SEGUNDO TEMPO, INDEPENDÊNCIA



Atlético Mineiro 4 x 1 São Paulo

1 – Frenético Mineiro. Blitz feroz nos primeiros segundos do jogo. Duas chances evidentes antes do cronômetro marcar dois minutos. Pressão que reúne a adrenalina, o barulho e a velocidade com que a bola chega ao gol são-paulino. Não é correto dizer que o visitante sentiu o golpe, porque o jogo mal tinha começado. Não houve mudança de comportamento. O árbitro apitou, a bola chegou à área de Rogério e de lá não saiu.

2 – Uma aparição de Ganso na área obriga Victor a usar os pés. Falsa sugestão de que o jogo passou a ser disputado por duas equipes. Engano. O Atlético não está instalado no campo de ataque, mas controla tudo o que acontece no Independência. A um São Paulo de posses curtas, resta tentar converter em calma uma tempestade assustadora. Em vão. Tardelli e Bernard são velozes demais.

3 – O Atlético agride como uma série de ondas num dia de ressaca. O São Paulo tem apenas o tempo suficiente para erguer a cabeça acima da superfície, antes que uma nova montanha de água desabe. E o perigo vem de todas as formas. De trás, pelo chão, com os volantes mineiros ultrapassando as linhas de pressão sobre a bola. De perto, com o alto volume de desarmes na metade do campo. E de longe, com a já tradicional bola longa de Victor em ligação direta.

4 – 17′, 1 x 0. De Victor para o campo de ataque, a ideia é que Jô “quebre” a bola para um dos atacantes. A jogada do gol não se desenvolve assim. Mas a bola encontra Tardelli no lado direito. O passe para Bernard liga o alarme na defesa do São Paulo. A sobra para Jô é aproveitada com um petardo.

5 – Em oportunidades construídas, o primeiro tempo termina com 5 x 1 a favor do Atlético. Pelo volume, pareceu até mais.

6 – A primeira obrigação do São Paulo era entrar em estado de amnésia induzida. Esquecer onde estava, como estava e quanto estava. Recomeçar do zero em busca de no mínimo dois gols improváveis. Mesmo se conseguisse alcançar tal desprendimento, teria de lidar com um adversário superior e longe, longe de estar satisfeito. Nem nos piores cenários os planos tricolores consideravam o que se passaria no segundo tempo.

7 – 17′, 2 x 0. Mesmo minuto do primeiro gol, e mesmo autor. A zaga são-paulina perde Jô na linha do impedimento. Jô não perde a chance de iniciar a festa. O placar encerra o confronto, mas não o jogo. O Atlético tem outras intenções.

8 – 19′, 3 x 0. Nocaute. Mais uma bola que vem do campo de defesa, e Rafael Tolói resolve participar do ataque do Atlético. Não percebe Tardelli, em altíssima velocidade, passar por ele em direção à área. Cabeceia na medida para a intervenção do atacante, antes de Rogério. O jogo entra oficialmente no território das goleadas, opõe euforia e depressão com contornos claros.

9 – 23′, 4 x 0. De batido a abatido, o São Paulo perambula no Independência à espera do fim do sofrimento. Mas, além de ser muito cedo para a rendição, o Atlético está se divertindo. Começa o show estético de Ronaldinho, que jogava muito bem mas com certa discrição. Ele ganha no ombro de Wellington e aciona o artilheiro da noite. Triplete de Jô.

10 – 30′, 4 x 1. O São Paulo chega a um gol que será pouco lembrado. Luis Fabiano.

11 – Aparição de Ronaldinho melhor do mundo. Sequência de fintas humilhantes na lateral do campo, uma delas para Douglas jamais esquecer. Outra finta na área, e o gol não sai por pouco. Magia.

12 – Majestoso Atlético. Entre dois times grandes do futebol brasileiro, é um dos jogos mais unidimensionais dos tempos recentes. Um Atlético dominante em todos os ângulos. Vibrante e brilhante. Um São Paulo superado, subjugado, entregue. Não houve competição no Independência nesta quarta-feira. Houve uma exibição de um excelente time de futebol.



  • Rodrigo

    Galo Doidoooooooooooooooooo

  • Clayton

    Duas observações sobre esta pífia campanha do São Paulo (menos mal que não foi eliminado na pré-libertadores):

    Seis derrotas nos últimos nove jogos da Libertadores. É a pior série da história de 159 jogos do time na competição.

    Pela 1ª vez na história, o São Paulo leva 4 gols em um jogo de Libertadores. Pela 1ª vez, sofre 6 derrotas na mesma edição.

    • Fred

      pela primeira vez, perde 3 vezes pro mesmo time na mesma edição de libertadores

      • leandro

        Faltou na lista milton crus eo Douglas

    • fabricio

      ja era sao paulo… ja era jovem…

      ninguem quer saber do seu timinho mais nao.

  • Vampeta, manda um salva para as meninas da vila sonia

    Lenço para as, duas desclassificaçao na semana, não deve ser fácil. Perdeu para o TIMÃO, depois toma uma surra, chocolate, ou sei lá oquê… contra o galo. É timinho, quem te viu e quem te vê hein?

    • iraq

      Foi um JÔcolate…

    • Clayton

      Cuidado com o Boca na próxima semana, hein, torcedor do time emergente. Nada como um dia após o outro…

      • marc

        É verdade, muito cuidado… Até porque o Boca, em Libertadores, não é nenhum Atlético Mineiro ou São Paulo, é sim um dos times com mais tradição na competição (O São Paulo adora se achar o Senhor Libertadores,, mas se esquece de lembrar que tem o Boca, por exemplo, tem o dobro de títulos, e nem é quem mais venceu a competição. O próprio Santos tem o mesmíssimo número de títulos)…

        Mas nãos e preocupe, independente de classificar ou não, posso lhe garantir que de quatro o Corinthians não toma. Humilhação somente para o lado tricolor, amigo.

        • Renata

          Concordo plenamente com vc Marc….o TIMÃO pode até ser desclassificado, mas se lá ,com toda a pressão da Bombonera perdemos de 1×0 …acho impossivel passarmos por uma humilhação como a do tal “Soberano”…..

        • luiz antonio

          Claro que não, só passou a maior vergonha da historia das libertadores e de um time brasileiro. T O L I M A. FICA QUIETINHO.

  • CarlosF

    Brilhante crônica do jogo, retratou de forma fiel o que foi a partida.

  • pedro

    hhahaha. superou seu pai andré. crônica perfeita.

    • Edouard

      Faz tempo, amigo. É melhor jornalista que o JK não é de hoje. Escreve melhor, tem um senso ético mais apurado e é menos rabugento. Por ora, tem apenas menos notoriedade que o outro jornalista, o que lhe rende menos “furos”. Um abraço.

      • pedro

        tá certo edouard. abç camarada

  • Dyl Blanco

    O jeito de jogar do Brasil pode estar sendo reinventado por Cuca e seus dedicados jogadores. Muito se fala na marcação por pressão, adiantar as linhas para abafar a equipe adversária, mas o Atlético de Cuca não faz isso. A pressão é feita com a bola nos pés. O time se encolhe para preencher todos os espaços do meio campo para trás e ao roubar a bola sai compacto para o ataque, com o quarteto ofensivo se movimentando em conjunto, todos em posição de concluir a jogada, aguardando a escolha de quem tem a bola nos pés, geralmente Ronaldinho Gaúcho. Não é um contra-ataque clássico, com uma única jogada de conclusão. É como se fosse um time de voleibol, com a rede toda se movimentando e oferecendo várias opções ao levantador. A dedicação desse quarteto ofensivo ao voltar para compor facilita e não sobrecarrega o setor defensivo. Isso só é possível quando os jogadores “compram” a ideia do treinador e se sentem a vontade com um esquema que respeita a forma de jogar de cada um. Cuca monta seus times aproveitando as qualidades do elenco, tornando-os muito ágeis e imprevisíveis. Um caminho a ser seguido.

    • Broc

      Muito bem observado. Parabéns pelo comentário, e parabéns ao colunista pela brilhante crônica.

      • Rogério

        excelente análise, foi a melhor descrição do meu GALO.

  • Fred

    Linda crônica. Ontem foi um jogo histórico, uma exibição de gala de um time que joga um futebol brilhante que encanta e enche os olhos dos torcedores mais saudosos. Um futebol moderno, um verdadeiro carrocel. Um time que já fez hitória. Foram 3 goleadas e uma verdadeira superação na altitude da Bolívia. Primeiro veio a maior goleada já sofrida por um time argentino, em terras argentinas. Depois um repeteco desta mesma goleada, mas desta vez no estádio onde os times já caem mortos. E agora a maior goleada já sofrida pela São Paulo em uma libertadores. Pode ser que este time seja campeão, e pode ser também que nem chegue na final. Mas estes jogos ficarão gravados na memória dos torcedores atleticanos por muitos e muitos anos.

    • KONG

      Que comentário bacana, xará.
      “mas desta vez no estádio onde os times já caem mortos.”
      Queria ter escrito isso.
      Prabéns.

      • iraq

        digo o mesmo…

    • marc

      Ótimo texto. Parabéns!

  • Carlos Miguel

    Essa vitória foi só pra lembrar os São paulinos que estavam jogando em terreno hostil e completamente mortal, o INDEPENDÊNCIA, e como cantamos aqui… CAIUU NO HORTO TA MORTOOO, CAIUU NO HORTO TÁ MORTOOO.

  • Simplesmente tomamos um baile do melhor time sul americano no momento. não perdemos esse jogo em especial perdemos no momento que a diretoria compram jogadores de segunda divisão. DOUGLAS NO ATAQUE ? Quem é silvinho ??? Negueba ?? Aloisio ? Tolói não sabe marcar , Edson Silva FRACO! Lucio destemperado, Paulo Miranda zagueiro atuando de lateral, Cortez péssimo não cruza não ataca, Maicon devagar demais , walyson reserva do cruzeiro,Joao felipe reserva do reserva do botafogo essa diretoria esta de brincadeira CHEIA DE DINHEIRO e não teve coragem de comprar o DÉDÉ, ou trazer o chileno VARGAS quando teve chance e só não veio por causa do mão de vaca desse PINGUÇO DITADOR, Soberano só o nosso passado pois o nosso presente esta lamentável. Mesmo assim serei tricolor até morrer e espero que com esse BAILE o presidente TOMA VERGONHA E manda essa coja embora pois não fazem diferença nenhuma.

    • Marcos

      ………esqueceu do Breno,,,,,,,que vai sair daqui a 4 anos do regime semi aberto na Alemanha

  • Fred

    Tomara que o Felipão tenha visto o jogo. Na minha opinião, pra ele convocar o Ronaldinho e escalá-lo como titular, tem que treinar a seleção pra jogar em função dele em determinados momentos. Como faz o time do Atlético: bola tomada pelos volantes, que procuram o Ronaldinho pra “pensar” a jogada enquanto o trio na frente se movimenta e aparece pra ele tocar ou lançar.
    Porque ele é convocado pra jogar ao lado do Neymar e outros que só querem correr com a bola e driblar até a área… aí não rende mesmo…

    • Bruno

      Excelente a crônica do André! Mostra muito claramente o que foi o jogo. Quanto ao seu comentário Fred, eu concordo plenamente. O Ronaldinho joga no Galo porque todos os jogadores jogam por ele e para ele. Donizete e Pierre, p. ex., correm juntos pra três e aí o Ronaldo não fica sobrecarregado. É muito bonito ver esse time do Galo jogando bola!

  • Galo120

    Mandou bem André, parabéns…….

  • Randel

    André, acho que pra fazer frente a este time do Atlético só mesmo o Corinthians. Mas ainda considero o time mineiro superior e em melhor momento. Aliás eles merecem muito essa Libertadores. Parabéns ao Galo!

  • alex

    A base da seleção brasileira DEVERIA ser entre CAM e SCCP, incluindo o Neymar (no banco é claro).

    Imagina uma seleção com Paulinho e Ralf, Ronaldinho, Pato e Bernard, Neymar para entrar de vez em quando….

  • Valdir P.Ferreira

    Não sei porque, mas senti um tom irônico em sua crônica.”frenético”

    AK: Eu sei. É crônico. E é grave.

  • Leonardo

    Que saudades do Telê!

    O São Paulo é um time sem comando, sem conjunto, sem disciplina tática que sobrevive da individualidade dos seus jogadores que esboçam alguma qualidade técnica.
    Não é de hoje que eu falo que o São Paulo parece mais um time batido para pelejar uma pelada, do que uma equipe de futebol.

    Será que o elenco é tão ruim? Será que 40 milhões foram jogados no lixo?

    Qualquer que seja a resposta, mediata ou imediatamente se chegará à diretoria do clube, que ontem, pelo Sr. Adalberto Batista, disse que a derrota foi extraordinária, porém circunstancial e, ainda, que o time (ou catadão, como prefiro) precisa de poucos ajustes.

    Srs, o São Paulo é muito grande para que somente caindo para a série B ser repensado! Caímos ontem, machucou demais, mas o time está aí e disputará competições importantes, ainda neste ano. Precisa-se de uma reflexão muita analítica, geral (e não pontual) estribada em críticas construtivas.

    A crise deve servir como combustível de reflexão e crescimento, assim como acredito que hoje o Barcelona esteja fazendo (Após, perder de 7 no agregado). Mediocrizar o debate seria colocar a culpa no Lúcio, no Ademilson, ou, o Barça, na lesão do Messi.

    Acorda, diretoria! Acorda, Juvenal!

    Pior campanha libertadores da nossa história, pior jogo de libertadores da nossa gloriosa história na competição devem servir de alguma coisa.

    Abraço, André.

    • Marcelo Morais

      Caro Leonardo,

      O jogo de ontem foi um profissionais contra amadores. E nao eh de hoje que o SPFC se porta (e se comporta) como um time de amadores. Comparavel a um apanhado para jogar futebol no fim de semana com preparo fisico, no maximo, razoavel. Para mim, falta de profissionalismo. O elenco eh bem razoavel, pelo menos no papel, e deveria resultar num time competitivo. Nao eh o que se ve em campo.

      A goleada de ontem nao foi surpresa (havia feito essa observacao apos o jogo da ultima 5a feira). O que estah me surpreendendo eh a manutencao do tecnico. Acho uma decisao acertada. Os problemas do SPFC passam pelo banco de reservas tambem, mas nao sao responsabilidade exclusiva do treinador.

      E, em quatro dias, a gestao JJ conseguiu quebrar mais alguns recordes: setima eliminacao seguida nas semifinais do paulista, maior goleada sofrida na Libertadores, pior campanha da historia na Libertadores. O consolo eh que a gestao JJ acabarah um dia.

      Ateh lah, a gente continua aplaudindo (e perdendo para) os times que jogam futebol.

  • Renato Mello

    Fred, legal sua compreensão do que ocorre no GALO. É exatamente isso,amigo. Para você ter uma ideia, quando o GALO estava negociando com o Ronaldinho, o Cuca comunicou ao elenco… na mesma hora, teve a seguinte resposta do GRUPO DE JOGADORES: “Pode trazer. Traz, QUE A GENTE CORRE PRA ELE”. E é ISSO que ocorre aqui. NÃO TEM VAIDADE, é um elenco unido, onde todos respeitam as características de todos, há a briga por posição de forma saudável, mas sem estrelismo babaca, sem ninguém querendo derrubar ninguém. Jogador assim não dura no grupo do GALO. E eles já CHEGAM sabendo disso. E DUAS PESSOAS formaram essa mentalidade e são as grandes responsáveis: CUCA e o presidente ALEXANDRE KALIL. Podemos até não levar essa L.A., mas que os títulos estão cada vez mais perto, pelo trabalho realizado, pela estrutura colocada à disposição do grupo (tanto física quanto de pessoal – basta ver a Cidade do Galo e a excelência da Comissão Técnica do Atlético…), e também pelo comprometimento de TODOS que trabalham para que eles venham, isso não há como duvidar. Grande abraço, amigo. Renato Mello 😉

    • Broc

      Interessante comentário. Mas pode ver… O Galucho também está correndo e marcando quando o adversário sai para o jogo. Mudança de atitude? Sim, mas também um grande trabalho de preparação física do time. Quantas vezes o R10 ficou de fora por contusão desde o ano passado? E os demais? O Galo não se cansa, e isto faz muita diferença. Afinal fez 3 gols e poderia ter feito mais no 2º tempo.

      Parabéns ao Kalil e ao Galo. Aliás, GALÃO!

  • Emerson Cruz

    Show do Galo, que poderia ter um placar ainda mais histórico, caso a equipe tivesse caprichado mais nas finalizações no primeiro tempo, diante de um morto adversário paulista. Sem dúvida este é o melhor Atlético dos últimos 20 ou 30 anos, pelo menos. Hoje o melhor time da América do Sul, mas que a exemplo do Botafogo deve um grande título a seu torcedor faz tempo. Vejamos se esta dívida será quitada em 2013.

    • Edouard

      Concordo. O placar poderia ter sido mais elástico mesmo, e teria sido incrível se o gol saísse “naquela” jogada do Ronado. Concordo também, e no distante olhar de quem é corintiano, que seja o melhor time do Galo nos últimos muitos anos, embora aquele do final dos anos 90 fosse também muito bom, apenas menos badalado. Um abraço.

  • Realmente, foi um jogo espetacular! O Atlético dominou de forma inconteste.

    Porém, é preciso esperar. Já vi outros times do Cuca jogarem futebol tão bom quanto o apresentado ontem e na hora mais aguda sucumbir. Quem não lembra daquele Botafogo de Dodô, que acabou eliminado da Mercosul e fora da zona de Libertadores no Brasileirão?

    Aquele time também atropelou muito time grande. Torço de coração pelo sucesso do Cuca, pois é um técnico que monta times que jogam um futebol pra frente, valorizando a técnica e a habilidade.

    Por fim, gostaria de parabenizá-lo por mais um excelente texto!

    Abraço!

  • Juliano

    Eu deveria ter assistido meu time, Santos, contra o Joinvile na Copa do Brasil. Mas não dava. O jogo era ruim demais e não tinha como perder a aula do Galo. Timaço!

    Além do belo futebol que todos viram, já contemplado nas notas, destaco a mentalidade. O time precisava fazer 4? Não, um empate serviria. Mas não esqueceram o objetivo do futebol, que é fazer gol, e tentaram fazê-lo até o fim do jogo. É assim que deve ser, e é assim que este Galo é. Do primeiro ao último minuto. E o fazem de maneira organizada e bem jogada. Equipes vencedoras são assim. Desde já têm minha torcida para o título da CLA, uma vez que não é rival do time que torço. Já está na hora do Atlético-MG ter um título de maior relevância, que destaque sua grandeza. Ano passado um grande clube conquistou um título que lhe faltava, torço para que neste ano o mesmo aconteça com este Atletico.

    Fiquei muito curioso pra ver como seria um embate de 180 minutos deste Galo com o Corinthians do ano passado. Grande jogo. A conferir.

    Enquanto isso, a cada jogo que assisto do Santos mais tenho saudades do Dorival Jr. O time consegue piorar a cada jogo. Me parecem evidentes as faltas de opção, de jogadas, DE TREINO. E o tal trabalho, Muricy? Jogando feio demais, dependendo de bola aérea de Assunção pra fazer gol de cabeça? Muita mediocridade… elenco fraco, treinador cansado e ultrapassado (sem ideias) no momento.

    Abraço!

    PS: a postura de derrotado do SPFC, seria um recado do elenco para a troca de treinador? Ou uma coisa nada tem a ver com a outra?

    • Juliano

      Ah! AK, para não passar desapercebido: esse FRED é um absurdo…

      Abraço!

  • Belo texto André.

    Parabéns.

    Não me sinto muito à vontade de tecer qualquer análise ou comentário técnico, tático ou mesmo futebolístico.

    Estive no estádio ontem, e digo que lances como o que R10 fez na lateral do campo contra Douglas e Wellinton, foi daquelas coisas que renovam a paixão que o futebol desperta na gente.

    Caneta sensacional, humilhante, desmoralizante.

    Sem mais para o momento, comemorando demais para comentar.

  • Glauco

    Absolutamente perfeita crônica, Andre. Por sermos praticamente contemporâneos, folgo em ver que vou envelhecer podendo desfrutar do amadurecimento de um grande crítico do esporte, que bom. Costumo achar que outras gerações tiveram muito mais sorte com a mídia de sua época, mas é reconfortante ver que há vida por aqui e não apenas jogo aberto daqueles que se acham os donos da bola…

    Sobre o Galo, como corintiano é duro sentir que seremos os vilões desse futebol fantástico, e agora com justiça mais uma vez odiados, mas a verdade é que somos os únicos capazes de para-los.

    Grande abraço!

    AK: Obrigado pela leitura. Um abraço.

    • Desculpe-me discordar Glauco.

      O Galo este ano só para se acontecer uma catátrofe.

      Acredito sim que, Atlético e Corinthians tem os melhores elencos da competição. Chego a dizer até que os elencos se equivalem.

      Mas o Galo vive um momento mágico. Tudo se encaixa, e quando não encaixa a sorte ajuda.

      Acho sinceramente que este ano não vai ter margem pra “vilania” Corinthiana, meu caro.

      • E é bom lembrar que, se o Corinthians passar pelo Boca (bem provável), enfrenta o CAM na próxima fase.

        Ou seja: daí deve sair o “possível” campeão.

        Abraço!

        AK: O possível encontro seria nas semifinais. Atlético espera Palmeiras ou Tijuana. Vencedor de Corinthians x Boca Juniors pega vencedor de Vélez x Newell’s. Um abraço.

        • Júlio

          AK, algumas dúvidas: na hipótese de o Tijuana eliminar o Palmeiras, o regulamento da Libertadores não obrigaria uma mudança na tabela, para que dois times do mesmo país (Atlético-MG e Corinthians) sejam obrigados a se confrontar, valendo uma vaga nas semi-finais? Caso isso ocorresse, o Tijuana enfrentaria o vencedor de Vélez X Newell’s? Ainda existe essa determinação no regulamento da Libertadores?
          A propósito, ótimo texto, ótima análise, sempre acompanho seus trabalhos, pois vc é profundo conhecedor dos dois esportes que eu mais gosto, o futebol e a NFL.
          Abraço.

          • Chrystopher

            Não meu caro, pois essa opção só é feita nas semi-finais caso tenha dois times de mesmo país, porém em chaves diferentes. Seria o caso de atletico, palmeiras ou corithians de um lado, e na outra semi, fluminense ou gremio, em caso de 3 ou mais brasilieros se mantém a chave original

            • Júlio

              Valeu, Chrytopher, pela informação.
              Abraço.

        • É verdade André, só percebi isso há pouco, conversando com um colega de trabalho.

          Obrigado!

      • Bruno Uzac

        thiago e Glauco, acho o time do Galo melhor que o do Corinthians, principalmente a parte ofensiva. Mas o Galo ainda não tem a regularidade e maturidade defensiva do Corinthians… Seria um duelo fantástico, mas acho que daria Galo, até pq o renato augusto, como de praxe está contundido e não tem data pra voltar. O Pato ainda não deslanchou. E o Corinthians não tem um armador, pois, fica na dependência do Paulinho, que é um excelente volante vindo de trás.

        AK: Apenas como informação: Renato Augusto deve estar em campo nas semifinais, que acontecerão depois da Copa das Confederações. Um abraço.

        • Bruno Uzac

          Ok André, obrigado pela informação. Abs.

          • RENATO77

            Infelizmente tem um Boca no caminho.
            Abraço.

            • Acho que o Corinthians passa pelo Boca.

              Vai ser difícil mas passa.

              Eu quero este confronto entr Galo e Corinthians na Semi-final porque o público do futebol brasileiro merece este confronto.

              São sem dúvidas os melhores time do Brasil na atualidade. O Corinthians é mais compacto, fecha os espaços do campo como ninguém, mas na minha opinião, deixa um pouco a desejar do meio pra frente.

              Mas é uma equipe que vence, sem espetáculo, seja na raça, na vontade, no embalo da torcida ou até mesmo controlando um jogo mais tranquilo.

              A diferença é que não vejo no Corinthians a fome que vejo nos jogadores atleticanos.

              Não tô exagerando não, é fome mesmo. Como se o gol fosse o prato de comida, o sustento da casa, enfim, como se a vida dos caras dependesse disso.

              Comparo o Atlético deste ano ao Corinthians do ano passado. Um elenco bem montado, entrosado, bem treinado e com sangue nos olhos para escrever seus nomes na história do clube, afinal são 42 anos sem conquistas relevantes.

              Acho que na hora da porca torcer o rabo (peraí, o tijuana já torceu ontem), essa vontade exacerbante será o diferencial entre dois times de futebol que antitéticamente se equivalem.

              Um abraço.

  • Marcos Nowosad

    As comparações são sempre perigosas, mas…

    A “correria com técnica” e o domínio avassalador do Galo nessa partida (desde o primeiro minuto de jogo!) lembraram um pouco o jogo Holanda 4×0 Argentina, da Copa 74.

    André, já teve a oportunidade de assistir essa partida histórica da Laranja Mecânica em teipe?

    AK: Algumas vezes. Um abraço.

  • O que me alenta é que o Ganso, aos poucos (beeeem poucos), está voltando a se dedicar ao jogo: tocar, sair da marcação, prender a bola, ajudar a marcar…

    Infelizmente o Ney não conseguiu, ainda, ajustar a parte tática com a saída do Lucas. Daria para fazer frente ao CAM, mesmo com um a menos no Morumbi, ou conseguir um empate no Independência, mas sem a parte tática, não dá. O time não marca bem, não se movimenta direito, e fica dependente de uma jogada do Osvaldo, ou do Jadson, ou do Ganso, ou pior: do Luís Fabiano (quando está em campo, lógico).

    Foi bom termos saído agora. Com um planejamento decente, dá pra treinar legal até o Brasileiro começar e, quem sabe, sonhar ao menos com a vaga na Libertadores do ano que vem.

    Só precisamos saber se há planejamento. E, se houver, se será decente. :-S (não creio)

    E sobre o post: fantástico como sempre.

    Abraço!

  • Marcos

    Os rivais criticam o Galo por não ter um título importante (será mesmo? Nem as duas Conmebol – que hoje se chamam outra coisa, basta pesquisar -, ou o campeonato brasileiro de 71 ganho na bola, e não na caneta, como os títulos de certos clubes aí?) e por cantarmos no nosso hino sobre sermos “campeões do gelo”, um campeonato que ninguém viu. Hoje, no entanto, é o dia da volta. Como diz o hino do São Paulo:

    “Ó tricolor
    Clube bem amado
    As tuas glórias
    Vêm do passado”

    • Nossa, é impressionante a burrice de certas pessoas.

      É lógico que as glórias vêm do passado. Você “é” campeão amanhã ou semana que vem? E o seu “presente” representa quanto, em tempo: 4 anos, 2 anos, 2 semanas, 2 dias, 2 minutos?

      Tendo muito boa vontade, podemos descrever o presente como sendo “este mês”, ou “este ano”. Sendo assim, com exceção de Botafogo e Internacional, qualquer outro time médio ou grande do futebol brasileiro têm suas glórias no passado. Seja ele qual for.

      O problema é que o pessoal gosta de tirar sarro com qualquer coisa, mas às vezes não sabe o que está falando (inclusive sobre o hino de vocês que eu, infelizmente, desconheço – mais por gostar das letras dos hinos do que por alguma identificação com a agremiação).

      Abraço!

  • RENATO77

    AK, sem mais delongas:
    Lucas ou Bernard?

    • Marcos Nowosad

      Não sou são-paulino, mas, por enquanto, ainda o Lucas.

      Dribla e chuta melhor.

      Mas o Bernard tem potencial para chegar lá.

  • Antonio

    FELIPÃO, quer ser Campeão ? coloque esse Quarteto ofensivo do GALO na Seleção, além do mais o Neymar tá precisando pegar um banco.

  • Rogerio

    Parei quando vi na crônica que o Atlético Mineiro é time grande.

    Desculpa mas um time que não ganha nada a 42 anos, não pode ser grande!!!!!

    Obs: NÃO SOU SÃO PAULINO!!!!

    • iraq

      Mas tem o direito de crescer…e está fazendo isto.

    • Antônio

      Estou farto desse tipo de argumento indigente! A história do futebol brasileiro não se resume ao século XXI. O Cortíntians já era grande antes de ganhar o 1º brasileiro, assim como vários outros clubes que ganharam um título nacional após o Atlético. Comentários como o do Rogério (acima) destoam da qualidade do restante que se vê por aqui.

      • Rogerio

        Desculpe amigo, mas um time que não ganha nada a 41 anos, e só tem 1 título em toda sua história, não pode ser grande!!!!

        Simples assim.

        Abraço!!!

        AK: Não, não é tão simples. O conceito de grandeza de um time de futebol é mais amplo. Um abraço.

  • Paulo

    Agora você acertou. Ótimo texto, abraço

    AK: Não. Você acertou. Um abraço.

    • Renato

      Péssimo texto. Ridículo.
      Apesar da pressão, todos os gols foram de falhas individuais.
      O desgaste da equipe, as ausências dos titulares e a necessidade da vitória, aí sim possibilitaram as oportunidades da bem preparada equipe do Galo aplicar a goleada.

      Uma semana antes o Tricolor fritou o galo em 35 minutos. Mais uma vez uma falha individual levou tudo a perder…..

      AK: Você me parece na fase da negação, que se instala por um período, após um grande trauma. Mas já deveria ter passado. Um abraço.

  • Marília Souza

    Amei ler sua análise clara, inteligente do modo de jogar do GALO!! adoro ler ou ouvir seu pai… e tendo agora aqui um prazer imenso de como boa mineira constatar que : Filho de Peixe (peixinho ??????) Peixão è !!!! rsrsrsrs
    Obrigada por sua argúcia e Inteligência..Prazer Ler vc!!!!

    Marília Souza
    mineirinha de Belô – Mg

  • Márcio

    Paulo Coelho do futebol, sabias palavras Sr. Andre definem uma nação em esplendor com sua equipe.
    Se houver uma camisa preta e branca pendurada no varal durante uma tempestade,o atleticano torce contra o vento. Essas sabias e verdadeiras palavras foram ditas pelo saudoso Roberto Drumond.

  • Julio Cezar de Carvalho

    Devagar com o andor gente, todos sabemos que esta zaga do São Paulo é a baba do boi cansado: goleiro velho, não tem lateral direito, Tolói é o verdadeiro carma para o Ceni, Rodolfo ou Lúcio nunca convenceram, além da lateral esquerda que nem precisamos falar.
    Vou dizer uma coisa e me cobrem depois, este time do Atlético-MG é caseiro, no jogo lá em São Paulo era pra ter levado uma goleada, tal o numero de gols que o São Paulo perdeu, não fosse aquela ignorância do Lúcio ao provocar a expulsão e certamente o São Paulo iria para Minas com uma grande vantagem.
    Resumindo, final da Libertadores: Fluminense x Corinthians.
    Os dois times mais cascudos do Brasil decidirão quem é o melhor da América do Sul.
    Saudações Tricolores (Carioca, claro).

    • Joao

      Não entendi. Era pro Galo ter levado uma goleada por causa dos gols que o SP perdeu? Veja bem, o jogo tem 90 minutos, em mata-mata, sao 180 minutos. Os primeiros 20 minutos do jogo anterior foram sim uma pressao enorme do SP mas nao refletia superioridade de time. O Lucio não foi expulso por que agrediu o juiz. FOi expulso pq deu 2 pontapes em jogadores do Galo em arrancadas. Pq o Galo ja impunha seu jogo, equilibrava a partida.
      Se não entra em campo, amigo. E SE entrasse, quem sabe SE Bernard e Tardelli jogassem o ultimo jogo da fase de grupos o calssificado não teria sido o The Strongest e não o FRACO São Paulo.

    • Antônio

      Pois é: típico de quem só olha para o próprio umbigo. Mas foi o time que liderou todo o campeonato paulista, e que só foi batido pelo coríntians nos penalties…

  • J.Martins

    Ontem tive o desprazer de ver uma parte da entrevista, dada ao tricolorissimo repórter Plihal, do sr.JJ, na ESPN. Confesso que fiquei estarrecido com o tom histrionico, arrogante, pretensioso que impregnava as palavras do referido senhor. O mais impressionante é que os conselheiros do time da vila sonia obedecem cegamente aos comandos deste “stalin” da zona oeste, que também, como seu mentor, parece dado ao consumo do álcool (só trocou a vodka pelo uisque…). Evidentemente, torço para que ele se perpetue no poder, mantendo sempre, na meta, o arqueiro ancião.
    O Galo perdeu uma grande oportunidade de infligir uma derrota ainda mais acachapante ao time paulistano!!!!

    • RENATO77

      ESPN + PLIHAL + JJ? esperar o que?
      Isso é praticamente um programa oficial…”a hora do Brasil” do tricolor.
      Tô com voce, fica Juvenal!!!
      Ah, o canal vai passar o filme do SPFC pra acalmar os ânimos dos “fãs do esporte”….rsrsrsrsrs…momento propício!
      Abraço.

      • Junior

        Concordo com você Renato. A ESPN se tornou um canal ideológico, preocupado em divulgar uma certa agenda. No pouco tempo que sobra para falar de esporte, é preciso agradar as preferências clubísticas do patrão.

        Hoje em dia só para assistir os campeonatos exclusivos e o SportsCenter.

        AK: Trabalho lá há 17 anos e posso garantir que não é o caso. Não existe agenda, não há posições ou assuntos impostos ou proibidos. Se erros são cometidos, como são em todos os lugares, é justamente pela liberdade editorial que vale para todos. Há concordância em relação a determinados conceitos, discordância em relação a outros, mas absolutamente nada é estabelecido de cima para baixo. E sobre quem você chamou de “patrão”, não o é faz tempo. Um abraço.

        • RENATO77

          A diferença de critérios e rigor com que a ESPN julga e analisa os campeonatos nacionais e os internacionais é gritante, incoerência pura.
          Aponta diretamente para uma só direção: criticar excessivamente o “produto” futebol brasileiro, o qual ela NÃO detêm os direitos de transmissão e ser “chapa branca” quando analisam os campeonatos internacionais, que ela, a ESPN transmite.
          Nessa Champions League, houve uma avalanche de erros de arbitragem nas fases decisivas. Erros até grosseiros, e o que se ouviu? “Erros acontecem, faz parte…”
          Ah, se fosse no campeonato brasileiro…as mais mirabolantes teorias conspiratórias, ganhariam vida própria através dos microfones da empresa.

          Criticar à exaustão, como fazem com o futebol brasileiro, a tremenda máquina de lavar dinheiro que é o futebol europeu? Isso não! Passa longe!
          Na Europa não há corrupção, trafico de influências e nem erros de arbitragem sistemáticos contra os clubes pequenos. É o futebol de Alice, no continente das maravilhas.

          O canal vem exibindo a Copa do Brasil, e a cobertura da ESPN fala dos aspectos “varzeanos” da competição como um “charme” da CB, sem criticar, como era de costume quando não à transmitiam.
          O que poderia ser tratado como bizarro em outras épocas, vira pitoresco.

          Enfim, o dinheiro sempre fala alto…mas a ESPN devia então, baixar mais a bola quando criticam a globo, por acharem que ela faz vistas grossas diante dos problemas do nosso futebol.

          “…é que Narciso acha feio, o que não é espelho…”
          Abraço.

          AK: Confusão de conceitos. A noção de que as críticas feitas ao futebol brasileiro são parte de uma “estratégia de mercado” é absolutamente falsa. A Espn transmite a Copa do Brasil e teria todo interesse em transmitir o Campeonato Brasileiro, sem que isso signifique mudança de postura em relação aos problemas do futebol por aqui. Assim como se critica defeitos do futebol na Europa sem que se entenda que isso desvaloriza “o produto”. A questão fundamental é a vocação de um canal de televisão com sede no Brasil, até por motivos estruturais. Criticar, mostrar erros e oferecer sugestões ao que temos em nosso país é o papel jornalístico de um canal de televisão esportiva no Brasil. Não há sentido em fazer uma cobertura igualmente crítica em relação ao que ocorre em outros países. Veículos internacionais não agem dessa forma em relação ao Brasil. Um abraço.

        • Junior

          Obrigado pela informação interna André. Desculpe se julguei mal o que eu assistia.

          abs

          AK: Acredite, manifestações como a sua são importantes. Um abraço.

  • Bruno Apolinário

    André, parabéns pela excelente crítica! Não o conhecia, confesso, mas gostei do modo como analisou o jogo de ontem.

    Sou atleticano, mas, acima de tudo, gosto de futebol. Ver bons times jogando, sejam eles paulistas, cariocas, mineiros, gaúchos ou qualquer outro, sempre “dá gosto”. No momento, com todo respeito aos colegas corinthianos, torcedores do Fluminese e outros, penso que o Galo possui um time muito bom, extremamente qualificado e, se mantiver o foco e jogar como o fez ontem, há poucas possibilidades de perder o título da Libertadores, mas o futebol sempre reservas surpresas: como justificar que a famosa seleção holadensa de 74, a “Laranja Mecânica”, não ganhou aquela Copa? Como aceitar que a seleção de 82 não tenha “levantado o caneco”?

    Por isso, acho melhor termos cautela e esperar p ver o que acontece… grandes espectativas existem, mas apenas com o prosseguimento da competição poderemos ver se o time, realmente, foi o melhor.

    No mais, gostaria de parabenizar à todos que deixaram seus comentários. Paixões futebolísticas à parte, essa foi a primeira coluna que leio, com a qual concordo com as opiniões diversas. Excelente o clima, melhor ainda o debate.

    Abraços à todos

    AK: Obrigado. Volte sempre. Um abraço.

  • óbvio

    Ta jogando demais o atletico, mas com apenas 1 brasileiro e mais nada importante alem de campeonatos mineiros em seu curriculo nao pode ser chamado de time grande

    • Bruno Uzac

      Obvio, então nao podemos dizer que o Fluminanse também nao eh time grande por ter ido parar na serie C e voltado pelas portas do fundo? Que o Corinthinas tbm nao seria por ter passado um longo jejum sem título e só veio ganhar o primeiro de grande importância na década de 90? E o Palmeiras com 2 rebaixamentos seguidos, tbm nao seria grande? O Inter tbm viveu um longo jejum. O Botafogo vive tbm um jejum…… Então, pare de falar besteira. O Atlético ganhou 2 copa Conmembol, atual Sulamericana tbm, tem uma torcida fantástica, já revelou muitos craques, inclusive cedendo pra seleção. Recordista de participações ( 14 ) em semi finais da era do brasileirao. Tem enorme tradição sim meu amigo!!!

  • Junior

    Olá André, gostaria de saber a sua opinião num assunto fora do post.

    Assisti hoje ao Sportcenter (horário do almoço), e vi a notícia de que a torcida Gaviões da Fiel está proibida de entrar em estádios (com identificação, claro).

    Quando foram listados os motivos pela punição eu me surpreendi. Acredido que em relação aos danos materiais, a punição foi extremamente branda, pois a torcida – já que foi identificada – ou o Corinthians deveria ser cobrado pelos danos, até mesmo uma multa não seria exagero. Ideal seria se os estádios fossem 100% monitorados e os responsáveis identificados e punidos individualmente.

    Porém, existe um motivo na lista que jamais poderia estar lá. Quando “cânticos ofensivos” está relacionado em uma lista que gera punição a torcedores, uma linha bastante complexa está sendo atravessada sem o menor cuidado. Não podemos impedir a livre manifestação de torcedores de futebol, podemos concordar ou discordar, apoiar ou criticar. Mas regulamentar o que pode ou não pode ser dito, isso vai cair no absurdos dos absurdos. Esse tipo de precedente vai apenas aumentar a “guerra de bastidores”, cânticos como “caiu no horto tá morto” poderá ser considerado ofensivo por alguém também.

    Enfim, essa é a minha opinião, mas eu realmente gostaria de saber o que você pensa a respeito, pois – além da sua experiência – considero sua linha argumentativa muito coerente e honesta.

    Se possível, aguardo sua resposta.
    Abraços

  • Broc

    Não era seu leitor frequente, mas sempre admirei a qualidade de suas crônicas no LANCE. Acompanhando os comentários de seus leitores, impressionou-me a falta de baixarias costumeiras neste espaço. Parabéns pelo blog, e – por que não ? – pelos leitores de melhor nível.

    AK: Aqui não tem isso. É meu compromisso. Obrigado e um abraço.

  • Carlos Vix

    Sou atleticano, fiquei realmente enfurecido quando o SPFC resolveu “engarrafar” uma coisa universal, que é a FÉ, mas queria dizer algumas coisas sobre o clube paulista:
    – o presidente do Galo, Alexandre Kalil, pode ser doido, mas nunca jogou pedra em avião… Já o presidente do SPFC… Vi ontem uma entrevista dele a ESPN, em que ele claramente estava “alterado alcoolicamente”, ou bebaço no popular… A criatura estava tão doidona antes de um jogo decisivo que falou mal da própria equipe, tirou o dele da reta e ainda acusou o Cuca de ter esvaziado a caixa d’água do Morumbi… Com um cara desse dirigindo o clube, não da pra esperar muito.
    – fiquei também impressionado com a quantidade de vezes que se falou que a história do SPFC na Libertadores faria diferença… Ora, se história realmente fizesse diferença, o Egito seria campeão de todas as Copas. E o SPFC se apegou nesse “história” e em função disso criou um time medíocre, salpicado por bons jogadores e por ex-jogadores em atividade… Como se o uniforme do SPFC fosse, sozinho, dar conta do recado!

    O Galo vai ganhar essa Libertadores??? Espero que sim, como atleticano que sou, mas no futebol nunca se sabe… Mas que jornalistas, como o André bem fez, precisam respeitar o Atlético e seu momento, ah isso precisam!
    Força Galo!!!! Esse ano é nosso

    • RENATO77

      Todo aquele que rivalizar com o SPFC em algum momento da historia, terá seu nome jogado à lama pelo exército midiático do “clube do Opus Dei”…tá na escrituras sagradas!
      Que Deus nos ajude.
      Abraço.

  • Benjamin

    André, você não vai mais postar palpites para a fase eliminatória da Libertadores? Estou sentindo falta das suas previsões e de comparar com as minhas…

  • Rita

    Belíssima análise.
    Perfeito!

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo