CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

SENHORES

Sempre vi um pouco de Telê Santana em Alex Ferguson. O olhar repleto de sabedoria, o mau humor perfeccionista, o mastigar eterno de um chiclete ou coisa que o valha.

O semi-sorriso de Telê no Japão, enquanto Raí corria para comemorar seu gol contra o Barcelona, é Ferguson puro. Está tudo ali: a alegria contida, porque nada é definitivo; o semblante que revela o pensamento longe, em algo mais importante; as palavras (“não te falei, meu filho?”) que não precisam ser ditas.

Vi Sir Alex duas vezes, em decisões de Champions League. Na primeira, em 2008, a madrugada moscovita já marcava quase 3h30 do dia seguinte à conquista do Manchester United nos pênaltis, contra o Chelsea. Ele passou apressado pela zona mista, carregando seu paletó. Aos pedidos de uma palavra, respondeu com duas, balançando a cabeça: “muito cansado”. Não duvido que, apesar da felicidade, o homem tenha dado uma bronca em seu time pela demora para ganhar o título. Não há sentido em chegar ao hotel com o dia amanhecendo.

Na segunda, após a aula do Barcelona em Wembley, dois anos atrás, Ferguson reconheceu seus erros ao dizer algo como “fazia tempo que não levávamos um baile assim”. Nobre como só ele.

Como Ferguson, Telê se equivocava, sabia ser teimoso e chato quando queria. Mas não havia como duvidar de suas intenções ou suspeitar de seus conselhos. Ou, ainda, criticar sua ideia de futebol.

Tipos assim parecem carregar os segredos do jogo no bolso. Devemos prestar atenção quando eles falam, desfrutar do conhecimento que estão dispostos a transmitir, descobrir formas de admirá-los mesmo quando a empatia não é automática.

De certa forma, gente como Telê e Ferguson são o futebol. Sem eles, o que sobra são famintos midiáticos, ensimesmados, que pretendem nos convencer de que partidas começam a ser vencidas na sala de imprensa.

Longa vida a Sir Alex.

PALMAS

Um aplauso a Rodrigo Caetano, Abel Braga e a todos os envolvidos na decisão tomada pelo Fluminense de dar suporte ao jovem Michael. Emocionantes as declarações de Abel no sentido de “adotar” o jogador. Que Michael receba a ajuda de especialistas e compreenda a importância do momento que vive. E que outros clubes, em situação semelhante, façam o mesmo.

MAIS PALMAS

Outro aplauso aos vereadores do Rio de Janeiro que apresentaram um projeto de lei para substituir o nome do Engenhão. Sai João Havelange, entra João Saldanha. Saem a política e a corrupção, entra o futebol. Mas devo insistir: que a troca aconteça apenas depois da reabertura do estádio. Enquanto estiver interditado, que o nome de Havelange permaneça.



  • Emerson Cruz

    Telê e Ferguson duas feras, duas lendas,dois mitos. Uma pena que o brasileiro não esteja mais por aqui.

  • Andre Luiz

    Acho mais justo começar assim o texto: Sempre vi um pouco de Alex Ferguson em Telê Santana.

    < B>AK: Não serviria ao propósito do texto, além de ser um erro cronológico. Um abraço.

  • Bruno

    Será que só eu vi uma alfinetada escondida aí para um certo treinador?

    AK: Um certo tipo de treinador, como está escrito. Um abraço.

  • francotimao

    Andre, são dois “monstros” do futebol e serão eternizados com todo mérito, honra, pompa e circunstancia…

  • Clayton

    Cara, que falta faz o mestre Telê ao futebol, puta merda. E não podemos esquecer do grande Rubens Minelli que graças a Deus está aí…

  • RENATO77

    O futebol utópico de Telê somado ao pragmatismo do tricolor paulista, deu no que deu. GANHARAM TUDO! Vencendo e convencendo.
    Abraço.

  • Murilo

    Oi André. Só para constar, o Atlético Paranaense fez a mesma coisa com seu goleiro:

    http://www.espbr.com/noticias/rodolfo-assume-dependencia-quimica-inicia-tratamento/relacionadas

    Parabéns pelo blog. Um pouco de prosa e crônica contra a notícia crua é sempre bom.
    Abs.

    AK: Parabéns ao Atlético. Obrigado pela informação e pelo comentário. Um abraço.

  • Dyl Blanco

    Que os treinadores íntegros (sim, eles ainda existem) possam usar como incentivo opiniões como a sua André. Fazer o que gosta, se dedicar, se entregar e principalmente não perder o brilho no olhar, pois quando esse brilho se apaga, uma carreira inteira pode se desmanchar. O Santos é um belo exemplo disso.

  • Anna

    Não gosto de Sir Alex Ferguson mas adorei a sua comparação a Telê e também a lembrança da final moscovita entre United e o meu Chelsea. Achei louvável tb a atitude do Fluminense ao apoiar o jogador Michael ao custear seu tratamento médico e psicológico. Tb prefiro João Saldanha a João Havelange mil vezes. Bom final de semana, Anna

  • Murtosa, Tito, Karanka e os segundos treinadores…
    http://500copa.blogspot.com.es/2013/05/quando-o-segundo-e-um-espelho-do.html

MaisRecentes

São Paulo joga, Corinthians soma



Continue Lendo

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo