COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

MATRIZES

1 – Em dez minutos, a metade alvinegra do clássico mostrou o que não se quer ver. O braço esquerdo de Romarinho no rosto de Marcelo Oliveira, e o carrinho com a perna erguida de Jádson em Fernando Prass. Excesso de disposição, aparentemente sem má intenção.

2 – O time mais necessitado, e mais tenso, controlou a posse no início e se insinuou com algum perigo. Reflexo do momento ruim e da noção de que tudo pode mudar em um domingo como esse.

3 – O futebol apareceu ao redor dos vinte minutos. Um gol corintiano que Guerrero deveria ter marcado, após desvio de Romarinho na área. E um gol palmeirense que Cássio evitou, na jogada que começou com um passe diagonal formidável de Wesley.

4 – Na parte final do primeiro tempo, o Palmeiras se instalou e se encorpou. O time de Kleina tem uma campanha orgulhosa, total tranquilidade e um sistema estabelecido a seu favor. O de Mano é mais ambição do que condição, tentando antecipar etapas e confirmar a tese de que os clássicos equilibram qualidades e defeitos de cada lado.

5 – Ensaio de blitz corintiana no reinício. Um chute violento de Guilherme que encontrou o travessão, acompanhado de três aparições de Prass. Duas em chances de Romarinho e uma diante de Guerrero. Crescimento notável do time alvinegro, mérito inquestionável do goleiro verde, principalmente ao negar o gol ao peruano.

6 – Até quem não presta atenção pôde perceber o impacto de Jádson na casa de máquinas do Corinthians. A circulação da bola é mais fluida e, principalmente, mais inteligente. Curioso que a nova peça não tenha participado da jogada do gol, associação de Guilherme – muito mais participativo após o intervalo – e Fágner, finalizada por Romarinho. Quem mais?

7 – Cinco gols em quatro clássicos. Romarinho e o Palmeiras.

8 – Na semana em que se falou em Alan Kardec na Seleção para o amistoso contra a África do Sul, o atacante do Palmeiras ofereceu uma clínica de cabeceio ao empatar o jogo. Criou o espaço entre ele e seu marcador, Felipe, ao perceber que Diogo preparava o cruzamento. Testou a bola para baixo, com força e no canto, completando um movimento perfeito.

9 – O gol Palmeirense castigou o visível recuo do Corinthians. Algo que pode ser visto como natural levando em conta a situação do time e a proximidade do apito final, mas também como a postura errada, no momento errado, no jogo errado. O futebol não costuma tolerar o receio.

10 – O Corinthians lamenta o resultado, pois acumula mais uma rodada sem vencer, com a sensação de não ter concluído o trabalho que fez no clássico. O Palmeiras, invicto, segue no caminho que trilhava antes do encontro. Equipes sólidas identificam oportunidades e as aproveitam.

11 – Está no desempenho do time, especialmente no segundo tempo, o alento para Mano Menezes. O Corinthians produziu o suficiente para fazer mais do que um gol, o que provavelmente o conduziria à vitória. Esse retrato de cerca de meia hora de jogo deve ser a matriz para o recomeço.

OLHOS BEM ABERTOS

Constrangedora – para dizer o mínimo – a atuação do árbitro assistente que não foi capaz de enxergar o claro gol de Douglas, no clássico carioca. Perfeitamente posicionado, desocupado de outras preocupações, ele falhou em sua única atribuição: determinar se a bola entrou. Não havia obstáculos em sua linha de visão, e a trave ainda lhe servia de parâmetro. Como explicar?

BOLSO CHEIO

O argumento financeiro para não utilizar a tecnologia na linha de gol em torneios como o estadual do Rio de Janeiro é mentiroso. É só verificar o montante que fica com a federação local a cada clássico. Não faltam recursos no futebol profissional, falta aplicá-los com propriedade.

ATRASO

O que se lamenta: um jogo em que um gol cristalino não foi marcado, e um gol duvidoso foi confirmado. E é evidente que a segunda decisão foi influenciada pela primeira.



  • carlos costa

    bom dia, AK

    lendo as notícias esportivas na internet, verifiquei que o que estão fazendo com o betim é uma maldade, uma vez que o clube está sendo rebaixado para série D por ter entrado na justiça comum. em tempo, o clube perdeu 6 pontos por vender um jogador ao exterior e não ter recolhido parcelas administrativas ao órgão esportivo mantenedor, ou seja, o betim está sendo rebaixado por motivos alheios ao campo. veja que nem há escalação de jogador irregular como foi o caso de portuguesa e flamengo. isto posto, clamo que a imprensa não brigue só por clubes grandes e paulistas, mas defenda, no que possível , o pequeno clube mineiro chamado BETIM. obrigado.

    • é que tem um time paranaense, propriedade de um senhor influente na CBF, que conseguiu NA JUSTIÇA COMUM uma vaga na série C… então ele precisavam tirar alguém de lá… sobrou…. como no caso da lusa… o flamengo ia cair acharam a lusa e todos sabemos no que deu… senta amigo e joga a série D…

  • Anna

    O assistente (vigia lateral) errou e deve ser afastado. O que não pode é não enxergarem o erro e permitir que ele seja ameaçado pelos falsos torcedores que querem fazer justiça com as próprias mãos na rua ou sob o anonimato das redes sociais. A tecnologia no futebol tem que ser instalada. Não dá pra aceitar erros que alguns dizem ser parte do nobre esporte bretão. É só ver o caso bem sucedido do tênis. E Nadal estava lá. Boa terça a todos, Anna.

  • Luiz

    Como explicar? Incompetência, incapacidade, e, não sendo o caso anterior, absoluta má fé! Absolutamente inaceitável a atuação do árbitro auxiliar, passível de rever carreira.

    • Passível de anulação da partida… isso é erro de direito e não de fato… o lance não é interpretativo… é sim ou não… ou seja… na cara dura mesmo… e depois chora!!!!!

      • Carlos A. de Castilho

        Não dá para interpretar como sendo erro, antes de ter esses caras na linha de fundo juiz e bandeira nenhum deixaria de dar um gol desses, foi muito visível, fato esse que joga mais nuvem no tão já nebuloso futebol brasileiro, STJD, CBF, DINHEIRO PUBLICO NAS ARENAS, ETC….

      • Paulo Pinheiro

        Que confusão, Luís (com “s”). Quer dizer que sempre que o árbitro cometer um erro de “é ou não é” este será considerado de direito? Então se inverter um lateral pode anular a partida? Se marcar tiro de meta quando foi escanteio anula a partida? Faça-me o favor.

        O erro foi grosseiro, mas foi só um erro. Erros grosseiros acontecem. O Deivid perdeu aquele inacreditável gol contra o Vasco, e foi grosseiro. Não tenho motivos pra achar que ele estava “mancomunado com o Vasco” porque cometeu um erro grosseiro. Erros acontecem.

  • Emerson Cruz

    A atuação do Corinthians indica que há possibilidade de melhorias, algo distante em rodadas anteriores. Apesar disso continuo bem cético sobre a possibilidade de sucesso da equipe na temporada de 2014.

  • Rodrigo-CPQ

    O Corinthians teve a vitória em suas mãos, mas Mano preferiu tirar Romarinho, o atacante que mais ajudava na marcação e colocar o Jocinei, que fez firula no meio e perdeu a bola que originou o gol do Palmeiras (Renato Augusto pedia a bola, livre de tudo, mas ele preferiu tentar a finta entre dois marcadores palmeirenses).

    Enfim, dois erros cruciais: tirar o jogador que mais se movimentava pra manter o jogador de referência na área, paradão, e um jogador jovem tentar fazer graça no meio… no caso do Jocinei, dá pra corrigir, é questão de conversar com ele, falar pra jogar mais sério quando a situação pede e tal… já no caso da substituição errada…

  • SHAOLIN

    Esse assistente de juiz q não deu o gol com certeza ele e a familia tôda são flamenguistas, não é possivel q não tenha visto a bola entrar, pois estava la só pr isso. Mas ja estamos acostumados com esse tipo de situação, pois a maioria das vezes sempre erram contra o clube de menos torcida e menos força. Os mais fracos são sempre os mais prejudicados, como no epsódio da Lusa.

  • pedro

    o exemplo ven de cima ,desde que INVENTARAN a dita INTERPRETAÇAO deran ferramentas ao juiz para manipular resultados ,existe o erro sim existe mas a grande maioridade das veces e resultado “fabricado”( mengao tinha perdido na quarta e necesitaba se reabilitar),por algumas interpretaçoes o defesa abre os brazos mas nao teve a intençao de cometer penal o juiz nao da ,nao teve a intençao de cometer a falta as veces quebra e o juiz nao da ,bons tempos cuando falta era cobrada ,bola na mao ou mao na bola na area era penal SEMPRE ( ley igual para todos nao e injusta),mas naquela epoca dona FIFA e as outras nao tinham total controle dos jogos …agora TEN
    minha humilde opiniao …o futebol se esta transformando no antigo catch as can ( luta libre ) aonde um fingia bater e o outro fingia apanhar ,algo que acabou cuando o publico consiguio enxergar isso …agora ese circo so no mexico se nao me engano com o futebol desde que como competiçao esta acabando …podera acontecer isso

  • Alexandre

    Não vi, dentro das suas 11 observações, a correta – pelo menos do jogo q passou aqui em casa: o Corinthians foi melhor e “ponto”.

    AK: Porque eu faço observações baseadas em análise e proponho ideias. Dizer que “tal time foi melhor, e ponto”, é um comentário raso. Você pode fazê-lo, eu não. Um abraço.

    • sandro

      Não foi melhor, porque se o fosse teria ganho o jogo…… Primeiro tempo truncado, tendo o Palmeiras maior volume de jogo, porem em chances foi igual ao rival. Na segunda etapa, os primeiros 20 minutos alvinegros até o gol, acredito que se o tento saísse antes dos 20 minutos o recuo da equipe se desse antes e a margem de se perder o jogo seria muito maior, pois o Palmeiras mais arrumado e em momento melhor, o faria com mais tranquilidade. Ao meu ver o empate foi justo.

      AK: O Corinthians teve mais oportunidades e atuou melhor por mais tempo. Ao contrário do que você afirma no início do seu comentário, o futebol não faz essa relação direta entre desempenho e resultado. Um abraço.

      • Felipão

        Não faz essa relação direta, mas é previsível que se uma das chances perdidas pelo corinthians tivesse sido convertida em gol, o mano teria colocado o time pra trás antes e o jogo seria no máximo 1 x 0, pois não sabemos o resto da história caso isso tivesse acontecido.

        AK: Seu comentário é uma peça de ficção. Um abraço.

    • Alexandre

      Aproveitando a oportunidade e parafraseando o Jornalista: “O Corinthians teve mais oportunidades e atuou melhor por mais tempo” (ponto) . Acho q a “tese” citada reforça o comentário raso. abraço.

      AK: É apenas uma observação, e parte de um comentário mais longo, selecionada de forma oportunista. Típico.

      • Alexandre

        Se envio uma petição a qq juiz de direito, e ao final não consigo expor, com clareza, aquilo q quero para meu cliente com certeza perderei a pretensão!!!!!!!!!!!!

        O jornalismo esportivo não é nem um pouco parecido com o direito moderno!!!!!!!!

        E meu caro, não sou oportunista…..cito como exemplo um comentário meu, feito em outro blog de um colega seu de profissão, qdo meu timão perdeu de 5×1 para as sardinhas – disse q foi pior fora o baile (“ponto”)…..se meu time joga pior sou o primeiro a admitir, isso não é nada “típico” entre os torcedores E comentaristas ou jornalistas de futebol!!!!!!

        Oportunismo é usar um comentário curto, porém CLARO (não raso), para justificar uma análise sem conclusão……ou confusa!!!!Mas não o culpo, a maioria dos torcedores precisam ler longos textos para se justificarem no botecos da vida!!!!!!!!!

        AK: Percebo que você está um pouco confuso. Concentre-se nas petições. Um abraço.

        • Alexandre

          As únicas dúvidas q poderiam surgir em relação ao meu comentário foram na parte do ” disse q foi pior fora o baile (“ponto”)”. Neste trecho faltou dizer q o TIMÃO foi pior, fora o baile do Santos (“ponto”). E a outra poderia ser entre os conceitos das palavras “claro” e “raso” – fui muito objetivo E claro em minhas palavras (não raso ao meu ver, obviamente). Isso é minha simples opinião, clara e objetiva. Para fundamentar minha opinião “rasa” e “oportunista”, basta ler seu próprio texto em relação ao jogo……vide o trecho ora citado: “O Corinthians teve mais oportunidades e atuou melhor por mais tempo”……achei desnecessária a fundamentação; pensei q vc, um jornalista mto bom (novamente minha humilde, mas sincera opinião) teria entendido de forma implícita!
          Qto as petições, nunca tive um pedido negado, suspenso e/ou afins em juízo, seja por falta de clareza ou por ter feito um pedido “raso”; muito menos por ser “oportunista”, caso assim o fosse minha carteira de trabalho já teria sido no mínimo suspensa! No mínimo.
          É uma pena os jornalistas de hj não poderem ser objetivos E claros (nunca rasos obviamente) como vc disse não poder ser. Um dos seus parceiros (e d seu pai principalmente, pois trabalham juntos – acho q o Juca é seu pai salvo engano, o q não importa pois o jornalista trabalha com o Juca K.) de trabalho q considero claro e objetivo é o Birner, apesar dos longos textos q ele produz. Toda regra tem exceção (ões) e o Birner é uma.
          Infelizmente sua concentração precisa ser mais utilizada em torno dos chefes do(s) veículo(s) de comunicação q vc trabalha. Ao contrário das minhas petições; meu foco é um resultado/fim de processo do direito moderno. Realmente uma pena, mas o entendo. Outro abraço.

          AK: Se você entendesse (e seu devaneio sobre “utilizar concentração em torno de chefes…” prova que não entendeu nada), não estaríamos aqui. Um abraço.

          • Alexandre

            Meus comentários estão aí: longos (infelizmente, não pensei ser necessário justo com vc), claros, fundamentados embora caracterizados como confusos pelo colunista. Não disse nenhuma mentira mto menos me faltou entendimento, se a verdade fere……..paciência!

            Lembrando lááááá no início, qdo disse q um time foi melhor q o outro e vc não foi capaz de simplesmente concordar ou discordar da minha afirmação (mto embora o tenha feito de maneira camuflada, mas sem admitir q o fez – por isso gosto do Birner)!!!Alguns terceiros até discordaram daquilo que eu comentei, fundamentando ainda o pq da discordância, diferente de vc q só fez rebater aquilo q eu escrevia de forma “rasa”, tornando a “conversa” uma espécie de jogo de “perde e ganha”.

            É mto fácil usar os argumentos q JAMAIS esperaria de vc, quais sejam:”raso”, “confuso”, “não entendeu nada”, “vc pode fazer, eu não”.

            E ainda dizer q um jornalista de hj em dia não se preocupa com seu chefe!!!??????

            Masssssss, contudo, entretanto…..como diria o filósofo: “vc está certo e eu errado” – provei em meus comentários confusos q não ligo pra quem discorda das minhas ideias “(outro ponto)”. E este é o MEU ponto final……essas conversas são p botecos e com amigos, um tirando sarro do outro!!!!!!

            AK: Que maravilha…

            • Alexandre

              “(ponto)”.

              AK: Quando falo em ausência de profundidade…

              • Alexandre

                Profundo, tocante: “que maravilha…”

                AK: Porque é isso mesmo: uma maravilha de comentário. E acho que já deu para você.

  • Bom dia André.

    De fato, não há explicação para o erro do árbitro no clássico carioca. E o gol do Flamengo foi visivelmente influenciado pelo erro anterior. Parece que a arbitragem quis demonstrar que não iria compensar um erro com outro. De fato, acabou acertando no lance do Flamengo, pelo menos é o que foi demonstrado. Mas o Vasco foi vergonhosamente prejudicado. E como você disse, dinheiro para instalar o dispositivo que evitaria tal vergonha tem, só não é usado.
    Quanto ao Corinthians, salve Romarinho. Que mantenha a média de gols em clássicos contra o “Parmera.”

  • Roberto Torturete

    André bom dia
    Primeiro quero dizer que sou corinthiano a 60 anos, pata que não pensem que o que eu vou falar, e de alguém anti corinthiano
    Eu já escrevi a vários jornais, a todas as comissões da copa, a construtora da Arena Corinthians e ninguém responde não dão atenção
    É preciso fazer um reportagem em loco na arena, e não apenas publicar o que a construtora informa, veja bem no dia aconteceu o acidente, a informação é que faltava apenas 3% para coclusão, mas vendo as obras, da para ver que não ias ficar pronta no dia 30/12 passado, e nem vai ficar pronto no dia 15 de abril.
    Faltam minhares de assentos a ser colocado, sem considerar os da arquibancadas moveis, na cobertura , ainda faltam muitas telhas, forração na parte de baixo, as colunas das coberturas atrás gols , não tiraram, e no lugar delas ainda tem que colocar degraus, a tal melhor iluminação de gramado do mundo, nada feito, o gramado atrás dos gols careca, os telões para torcida nada, corrimões nada, pintura nada, e muitas outras coisas, e pode estar certo seja la o dia que for, vai ter problema de abitse , licença de bombeiros , da policia militar, e etc etc
    É preciso que alguém isento de problemas políticos , va até verificar tudo isso, e deixar de apenas publicar o que a construtora fala

  • Laércio

    Caro André, admiro muitíssimo o seu trabalho, inclusive o livro Aqui Tem, do Fernando Meligeni que você escreveu. Mas me permita usar este espaço para dizer que não concordo com você ficar rebatendo críticas dos internautas em seu blog. Também sou jornalista formado e pós graduado em esportes, e entendo perfeitamente que, ninguém possui um ponto de vista igual ao nosso, portanto, críticas ou ponto diferente do nosso, sempre irá aparecer.
    Na minha opinião, você deveria se limitar a responder neste espaço, apenas o que lhe é questionado, como a maioria dos demais fazem.
    Um abraço.

    AK: Obrigado. Permita-me saciar uma curiosidade: que diferença isso faz para você? Um abraço.

  • Paulo Pinheiro

    Discordo, André, que o segundo lance tenha sido influenciado pelo primeiro. Simplesmente um vigia errou e o outro acertou. Ligar um lance ao outro é capcioso e não contribui pra análise fria da partida.

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo