre LVG e Jorge Sampaoli.

O clima entre Van Gaal e os jornalistas holandeses não melhorou após mais uma vitória.

Pouso autorizado. Desligar equipamentos eletrônicos. No Rio de Janeiro, tempo bom com 27 graus celsius.



  • Anna

    Gosto dessa maneira de a Holanda jogar, explorando os contra-ataques. Robben, a meu ver, é o melhor jogador da Copa, até agora. E Van Gaal teve estrela porque sua substituição (Fer) surtiu efeito. Grande abraço a todos, Anna.

  • Guilherme Nunes

    André…procede aquela história de que seleção da Holanda colocava em contrato que todo técnico contratado jogasse com 3 atacantes ?

  • RENATO77

    O craque do time é o responsável pelas cobranças de escanteio.
    Mesmo sendo uma pratica de 9 em cada 10 seleções, não consigo concordar…
    De Neymar, Rooney, Alexis Sanchez a Luiz Soares…acho um desperdício de talento…acha não?
    Abraço.

  • Fabio

    Andre, pelo que voce viu até agora, procedem as reclamações dos técnicos com respeito a qualidade dos gramados? Sampaoli criticou o de SP, mas pelo menos vendo pela televisão parecia muito bom

    • José Henrique

      Esse técnico “chinelo” gosta de dar declarações provocativas antes de todos os jogos.
      Já está falando os tubos sobre o jogo com o Brasil. Acha importante o que diz para desestabilizar os adversários. Tem treinador brasileiro que também tem esse costume. Oswaldo de Oliveira, que antes não era assim, parece que também acredita nisso ultimamente.

    • Juliano

      Também me parecia bom pela televisão, o de SP, do de MG e o do RJ. Mas parece que não é bem isso, os gramados de forma GERAL estão ruins mesmo.

      O que me deixa puto é que tem coisa que não ficou boa mesmo com muito, mas MUITO dinheiro investido. Dinheiro nosso. Se com tudo que foi investido, superfaturado ou não, no final tivéssemos tudo funcionando, vá lá… mas quando não funciona é de se revoltar mesmo. Gramado é apenas UMA dentre MUITAS coisas.

      Ah, mas eu sei: Sampaoli só pode ser “anti”! Veja que desaforo, treinou no campo do rival ainda por cima! Certeza! Se falar uma vírgula que possa atribuir ao meu imaculado time (mesmo que estejamos na COPA e existam problemas nas DOZE sedes), é anti! É chinelo! Fale dos outros 11 gramados, do “meu” não pode! Super chinelo o mundialmente reconhecido Sampaoli! também, com um nome desses…

      Abraço!

    • José Henrique

      Um pouco de informação, seria bom antes de falarem bobagens.
      Porém, parece que tem gente na “expectativa” obsessiva de ver algum fracasso da copa, que não se dá conta que “perderam”.
      A copa é um sucesso absoluto. Mas….sempre tem um pau da bandeirinha que ficou torto, evidente, e para “aqueles” é o símbolo que lhes resta.
      Entre as charges sensacionais sobre a copa, uma se destaca pelo simbolismo e poder de síntese do autor sobre tudo o que estamos vendo:
      http://1.bp.blogspot.com/-FQOXMa47wwQ/UwyUlMgVrQI/AAAAAAABeHk/sha9Nrck4iU/s1600/patax%C3%B3+Copanao.jpg

      • Juliano

        Bobagem é falar que Sampaoli é chinelo porque criticou o gramado, LOCAL DE TRABALHO (assim como o problema das telecomunicações, ferramenta de TRABALHO dos jornalistas – e não apenas tirar selfie para rede social com seu iPhone, né?), onde ele NÃO PODE treinar o time devido SIM às condições que se apresentam (no plural, não tem nada de anti).

        O sr informação já deve ter lido o relato de outro jornalista a respeito das condições dos gramados e dos seus responsáveis, deve saber também que não foi apenas Sampaoli que reclamou, mas também o da Bélgica, a respeito do Maracanã (deve ser outro chinelo, anti-RJ).

        O problema é que os gramados fazem parte do LEGADO que deveriam ficar, e aqui faço novamente a relação investimento x retorno.

        “Expectativa obsessiva de ver fracasso na copa”? Bom, não sei a quem você se refere. A copa é um sucesso, estou curtindo, no campo esportivo está espetacular! Isso torna o evento imune à críticas? Críticas estas vindo de quem está TRABALHANDO como Sampaoli, em um evento esperado há 4 anos. Sua visão é torpe! Eu curto a copa, nunca levantei bandeira “não vai ter copa” (como na sua charge tosca, pra mim não serve). Essa sua visão “nós contra eles” é infantil.

        O ideal é que houvesse SEMPRE a busca pela excelência, em todas as áreas, por mais que possam haver imprevistos. Gramado ruim não é imprevisto. Muito menos telecomunicações. São problemas que não existiriam se tudo fosse feito de acordo com a cartilha. Busca pela excelência, amigo. Olhe para os alemães e siga o exemplo, não use o pior exemplo, se espelhe sempre no melhor. Seu dinheiro foi investido nisso.

        Se Sampaoli fosse jogar em Manaus contra Trinidad e Tobago e reclamasse do gramado, ele seria chinelo também?

        Desista desse teu discurso furado que eu quero o fracasso da Copa. É ridículo, infantil, e uma inverdade. Seu discurso é semelhante ao do ministro Aldo Rebelo, para vocês eu seria um “mau brasileiro”. Gostar do evento como eu gosto não impede que eu seja crítico e queira sempre a melhoria contínua. Você não gosta mais da Copa do que eu só porque fecha os olhos para as críticas e ataca quem critica (chinelo né?). Cresça. E pare de negar os fatos, porque o sucesso da Copa é um fato e eu não nego (comemoro), mas também não nego os outros fatos. Tente exercitar uma visão imparcial (no seu caso eu sei que é super difícil). Cresça!

        • José Henrique

          Então tá. Nada está funcionando, e tudo está mesmo uma porcaria. Satisfeito?

          • Juliano

            Ninguém disse que está tudo uma porcaria, que nada está funcionando, te desafio a mostrar se eu escrevi isso. Mais um momento infantil, insisto, cresça!

            Traduzindo, porque é difícil fazer você entender o óbvio: MUITA COISA está sim funcionando, e muito bem! Existem problemas pontuais (já citados como exemplos), e se eles existem, como negar sua existência?

            Estes problemas, justamente por serem pontuais, não tiram o brilho da competição, que está DE FATO muito boa mesmo (como eu já disse outras vezes, e concordo com você que é um sucesso sim). Será que não está claro o suficiente?

            Pô José, não deveria ser tão difícil, você é mais inteligente que isso (espero).

            • José Henrique

              Ótimo. Agora estamos de acordo. Existem problemas pontuais.
              Então, será que é difícil para você, encarar os “problemas pontuais”, apenas como “problemas pontuais”, e aceitáveis, ou prováveis de acontecer, sem destilar tanto ódio assim?
              Pô Juliano, você também é muito inteligente. Afinal, você percebeu que a copa é um sucesso não é?
              Doeu tanto assim, chegar a essa conclusão, de que os problemas que existem são “pontuais”?

              • Juliano

                Você erra quando acha, dentro da sua cabeça, que eu “percebi” que a copa é um sucesso. Você me coloca no time do contra, novamente equivocado. Sempre torci pelo sucesso da copa, sempre torci pra tudo dar certo. Afinal, nosso dinheiro foi investido.

                Eu nunca disse que os problemas são gerais (te desafio de novo). Você que esperneia quando algum problema, pontual, é relatado.

                A mim nada dói, tenho boa relação com os FATOS – sucesso da copa e os eventuais problemas. Felizmente, não são excludentes, e não é difícil lidar com isso, acredite.

                Quanto a um problema ser “aceitável” ou “provável de acontecer”, vai da tolerância de cada um. As inúmeras obras de mobilidade que não foram entregues não comprometem a competição esportiva (mesmo que façamos vista grossa no dinheiro que foi investido), e se não compromete o jogo, vá lá, toleremos. Porém, gramados ruins, que é exatamente onde ocorre a competição esportiva, local de trabalho dos atletas, não deveriam ser aceitáveis.

                E ninguém aqui está “destilando ódio”. Vá com calma, lembre-se de não levar pro pessoal. Aliás, se alguém destilou ódio ofendendo o treinador da seleção chilena o chamando de chinelo não fui eu, foi?

                José, seja mais exigente com o que lhe entregam como contribuinte, zele pelo que é seu. Isso não te fará mal, isso em nada tem a ver com ódio. É possível sim curtir a vida, o evento, o que quer que seja, e ainda assim ser mais rigoroso, mais crítico. Não são comportamentos excludentes.

                Afinal, somos rigorosos quando nosso time joga mal, mas não deixamos de torcer pra ele por isso, não é mesmo?

                Um abraço, sincero!

                • José Henrique

                  É que você disse que fica puto…..então eu achei você muito amargurado, entende?
                  Achei que você está muito pilhado, por problemas pontuais. Mas se você diz que não está, ótimo.
                  Mas você está certo em um ponto, é uma questão mesmo de tolerância.
                  Eu te entendo!

                  • Nilton

                    Juliano e José Henrique, vamos entrar em um denominado comum:

                    A verdade para mim em relação a Copa é a teoria do copo que esta no meio de uísque, alguns acho que estar meio cheio outros acha que estar meio vazio, mas a verdade é que estar no meio.

                    A Copa para quem esta acompanhado pela TV esta realmente linda (até o jogo entre Ira e Nigéria o estadio estava cheio), quando se vai as Arenas consegue ver os problemas que não deveria existir levando em consideração aos 7 anos para planejar e executar.

                    Para os Torcedores os problemas “pontuais” não é tão grave assim, mas para os profissionais que estão trabalhando no evento isto se transforma em um pesadelo.

                    • José Henrique

                      Pois é Nilton, e eu estava quase acreditando que o problema era a minha “ofensa” chamando de “Chinelo”o técnico chileno. Cheguei a pensar que a bronca era porque eu citei o Oswaldo de Oliveira.
                      Sou mesmo ingênuo.
                      Obrigado pelo aparte, e abraços.

                  • Juliano

                    Nesse momento jogam Rússia e Argélia em Curitiba. Observem o gramado (se é que podemos chamar assim). Se russos e argelinos reclamarem do seu campo de trabalho, seriam eles também “chinelos”, ou só é quem reclama do gramado do estádio do meu clube?

                    Fico sentido, porque tenho um carinho especial por Curitiba, capital do meu estado natal. É uma pena.

                    Era pro gramado estar assim? Eu acredito que não, mas posso estar errado né. Só eu estou vendo o gramado assim na minha televisão ou ele está, DE FATO, ruim? Os atletas profissionais devem tolerar? Quanto mais será investido no reparo (sim, porque vai precisar de reparo)?
                    Não devemos ligar pra isso? Devemos ignorar em nome do evento, porque ele está bonito?

                    Não acho que os problemas são maiores que o sucesso do evento, nada disso! Mas também não vou chamar nenhum profissional, que entende do seu campo de ofício, de chinelo por isso.

                    Porque na última Copa América os gramados foram criticados, mas era a casa do rival né, então pode, não somos chinelos por isso. Gramados que, na eliminação do Brasil, foram responsabilizados pelos 5 penaltis perdidos dos 7 batidos (sendo 4 erros brasileiros, 100% das suas cobranças). Dois pesos duas medidas? Fica a reflexão, que exige o mínimo de imparcialidade e maturidade.

                    Como disse um respeitado jornalista a respeito dos problemas: a sensação é que se perdeu a oportunidade. Eu concordo com ele.

                    Abraço!

                    • José Henrique

                      Beleza. Agradeço a sua preocupação com o gramado “deteriorado” da Arena do meu clube.
                      Obrigado. Após a copa, nós corinthianos vamos cobrar a nossa diretoria para recuperar o gramado, atendendo aos pedidos da população em geral.
                      E eu, como fui guindado ao status de Ministro do Esporte, vou usar a minha influência para pedir indenização a Fifa.
                      E reconheço mesmo, acho que exagerei ao chamar o cara de Chinelo, talvez tenha ficado um pouco chateado, como torcedor que sou, graças a Deus, ao interpretar o termo “deteriorado” como uma ofensa. Sabe como é né, Juliano, quando vou na sua Vila Famosa, as vezes saio meio ofendido mesmo, então como torcedor, não consigo ser imparcial.
                      Sou Corinthiano até embaixo d´água, embora água seja um bem hoje em extinção aqui no nosso glorioso estado de São Paulo.
                      É bem capaz do gramado da nossa Arena, secar de tanta gente secando, e pela falta de água.
                      Agora parece que após a copa, vem uma empresa de Dubai, fazer o ajardinamento do entorno da Arena, e vamos fazer uma petição para que plantem também, arruda, espada de são Jorge, entre outras espécies protetoras contra mau olhado, ou olho gordo.
                      Ainda bem que não sou jornalista, já pensou como eu seria parcial?
                      Eu, como torcedor posso chamar xingar de chinelo, chato, posso até fazer coro com a galera no estádio, e tirar um pelo com jornalista que a gente não gosta.
                      É uma delícia extravasar uma bronca.
                      Podem me chamar de chinelo, Gambá, sem dente, que acho uma beleza, e devolvo sempre que posso, com meus amigos porcos, bambis, e sardinhas, numa boa.
                      De qualquer forma, foi louvável a defesa que você fez do chileno.
                      Parabéns.

                    • Juliano

                      José, seu post é definitivo e não merece mais continuação, porque você não consegue. Eu falo da copa, de alguns fatos, de como deveria ser, e você faz um desabafo passional do seu clube do coração, NO MEIO DA COPA DO MUNDO, você interpreta tudo como “defesa do chinelo”. To nem aí pra time, usei o exemplo da Arena de Curitiba até pra você entender o que eu estava falando, mas você provou como você pensa. Sua declaração é definitiva, não tem porque continuar. Você não entendeu uma vírgula do que estava em questão. Sua visão é enviesada, tira tudo do rumo, sai tudo do contexto, impossível continuar.

                      É definitivo, falamos de coisas absolutamente diferentes.

  • André

    Que belíssima observação sobre o gol holandês. Se eu estivesse de chapéu, o tiraria pra você agora.

    Abs!

  • José Henrique

    Pelas palavras do Gaal, a imprensa é igual em todos os países. E aí cabe aquela máxima de que “o mundo tem 2 bilhões de técnicos.”

  • RENATO77

    Juliano, só uma dúvida, voce realmente acha que os “cofres públicos” não recuperarão os quase 8 bi gastos em estádios, direta ou indiretamente(através dos impostos sobre todo o dinheiro movimentado por conta do evento)?
    Abraço.

    • Juliano

      Renato, é disso que estamos tratando?
      Se eu falar dos problemas, do que foi prometido e não foi entregue, do que foi superfaturado, da isenção de impostos pra dona FIFA, obras de mobilidade (e as terríveis remoções), gramado, telecomunicações, bom, aí alguém irá dizer que sou anti-Copa.

      Renato, não sou contra o investimento. Sou contra o que é mal feito, o que é entregue nas coxas (para depois dar mais manutenção e dispensar ainda mais dinheiro), sou contra superfaturamento, sou contra promessa não cumprida, sou contra puxadinho, sou contra jeitinho brasileiro. Não acho que valha a pena entregar pela metade, não gosto do discurso “rouba mas faz”, até porque está malfeito.

      Sou a favor de Copa, de investimento, sou a favor do Brasil. O evento esportivo está bonito, o encontro das nações está bonito, me alegra ver isso! Nada que possa ser dito me colocará na posição de “contra a Copa”.

      Mais uma vez, devemos nos espelhar no melhor, não se contentar com pouco, usar os melhores exemplos, não fazer vista grossa. Devemos querer inteiro, não pela metade (já dizia a canção).

      Abraço!

      • RENATO77

        Interpretei mal, ou voce não respondeu a minha pergunta?

        • Juliano

          Na sua pergunta existe a afirmação que eu acharia que os cofres públicos não recuperarão os investimentos, este é o primeiro equívoco, pois eu nunca tratei disso. Então ela não cabe, talvez por isso não tenha sido respondida da maneira que você deseja.

          O que eu tratei é que foi feito muito investimento para um retorno meia boca (gramados e telecomunicações, para ficar nos mesmos exemplos). Agora quem pergunta sou eu, você acha isso bom? Te satisfaz?

          Reafirmo que sou a favor do investimento do país em qualquer área, se era o momento de trazer a Copa e se beneficiar com o que este evento trás, ótimo, em momento algum me posicionei contra. E gostaria que tudo fosse feito direito, sem ter nada pra falar, já pensou que legal seria não precisar discutir isso? Se o que foi prometido fosse entregue de acordo, essa conversa não existiria!

          Caso os cofres recuperem o investimento, todo superfaturamento, tudo que atrasou, tudo o que não foi entregue (e muita coisa nem será mais), tudo que funciona meia boca, terá valido a pena? Me responda.
          Não importa como, o importante é que o circo está, de fato, muito bonito! É isso?

          Pro José: o problema não é sua ofensa ao Sampaoli, o problema é voce negar fatos. Não existe certo e errado, existem fatos e estes não podem ser negados.
          Outro problema é que seu discurso foi mudando ao longo da discussão. Outro problema é você ficar achando que alguém tem raiva, é pilhado, isso e aquilo. Você não tem que achar nada, tem que se preocupar com o que está sendo discutido e não ficar a todo momento indo para o pessoal.
          Sobre o Oswaldo, não sou advogado dele, você pensa dele o que você quiser! Não é porque ele HOJE treina o Santos F.C. que eu vou tomar as dores dele sobre o que você acha e deixa de achar. Quando li simplesmente ignorei, porque mais uma vez provou infantilidade em sua provocaçãozinha, além de ter fugido do tema, como costume.

          • RENATO77

            Voce tem opinião formada para responder minha pergunta, é isso? Foi apenas uma pergunta, simples, na qual não afirmava nada.
            O ponto é relevante sim! O mais relevante, milhares de pessoas saíram as ruas por conta dele.
            O evento será superavitário aos cofres públicos ou não? Me parece fundamental para que possamos passar às próximas avaliações sobre o evento, que seriam a qualidade e os custos das obras, viabilidade econômica entre outros aspectos, também importantes.
            Abraço

            • Juliano

              Renato, a partir do momento que voce atribui palavras a mim, que não foram escritas por mim (voce afirma sim, não negue agora), não cabe. Se você não entendeu a resposta duas vezes, vamos lá na terceira:

              Sim Renato, pode ser que se recupere o investimento. É o que se espera, não é? Afinal, pra que trouxemos a Copa pra cá? Pra dar prejuízo? – RESPONDIDO.

              Agora faça a gentileza de responder o que lhe perguntei anteriormente.

              Vou ajudar a contextualizar: em 7 anos era pra ter sim gramados (TODOS) excelentes, obras de mobilidade concluídas (TODAS), telecomunicações funcionando de acordo, etc etc etc. Com ou sem superfaturamento, era pra funcionar, era pra estar pronto. Você viu o estado do gramado da Arena de Curitiba hoje? Chegou a um nível inaceitável! E olhe que, com 12 sedes (pela primeira vez na história), cada estádio recebeu ainda menos jogos, havendo portanto menor desgaste causado pelas partidas da competição. Você não acha isso grave?

              A data da competição era sabida, repito, a SETE anos atrás. Isso deve ser avaliado independente do sucesso do evento que vemos na televisão, pois tudo isso foi prometido, e em tudo isso foi investido dinheiro e não foi pouco, sempre além do previsto. Qual o seu sentimento em relação ao que foi gasto e não foi entregue? Faça a gentileza de responder. Quero saber como você se posiciona enquanto cidadão, contribuinte, vivente desse país. Você discorda que a oportunidade pode ter sido perdida?

              Repito, ser crítico e ao mesmo tempo aproveitar e curtir o evento não é excludente.
              Agora, fechar os olhos pra tudo isso só porque o circo está bonito, é de doer! Se for isso mesmo, o jargão “pão e circo” é infelizmente muito mais verdadeiro do que se poderia imaginar.

              Abraço!

              • RENATO77

                Respondeu!
                Antes de mais nada, coloco aqui apenas a minha opinião, com isso não quero convencer ou mudar a opinião de ninguém.

                A quantidade de sedes, achei um erro do Lula. O tamanho($) do erro, o tempo vai dizer. O partido dele está tendo o retorno político.

                Os demais problemas ocorridos na organização desse evento, citados por voce, infelizmente são recorrentes em qualquer obra pública ou privada neste país. Sim, privadas também! Falo por conhecimento próprio.
                Se eu estou acostumado com isso? Sim, aos 50 anos, estou sim.
                Acho isso correto? Não. Como não acho correto um monte de outras coisas neste país, um monte delas não são culpa deste ou daquele governo, mas de nossa sociedade como um todo.
                Vou tocar fogo num ônibus por conta disso? Não.
                Tenho que conviver com eles.

                Aos 50 anos, não entro na onda da mídia. Não ando pelos extremos. Tomo cuidado com o que leio e com o que pode estar por trás da “notícia”.
                Em tempos de indignação seletiva, acho que esse é o melhor caminho.

                Acho que o correto hoje em dia é “mídia & circo”. O pão, quase todos já tem garantido.
                Gritar obviedades como “contra corrupção”, “queremos mais hospitais”…me parece vazio, coisa de quem “acordou agora” gritando para quem “nunca dormiu”.

                Nesse momento da minha vida, não quero um mundo perfeito, só quero um mundo melhor. E isso, nesse governo do PT, tem proporcionado: AVANÇOS SOCIAIS. Depois de 500 anos, desigualdades históricas diminuindo! Se para muitos isso não vale nada, pra mim vale muito.
                Coloco na balança, prós e contras(sim, existem muitos problemas). O saldo é positivo, suficientemente positivo para que eu deseje a continuidade. Sim, no fundo é disso que estamos falando. Política.
                E é ela que está por trás da “notícia”.
                O copo está meio cheio ou meio vazio? A mídia mostra só o lado vazio do copo. Há o outro. pra ver esse lado dá mais trabalho, é preciso pesquisar. Como sempre digo, o melhor site que existe é o google.

                Abraço.

                • Juliano

                  Renato, e quem falou em tacar fogo em ônibus? Eu não defendo isso, não me coloque aí, não faça isso.

                  Não é porque falhas são recorrentes em obras no Brasil é que elas devem ser toleradas. Copa do mundo não acontece no país a cada 4 anos. Não podemos nos acomodar com o “sempre foi assim”.

                  O que eu defendo é que não podemos fechar os olhos para o que foi RELATADO sobre o que não funciona ou não foi entregue. Citei telecomunicações e gramados. Ir na onda da mídia? Ora, a fonte que eu usei você sabe qual é! Até porque a “onda da mídia” é que está tudo perfeito, como eu disse, é raro algum profissional como o que eu cito sempre ter peito em relatar. Era só isso. O que há por trás DESSA notícia? O que faz de errado o profissional em relatar, informando aos seus leitores?

                  “Gritar obviedades”, “acordou agora”, pode ser, antes de ter a Copa para chamar a atenção muita gente dormia mesmo.

                  Claro que no final é política. E se começarmos sim a discussão nunca mais terá fim, até porque eu sou a favor da alternância, 12 anos já foi suficiente (concordo que 4 é pouco), mas perpetuação no poder não é bom pra nenhuma nação (e isso não faz de mim um tucano, jamais, veja bem, uma coisa pode parecer implícita na outra, mas não é!).

                  Pensamos diferente, óbvio que também não vou tentar de convencer a mudar de opinião. Uma coisa que peço é que sempre respeitemos os FATOS, porque eu não sou dono da verdade e não controlo o que acontece, mas, se acontece, não podemos fechar os olhos.

                  Vamos adiante, um abraço!

          • José Henrique

            Tudo bem, mas eu te asseguro que não fiquei, e nem estou puto por isso.
            Afinal como se diz, do dialogo nasce a luz. Não é?
            Olha quantos pontos de opinião já convergimos?
            As falhas são pontuais, a copa é um sucesso, os investimentos vão dar retorno, etc.
            Sobrou só a minha ofensa ao Sampauli, mas essa você pode debitar ao fato que sou torcedor.
            Então, ao final muita coisa concordamos não é?
            Quanto aos fatos, fiquei sem entender quais você se refere. Se for ao estado do gramado da Arena Corinthians, que o chileno disse deteriorado, me desculpe, se isso for um fato, então o que seria, senão um fato também o que disse o técnico da Bélgica sobre o mesmo gramado, que classificou como muito bom, ao testar, e disse que estava um pouco alto, mas que seria cortado para a partida no padrão, 2,4 mm da Fifa.
            Chile x Bélgica, então prá mim, 1×1.

            • Lucas

              Nao ha justificativas para esta Copa ter tido 12 sedes. O evento esta uma beleza, a Copa esta maravilhosa mas estaria tao maravilhosa quanto com apenas 8 sedes. RJ, SP. BH, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife e Goiania. Pronto. Simples, todas com clubes de futebol importantes que enchem estadios.
              Ninguem pode discordar disso.

              • José Henrique

                Também não entendi muito bem essa questão. Existe alguma coisa publicada em defesa dessas sedes?

                • Teobaldo

                  Deixem que eu “meta o bico” nesse papo. No meu entendimento, naturalmente posso estar errado, a opção por 12 sedes tornou-se necessária em função do modelo “sem sede fixa” adotado nesta Copa, também adotado em 1994. Com esse tipo de organização, a expectativa era de maiores gastos dos torcedores com logística (o que acabou acontecendo com deslocamentos, alimentação, estadia, etc) e, por extensão, maior divulgação de várias regiões do país (também aconteceu), o que, no futuro, poderá incrementar o turismo além daqueles pontos tradicionais (oxalá aconteça). Com 8 sedes, concentradas nas principais cidades (Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Curutiba, Salvador, Fortaleza e Recife) esses fatos poderiam até acontecer, mas a probabilidade seria menor. Se o investimento é justificável ou não, bem, isso é outro papo. Um abraço!

              • José Henrique

                Me desculpe Lucas, porem, nessa questão do pleito brasileiro pelas 12 sedes,há que se questionar os motivos dessa quantidade às pessoas que foram a Zurique
                A comitiva que o Brasil levou até Zurique para o anúncio tinha partidos de diversas cores e adversários políticos, inclusive. A lista tinha Eduardo Braga (AM), Alcides Rodrigues (GO), Ana Júlia Carepa (PA), José Serra (SP), Sérgio Cabral (RJ), Aécio Neves (MG), Binho Marques (AC), José Roberto Arruda (DF), Jacques Wagner (BA), Cid Gomes (CE), Blairo Maggi (MT) e Eduardo Campos (PE). Além deles, o presidente de então, Lula, o ministro do esporte, Orlando Silva, e Marta Suplicy, ministra do turismo.

                • Lucas

                  Esse foi realmente o motivo. Distribuir os investimentos por maior numeros de Estados para se formar uma frente politica pela Copa.
                  Poderia ser feito de outra maneira. Nao ha nada que se justifique construir umestadio daqueles em Cuiaba. Como em Manaus e Brasilia.
                  Infelizmente essas cidades nao ossuem futebol que se justifique isso.
                  Seria como ter uma Copa nos EUA e fazer um estadio no Grand Canyon!
                  Abs!

  • Mauro Menezes

    LVG tem uma aparência de poucos amigos, já o vi algumas vezes pelo calçadão, parece arrogante e sempre contrariado, mas o pessoal daqui da rua, que é próxima ao hotel que eles estão ficando, para minha surpresa, está elogiando a figura, dizendo que ele recebe bem as crianças, tira fotos e chega até a brincar, o que para mim era impossível. Quando ele sente que os jornalistas holandeses estão por perto (quase sempre), amarra a cara, depois se vira e é toda simpatia para os brasileiros. Vai entender.

    AK: Há muitos técnicos assim. Um abraço.

  • Roberto

    Que interessante esse campo dos comentários e as discussões acaloradas. Essa copa realmente tem me gerado muitos sentimentos conflitantes. Acho q ninguém é só uma coisa. Eu sou torcedor fanático de futebol e tbem sou cidadão brasileiro. Meu lado torcedor vê a copa como um tremendo sucesso: Bons jogos, emoção, qualidade técnica, garra, histórias humanas. Ao mesmo tempo meu lado cidadão não consegue deixar de ficar triste com o legado que será e poderia ter sido.

    • José Henrique

      Realmente amigo. Parece até que é proibido falar bem da copa.

      • Juliano

        José, suspeito que você tenha algum distúrbio, bipolaridade talvez.

        – Primeiro porque nunca ninguém criticou quem fala bem da Copa, pelo contrário, estou feito um papagaio falando bem da Copa.
        – Segundo, quem se revoltou quando alguém criticou alguma coisa pontual da Copa foi você, então, é proibido criticar? Se tiver dúvida leia tudo o que você mesmo escreveu desde o início e assuma.
        – Terceiro e último, cada um opina e pensa o que quiser, desde que não negue os fatos, como você tenta fazer e ataca quem os relata.

        Simples assim.

        Roberto, seu comentário está perfeito, é o que eu tenho tentado esclarecer desde o início, mas alguns simplesmente acham impossível fazer as duas observações como se elas fossem excludentes. Chegam ao cúmulo de procurar, na sua cabeça, alguma declaração que ele possa atribuir negativamente ao clube do coração (??) apenas pelo prazer de se posicionar como vítima. É muita viagem! Em plena copa do mundo! E ainda acha isso “um bem em extinção”. É demais!

        Qualquer dúvida que tenha ficado basta reler o que cada um escreveu desde o início, não tem como apagar e mudar o que está publicado!! Tudo muito claro!

        Abraço!

        • José Henrique

          Nossa! Agora você surtou de vez.

        • Renato

          Vcs nao tem mais o que fazer nao?

MaisRecentes

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo

Troféu



Continue Lendo