CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

O PRÓXIMO

Na lista de jogadores brasileiros bem sucedidos no Barcelona, só um logrou o que Neymar almejará a partir da próxima temporada europeia. Evaristo de Macedo é o único nome da relação que brilhou no clube catalão após chegar via ligação direta do futebol brasileiro: foi vendido pelo Flamengo, aos 24 anos, e ganhou dois títulos espanhóis e três copas da Uefa entre 1957 e 62.

Depois de Evaristo, todos os jogadores que nasceram aqui e lá se converteram em estrelas fizeram aclimatação ao futebol europeu antes de desembarcar no Camp Nou.

Romário e Ronaldo passaram pelo PSV; Rivaldo veio do La Coruña e Ronaldinho Gaúcho, do PSG. Belletti? Villarreal. Mesmo se incluirmos Daniel Alves e Adriano, que fazem parte do elenco atual e da história de títulos recentes, temos de lembrar que ambos jogaram no Sevilla.

A “catalanização” de Neymar, em termos futebolísticos, não é um desafio assustador para alguém com tamanha capacidade. Aprender um novo jeito de jogar – no qual haverá deveres táticos e algumas proibições – será questão de tempo e aplicação pessoal, como em qualquer tipo de formação.

O Barcelona não contratou Neymar simplesmente para inseri-lo num time que seguirá atuando da mesma forma. As qualidades dele representam novas opções à disposição de uma identidade, a exemplo do que se dá com um computador quando o sistema operacional é atualizado. Novo desenho, novas funções, mesmo DNA.

Imagine-o flutuando no lado esquerdo do ataque do Barcelona, em associação com Alba e Iniesta. Neymar terá de pressionar a bola, como fazem todos, e provavelmente será dispensado da geração de jogo mais recuado. Pense num demolidor de defesas.

A maneira de se conduzir receberá igual atenção. Jornalistas espanhóis relatam os comentários internos no Barcelona nos momentos que antecederam a final do Mundial de Clubes de 2011. Em campo, havia alguém que parecia um superastro. Não se chamava Messi.

ÀS COMPRAS

Enquanto se imagina como será o Barcelona com Neymar, pode-se ver como é o Santos sem Neymar. São opostos no espectro. O time não deve ser o que perdeu ontem para o Botafogo por muito mais tempo. Há necessidade, recursos e alvos para uma reformulação que deve ser feita com capricho. Enquanto ela não acontecer, será difícil esconder a realidade dura.

PERFIL BÁSICO

O homem que levou Falcao García para jogar no Mônaco é mais um magnata russo que se enamorou pelo futebol. Dmitri Rybolovlev ficou 11 meses preso por ser mandante de um assassinato que depois se verificou que não teve a participação dele. Sobreviveu a atentados e fez fortuna com a privatização das estatais russas. Mora na Suíça, entre pinturas valiosas.



  • Emerson Cruz

    Lembrei do Giovanni que começou bem no Barça, vindo do… Santos. Na temporada 97-98 formou um ataque interessante ao lado de Figo, Rivaldo e Sonny Anderson que sagrou-se campeão espanhol. De qualquer forma, ele não entra na galeria dos ídolos históricos dos catalães.
    Sobre o Mônaco, é incrível como a farra do dinheiro obscuro continua no futebol da Europa. Uefa, Fifa, e também as autoridades de muitos dos países de lá, continuam fingindo que nada de mais acontece.

    • Alisson Sbrana

      O Giovanni, na verdade, começou junto com Ronaldo. O Sonny veio depois da saída do fenômeno. Lembro que passei a acompanhar muito os jogos do Barça por causa do “messias”. Se não me engano, passava na Bandeirantes. Ele (Giovanni) realmente não foi um dos grandes craques do time catalão, mas jogou muito bem durante várias temporadas lá. Não fez feio. Lembro que brigou com um técnico, na época do Rivaldo (que entrou na briga, ao marcar um gol e mostrar a camisa 10 de Giovanni embaixo da dele).

      A trajetória de Giovanni é muito interessante. Sempre achei que deveria ter ido para a Olimpíada no lugar do Rivaldo (96?), entre os maiores de 23. A história dos dois me desmentiria, mas lembro que Rivaldo falhou feio no jogo em que o Brasil foi eliminado (e eu pensava: tá vendo, não levou o Giovanni). Na época, o “messias” jogava muito num time muito inferior ao palmeiras do Rivaldo.

      A copa de 2008 foi ruim para ele. Considerado lento, como acontece com Alex, e com o Ganso, por exemplo, não encaixou seu jogo naquele time do Zagalo.

      Depois do Barça, Giovanni virou estrela Grécia.

      Veio se aposentar no Santos, mas o “genial” Luxemburgo o mandou embora por causa da idade avançada e contratou Petković, um ano mais velho. (isso pode, Arnaldo?)

      Uma das maiores coisas que eu vi uma diretoria de um clube fazer por sua torcida foi a contratação de Giovanni em 2010. Ver Giovanni jogando com Robinho, Ganso e Neymar foi inesquecível. (desculpe o comentário longo e pouco relacionado com o tema principal, mas foi um momento “reminiscência de torcedor”). Abraços.

      • Emerson Cruz

        Concordo com muito do que você escreveu sobre o Giovanni. Mas note que eu não disse que ele chegou em 97-98, de fato ele chegou na temporada anterior. Citei o campeonato de 97-98 pelo fato de o Barça ter sido campeão nesta temporada, com Giovanni de titular, ao contrário da temporada anterior, cuja badalação por conta do Fenômeno (ao menos aqui no Brasil) era bem maior.
        Na temporada 98-99, o Barcelona voltaria a ser campeão, porém com Giovanni na reserva a maior parte do tempo, e por isso eu não mencionei também esta temporada. Abraço e obrigado por ler meu comentário.

  • Juliano

    Emerson, perfeita lembrança. Como eu sou fã do Giovanni. Tudo bem que não foi protagonista no Barça, mas Belletti, Daniel e Adriano muito menos. A memória te traiu, AK.

    Alisson, também tenho esta mágoa com o Luxa. Queimou a aposentadoria do Giovanni naquele Santos.

    Como este time revela camisas 10. Giovanni, Diego, PHG. E nem vou falar o Edson…

    A coluna é de ontem e a notícia hoje é fresca: Santos demite Muricy. Na minha visão, isso é parte FUNDAMENTAL da reformulação sugerida na nota ÀS COMPRAS.

    Muricy não lança ninguém da base. Estava fazendo sob pressão. E o próprio Santos fica com esse papo de “meninos”, mas o próprio Leão revelou que, em 2002, ele lançou os meninos (que acabaram sendo campeões) porque não haviam outros jogadores no elenco. Foi quase que à força também.

    Hoje o cenário é diferente, o elenco é mediano e uma novíssima geração venceu a Copa-SP. Ainda, a direção parece apostar neste caminho como o marketing do time. Talvez agora seja programado, mas antes era quase que puro acaso.

    Os títulos conquistados por Muricy no Santos de 2011 até aqui enganam. Venceu 2 paulistas e uma Libertadores, a mais relevante. Mas em suas conquistas o time não encantava, como encantou em 2010 com Dorival Jr. Fico vislumbrando que, com aquele elenco, Dorival, campeão Paulista e da Copa-BR em 2010, se não tivesse sido demitido, ganharia o mesmo que Muricy ganhou com um futebol bonito. Nunca saberemos. Mas tenho a impressão que Muricy no Santos foi como desperdiçar o talento desse time em detrimento do seu Muricybol que, no fim das contas, também rendeu título. Mas o Santos de 2011 não é lembrado como o de 2010, mesmo tendo ganhado a Liberta. Em 2012 foi o maior atraso! Felizmente neste 2013 não venceu o Paulista, pois nem o Mogi e o Palmeiras venceu.

    Nesta perspectiva, Neymar foi mocinho e vilão. Mocinho por tudo o que agregou ao clube. Há de separar o antes e depois de Neymar, comparando títulos e receita. A sua contribuição na sua passagem foi monstruosa. Mas foi vilão na saída do Dorival. Este Santos poderia ter sido ainda melhor (mesmo com a diretoria implodindo o elenco vencedor como fez).

    Se de 2011-presente Neymar atuou sob comando do Muricy e é este craque, imagino o que ele vai aprender lá fora. Uma pena Pep não estar mais no Barça, mas ainda assim vai aprender absurdos. Só de não conviver mais com o Muricybol já é um ganho imenso!

    Que a diretoria do Santos não faça lambança na próxima contratação. Faço coro por Dorival, mas acho difícil. Cogitaram Mano Menezes, quase tive um treco. Falam ainda em Bielsa. Sou contra gastar os tubos com treinador. Muricy já saiu, hora de baixar a folha.

    Ainda, essa diretoria não se cansa de fazer lambança. Aumentando sempre a pedida no patrocínio master, acabou sem nenhum até o momento. Sem Neymar essa pedida cairá vertiginosamente. Era melhor um na mão, hoje são dois voando. Isso também conta.

    Boa sorte para quem chegar. Boa sorte a Giva, Neílton, Gabriel, Pedro Castro, Emerson. Que Felipe Anderson agora consiga atuar sem o Muricy o escrachando. Que Dracena, Arouca e Montillo (argh) conduzam bem essa mescla com a garotada. E, quem for santista como eu, prepare-se… 2013 vai ser duro… se não cair é lucro.

    Eu sempre me estendo… desculpem. Abraços!

    AK: Giovanni não chegou nem perto de ser protagonista no Barcelona. Como está escrito, Belletti foi mencionado por ter marcado um gol histórico, motivo pelo qual ele não recebe a conta em nenhum restaurante da cidade. Daniel Alves e Adriano aparecem no texto por serem parte de um período único na história do clube. Um abraço.

    • Juliano

      AK, é claro que a memória não te traiu e, confesso, foi uma provocação boba de um santista que foi muito fã de Giovanni e que concorda, com pesar, que a passagem dele pelo Barça foi pouco relevante. Guardadas as proporções e as razões, é quase como a passagem do Kaká pelo Real… muito banco e raros brilharecos.

      Abraço!

      • Alexandre

        Pode não ter sido um astro, mas não foi pouco relevante.
        Fez 40 em 138 jogos pelo Barcelona e ganhou vários títulos lá.

        • Alexandre

          40 gols…

  • Alexandre

    Acho que não tem a ver só com o Barcelona, André. É mais amplo.
    São poucos os brasileiros que brilharam qualquer gigante do futebol europeu (Madrid, Barça, Milan, Juventus, Bayern, ManU) após chegar “via ligação direta”.
    Contando desde a década de 90, me lembro só do Kaká no Milan. Alguém mais?
    Mas também é bom que se diga que foram poucos os jogadores brasileiros realmente promissores que fizeram esta “ligação direta” e não deram certo, como foi o caso do Robinho no Madrid. Não me lembro de outro no momento.
    Arrisco os motivo disto tudo: até há uns 10 anos, nossos craques saíam “a preço de banana” para a Europa, então era mais cômodo para os gigantes deixarem os clubes medianos de lá assumirem o risco da contratação de brasucas. Se dessem certo, esses jogadores eram então contratados pelos grandes.
    Já de uns 10 anos para cá, não é qualquer clube que tem grana para contratar nossos melhores jogadores, porém eles continuam não indo diretamente para os gigantes porque nossos melhores já não são tão bons como costumavam ser.

  • Alexandre

    A reformulação do Santos começou pela raiz: Muricy.
    Dizem que o Santos quer o Loco Bielsa.
    Se daria certo ninguém sabe, mas que seria deveras interessante contar com um técnico idealista depois do futebol deprimente destes tempos de Muricy, ah, isto seria…

  • lee-e

    Sei lá. Acho que estamos esquecendo do histórico do neymar…nos jogos contra equipes de verdade. Ele nao consegue jogar bem, nao chama a liderança, igual romário e ronaldo faziam na seleção.

    Ele tá mais pra um ronaldo gaucho – que tb nao chama a liderança na seleção -, apesar que o atleticano, no Barça..era um verdadeiro…deus nos acuda.

    Acredito que o neymar nao vai se sair mal, porém…devido ao retrospecto…..a gente acaba analisando pelo nome, a memória falha…nao recordamos…as verdadeiras dificuldades pelas quais esses jogadores realmente passaram…

    Para mim..o Messi vai manter o reinado por muitos longos anos…..mas é certeza que daqui umas semanas, novamente a midia estará fervilhando, comparando os dois, igual …lá no japon

  • Bruno

    Sou corinthiano, mas um admirador de futebol, quando vi que o Neymar havia fechado com o barça acredito que foi a melhor escolha que ele fez entre tantas outras como Madrid, Bayern, City.. dentre outros..
    Ouvi muito que dois galos no mesmo galinheiro não se bicam, mas sério, se o Neymar querer jogar bola (que cá entre nós o mlk sabe) é só tomar um pouco de vergonha na cara e ir para cima, e não deixar a camisa pesar em momento algum!
    Como o lee-e acima disse, é claro que Messi terá um reinado de muitos anos pela frente, porque ele ainda é jovem e tem muito futebol a mostrar, ainda mais pela seleção, mas de vdd, se essa química entre Messi E Neymar funcionar, sai de baixo que ninguém mais segura este time!
    É claro que acredito que se ainda fosse o Pep no Barça o Neymar aprenderia muito mais, contudo acredito que pelo conjunto se sairá muito bem!
    Hoje, realmente não temos muitos jogadores que encantam, não sei dizer na vdd o porque, mas algo que com certeza, influenciou muito no MUNDO inteiro, foi o dinheiro que hoje é rodado no esporte! Acredito que hoje isso perde um pouco o brilho, hoje vc não vê as pessoas jogarem com raça, o coração na chuteira como antigamente, hoje você vê o pessoal jogando por dinheiro, e nada mais.
    Não nego que o futebol que essa geração Pep trouxe é algo de se guardar na memória de muitas pessoas, que terão orgulho de falar que viram um dos melhores times do mundo jogar, ou melhor, desfilar em campo, porque não era simplesmente um jogo, era sim um espetáculo ver aquele Barcelona jogar!
    Não sou nenhum paga pau do barça, tanto que entre clássicos torço para o Real, contudo não é de se negar que o futebol apresentado era lindo!

    Acredito que o barça tem muito a mostrar ainda, e o Neymar a crescer proporcionalmente com o time, mas ainda faltam algumas peças fundamentais para formar aquele time, de novo, o melhor de todos!
    Neymar e Messi, tá ai um jogo que não vou perder de jeito algum na estreia dos dois juntos em campo.
    Rivalidade ao lado, espero que esse mlk amadureça muito e traga o caneco ano que vem para nós!

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo