CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

SANTOS

Para quem nasceu a partir da década de setenta, Nilton Santos é um nome. Um nome escrito com letras de ouro, cobertas pelo manto da nobreza do futebol. O apelido, “enciclopédia”, lhe confere a sabedoria que humanos comuns não atingem, e acrescenta a reverência que só as divindades da bola merecem.

Mas a falta de referência de um jogador extraordinário na memória faz com que Nilton Santos, aos olhos dos que não tiveram a sorte de vê-lo em campo, seja refém do imaginário. Há pouco além de um nome, um rosto, e o que sabemos sobre quem ele foi. O acervo de imagens, por mais amplo, não carrega a evolução e nem as sensações.

Pobres de nós. Pobres duas vezes, porque não o vimos e não somos capazes de criá-lo quando fechamos os olhos. Ainda mais pobres por não termos ideia do que não conhecemos.

Nilton Santos foi um viajante do tempo. Nasceu atacante e se formou lateral para libertar a posição das amarras de uma época. Desbravou o campo ofensivo, até então território proibido para quem deveria ser um mero vigilante de pontas.

O encontro de seu prazer em avançar com a técnica necessária para tanto resultou em um jogador revolucionário. Não houve esquema tático ou treinador conservador que pudessem conter o jogador que moldou os laterais do futuro. Um visionário que jamais aceitou os limites impostos pela falta de capacidade alheia.

Nilton Santos marcou um tempo. É membro da “seleção do mundo do século vinte”, escolhida pela Fifa. Provavelmente o melhor lateral esquerdo que já viveu. Um desses raros jogadores que surgem em um clube e só o deixam uma vida depois, aposentado.

Poderíamos encerrar aqui, ao lamentar que Nilton Santos se foi, deixando um caminho marcado pela elegância e pela lealdade. Mas ele continuará na lembrança de quem o aplaudiu, na curiosidade de quem nunca o viu, no paraíso para onde vão os homens que foram deuses num campo de futebol.



  • Emerson Cruz

    Eterno!

  • Bom dia André.

    Você disse tudo, pobres de nós que não o vimos jogar. O que sei do Nilton Santos é o que leio, vejo em vídeos, e opiniões de colegas, torcedores, todos unânimes sobre o gênio da bola com apelido de “Enciclopédia”.
    O Futebol mudou muito, a parte física e tática evoluiu demais. Temos hoje jogadores que fazem a diferença, como Messi, Cristiano Ronaldo, Neymar.
    Mas o talento, a técnica apurada, a genialidade, já não existe mais.
    Lembro de um tempo mais recente, vi jogar o Zico (gênio), Falcão, Sócrates, são os caras mais talentosos que pude assistir.
    Mas o Nilton Santos é de uma outra geração, quando sobrava genialidade nos campos brasileiros. E era respeitado por todos, apontado como um dos maiores craques do Brasil e do Mundo.
    Abraço.

  • André

    Deve ter sido sim um grande lateral, não vi jogar. porém, um cara que se destacou por ser “esperto”, por ter feito um pênalti e, propositalmente fugido da área para enganar o juiz, pra mim não tem valor.
    De desonestidade já estou farto.
    Prefiro os honestos. Mesmo que não joguem tanta bola.

    • Leonardo

      Concordo com relação à desonestidade do lance contra a Espanha. Para mim também não poderia ter sido encarado como algo exemplar. No entanto, discordo que ele tenha se destacado por isso, pois ele jogou muita bola e foi exemplo de profissional dedicado e de amor à camisa. Não foi somente pelo lance da Espanha, não, mas por toda a contribuição que ele deu ao Botafogo e ao futebol brasileiro.
      Assim como é um equívoco valorizar um lance de desonestidade, também é errado desvalorizar o cara por causa disso e esquecer de todo o resto que ele fez de bom.

      • Teobaldo

        Não tenho idade para ter visto Nilton Santos jogar, mas pelo que já ouvi, assinsti e li, o cara era o único virgem na zona. O verdadeiro mister perfect! Em relação ao lance contra a Espanha, vale destacar que eles bateram a falta e fizeram o gol (de bicicleta, salvo engano) e o árbitro anulou o lance, embora ninguém saiba o porque. Curiosamente, pelo menos nas imagens que se tem, nenhum jogador espanhol reclamou.

        • Torcedores periféricos (aqueles que, ou são monoídolos ou sequer os têm em sua história) são bichos engraçados, esquisitos.

          Nem sei se os reclamantes acima são menguitenses. Podem até ser alvinegros querendo ser mais realistas do que o rei mas o que tenho o hábito de ver desde que comento na internet (e lá vai tempo… tô perto de completar 10 anos nisso) só pode se tratar de menguitoleiros mesmo.

          E aí vem o insólito: como pode este povo monoídolo falar de um lance na carreira de uma lenda quando…

          a) o mundo inteiro o reverencia

          b) têm uma estorieta recheada de tacinhas levadas lá para dentro à base de maracutaias (uma ou outra como a do brilhareco da última quarta são honestas mas isto é menos de 5%)

          c) o tal ídolo único sim, ficou marcado por ter que fugir da Itália vestido com as roupas da camareira do clube para não ser preso, por ter sonegado o fisco. Sonegou por desonestidade ou por perebice já não se sabe, MAS SONEGOU.

          Tomem tento!

          • Alexandre

            Rapaz, vc é um insandecido? Quanta besteira escrita, quanta falta de conhecimento da verdade, procure saber sobre todos os itens que destacou, principalmente no que se refere ao “c”, onde o cara a quem cita chama-se ZICO e ele foi inocentado pela justiça da Itália.

            Não seja ignorante, não sei para quem torces, mas de uma coisa tenho certeza: és um RECALCADO quando se refere a um clube, uma instituição com tamanha inveja.
            Viva seu clube, respire-o, mesmo que ele nade, nade e morra na praia, mesmo que ele, ultimamente, te faça mais chorar (de tristeza) do que sorrir.

            Quanto à malandragem do Velho e formidável Nilton, só tenho a dizer uma coisa: Futebol é malandragem, sempre foi, o que ele fez não é tão grave quanto o empurrão do Maurício em Leonardo na final do Carioca de ’88, fez deu certo e valeu título, quem deveria ver não viu (ou fez de conta que não viu).

            Mas acho que você não tem a inteligência suficiente para se lembrar disso e talvez assumir que pior do que ser “menguitoleiro” é ser cego de recalque.

    • comentários parecidos com os do grande Felix ! (Mateus Solano)

    • Fogo sempre

      Caro André, se você não sabe quem foi Nilton Santos não fale nada…volte para o buraco de onde veio e o seu mundinho. Pois esse lance foi apenas UM lance de malandragem que sempre existiu no futebol, ao contrario das papeletas amarelas que o SEU time fez né? Então procure saber mais sobre o NILTON antes de falar tal asneira… ou melhor…vai torcer para seu time ao invés de encher o saco.

    • Você tem toda razão em discordar deste “destaque” pela “esperteza”. Temos sim que abolir esse maldito “jeitinho” brasileiro em todas as esferas, afinal, ser desonesto não é ser esperto.

      Mas o Nilton Santos é muito mais que isso, pode apostar. Era craque, e fora esse lance, que infelizmente qualquer jogador faria se pudesse, era um cara muito bacana. Não vi jogar, mas li e ouvi muito sobre ele.

      O problema é que existe uma tendência (e não é só no Brasil) em admirar coisas erradas como se fosse esperteza, genialidade. Lembra do gol de mão do Maradona, lance que ficou eternizado como a “mão de Deus”. Então, foi pura desonestidade travestida de esperteza.

      No entanto, Maradona também foi muito mais que um gol ilegal.

      Abraço

    • Rafa

      Só um recalcado para destacar, em uma brilhante carreira (não somo só nós brasileiros quem achamos…), um lance isolado…

  • Como botafoguense , só tenho a agradecer as palavras ditas , pois são verdadeiras!
    Nilton para nós alvinegros e muito mais pois nesses tempo de futebol que vale mais o dinheiro que dignidade, Nilton Santos foi exemplo de fidelidade a uma agremiação,a seleção foi apenas conseqüência de futebol maravilhoso e como vc mesmo disse revolucionario!
    Sentiremos muito falta dele!!

  • jose carlos

    André.
    Sou da geração que viu jogar garrincha Didi,nilton.Tempo bom e precursor da revolução do futebol.Nilton ensinou que técnico não enxerga jogo(não consigo perceber a supervalorização desses técnicos),ele foi junto com Didi grandes maestro da copa de 58 e 62.Garrincha era mais de executar o que ele mais sabia,jogar e desmontar o adversário.Mas os outros dois além de jogarem enxergavam o futebol.Tanto assim que armaram o brasil para desmontar o então futebol cientifico(hoje de novo endeusado).Mas acredito que o Didi também armou a seleção do O PERU e foi o único treinador que conseguiu leva-la as quartas de final da copa mundial.Mrs.Footbaol como os ingleses o chamarão em 58.NMas nilton foi mais longe e você disse bem fez uma revolução.Hoje o alex,seedorf e outros também enxergam mas falta ainda o toque revolucionário.Poucos valorizaram o nilton,mesmo vivo.O nosso botafogo e sua torcida e atuais jogadores e ct não enxergaram o que ele significou.Abraços jose carlos

  • Rogério Amorim

    Obrigado NILTON SANTOS, por tudo que você fez pelo nosso BOTAFOGO.
    Descanse em paz.

  • Rogério Ceni jogou mais tempo e fez mais jogos pelo São Paulo do que ele pelo Botafogo. o que dá a medida do que o goleiro significa. se Nilton Santos revolucionou a posição, Rogério fez o mesmo. e tem gente que prefere dizer que ele só alcançou a marca por ser goleiro

    AK: Exagero, a meu ver. A única similaridade é a longevidade no mesmo clube, algo que tem evidente importância. Mas Rogério não revolucionou a posição e, claro, não é internacionalmente reconhecido como um dos maiores jogadores de todos os tempos. Um abraço.

  • erik

    3 Santos que se foram em 2013: Nilton, Djalma e Gylmar.

  • erik

    quando o Flamengo eliminou o Cruzeiro, ali tive uma certeza: alcançaria, no mínimo, a final. Até pelos cruzamentos. Só errei quando achei que 1 dos gaúchos seria pedra no sapato. Nenhum time rival, muito menos o bom Goiás iria parar o Flamengo.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo