CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

OUTRA COPA VERDE E AMARELA

“Em volta do Centro Internacional de Transmissões, que fica em frente ao maior estádio da Copa, só se vê terra. Os estacionamentos que servem centenas de veículos de comunicação do mundo inteiro, e milhares de jornalistas, são lamaçais à espera da chuva.

Nas sedes, seja nos campos de treinamento ou mesmo nos estádios do Mundial, os gramados estão em condições precárias. E a primeira fase ainda nem terminou. No estádio em que Estados Unidos e Inglaterra estrearam no Mundial, já não havia grama nas pequenas áreas. Treinos de “reconhecimento” foram proibidos, como aconteceu na véspera de Alemanha x Sérvia e Brasil x Costa do Marfim. A Seleção teve de procurar outro lugar para trabalhar, porque o campo da escola onde costuma treinar não aguentou.

(…) Repórteres portugueses foram roubados por homens armados que invadiram a pousada onde dormiam. Dólares de um dirigente uruguaio sumiram do cofre do hotel. Enquanto jantava no restaurante, uma equipe de televisão neo-zelandesa teve seus equipamentos levados por ladrões que arrombaram a porta do quarto. (…) Mas o comitê organizador da Copa do Mundo nega que haja problemas de segurança ligados ao torneio”.

O que você leu são trechos de uma coluna publicada neste Lance!, em um sábado de julho de 2010. O título era “A Copa Verde e Amarela”. Soa familiar? Vivíamos os primeiros dias do Mundial da África do Sul, quando os temas antecipados nos meses anteriores passaram a fazer parte da rotina. Obras não finalizadas, gramados ruins, criminalidade. E a máquina da informação oficial trabalhando forte para proteger a imagem do produto. Quatro anos depois, o panorama é o mesmo.

Colunas semelhantes serão escritas em vários idiomas a partir de hoje, expondo os defeitos da Copa do Mundo do Brasil. O início do evento é a largada para todo tipo de avaliação. Elas são necessárias, obrigatórias até, mas não devem levar ninguém a pensar que “nunca na história desta Copa” houve tantos problemas.

PRIMEIRO ENCONTRO

Se as estreias são mesmo inevitavelmente complicadas, a de hoje deve atingir um patamar inédito. Em casa, com carga máxima de responsabilidade e cobrança, contra um oponente que pode se aproveitar da ocasião. Dificuldades serão compreendidas. Se a Seleção Brasileira tratar a bola como sua namorada, este dia 12 de junho terminará com uma saborosa comemoração.

JOGAR É PRECISO

Que esta Copa do Mundo consagre o futebol de ataque e a supremacia técnica. Que times interessados apenas em conter os adversários sejam contidos pela própria covardia. Que cada aspirante ao troféu maior do futebol seja a melhor versão do que pode ser. Que dentro do campo a Copa do Mundo do Brasil honre e orgulhe este jogo do qual gostamos tanto.



  • joao

    a continuar com os erros grosseiros de daniel alves ,torcedor brasileiro vai sofrer muito, a tempos ele esta meia boca e comissão tecnica do brasil não ve seus erros que as veses chega a ser grosseiros o lado dele fica um grande buraco e sacrifica os pobres colegas de zaga ,pior jogador em campo oscar começou meio apagado mas apos dez minutos se tornou o maior jogador em campo guerreiro e sem sombra de duvidas o melhor jogador em campo

  • Rafael Travassos

    Tivemos xingamentos “exclusivos” à uma mulher que estava presente no estádio. Mulher essa que, “por acaso”, é presidente da república. Como você vê uma manifestação desse nível em um evento transmitido para o mundo todo? Eu não sei como classificá-la.

    AK: O que penso está aqui: http://bit.ly/1bBhITQ. Horroroso. Um abraço.

    • Teobaldo

      Eu também achei horroroso. Quem sabe a tal senhora se convença, a partir de ontem, que devam ser destinados maiores recursos à educação, para que as futuras gerações não reproduzam comportamento tão deplorável… Alguém acredita?

      • RENATO77

        Teobaldo, como todo o respeito, o que não faltou aos que estavam em Itaquera e deram aquele espetáculo grotesco foi escola.
        Existe lugar e modo de manisfestar o descontentamento com o governo, o mais eficiente é a urna.
        Abraço.

        • Zé Bigorna

          Expressar descontentamento é legítimo a qualquer tempo, o que é bem diferente de ser mal criado, xingar e ofender.

  • Anna

    Nunca imaginei que um jogo de estreia, em casa, seria tão complicado emocionalmente. Espero grandes jogos nessa Copa. Penso que a Alemanha jogará o futebol mais bonito e que Neymar deixará o nosso esteticamente melhor também. Bom final de semana, Anna.

  • José Henrique

    Gostei muito, deste post, como sempre gostei do jornalismo do Lance. Quanto as vaias a Presidenta, foi realmente horroroso. Porém, acho que a tentativa de humilhar a candidata a reeleição, em um evento desse porte, assistido por todo o povo brasileiro (eleitores) pode ter efeito contrário ao desejado pelos puxadores do coro, da área vip, ou seja, aqueles que realmente pagaram muito caro pelo ingresso.
    Acho particularmente, que a Presidenta sabia que seria vaiada, e compareceu justamente para receber esse “tratamento” justamente de quem queria. Vejamos as próximas pesquisas.
    Quanto ao futebol, achei que o Scolari teve mesmo muita sorte.
    Infelizmente vamos lamentar ainda, a não reciprocidade que estamos dando ao tratamento que nós brasileiros sempre recebemos, quando vamos a outros países. Uma pena. Nosso povo não poderia perder essa oportunidade única de mostrar hospitalidade e civilidade.
    E, infelizmente parece que o pior exemplo vem da classe teoricamente mais esclarecida e privilegiada da nossa sociedade.

    • RENATO77

      Concordo com tudo JH, menos a parte que a Dilma “queria” a vaia pra obter retorno positivo nas pesquisas…é como seguir a linha de gente que disse que a queda do SCCP para a série B foi parte de uma estratégia de marketing pra transformar o clube no que ele é hoje.
      Abraço.

      • JJunior

        Dilma sabia que receberia vaias, sabe que vai receber vaias em qualquer evento que participar (que não seja evento do partido). Tanto que ela fugiu do discurso de aberta e também se negou até mesmo em declarar a abertura da Copa (não só ela, mas o presidente da FIFA também). A certeza que ela tinha das vaias não tem absolutamente nada a ver com uma organização prévia da “oposição”, muito menos tem relação ao discurso separatista que sempre vira muleta nessas horas (foi a “elite branca”). Afinal, como eu disse, o presidente da FIFA também se acovardou e decidiu não encarar o público, mas caso fosse vaiado, o seria pela mesma “elite branca” que está lá para acompanhar o evento deles. Isso demonstra que a vaia (mesmo ofensa) tem relação com o desempenho de seus cargos.

        Sim, ainda existem (poucas) pessoas que não aceitam ter seus pensamentos e comportamentos patrulhados.

        Quanto ao “efeito contrário” nas pesquisa, isso só faz crer que as eleições aqui na Boliv…. Brasil, estão soando tão verdadeiras quanto a declaração do Felipão que viu pênalti no Fred, ou no próprio vídeo gravado do Fred jurando que sofreu aquela falta.

        • José Henrique

          JJunior, se mandar t…n…c… tem relação com alguma coisa, estamos muito bem na parada.
          Jogar banana no estádio foi o exemplo europeu, nós jogamos merda.
          Meus filhos eu ensinei diferente. Cada um ensina os seus conforme os seus costumes.

          • JJunior

            Exato, cada um com os seus costumes.

            Há que entenda que uma ofensa verbal num estádio de futebol é equivalente a um crime hediondo. E que “manifestação” significa fechar ruas, destruir lojas, prédio públicos e privados, queimar carros e ônibus, travar batalha com a polícia e forçar a imprensa a trabalhar disfarçada (sob o risco de agressão e destruição de seu equipamentos).

            É realmente uma questão do tipo de educação recebida.

  • Gustavo

    André, é muita coisa acontecendo, você deve estar sem tempo pra respirar, mas…

    seria legal ver seus comentários sobre Italia x Inglaterra, incluindo a falta magistral do Pirlo no fim do jogo.

MaisRecentes

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo