OS LINKS DA LIGA



O gol de Pastore, nos acréscimos do jogo em Paris, deu ao PSG um considerável conforto para a volta em Londres. O time francês poderia perder a segunda partida sem que isso significasse a eliminação.

Poucas situações são mais animadoras do que ter três resultados a seu lado em uma eliminatória direta.

Para times experimentados, que sabem o que querem e o que/como fazer para chegar lá, poder perder na casa do adversário é um acréscimo de tranquilidade e confiança.

Para times que ainda não alcançaram essa condição, a vantagem pode se tornar um fardo.

Foi o que aconteceu com o PSG.

O resultado parcial de 0 x 1 era um cenário provável em Stamford Bridge, pela necessidade de gols do Chelsea (2 x 0: Schurrle e Ba) e o ambiente favorável. Enquanto é verdade que não se pode controlar tudo o que acontece em campo, uma das obrigações do time francês era não presentear o Chelsea com um gol.

O verbo é apropriado para descrever o que se viu na área do PSG, após uma cobrança de lateral e uma casquinha de David Luiz. Schurrle foi apenas observado, como se não fosse uma ameaça.

O quadro fica mais grave para o time parisiense se lembrarmos que o gol saiu cerca de dez minutos depois de um momento difícil para o Chelsea: Hazard deixou o jogo por lesão.

Dezoito minutos, 0 x 0, o adversário perde seu principal jogador. O primeiro teste de amadurecimento do PSG se apresentou. Era a hora de se estabelecer em campo e informar ao adversário e ao público que ali estava um time pronto para vencer.

A questão é que não estava.

O PSG entrou em modo de proteção de sua classificação e quem se estabeleceu foi o Chelsea, equipe de jogadores vividos, dirigido por um técnico que sabe disputar vários jogos dentro de um jogo só.

O fato de Mourinho jamais ter sido derrotado em quartas de final de Liga dos Campeões diz o bastante.

O segundo teste de maturidade do time de Laurent Blanc veio após o intervalo. A configuração do segundo tempo estava evidente. Pressão do Chelsea, espaço para o PSG. Risco e oportunidade em doses generosas para os dois. Seria necessário ser ousado, firme, especialmente se o placar chegasse inalterado aos vinte minutos finais, quando o contraste entre a coragem e o medo decidiria o confronto.

O PSG fraquejou. Deu passos para trás ao olhar para o relógio, enquanto o Chelsea avançou e fingiu não se preocupar com o tempo.

Talvez o maior mérito dos ingleses tenha sido jogar com urgência sem revelá-la. Uma pressão controlada e constante, convicta de que o gol sairia. Coisa de quem já passou por isso.

O gol de Ba, produto da insistência, soou inevitável quando aconteceu.

O Chelsea mereceu se classificar tanto quanto o PSG merece ver as semifinais pela televisão.

Evidente que a ausência de Ibrahimovic foi dramática, mas não justifica a atuação receosa dos franceses.

Na Alemanha, o Real Madrid não deu apenas um presente ao Borussia Dortmund (2 x 0: Reus-2) , mas três.

Dí Maria perdeu um pênalti quando o jogo estava 0 x 0, pouco antes dos dois gols alemães serem criados pela defesa espanhola.

E de repente o Dortmund estava a um gol de levar o jogo para a prorrogação.

Mkhitaryan teve algumas, pelo menos três, chances de concretizar o improvável. Quando não errou o alvo, Casillas fez sua parte.

Atuação desequilibrada e preocupante do Real Madrid, mesmo levando em consideração que Cristiano Ronaldo não pôde jogar.



  • Anna

    A camisa do Chelsea pesa. Jogo sensacional. Demba ba escreveu seu nome na história do clube. Deu Blanc, como você disse. Terça intensa! De fortes emoções! Boa quarta e bons jogos, Anna.

  • Juliano

    Fiquei com pena do PSG. Não gostei, mas Mourinho cairá na próxima fase, fatalmente.

    O que ocorre com o Lucas? De titular a ficar fora da Copa… o que explica isso?

  • André,
    Você acredita que com o time completo (leia-se, com Subotic, Schmelzer, Gundogan, Bender e Kuba) o Dortmund poderia ter eliminado o Real Madrid? Fiquei com a sensação de que não fossem as contusões que marcaram toda a temporada dos aurinegros, o BVB poderia ter ido longe novamente. O que acha?
    Um abraço e parabéns pelo melhor blog da atualidade.

    AK: Esse é o tipo de coisa que nós nunca saberemos. O Atlético de Madrid eliminou o Barcelona sem os dois principais jogadores. Eu acho que as chances seriam maiores, mas não dá para afirmar nada. Obrigado. Um abraço.

MaisRecentes

São Paulo joga, Corinthians soma



Continue Lendo

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo