COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

TARDOU MAS VINGOU

O ano de 2005 chegava ao final e a carreira de Diego Tardelli, então com apenas 20 anos, não parecia promissora. O São Paulo se preparava para disputar o Mundial de Clubes da Fifa, oportunidade da qual Tardelli se excluiu por causa de seu comportamento.

Jovens dotados de grandes quantidades de talento costumam ser resistentes a regras de conduta. Dirigentes e técnicos esperam por um equilíbrio entre desempenho e comportamento que, na maioria dos casos, só se apresenta acompanhado da maturidade. O caminho é tortuoso.

“A cabeça do Tardelli não acompanha os pés. Ele tem a genialidade do futebol, mas precisa viver sob tratamento de choque”, disse Juvenal Juvêncio, à época vice-presidente de futebol do São Paulo, pouco antes de negociar o atacante com o Bétis, por empréstimo.

Se o futuro de Diego Tardelli lhe fosse exibido àquela altura, dezembro de 2005, ele teria dificuldade para se reconhecer. À exceção de um efêmero período de fartura no PSV Eindhoven, nada do que ele experimentou entre 2006 e 2009 sugeriu o que o temos visto fazer no Atlético Mineiro. Ao que parece, Tardelli se encontrou.

Não é surpreendente que tenha acontecido no mesmo clube pelo qual marcou 73 gols em 114 jogos, de 2009 a 2011, antes de aceitar ofertas financeiramente sedutoras do futebol da Rússia e do Catar. Tardelli saiu do Atlético como um favorito da torcida. De volta, tem acrescentado gols e sentimento à relação.

No jogo mais significativo da temporada do time mineiro até agora, a visita ao Morumbi para a ida das oitavas de final da Libertadores, Tardelli foi decisivo quando ficou evidente que o Atlético estava diante da chance de dar um xeque-mate no confronto com o São Paulo. Sua capacidade de se mover e se desmarcar entre as linhas transformou uma partida que os visitantes controlavam, mas não venciam.

O impacto no primeiro jogo contra o Tijuana foi semelhante. O que era uma assustadora derrota por 2 x 0 se converteu num interessante empate em 2 x 2, graças a um gol e uma assistência de Tardelli, mas não só. A coragem e o ímpeto que ele demonstrou, quando os mexicanos ameaçavam com o que seria um crucial terceiro gol, devem ser reconhecidos como fatores igualmente desequilibrantes.

Talvez seja cedo, ainda, para lhe conferir a etiqueta de craque, com o máximo respeito à opinião de Reinaldo, o primeiro e único. Em entrevista à Espn Brasil, o ídolo atleticano se referiu a Tardelli usando o termo que diferencia os jogadores comuns dos especiais.

E não se trata de estabelecer uma competição interna ou interferir na hierarquia do time de Cuca. Ronaldinho é o rosto, a apresentação, o pedigree. Bernard são as pernas. Tardelli é o punho. O coração é o Independência repleto, prestes a conduzir o Atlético Mineiro às semifinais.

Com 20 anos, Diego Tardelli era um atacante dispensável, de prognóstico duvidoso. Aos 28, não precisa mais viver sob tratamento de choque. Seus adversários é que vivem em estado de alerta.

CHAMPIONS DA ALEMANHA

O confronto doméstico entre Bayern e Dortmund suaviza o clima de final europeia que veremos hoje. São dois times acostumados a se enfrentar e que já têm todas as referências do que deve e não deve ser feito. A superioridade que o time de Munique tem mostrado na Liga dos Campeões perde um pouco de sua imposição diante de um adversário que o conhece e não o teme. Favorito natural, o Bayern carrega quase toda a pressão da decisão. Perder a terceira final em quatro temporadas já seria suficientemente ruim. Perdê-la para um rival seria indescritível. Motivos para assistir não faltam.

CABO DE GUERRA

No início da semana, a decisão de negociar Luis Fabiano estava praticamente tomada. O debate, via meios de comunicação, entre Juvenal Juvêncio e o atacante pode ter alterado os planos. Luis Fabiano prefere ficar no Brasil, o São Paulo prefere não reforçar oponentes. Complicado.



  • Paulo Pinheiro

    A torcida do Flamengo também tem ótimas lembranças do Tardelli, incluindo um golaço que valeu o título do Estadual de 2008.

    Grande atacante. Preciso, perigoso.

  • Paulo Pinheiro

    Correção: eu me referia ao gol na final da Taça Guanabara. Mas na final, no mesmo ano, ele também deixou o seu (3×1 para o Flamengo sobre o mesmo Botafogo).

  • RENATO77

    AK, a renda do jogo entre SFC e Flamengo, de quase 7 milhões, pode ser uma “saída” para esse estádio depois da copa? Ou seja, outros jogos do brasileirão ou atá copa do Brasil serem realizados lá, por conta desse “mercado” candango que parece ter um potencial a ser explorado, sobretudo pelo Flamengo.
    Quem sabe deixe de ser um elefante branco…pra ser um elefante rubro negro.
    Abraço.

    • Dyl Blanco

      Pode ser uma saída para muitas outras “arenas” que poderão se deteriorar pela falta de uso. Porém é preciso atenção com as manobras “politico-exploratórias” que a CBF e as Federações certamente tentarão visando abocanhar uma fatia generosa das arrecadações.

    • Paulo Pinheiro

      Eu diria que seria interessante para partidas contra equipes menores, sim. Não dá pra pegar uma partida decisiva contra um clube grande e levar pra longe de casa.

      Porque a desvantagem de jogar fora de casa não é só a questão do torcedor, mas também a logística, viagem, concentração em hotel, cansaço, etc.

    • Cleibsom Carlos

      O problema é que o Santos vendeu o jogo para uma empresa particular por APENAS 800 mil!!!Todos os 7 milhões de bilheteria vão para o bolso de alguém, menos do clube!!!O time da baixada santista foi “lesado” em pelo menos 4 milhões!!!!!!!E agora, conselheiros do Santos, vocês não vão fazer nada!?

      AK: O Santos “vendeu” o jogo por um valor maior do que obteria na Vila Belmiro. Um abraço.

      • Cleibsom Carlos

        A questão não é essa, AK…Por que o próprio Santos não organizou o jogo no Mané Garrincha? O clube não tem um depto de Marketing? Os “produtos” Neymar e Flamengo juntos têm grande potencial de arrecadação, não precisa ser um gênio para saber! Pelo menos para mim, por qualquer ângulo que se olhe, não tem o mínimo sentido se vender algo com potencial para arrecadar 7 milhões por apenas 800 mil. Talvez ninguém concorde comigo, mas acho que neste negócio o clube foi lesado.

        • Teobaldo

          Eu concordo com você, mas os dirigentes do Santos, espertos e competentes como eles só, não. Eles poderiam ter colocado, no mínimo, 2 milhões de euros nos cofres do Santos, mas abnegados como são, desprezaram essa possibiliadade. Um abraço!

        • RENATO77

          O Flamengo, anos atrás, jogou vários de seus jogos no brasileirão em outras praças, que não o RJ. Certeza que Fortaleza foi uma delas, não me lembro bem de outras…
          Mas o ponto é que, jogar em outras localidades que não onde seja a sede do clube, deveria/poderia ser uma estratégia mais utilizada pelos clube de massa. Sempre achei um mercado mal explorado.
          Internacionalizar a marca não exclui a meta de nacionalizar a marca. As coisas deveriam caminhar juntas, sendo que a segunda é mais fácil de se conseguir.
          Abraço.

    • Fred

      E o que tem isso tudo a ver com o assunto do texto, ou seja, Tardelli? Mania chata, pô.

      • Cleibsom Carlos

        Então você não consegue discutir dois assuntos coligados ao mesmo tempo? Sei lá quanto a volta do Diego Tardelli custou para o Atlético, mas dependendo o valor, o que foi roubado no Mané Garrincha domingo passado dava para cobrir os custos numa boa…

  • Felipe

    Tardelli é bom jogador, mas é ofuscado pelo brilho do Gaúcho e do Bernard

    porém parece que se encontrou, mas ainda deve se formos falar de craque
    para o que esperava dele, só cumpriu metade do trajeto

    • iraq

      Não, não é ofuscado. Eles se completam, juntamente com o atual Jô…

  • Emerson Cruz

    Tardelli nasceu para jogar no Galo, mas ninguém sabia.

    • iraq

      Eu já sabia…

  • Valdir P.Ferreira

    Diego Tardele é ótimo jogador, só não é craque porque tem uma deficiência: não sabe, não gosta de botar a cabeça na bola, mas no GALO ele supera com muita raça. Obrigado Tardele, obriga AK pelas palavras sobre DIEGO TARDELE.

    • iraq

      É…prefere usar a cabeça para pensar, ao contrário de muitos “jogadores” por aí…

  • Bruno Uzac

    Tardelli é um jogador quase completo…. define bem, faz gols, arma jogadas, tem uma visão de jogo muito boa. A tacante moderno… parece muito com o futebol do wayne Rooney.

    • Feliciano Caruso

      Nossa, eu não li isso!!!

      Vc não é atleticano não, né?! Só um pouquinho!

      Comparar Tardelli com Rooney é só pra fanático, doente, incapaz de analisar o futebol com frieza e isenção!

  • AK meus parabens pela belissima reportagem sobre Diego Tardelli, Tardelli è segundo Reinaldo um grande jogador pena que Felipao nao gosta de craque so gosta de perna de pau,este è um jogador com muita abilidade e vontade que faz muita falta na seleçao.

  • Teobaldo

    Dou o meu braço à torcer: fui contra a volta dele. Ainda bem que não fui consultado. Um abraço a todos!

  • Murilo

    Tardelli mas Vinguelli?

  • Rodrigo

    o apelido dele no São Paulo era “cirrose”, naquela época era solteiro ainda e saia quase em todas as baladas de sampa e quem eu encontrava sempre…o Cirrose…com certeza o cara amadureceu, por isso tornou-se um bom jogador hoje, bom jogador nada além disso!!!

  • Fred

    Três motivos pra chamar o Tardelli de craque:
    1. em 90% dos jogos joga bem, não tem aquilo de “fase”, como certos jogadores que são badalados e somem, viram lampejos apenas;
    2. não corre da bola, chama a jogada, o jogo importante, não “pipoca” em jogos nos quais o time mais precisa dele (vide o jogo com o Tijuana);
    3. é obediente taticamente – marca, ataca, arma, joga em outras partes do campo, e mesmo assim faz a diferença, em vez de ficar chorando que “não tá na sua posição original”…

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo