COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

NOVA MENSAGEM

Os jogadores que participam do Bom Senso FC vibraram ao ver, pela televisão, que o protesto idealizado há cerca de duas semanas havia se materializado na Arena do Grêmio. Entre os que estavam em casa ou concentrados em hotéis para os jogos das 21h50, a entrada da faixa nas mãos de gremistas e vascaínos transformou ansiedade em alívio e, depois, alegria.

Quando soou o apito e os braços se cruzaram, o grupo criado pelo movimento no aplicativo para celulares WhatsApp foi inundado por mensagens e exclamações. Nas telas dos telefones dos jogadores envolvidos nas partidas das 21h, as notícias e as palavras de apoio funcionaram como estímulo. A onda histórica que passou pelos estádios na noite de quarta-feira se avolumava.

Mas logo apareceu a sombra dos que não desejam a evolução do futebol no Brasil. Por intermédio dos quartos árbitros que trabalharam nos jogos do Maracanã e do Heriberto Hulse, chegou aos vestiários a ameaça de cartões amarelos para quem levasse o protesto adiante. Mensagens voltaram a ser trocadas ao redor do país para discutir a questão.

Jefferson, goleiro do Botafogo, fez uma das ponderações mais significativas da conversa. Disse que seu time tinha quatro jogadores pendurados, seria muito prejudicado se os perdesse para a rodada seguinte em meio à tentativa de alcançar a Copa Libertadores. O grupo o deixou à vontade para tomar a melhor decisão. No Rio de Janeiro, braços cruzados antes do apito. Em Criciúma, meio minuto de paralisação após o início do jogo.

Àquela altura, o dilema preocupava os jogadores que se preparavam para entrar em campo no horário mais tardio. Um debate se estabeleceu entre os vestiários do Couto Pereira e do Novelli Júnior. Em Itu, havia o temor de que a exibição da faixa citando a CBF resultasse em punição para os clubes. Elias, volante do Flamengo, recebeu um telefonema de Curitiba e tranquilizou seus interlocutores, garantindo que a faixa seria levada ao gramado.

O quarto árbitro também levou o recado ameaçador a flamenguistas e são-paulinos, e o WhatsApp entrou novamente em ação. Do Paraná, o lateral corintiano Alessandro respondeu com firmeza às dúvidas de colegas no interior de São Paulo: “Chegamos até aqui. Não vamos desistir por causa de um cartão amarelo”. Foi quando a solução para evitar a advertência por retardar o jogo foi sugerida por Rogério Ceni: tocar a bola de um lado para outro.

O plano foi transmitido a todos no centro do campo, logo depois que o árbitro Alício Pena Júnior cometeu o equívoco de tentar sufocar a manifestação educada e silenciosa. O resultado foi um épico gol a gol que durou quase um minuto, até Rogério gesticular para dar o real início ao jogo. Alício, sujeito júnior, mereceu a pena: ficou correndo como um tolo.

O comportamento da arbitragem foi mais amigável no Couto Pereira. Visitas aos vestiários tiveram o objetivo apenas de saber o que os atletas planejavam. Alex explicou e avisou Leandro Vuaden: “Isso aqui é sério, não é brincadeira”. Talvez ainda haja quem pense que o Bom Senso FC pode ser ignorado. É uma postura comum em processos de grandes mudanças. Alimenta-se de soberba e termina sempre do mesmo jeito.

CHEQUE

A proposta de calendário do BSFC para o futebol brasileiro está quase concluída. Pelo menos um dirigente já a conhece e aprova. A grande questão é conquistar a adesão dos clubes e, principalmente, a simpatia de quem paga a conta. Se a televisão entender que uma programação de competições diferente gerará produtos mais valiosos, o objetivo será atingido.

INDELÉVEL

Dizem que as coisas nunca terminam bem, pois se fosse assim não terminariam. É fato que a passagem de Tite pelo Corinthians não se encerrará da maneira que ele gostaria. Ou da maneira que deveria. Apesar dos sentimentos, Tite deve lembrar das mensagens que recebeu de alguém que conhece muito bem o Corinthians e o orientou a não ficar no clube em 2014. Sua carreira prosseguirá onde ele quiser e seu nome estará, para sempre, abraçado à época mais gloriosa que os corintianos já viveram. Não há como apagar.



MaisRecentes

Porte



Continue Lendo

Segunda vez



Continue Lendo

Paralelos



Continue Lendo