COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

SER E ESTAR

“Kaká não consegue mais jogar no meio, numa linha de três. Tem de jogar na lateral do campo. O problema é que, no Real Madrid, quem joga ali é o Cristiano Ronaldo. E na Seleção Brasileira, é o Neymar.”

O diagnóstico, de autoria de um treinador brasileiro, identifica os problemas de mobilidade do novo jogador do Milan, que dificultaram sua escalação como “interior” – na terminologia dos espanhóis – tanto em seu ex-clube como na Seleção. O trabalho de quem cumpre essa função, de acordo com o técnico, requer capacidades físicas que estão no passado da carreira de Kaká. Esta é uma das explicações para o papel de opção que ele vinha exercendo no Real Madrid.

Há outras, como se sabe. Mesmo considerando a concorrência pela posição, o tratamento que José Mourinho dispensou ao meia brasileiro beirou o desrespeito. O repórter Diego Torres, responsável pela cobertura do clube branco no jornal “El País”, descreveu diversos episódios que evidenciaram o desprezo do técnico português pela estatura de Kaká como futebolista e por qualquer configuração que levasse em conta suas habilidades. Mourinho relegou Kaká a jogos de menor significado e/ou minutos sem importância. A resistência do ex-Bola de Ouro a deixar Madri nas últimas duas temporadas é um dos aspectos intrigantes da história.

Em outubro do ano passado, a Seleção serviu como fiadora de Kaká. Atuações convincentes em amistosos contra o Iraque e o Japão recuperaram sua condição no time então dirigido por Mano Menezes e deixaram Mourinho em situação desconfortável: o jogador que ele ignorava, contratado por um alto valor, era bom o suficiente para jogar pelo Brasil. Pouco mais de um mês depois, José Maria Marin substituiu Mano por Luiz Felipe Scolari.

Também houve troca de comando no Real Madrid, com a chegada do técnico com quem Kaká dividiu os melhores momentos de sua trajetória. Com Carlo Ancelotti, a relação seria a melhor possível. Mas a disputa por um lugar no time ficou ainda mais intensa após a contratação e a adaptação instantânea de Isco, e a declaração de Scolari sobre a necessidade de jogar agravou o quadro. Os apupos da torcida do Madrid durante o recente Troféu Santiago Bernabéu terminaram por convencer Kaká de que era hora de ir.

O retorno ao Milan tem objetivos claros: jogar mais e se colocar à disposição da Seleção. O time de Scolari utiliza apenas um meia “puro”, Oscar. Dez anos mais novo do que Kaká, o jogador do Chelsea pareceu ter agradado plenamente ao técnico durante a Copa das Confederações por completar missões táticas consideradas importantes no sistema do time. Mesmo quando foi discreto na geração de jogo, Oscar recebeu elogios de Felipão. Ele aparece como o dono da camisa se a Copa do Mundo começasse hoje.

Mas ainda há alguns meses, para alento de Kaká. Tempo suficiente para reunir saúde, consistência e quem sabe mostrar que o diagnóstico que abre esta coluna foi precipitado. Se conseguir se estabelecer, ainda que não seja titular, deve haver um lugar para ele. Houve um para Jadson.



MaisRecentes

Porte



Continue Lendo

Segunda vez



Continue Lendo

Paralelos



Continue Lendo