COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

EMPATE NÃO SE COMEMORA

1 – Corinthians x São Paulo. Tranquilidade x ansiedade. Posse x espera. Criação x espaço. Clara proposta são-paulina de ceder a bola ao adversário, muito mais por força das circunstâncias do que por opção de estratégia de jogo. Cenário definido: iniciativa corintiana, com preço fixado a pagar por um erro na faixa central do campo.

2 – Controle absoluto do mandante nos primeiros movimentos no Pacaembu, porque mesmo quem opta por não ter a bola precisa cuidar dela com capricho. Em meia hora de clássico, o Corinthians ostenta 65% da posse. E o São Paulo faz pouco com pouco: 18 passes errados.

3 – Nas raras ocasiões em que o campo se abre para a velocidade são-paulina, Ralf se estabelece como estraga prazeres. Recuperação, intensidade e tempo. Presença de manual do volante do Corinthians.

4 – O futebol impõe a avaliação de cada time conforme sua capacidade e proposta. Assim, quem termina o primeiro tempo com saldo devedor é o Corinthians. Diante de um oponente aparentemente satisfeito por chegar ao vestiário sem levar um gol, o time de Tite não soube aplicar suas qualidades ao jogo. Uma aparição de Romarinho, finalização rasteira que passou à direita do gol de Rogério Ceni, e só.

5 – Alteração de postura no intervalo. Do São Paulo. Comportamento de quem quer discutir o jogo, ao invés de apenas acompanhá-lo. Destaque para Fabrício, apesar das condições distantes das ideais. Sobra ao São Paulo a necessidade de ser mais incisivo, mas faltam confiança e coordenação para passar da tentativa. A nova dinâmica apresenta ao Corinthians a possibilidade do contra-ataque, como se quisesse testar o nível de desejo do time.

6 – Nota-se a intenção de Tite de abrir o campo, como condição para encontrar o espaço. Nota-se também a dificuldade para fazê-lo. É preciso levar em conta a atuação mais confiável da defesa do São Paulo, um dos pontos que devem ter agradado a Paulo Autuori.

7 – Fabrício deixa o jogo. Renato Augusto e Alexandre Pato entram. E o Corinthians parece mais merecedor de um gol. Só parece, porque Pato não consegue finalizar na direção certa em duas oportunidades. Nos vinte minutos finais, o zero a zero soa como um resultado satisfatório para ambos. De fato, não é.

8 – O encontro anterior – jogo de volta da Recopa Sul-Americana – assustou por causa da ausência de competição. Não é normal, ainda mais numa disputa de troféu, mesmo quando um time é claramente superior ao outro. O clássico deste domingo teve um São Paulo mais envolvido, em especial no segundo tempo. E após uma pressão inicial que não deu frutos, um Corinthians em dúvida sobre o que quer. O empate significa que cada um continuará lidando com seus problemas.

9 – Conclusão: não perder o nono jogo seguido certamente melhora a qualidade do sono, mas como Autuori enfatizou em sua entrevista, “empate não se comemora, é pouco”. Há aspectos na atuação do São Paulo, em termos coletivos, que são mais relevantes do que o ponto somado. No Corinthians, as questões permanecem as mesmas: é possível reciclar motivação? Há uma escolha a ser ponderada entre o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil?

AGENDA

A viagem do São Paulo para Europa e Ásia expõe um dos problemas do calendário do futebol no Brasil. Excursionar é necessário, pelos aspectos das finanças e da valorização de marca. Mas fazê-lo durante o Campeonato Brasileiro gera prejuízos esportivos que não podem ser medidos. O São Paulo deixará o país ocupando a zona do rebaixamento, e, quando retornar, pode estar na última colocação. Neste momento, o passeio por Alemanha, Portugal e Japão é inconveniente.

VEM AÍ…

Falando em Alemanha, o que Borussia Dortmund e Bayern Munique mostraram no sábado deixou uma ótima impressão sobre a temporada que está por vir. A vitória do Dortmund (4 x 2) na Super Copa da Alemanha revelou que o time de Jurgen Klopp continua sendo um fenômeno. O de Pep Guardiola, em fase de construção, terá fortíssima competição doméstica. O campeonato promete.



  • Emerson Cruz

    Sobre o calendário, concordo plenamente. Algo semelhante, embora menos prejudicial ocorrerá com o Santos em seu amistoso no Camp Nou. Estas excursões de fato deveriam acontecer. Este momento deveria ser o dos clubes de cá estarem mundo a fora realizando as suas respectivas preparações, e ganhando dinheiro até o início do Brasileirão. O Campeonato Brasileiro deveria se iniciar em agosto e terminar em maio de 2014, ocupando os finais de semana, os meios de semana deveriam ser ocupados pelas copas nacionais e continentais, não deveriam ocorrer jogos oficiais em datas Fifa e menos ainda campeonatos estaduais em seus atuais formatos.
    Bem estranho como os clubes se sujeitam aos desmandos e as práticas da CBF, da Conmebol e federações estaduais.

  • Alex

    Andre, o Tite poderia buscar uns conselhos com Alex Fergunson sobre motivação em times já vitoriosos, não acha?

    AK: Seria uma conversa interessante. Um abraço.

  • yuri

    Eu sei, eu sei… Voce deve estar correndo e cheio de coisas pra fazer.
    Mas achei que vc gostaria de saber que estamos sentindo falta das notinhas da rodada.
    E alguns outros assuntos que eu gostaria de te comentar:
    1) Que barato o Luverdense nas 8as da Copa do Brasil. Estas copas, na Europa e no Brasil, sempre trazem surpresas agradáveis. Pois longa vida ao Luverdense na Copa!
    2) Sou eu que já não enxergo tão bem ou é esta bola “camuflada”, que vem sendo utilizada no Brasil, que é um inferno para se identificar? E como é feia!
    3) O Abel leva o Flu a títulos e a uma posição de destaque no nosso futebol. Daí perde um montão de jogadores e, é claro, o Flu sofre. Mas paciencia pra que?? O culpado é o Abel!! Que sai para entrar o… Luxa. O mundo do futebol, na terra do futebol, é ainda muito burro.
    Um abraço, sempre de longe mas sempre por aqui, do yuri

    AK: As notinhas vão voltar, é um compromisso. Quanto a…
    1) Sim. O torneio serve, também, para isso.
    2) Foi uma péssima ideia. Mas talvez os responsáveis sejam visionários, pois está nevando no Brasil…
    3) Muito, muito.
    Obrigado e um abraço.

  • Paulo Pinheiro

    * Mal comparando, a tática do SPFC poderia ter dado certo, como deu a do Chelsea sobre o Barcelona ano passado. A diferença é que o Corinthians não tinha a obrigação de partir pra cima, como foi na última partida da Champions.

    * Não consigo ver o SPFC rebaixado no final da competição. No entanto, a agitação política atrapalha bastante o momento atual. Isso claramente está refletindo em campo. Jogadores como Jadson e Oswaldo não jogam tão mal. O JJ tem um adversário forte desta vez.

    * Quanto mesmo o Corinthians pagou em seu novo ataque pra ser o pior da competição após 9 rodadas?

    * Vai ser interessante ver o que vai acontecer na Copa do Brasil. Acho que vai ser o primeiro teste real da condição do Corinthians em relação aos adversários brasileiros. A Recopa já poderia ter sido, mas foi apenas uma partida contra apenas uma equipe (que não vem num momento bom). A “lógica” diz que Corinthians e Atlético-MG farão a final, ou uma final antecipada. Mas é Copa do Brasil. Nunca se sabe.

  • Thiago

    Oi André,
    Nos últimos posts e colunas, você vem “dividindo” os textos, numerando-os. Nova tendência sua ou só coincidência?
    Abraços.

    AK: Tenho feito assim em colunas e posts que são análises de jogos. Me possibilita abordar vários aspectos. Um abraço.

  • Que jogo o de sábado!

    BvB impossível, dará trabalho! Uma pena ter perdido a UCL, nos detalhes dos detalhes…

    E como joga o Gundogan, Mein Gott!

    Esse esquadrão do Borussia é daqueles que deveriam permanecer juntos p/ sempre, tirando o Judas IscariGotze! E relevando o mala do Lewandowski, que está bravinho e quer sair!

    Aliás, além de tudo, do futebol, do técnico diferenciado, da torcida fantástica… ESSE Borussia tem a escalação com nomes mais ‘legais’ de todos os tempos:

    Weidenfeller, Piszczek, Subotic, Hummels, Schmelzer, Bender, Gundogan, Blaszczykowski, Reus, Grosskreutz, Lewandowski…

  • Anna

    Acho essa Copa Audi temerária pro São Paulo.Espero estar enganada.Sinto falta das Notinhas Pós-rodada!

  • Glauco Toledo Jr.

    Mas está clara a melhora da defesa do São Paulo. Autuori mostra que sabe o que está fazendo. A saída do Lúcio foi muito boa para o time. E melhor ainda foi o retorno do Fabrício ao grupo, que trouxe mais marcação ao meio de campo. É um grande jogador, com qualidade técnica e personalidade.

    Os grandes problemas a serem resolvidos agora são o lado direito e o ataque. Douglas é muito fraco. E Osvaldo não tem toque de bola, nem visão de jogo. Esses dois jogadores precisam sair do time. Aí sim voltaremos a ser a grande potência mundial que já somos há mais de 20 anos.

  • Reinaldo Bueno Jr

    Vocês ai que ficam defendendo esse retranqueiro, burro e teimoso, me respondam: Do que adiantará ele ter ganhado tudo se no final do campeonato (e pelo andar da carruagem não acho impossível) sermos rebaixados novamente? Olhem nossa colocação na tabela, estamos a 2 pontos da Z4, Há quanto tempo não aplicamos uma goleada? Temos o pior ataque do campeonato e a melhor defesa. Temos 2 craques na reserva, Pato e Renato Augusto, e temos o mascarado do Sheik que não joga nada desde a liberta do ano passado, como titular. Vocês amam o CORINTHIANS, ou amam o TITE? Td bem que ganhou o que ganhou, mas pessoal vamos deixar o passado de lado e vamos enxergar o presente que não nos dá perspectiva de futuro nenhum com essa teimosia, burrice e retrancagem desse Sr. que está se achando acima da instituição que todos nos AMAMOS. VAI CORINTHANS FORA TITE RETRANQUEIRO!!!!!

  • Alberto Cruz

    AK, e o blog Mais Gelo ?! Um abraço!

    AK: Hibernando. Um abraço.

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo