COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

ATLETAS PELO BRASIL

Um importante avanço para o esporte no Brasil estará em jogo amanhã, por volta das 11 horas, no plenário 6 da ala Nilo Coelho, no Senado Federal. Na ocasião, será apresentado e votado o relatório da Medida Provisória 615, que trata da subvenção econômica aos produtores da safra 2011/12 de cana de açúcar e etanol da região Nordeste. É óbvio que a matéria nada tem a ver com esporte, mas uma das mais de cem emendas ao texto tem. E muito.

É a proposta de alteração da Lei Pelé que foi sugerida pela organização Atletas pelo Brasil, com o objetivo de modernizar a administração da prática esportiva no país, no sentido da profissionalização e qualificação dos dirigentes. É crucial que a opinião pública tenha acesso à discussão dos pontos que constam da emenda, para que o tema não se perca na gigantesca fila de pautas que navegam pelo Congresso Nacional. E para que as posições fiquem claras.

A emenda apresenta condições para que clubes, federações e confederações recebam recursos públicos e isenções tributárias. Em resumo, cria regras e exige transparência. Trata-se de um artigo com apenas onze pontos de simples compreensão, os principais estão abaixo:

– Remuneração para dirigentes que atuem efetivamente na gestão executiva em quantidade e valores que: a) Sejam compatíveis com o valor de mercado; b) Correspondam à responsabilidade e complexidade das funções exercidas; e c) Correspondam ao porte da entidade beneficiada.

– Mandato de Presidente ou de Dirigente máximo de quatro anos, permitida apenas uma única recondução.

– Previsão expressa nos seus Estatutos sobre a participação de atletas nos colegiados de direção e na eleição para os cargos da entidade.

– Transparência na gestão, inclusive quanto aos dados econômicos e financeiros, contratos, patrocinadores, direitos de imagem, propriedade intelectual e quaisquer outros aspectos de gestão.

– Existência e autonomia de Conselhos Fiscais.

– Regras de gestão democrática, controle social interno, transparência pública de gestão de movimentação de recursos, fiscalização financeira e alternância no exercício dos cargos de direção.

– Aprovação final por assembleia geral, precedida por parecer do Conselho Fiscal, das prestações de contas anuais.

– Acesso irrestrito a todos os associados e/ou filiados a todos os documentos e informações relativos à prestação de contas, bem como outros relacionados à gestão da entidade de administração do desporto, os quais deverão ser publicados na íntegra pelos sítios eletrônicos de cada entidade de administração do desporto.

A verificação do cumprimento dos pontos acima ficaria sob responsabilidade do Ministério do Esporte, órgão que, estranhamente, não tem feito esforços nos trâmites necessários para que medidas tão salutares sejam aplicadas. Ao contrário, e apesar do aval do Palácio do Planalto, o texto da emenda já recebeu sugestões de alteração de políticos ligados à chamada “bancada da bola” e até de assessores do Comitê Olímpico Internacional.

É interessante saber quem se posiciona contra a modernização da gestão esportiva no Brasil.

GERADOR

Ganso abriu o caminho para a vitória do São Paulo sobre o Fluminense com um passe magistral para Luis Fabiano. Há muito não se via um lance assim. Jogadores que têm a capacidade de controlar o tempo de partidas aceleram movimentos com passes lentos. É o que causa a impressão de uma jogada em câmera lenta. São-paulinos mais experientes lembrarão – com nostalgia – de Palhinha, que tinha o hábito de criar momentos dessa natureza para Muller.

LIMITE

O Vasco produziu o suficiente para vencer o Corinthians, em Brasília, após sobreviver aos vinte minutos iniciais em que poderia ter levado dois gols. Notável como, a partir de um determinado momento, o campeão mundial deixa de jogar e passa a apenas insistir.

HÁBITO

E a Portuguesa levou mais dois gols após os quarenta minutos do segundo tempo, nos últimos dois jogos. Um dia alguém vai conseguir explicar essa estranha obsessão.

ATUALIZAÇÃO, 16h45 – O lobby da CBF funcionou e derrubou a emenda. Que surpresa.

ATUALIZAÇÃO,  quarta-feira 28/8, 16h35 –  Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República agiu e a votação da MP 615 não aconteceu nesta quarta-feira. O jogo continua na semana que vem.



MaisRecentes

Plano B?



Continue Lendo

Pendurado



Continue Lendo

Porte



Continue Lendo