COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

TRABALHO

1 – O cartão de visitas do retorno de Ney Franco ao Flamengo foi a escalação de dois atacantes, Hernane e Alecsandro. Mais presença na frente não significou, neste caso, um time perigoso. Mesmo com dias de trabalho, o novo técnico rubro-negro já conhece a carência de seu time: um jogador de organização.

2 – Em todo o primeiro tempo no Maracanã, o Flamengo só se aproximou do gol do São Paulo com um cabeceio de Wallace e um chute de longe de Luiz Antônio. A dupla de atacantes, pouco nutrida, não foi um fator. E quando Hernane se machucou, não havia alternativas.

3 – Sobrou ao São Paulo o que falta ao Flamengo. Além de Ganso, em mais uma atuação digna de sua capacidade, Osvaldo se apresentou como articulador. Pouco depois de tentar acionar Pato quando poderia concluir, o atacante criou o gol de Ganso. Inversão de papéis possibilitada pela projeção do meia pelo centro e por uma greve da defesa do Flamengo.

4 – A partida até então impecável de Ganso mereceu uma pequena anotação por não ter feito o gol que Felipe lhe ofereceu, no início do segundo tempo. O são-paulino, talvez surpreso pela falha constrangedora do goleiro, permitiu que a cobertura chegasse.

5 – Passado um período ameçador do Flamengo, insinuante pelos lados do campo, o São Paulo recuperou a posição de controlador do jogo. Era uma questão de aproveitar os avanços desorganizados do adversário e a farta oferta de espaço, mas para isso o São Paulo precisaria da mesma incisão do primeiro tempo.

6 – O diagnóstico do torcedor rubro-negro – que pediu jogadores enquanto seu time não conseguia se associar em campo – foi preciso. Está claro que os dramas do Flamengo vão além do nome do treinador que o dirige. Por falar em nomes, registre-se o ecoar de Jayme na tarde da estreia de Ney.

7 – A jogada do segundo gol é própria de um time frágil até na concentração. Luis Fabiano foi lançado por uma cobrança de lateral e chegou ao fundo com pouco esforço. Não precisou nem se livrar de seu marcador. Ganso teve tanta liberdade dentro da área que pôde finalizar duas vezes. Um gol praticamente encomendado.

8 – Apesar da fraqueza do Flamengo, o São Paulo conseguiu mostrar solidez defensiva mesmo atuando com três jogadores que, por característica, colaboram pouco. A escalação com Ganso, Pato e Luis Fabiano exige sacrifício dos demais em nome do equilíbrio necessário.

9 – Ganso tem dado declarações marcadas por certa ousadia ao falar do impacto que é capaz de causar. Enquanto atuar como nos dois últimos domingos, suas palavras não o perseguirão. As partidas contra Corinthians e Flamengo apresentaram o melhor Ganso: o que joga e faz jogar, sem intervalos. Regularidade é a chave para quem é naturalmente superior aos outros.

10 – Trabalho foi a palavra mais repetida no pós-jogo do Flamengo. Por vezes como solução, por outras como promessa. Não existe outro caminho para a comissão técnica, para os jogadores e para a diretoria.

OBRAS

O Corinthians inaugurou sua casa, em jogo oficial, com derrota para o Figueirense. O evento indicará o que ainda é necessário fazer no estádio, tanto para a Copa do Mundo quanto para sua utilização cotidiana. Não é pouco. O jogo também indicou que o time é uma obra em andamento em pleno campeonato. Quando se reencontrarem, após o Mundial, ambos devem estar em melhores condições.

ÊXITO

Incontestável título do Atlético de Madrid no Campeonato Espanhol. A “final” contra o Barcelona foi um resumo da temporada do Atlético, obrigado a testar os limites de seu elenco. Perdendo o jogo e desfalcado de Diego Costa e Arda Turán, o time de Simeone foi buscar o que era considerado distante de suas possibilidades. O ano do Atlético seria fantástico mesmo sem um título. Agora há um troféu para marcá-lo. E pode haver outro, ainda mais importante.



  • Anna

    Boa sorte pro Ney Franco! O time precisa de reforços. Bonito o título do Atlético de Madrid com um belo trabalho de Simeone, mas torcerei pelo Real de Cristiano Ronaldo. Boa terça, Anna

  • José Henrique

    Não ví o jogo do São Paulo, destaque deste post. Ví o Corinthians na inauguração da nossa arena.
    Jogo sofrível sob aspecto técnico. A única vitória mesmo foi atestar a conclusão do sonho corinthiano, até ontem classificado como “mais uma maquete”, “obra de ficção”, etc.
    Sobre essa questão, foi realmente uma vitória espetacular, no mesmo nível dos dois titulos mundiais do clube.

  • Como sempre, esse time de covardes, mal treinados e sem preparo físico, uns por conta da idade e outros por conta de farra, estão envergonhando a torcida rubro-negra.
    A diretoria prometeu quando do lançamento do sócio-torcedor, que a arrecadação do referido titulo de sócio torcedor seria utilizado em 2014, para compra de jogadores de expressão, na verdade o que vemos é um time inchado de pernas de pau, sem raça e sem vergonha na cara. “fora essa diretoria, QUEREMOS TIME VENCEDOR.”

  • Laura

    Por que Cristiano Ronaldo, uma das estrelas da copa, pode jogar no sábado e Diego Cavalieri tem que ser poupado na quarta? A regra tem que ser para todos não? Fred, Jô, Jefferson deveriam poder jogar até a apresentação se na Europa a FIFA permite. A situação de Cavalieri então, que nem na Copa esta beira o absurdo.. Na Europa pode e na América do Sul não?

  • André, é difícil não ficar empolgado com o Atlético de Madrid. Que consistência desse time. O Simeone conseguiu montar uma bela equipe. Embora sempre tenha preferido o Real Madrid na Europa, estou dividido nesta grande final. De um lado, o Real com Cristiano Ronaldo, que estando inspirado, pode acabar com o jogo. Do outro, a coletividade forte, regular, capaz de superar adversários e adversidades. Será com certeza um jogaço.
    Abraço.

  • José Henrique

    André. Sobre a inauguração da arena, auspiciosa noticia, (contrariando tudo o que críticos diziam, sem terem informações) além de ter gerado durante 3 anos, mais de 2000 empregos na obra, gerará cerca de 700 empregos permanentes, e 200 temporários em dias de jogos.
    Fechou contrato com empresa Alimentícia, no valor de 40 milhões, que gerará 400 empregos.
    Segundo o estadão “O negócio envolve a operação de quatro restaurantes (sendo dois deles Sports Bares), 13 bares nas áreas vip e mais 62 bares espalhados em outros cantos do estádio. Isso significa 79 pontos de vendas de alimentação.”

    • Ricardo

      Perfeito! Mortes superadas (pelos não familiares), bola pra frente e “vamo” que é Brasil…

      • RENATO77

        Comentário hipócrita, Ricardo. Clubismo travestido de moralismo.
        “Holocausto não começou com câmaras de gás. Tudo se inicia com palavras e estereótipos”
        Abraço.

        • Ricardo

          Certo Renato, exceto pelo que você chama de hipocrisia e clubismo travestido de moralismo. Realmente não é isso que me motiva, acredite.

          No mesmo período, operários morreram nas obras do Rodoanel na região de Itaquaquecetuba, em SP, e não muda nada.
          Infelizmente, nós aprendemos a fazer contagem de corpos de operários mortos neste setor apenas por conta da Copa do Mundo. Por exemplo, as obras para o evento em São Paulo mataram três e em Manaus quatro. Mas elas ocorriam antes e seguirão acontecendo depois.

          Pois a ponte precisa ficar pronta, o estádio precisa ficar pronto, o galpão da fábrica precisa ficar pronto. Meu apartamento novo precisa ficar pronto.

          Os nossos times nada têm a ver com isso.

          Um abraço.

          • RENATO77

            Então Ricardo, fica minhas sinceras desculpas, pela minha má interpretação.
            Infelizmente a construção civil continua sendo recordista em acidentes de trabalho… concordo com voce…desde estádios até o nosso apartamento.
            Abraço.

          • Juliano

            Parabéns Ricardo, a visão torpe de Renato (que se acha tão imparcial quanto o Juca ???) impede de entender um comentário simples sem que veja nele clubismo impregnado, por que ELE é assim, nós não.

            No fim ele se desculpou, o que me deixou realmente pasmo! Quando alguém reconhece também merece os parabéns. Quem sabe depois de MAIS essa ele pare de achar que tudo tem a ver com o clube para o qual ele torce.

            E pro José: qualquer obra gera empregos. Sem mais.

            E seguindo o que foi dito pelo Ricardo: nossos times em nada tem a ver com isso! Aprendam!

            Abraços!

            • José Henrique

              Desculpe responder com atraso Juliano. Claro que qualquer obra gera empregos.
              Até a Arena Corinthians para espanto geral, também gerou, e gerará. Incrível não é?
              Talvez então seja por isso que nem nos tocamos da ausência de placas “QUEREMOS MAIS EMPREGOS” , nas manifestações contra a copa. Porque não estão pedindo mais empregos?
              Será que é por que estão trabalhando?
              Sem mais.

MaisRecentes

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo

Troféu



Continue Lendo