COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

MENSAGEM

A delegação do Coritiba se preparava para embarcar rumo a Recife, na quinta-feira, quando Alex foi abordado por quatro admiradores. Eram jovens jogadores de futebol do Maranhão, todos na faixa dos 20 anos de idade. Estavam a caminho do Leste Europeu para tentar a sorte em clubes obscuros daquela região do mundo. Apresentaram-se a Alex para parabenizá-lo pelo movimento de jogadores pela discussão do calendário, mas não deixaram de expor uma preocupação e um pedido: que as mudanças não acabem com os campeonatos estaduais.

Alex, um dos participantes mais ativos e vocais do movimento – o que só abrilhanta seu currículo de craque e suas posturas pessoais – Bom Senso F.C., deparou-se com os problemas de comunicação que costumam se colocar no caminho de iniciativas transformadoras como essa. Em poucos minutos, explicou aos rapazes que as ideias do grupo tinham o objetivo de melhorar a situação dos clubes que não conseguem se manter ativos durante todo o ano. Os quatro jogadores viajaram mais tranquilos e esperançosos.

O movimento Bom Senso F.C. fará uma reunião nesta segunda-feira, em São Paulo, na qual se produzirá a correspondência que será enviada à CBF, junto com o dossiê que sustenta os argumentos para as solicitações de alterações no calendário do futebol no Brasil. As posições do grupo vão bem além dos “puxadinhos” que já começam a ser divulgados como possibilidades de solução para o ano que vem, meras subtrações de datas que não resolvem nada porque não acessam o problema principal: uma programação de competições que não permite a preparação ideal, prejudica de diversas maneiras a qualidade do jogo e não estimula a atividade dos clubes em todos os níveis.

É fato que os principais clubes do Brasil precisam jogar menos. Mas essa não é uma necessidade geral e não impõe simplesmente a extinção de competições. A noção de que os estaduais, como são hoje, representam a salvação dos clubes do interior porque promovem encontros entre grandes e pequenos é um reflexo equivocado do modelo que se pretende discutir. Mesmo se fosse verdade, não resolveria as carências daqueles que não têm o que disputar no resto da temporada.

O documento que será encaminhado à CBF pretende abordar todos esses aspectos e confia em uma resposta rápida, mesmo que os impactos do debate não sejam imediatos. Trata-se de uma ação propositiva de um grupo de atletas e técnicos que será mais numeroso ao término da reunião do dia 30. Os jogadores que subscreveram o manifesto inicial, divulgado na terça-feira passada, estão colhendo as assinaturas de seus companheiros de clube em apoio ao movimento. O Bom Senso F.C. pode se multiplicar em menos de uma semana e ganhar mais vozes.

A pauta do encontro – que será fechado – também trata da elaboração da estratégia de comunicação mais adequada para o momento. Como o encontro de Alex com os jogadores no Aeroporto Afonso Pena revelou, a divulgação é tão importante quanto a mensagem.

COPA DO BRASIL

O Atlético Paranaense conseguiu o melhor resultado nos jogos de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Assim como o Goiás, estará classificado com um 0 x 0 na segunda partida, mas jogará em casa. O longo intervalo entre os jogos promete influenciar os confrontos e age como estimulante para quem está em má fase. É razoável imaginar que Corinthians e Internacional, por exemplo, viverão melhores dias na última semana de outubro. Pior do que está é difícil.

RISCO

O torcedor do Atlético Mineiro lamenta que a pior lesão da carreira de Ronaldinho Gaúcho aconteça agora e ameace a participação dele no Mundial de Clubes da Fifa. Até anteontem, Ronaldinho, 33, tinha conseguido driblar contusões sérias ao longo de sua trajetória, o que é notável. O prazo de recuperação é baque nos planos do Atlético para o torneio no Marrocos.



  • @dansonok

    André Kfouri, pensando em diminuir datas, mas sem desvalorizar os estaduais, você acha possível um Campeonato Paulista no formato de uma Copa do Mundo?
    – O campeão disputaria no máximo 7 jogos, sempre nos fim de semana, e o campeonato duraria 1 mês e meio. Com apenas um jogo decisivo, daria emoção a um campeonato modorrento e aumentaria as chances de times do interior que acertando uma boa partida poderiam eliminar clubes de maior investimento.
    – Um campeonato com 8 grupos de 4 clubes, com um total de 32 clubes. Pois, se datas são tiradas da FPF, ao menos ela poderia “agradar” mais clubes ao inchar o campeonato.
    – Realizá-lo com 8 sedes no Interior. Assim, apenas os 8 melhores campos do interior seriam usados. Evitando jogar em alguns “pastos”. Contando que exista 8 bons campos no interior.
    – Os times da Série A e B estaria automaticamente classificados e os demais clubes se classificariam pela Copa Paulista.

  • Anna

    Muito boa a sua coluna, como sempre. Divulgação, em comunicação, é tudo! 😉 Ótimo domingo ! Anna

  • Nilton

    “Pior do que está é difícil.”
    E o timão consegue perde de 4X1 para a Lusa em Campo Grande. E se continuar nesta jornada poderemos ter um Gremio x Timão, com o timão brigando para não entrar na Z4 e o Grêmio sonhando em ser campeão.

    Em relação ao Calendário, em uma tentativa de manter os Estaduais vivos:
    Sou a favor de não assumir o calendário Europeu, teríamos 30 dias de ferias, mais uns 15 de pré temporada em janeiro, e mais 15 dias em julho/agosto, para que os principais times possam participar dos jogos e campeonatos de pré temporada da Europa, e os demais time se preparar para o restante da temporada.

    Mudaria a Serie A e B para 16 times com 4 rebaixados, sendo a metade em cada semestre, não dando possibilidade de um time de “desisti” do campeonato para priorizar outras coisas (seriam 8 jogos a menos para se recuperar).

    Solicitaria que a Libertadores e Sul Americana fossem disputada nas mesmas datas, se a Conmebol mandar um “vai se catar”, passaria a mandar para a Sul-americana os times da Serie C e de outros campeonatos regionais que não participasse da Serie A e B.

    Reduziria os Campeonatos Estaduais para uns 16/12 times com redução de datas, deveria ser jogados no 1º Semestre, sendo os melhores colocados que não tivesse na Series A, B, E e D formaria uma serie E regionalizada que seria patrocinada em parte com 5 a 10% da renda de TV da serie A .

    Poderíamos ter a Copa do Brasil Disputada no sistema de 16 grupo, sendo que cada grupo teria um representando de cada Serie e o mando seria dos times de serie inferior (ex. o time da Serie D disputaria todos os jogos em casa, o da C disputaria 2 em casa e um fora, e o da Seria B 1 em casa e 2 fora, e o Time da Serie A todos os jogos fora de casa. Na Fase Mata-Mata um jogo em cada casa.

    • Pontara

      4 x 0 e não 4 x 1

    • Bino

      Caramba, realmente, não tenho palavras, que lixo de calendário!

  • Fabio

    Andre, off topic eu sei, mas…….. Nenhum comentário sobre a aposentadoria do Rivera?

  • André,

    Acredito que o Ronaldinho se recupera a tempo, e com certa folga, mesmo a lesão sendo grave, acredito que o empenho e comprometimento que ele vem demonstrando no Galo farão a diferença.

  • Emerson Cruz

    Todo apoio ao Bom Senso FC, já que este movimento, até aqui, não consegue contar com a adesão(ao menos abertamente e em grande quantidade) dos seus patrões, que conte com o apoio dos torcedores das equipes, em especial aqueles que são sócios dos clubes na pressão por mudanças no futebol brasileiro. Este movimento pode finalmente plantar uma semente para uma reorganização minimamente decente do calendário do futebol brasileiro.
    Quanto aos pequenos e os estaduais, há muito tempo que a solução para estes torneios é funcionar como uma espécie de 4ª divisão do Campeonato Brasileiro e durando toda a temporada. A salvação para os clubes periféricos do país, se é que ela existe, está em estimular as rivalidades locais e em proporcionar a eles condições de disputar torneios que lhes permitam sobreviver durante todo ano.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo