CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

SEM SENSO

Dois anos atrás, quando os jogadores espanhóis fizeram uma greve que comprometeu o início da temporada, um cartola os acusou de ganância. Os atletas se recusaram a jogar porque os clubes lhes deviam salários. O dirigente disse aos jornais que havia milhões de desempregados no país, e que os grevistas deveriam pensar que ao menos tinham trabalho.

A hipocrisia da cartolagem supera as fronteiras, o fuso horário e o idioma. A primeira reação ao movimento “Bom Senso FC” – reunião de atletas e técnicos pela discussão do calendário do futebol brasileiro – mostrou como a simples sugestão de mudanças age na capacidade de raciocínio de quem toma decisões por aqui. Francisco Novelletto, presidente da Federação Gaúcha, acusou os jogadores de reclamarem “de barriga cheia”.

Novelletto alcançou o feito de comparar o futebol a outros esportes, em termos de desgaste, para criticar os atletas. Tema que não vale a abordagem, por respeito à inteligência do leitor. O cartola gaúcho também quis saber se os participantes do movimento aceitariam reduções salariais decorrentes da diminuição do número de jogos, como se a questão central em discussão fosse dinheiro.

Posições reveladoras, mas não surpreendentes. O papel verdadeiramente indigno, por ora, coube a Alfredo Sampaio. O vice-presidente da Federação Nacional dos Atletas Profissionais não soube compreender o que aconteceu na terça-feira. Em vez de colocar a entidade ao lado e à disposição daqueles que deveria representar, Sampaio se insurgiu contra o caráter independente do movimento. Pior: personalizou o debate ao dizer que o zagueiro corintiano Paulo André, um dos articuladores do manifesto, “fala demais e deveria se candidatar a presidente do sindicato”. Quanta visão.

No lugar de questionar por que os jogadores não procuraram o sindicato (por que será?), Sampaio deveria agradecer a quem fez o trabalho dele. E seguir o exemplo. Ainda há tempo.

CORRENTES

A cada manifestação sobre o movimento “Bom Senso FC”, fica evidente quais são lados e o que cada um deseja para o futebol brasileiro. Preste atenção em quem declara apoio e quem combate o avanço. Preste ainda mais atenção nos argumentos de cada lado. Os dirigentes de clubes também precisam se posicionar. Se atletas e clubes ficarem juntos, as coisas acontecerão.

EVIDÊNCIA

“A gente vê no semblante do jogador [adversário] que você pode ir pra cima novamente que ele está um pouco mais desgastado”. Declaração de Everton Ribeiro, destaque do BR-13, sobre o que o Cruzeiro tem encontrado nos segundos tempos dos jogos. Os mineiros fizeram pré-temporada de um mês e não jogarão mais de sessenta partidas no ano. Só não vê quem não quer.



  • A cartolagem do futebol brasileiro só reflete os mesmos problemas de gestão pública no país: mentalidade retrógrada e pouco viés para ações que de fato melhorariam as condições sociais, neste caso de trabalho.

    Tarde, mas é um começo.

    Em tempo: a postura do Alfredo sampaio só reflete o comportamento de quem nunca se viu obrigado a trabalhar e agora se sente pressionado por ter a sua “autoridade” questionada… Como ter paciência com esses dirigentes e executivos? Tsc, tsc…

    AK: É exatamente isso. Um abraço.

  • Serginho Laurindo

    A questão física tb pode explicar em parte o sucesso do Atlético-PR, que não deve ter feito mais que 40 jogos com esse time na temporada. Só está do lado dos “sem senso” quem tem algum interesse financeiro na coisa: dirigentes de federações, pra manter os intermináveis e ridículos estaduais, dirigentes da CBF, pra manter a estrutura de poder que os permite essa mamata, e a televisão, pra manter o produto futebol no ar todas as semanas do ano, pelo menos duas vezes por semana. E os dirigentes dos clubes continuam incapazes de tomar uma atitude digna, por tb vislumbrarem tirar algum proveito dessa situação, ou porque são todos uns bunda-moles mesmo! Só não vê quem não quer…

  • Realmente utilizar a questão salarial neste caso é descabido, pois os jogadores não estão pedindo para “trabalhar menos”, e sim por melhores condições, o que é salutar para todos.
    A qualidade do futebol tende a melhorar, e todos ganham. Torcida, jogadores, seleção brasileira.
    Mas todo movimento encontra resistência, incluindo alguns que se aproveitam para denegrir a imagem dos envolvidos, tentar jogar a opinião pública contra, etc.
    Espero que os jogadores consigam a união necessária para levar o movimento adiante.

  • Pablo

    André,
    ótima matéria…
    Sobre a questão do cruzeiro, cabe ressaltar que eles terão menos jogos porque não disputaram a libertadores, o campeonato mineiro é um dos menores em números de jogos e já foram eliminados da Copa do Brasil…
    Abraços…

  • Rubens Cesar

    A unica coisa que me incomoda é que a caça as bruxas comesse pelo Estadual. Futebol não é só o da Primeira Divisão e é sim importante manter os clubes pequenos em atividade. Não adianta fazer copas Regionais, isso piora o problema,nao o soluciona. O calendario Atual é cruel com times que nao disputam nenhuma Serie do Brasileiro pois criou os times de Verão (A Tal Copa Paulista é um fiasco..). O estadual deve existir e deve ser de Ano inteiro, junto com o Brasileiro, tambem de Ano Inteiro. Talvez fosse realmente melhor que os Grandes nao participassem, fazendo do Estadual uma divisão de acesso ao Brasileiro, mas convencer as Federações a perder seu campeonato com os Grandes eu acho impossivel sem um belo tratamento de choque. A opção de conciliação seria que os grandes tivessem elencos maiores, reeditando o que aconteceu com o Expressinho Tricolor, time esse dedicado a Jogar os Estaduais nos seus momentos iniciais deixando a criterio do time grande a utilização dos titulares nas fases finais. Pensando bem, o Calendario atual conseguiu ser ruim pra Jogadores, Clubes Grandes e Clubes Pequenos. Pra quem é bom então?

  • Emerson Cruz

    O que mais me incomoda é o até aqui silêncio dos clubes, nenhum dos patrões dos jogadores aderiu abertamente ao Bom Senso FC, aliás, desde que o movimento eclodiu os presidentes de clubes sumiram da mídia, o único que vi/li dar declarações foi o presidente Fábio Koff, na última quarta-feira no Pacaembú, mas apesar disso, o mandatário do Grêmio ficou em cima do muro, numa clara demonstração de não querer confrontar as entidades parasitas denominadas de federações.

  • Juliano
  • Samuel Santos

    Acredito que o próximo passo é intensificar a pressão (dos torcedores, da imprensa, e dos jogadores (um pouco mais complicada)) para que os clubes se manifestem e se posicionem.

    Certamente todos ficarão meio em cima do muro, mas serão obrigados a aceitar a discussão, o que já tem a sua importância.

  • Antonio

    Caro André

    A preparação dos times pequenos são de quase 2 meses, então porque num campeonato Estadual os grandes disputarem as semifinais? No caso do Rio e São Paulo que têm 4 grandes haveria um quadrangular entre eles, o 1o e o 2o lugar disputariam as semifinais com os dois 1os dos pequenos, nos outros estados poderiam ser algo similar. O que você acha?

  • Srs.

    A questão dos campeonatos estaduais é realmente difícil de resolver. Por um lado, envolvem a paixão de torcedores locais, a tradição, etc.
    Tirar os grandes clubes dos estaduais como SP, RJ, MG, RS, PR, vai ocasionar prejuízos em razão do público destes times.
    Com certeza é preciso mudar o calendário para dar melhores condições aos jogadores, mas deverá ser bem pensada a solução, para que o remédio não seja pior que a doença.

  • O pelaipe fala que nao e covarde , entao covarde e’ quem nao manda esse cego embora.

  • Alcir Junior

    Olá André

    Concordo quando você diz que o Alfredo Sampaio perdeu uma grande oportunidade de se juntar ao movimento e aumentar aa voz dos jogadores. Ele deve saber porque os jogadores não o procuram, já que esse tempo todo , ele não representou de fato todos os jogadores.
    Ele simplesmente aproveitou pra ter seus minutos de fama (ou não), para simplesmente dizer: “Ué, porque eu não fui comunicado?” e com isso atacar o Paulo André.

    Parabéns pela coluna

  • Corvolord (@Corvolord)

    Saudações Cruzeirenses Andre e demais leitores.

    Esse Alfredo Sampaio, presidente do sindicato do Rio de Janeiro e vice do sindicato dos atletas profissionais nacional, junto com o Rinaldo Martorelli tem o descaramento de oportunamente mostrar que eles resolveram todos os problemas do futebol brasileiro em uma reunião com Marcelo C. Pinto, leia-se Rede Globo. Eles nos consideram estúpidos? Imbecis? Todos percebem facilmente que uma noticia desta tem por único objetivo abafar e reduzir o movimento legitimo dos atletas. Leia abaixo:

    http://www.fenapaf.org.br/?pg=noticias&noticia=199

    Na verdade o Raí, Alex e cia que num levante de grandeza entenderam que as manifestações de mudanças espalhadas Brasil afora deveriam ser estendidas ao futebol.

    – O calendário para o ano que vem é absurdo para todos. Os jogadores estão conversando, para ver se a gente consegue ser ouvido. Quem está perdendo é o futebol brasileiro. O calendário não é pensado nos jogadores – disse o meia, que criticou a falta de tempo para férias e pré-temporada adequada. Por Alex

    “Todos os clubes, federações e confederações que recebem dinheiro público têm a obrigação de dar a contrapartida para disseminar a sua modalidade, democratizar o esporte. Sem esses requisitos que estamos exigindo nessa emenda, as decisões ficam para um comitê que favorece pequenos grupos e não o interesse do esporte em geral”, Por Raí

  • Thiago Mariz

    Uma dúvida, André: o Cruzeiro não jogará mais de 60 jogos por ter preservado os jogadores no estadual (isso ocorreu?), ou porque a eliminação da Copa do Brasil o favoreceu?

    AK: Ambos. O argumento é que, independentemente dos motivos, o número de jogos tem impacto. Um abraço.

  • coloca eles para cortarem cana,,,
    ai sim ,,,,
    jogadores ganham milhões e tem desgastes,,,,
    cortadores de cana ganham salário mínimo e acordam de madrugada ….

    AK: “Jênio”.

    • Nilton

      Gimenez,
      Se eu te falar que a maioria dos jogadores da NFL jogam apenas 4 meses, e o campeão joga no máximo 5 meses e meio, E a TV tem coragem de mandar um caminhão de dinheiro por este apenas 6 meses.
      E te garanto que eles não precisão ficar cortando cana nos outros 6 meses para completar o salário.

    • robert

      Boa Gimenez

  • Por aqui os “eleitos” para qualquer cargo público ou até mesmo emprego e no caso presente Federações, Confederações, clubes e até sindicatos julgam afronta a seu poder que alguém ouse reivindicar algo, criar algum movimento ou qualquer coisa que o valha com intuito de mudar situações injustas ou que não funcionam.
    A questão no meu modo de ver que fere os “brios” destes picaretas de plantão, é o fato de julgarem-se donos das entidades ou cargos, que não precisam ouvir ninguém e que o fato de ocuparem alguma posição os torna proprietários do lugar.
    Esta é a democracia brasileira. esta é a mentalidade de dirigentes e “poderosos” (muitos meros garotos de recado) que se colocam na posição de divindades inquestionáveis, de donos do poder de falta “de senso” de noção. É por estas razões que nosso futebol assim como quase tudo neste país não evolui e esta estagnado no tempo. Nosso futebol parou na década de 60 e continua sendo administrado com a mesma visão de poder e de propriedade particular de alguns. basta ver que a CBF nos últimos 50 anos teve apenas 4 ou 5 presidentes.
    Se a coisa para-se por ai até que seria de menos mas o mesmo ocorre na CBV, CBB, Judô, Tênis, automobilismo, atletismo……….. Vejo apenas como esperança que finalmente as alterações que se encontram no Congresso impedindo que dirigentes esportivos só possam exercer mandado por 2 vezes, comece a mudar as coisas.
    Quanto aos clubes….O que pensar de agremiações que marcam amistosos sem qualquer importância no exterior em pleno Campeonato Brasileiro e depois submetem os jogadores a maratonas de vários jogos em 10 dias? Ninguém sabia? Depois limpam-se no calendário como se não tivessem nada com isso. O calendário é aprovado por eles e fim. Não estão interessados em mudar nada.
    Parabéns aos atletas e técnicos que estão tocando esta luta. É estimulante assistir a jogadores com engajamento político lutando por seus direitos em vez de discussões e provocações idiotas e declarações alienadas sobre o “professor”, valentias e agressões em campo e principalmente futebol medíocre. Solução? Profissionalismo.

  • Amanha o criciuma vai meter o ferrolho e entregar a chave da segundona ao flamengo. E deve ganhar num contra ataque, com um golzinho so’.

  • Alexandre

    Obviamente o calendário do futebol brasileiro é ruim, mal planejado e muitos dos dirigentes são fracos e corruptos. Não estou do lado deles, mas há algumas coisas que precisam de reflexão, pois pra mim vale muito o porque da ação, claro que melhorar o calendário é digno, mas porque estão fazendo isso? Pra mim, apenas pra levar mais vantagem do que levam, eu sinto vergonha.
    Sou doente por futebol, mas não há como negar que há coisas mais importantes no país e no mundo do que uma bola rolando. Por isso, acho que há outras coisas e causas que deveriam ser respeitadas antes. O bom senso é uma delas. Enquanto um pedreiro trabalha 40 horas pra ganhar uma merreca, tem VT, VR e olhe lá, o jogador de clube grande ganha 200, 300 mil por mês pra jogar uma ou duas vezes por semana indo aos melhores hotéis, tendo fisioterapia, academia e médicos de primeira linha. Aliás, nem precisa ir tão longe. É só pegar jogador de time pequeno do interior. Porque esses 75 hipócritas não lutam por melhores condições pra imensa maioria de seus companheiros de profissão que em muitas ocasiões não tem nem sequer a certeza de que receberão o ano todo? Porque não lutam pra melhorar os salários de quem ganha pouco? Porque não lutam pro preço dos ingressos baixar e o verdadeiro torcedor poder entrar de novo no estádio? Bando de descompromissados, hipócritas e aproveitadores, só pensam no próprio bolso e no próprio conforto. E não só aqui: enquanto se vive uma crise na Europa toda, inclusive com a Espanha tendo níveis assustadores de desemprego, um clube de futebol paga 90 MILHÕES DE EUROS por um jogador. A economia de um país inteiro literalmente quebrada, milhares passando necessidades e um mero clube de futebol desse mesmo país pega 90 milhões de euros e lança por um jogador. Eu sou um dos caras mais doentes por futebol que existe, mas cada vez mais sinto vergonha e confesso que cada vez menos entendo o porque do futebol ser “imune” a tudo, como por exemplo, poder ter a grande maioria dos seus clubes se mantendo endividados e operando normalmente. Há coisas MUITO, mas muito mais importantes do que futebol. Enquanto há pessoas desempregadas, lutando pela vida, miséria absoluta em muitos outros locais, a bola continua girando e o dinheiro tlintando como se nada acontecesse. Fico imaginando a diferença que 90 milhões de euros fariam em várias partes da África onde impera a pobreza e a miséria absoluta. Aliás, até mesmo o que não fariam 400 mil reais, o salário médio de muitos desses 75 hipócritas. Tenho cada vez mais vergonha de ser apaixonado por esse esporte, infelizmente nasci na época errada do mundo da bola, o futebol já foi mais bonito, mais sincero, mais humano, mais barato, mais tudo.

    AK: Você está terrivelmente enganado em relação às intenções do movimento. As propostas de alteração do calendário têm o propósito de melhorar o futebol brasileiro, não apenas a Série A. Um abraço.

    • Nilton

      Alexandre, não li o comentário inteiro, mas já posso te adiantar que se pegar todos os jogadores que ganham mais de 200 mil no Brasil, não vai dar para fazer nem 10 times.
      Te garanto que na maioria das vez que um jogador ganha mais de 200 mil, ele consegue retorna este valor ao clube, em diversas formas. Lembra do Ronaldo no Timão não foi jogando bola que ele alterou as receitas do time.

  • Renan Eduardo

    André, você sabia que o presidente da Federação Gaúcha de Futebol é dono de uma rede de lojas que por acaso patrocina vários times do interior gaúcho? Não tenho conhecimento legal para saber se isso é legal ou não, mas me incomoda saber que os clubes que votam recebem dinheiro do presidente da FGF.

    AK: Conflitos como este são comuns, infelizmente. Um abraço.

  • Fausto

    Otima materia, mas infelizmente alguns estão confundindo este movimento com reajuste de salários , eles querem melhores condições de trabalho junto as entidades responsáveis (CBF< F.P.F etc) , por isso o porque do movimento, reajuste de salario você trata com o seu empregador na hora de fazer o contrato.Precisamos enterder os
    motivos antes de falarmos ou escrevermos besteiras . Só mais uma obs: Ai garoto já ta ficando melhor que o Pai KKK Abraços

  • Luiz Renato

    André – Bom Dia

    Só gostaria que vc me responde-se algo, na época que o futebol brasileiro tinha estaduais fortes revelavamos craques de penca, conforme o brasileirão foi assumindo o posto o futebol brasileiro não revela ninguém.

    Simples assim diminui o brasileirão pela metade e sobra espaço para todo mundo.

    Será que não está na hora de vcs terem humildade e resgatar o passado em que os resultados eram bons, enquanto hoje os resultados são péssimos apesar de prevalecer o que vcs da imprensa querem? Pense nisso com humildade.

    AK: A relação que você estabelece é uma obra de ficção. Um abraço.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo