CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

NOSSO MUNDO

Escrevi esta coluna sobre o participante da maratona de Boston que perdeu o filho na linha de chegada. Sobre o menino de oito anos que morreu segundos após abraçar o pai. Sobre a menina, sua irmã, que perdeu uma perna na explosão. Sobre a mãe deles, que sofreu sérios ferimentos na cabeça.

Escrevi o texto na terça-feira, antes da revelação de que o sujeito que, agora, tenta encontrar forças para entender o que há de errado com este mundo, não correu a prova. Ele e sua família eram espectadores. Não houve abraço na linha de chegada, se é que isso muda algo.

Eu tinha enviado o texto para meu melhor amigo, que corre maratonas e tem filhos pequenos. O sujeito envolvido nessa tragédia indescritível é como nós: pais de crianças de oito anos, apaixonados por esportes. Eu disse a ele que a história não era mais aquela, que escreveria sobre outro assunto. Meu amigo me convenceu a insistir. A história é diferente mas não é menos triste.

Você pode pensar que foi algo hediondo, sim, mas que se passou longe daqui. Este não é o nosso mundo. Errado. Os dois principais eventos esportivos que existem estão chegando. Teremos de lidar com esse tipo de preocupação e teremos de ser competentes.

Mas você erra, acima de tudo, ao não perceber o que uma maratona como a de Boston significa. É um encontro de pessoas do mundo inteiro, um ambiente de camaradagem, conquista de objetivos e celebração. Havia muitos brasileiros na prova deste ano, talvez até alguém que você conheça. Talvez você goste de maratonas e seja pai de um menino de oito anos. Talvez você tenha ficado tão indignado com essa barbaridade quanto eu.

O mundo pós-11/9 sempre me atingiu pelas medidas de segurança que consomem tempo, paciência e mais um pouco de nossa liberdade. O que houve na segunda-feira em Boston me acertou de outra maneira. Foi num evento esportivo que eu poderia estar cobrindo. Ou assistindo, com minha mulher e filhas.

O menino tinha oito anos.

FRACOS

Mais do que a exposição da guerra entre entidades que deveriam negociar unidas, a revelação verdadeiramente interessante da entrevista de Alexandre Kalil ao programa Bola da Vez, da Espn Brasil, foi a maneira como a CBF atua para enfraquecer os clubes. Diante da mínima possibilidade de entendimento, Ricardo Teixeira operou para implodir o Clube dos 13 e manter as coisas como sempre foram. Os clubes são dependentes porque querem.

MOFO

Enquanto isso, a CBF, sob velha direção, compra salas superfaturadas para sua nova sede e distribui mesadas para as federações estaduais. O modelo de falta de gestão do futebol brasileiro é baseado, de cima para baixo, na troca de gentilezas por apoio. Insatisfeitos bradam na rua e calam na sala, após os agrados que garantem a manutenção dos próprios feudos, onde agem da mesma forma. Será assim enquanto a mentalidade não mudar.



  • Emerson Cruz

    Tomara que eu esteja errado. Mas esta tragédia aconteceu num evento cuja cidade trata a segurança de grandes eventos de maneira bem mais séria do que a que veremos por aqui, nestes eventos que o Brasil abrigará, ainda assim isto ocorreu. Imaginem se… bom, não imaginem. Tomara que eu esteja errado…

    • Acredito que não, a maratona de Boston, por se tratar de um esporte de baixa visivbilidade sempre demandou pouca segurança. se isto tivesse ocorrido no Super Bowl a sua afirmativa estaria correta

  • silas

    André,

    De todas as possibilidades que eventualmente cogitamos e para a qual utilizamos o bordão “se está assim agora, imagine na Copa do Mundo” a única que me recuso a aceitar é a falha na segurança.
    Sem dúvida, se formos imaginar como será a segurança nos próximos grandes eventos no Brasil a partir da realidade que vivemos, sentimos arrepios e intensificamos nossas orações para que os céus nos protejam.
    Ao acessarmos o blog do Juca (seu pai) dias atrás tomamos conhecimento de quem é (será?) responsável pela segurança na Copa. Intensificaram-se os arrepios – de medo e de indignação – de ver como as coisas (ainda) são feitas neste país. Esperar profissionalismo dessa gente indicada apenas por interesses políticos e sem a qualificação mínima para essa empreitada é, outra vez minimamente, aguardar desgraças. Infelizmente.
    Que todos nós e principalmente a imprensa do Brasil lutemos intensamente junto a todos os órgãos responsáveis no sentido de adotarmos medidas efetivamente eficazes contra quaisquer tipos de atentados que ponham em risco a população brasileira e os milhares de turistas que teremos à essas épocas.
    Acreditar que esse tipo de covardia somente acontece em outros países é ingenuidade, comodismo e irresponsabilidade,

  • Juliano

    AK, esse tipo de atentado sempre nos toca de uma forma ou de outra. Parabéns pelo tom da coluna.

    Agora, vou colocar alguns pontos para reflexão aqui (se passar pela moderação):

    No dia do atentado: http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2013/04/atentados-bomba-matam-3-e-ferem-144-em-boston-nordeste-dos-eua.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

    No dia seguinte: http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2013/04/senado-dos-eua-rejeita-lei-que-controla-venda-de-armas-de-fogo.html

    Mais: http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2013/04/16/ataques-em-boston-podem-ter-relacao-com-debate-sobre-controle-de-armas.htm

    Difícil cravar, claro, mas acha que é muita teoria da conspiração ou apenas uma infeliz, muito infeliz, coincidência?

    Não gosto de ser leviano, mas acho que os governantes norte-americanos são capazes de qualquer coisa. Mesmo no atentado de 9/11, não estou convencido que foi da forma divulgada “oficialmente”. Tem muito material com indícios que apontam outro rumo… enfim…

    Abraço!

    • Flavio

      Não tem jeito mesmo. Nem a morte de crianças pequenas faz estes anti-americanos amolecerem seus corações petrificados. Bando de invejosos canalhas. Quando suspeitam que os americanos mataram alguma criança numa guerra ficam vociferando suas idéias comunistas e muçulmanas. Seus filhos poderiam estar naquele evento ou no Old Trade Center. Mas tudo bem. Já que o mal está dominando o mundo mesmo. E o mal sabe muito bem qual a única nação que poderá lutar de igual para igual contra ele. Boa sorte aos justos nesta luta sem fim.

      • Paulo Pinheiro

        Flávio, o problema é que bocas como a sua se calam quando os americanos trucidam crianças. Aí é normal. Aí é “guerra”. A dor dos pais não é a mesma porque, afinal de contas, a causa americana é “sempre legítima”.

        Vai chorar pelos americanos lá no Paquistão.
        http://www.pragmatismopolitico.com.br/2011/08/168-criancas-paquistanesas-assassinadas.html

        A morte de crianças sempre vai me entristecer, porque elas não têm nada a ver com essa troca de ódios (e os americanos ODEIAM mais que qualquer nação no mundo), mas que as vozes chorosas só se levantam quando as vítimas são americanas, isso é FATO. Qual é o nome disso?

  • Dyl Blanco

    O absurdo da ação de extermínio é o mesmo, seja com a família de um participante da Maratona de Boston ou de um vendedor de camisa de clube clandestina na porta do estádio. O que os levou até o local foi um evento nobre, talvez o mais nobre de todos. Um evento esportivo. Onde se dá e, principalmente, se aprende a vital lição da convivência com adversários, pautada pelo respeito e pelo sentimento de superação.
    Minha dúvida hoje é a seguinte: na época da realização das Copas (Confederações e Mundial) a FIFA se torna proprietária temporária e/ou responsável pelos locais de jogos ? Até onde se define essa responsabilidade, até o entorno local ? O Padrão FIFA se estende ao formato de segurança ? Quem vai bancar esse padrão ?

  • Sobre a tirinha FRACOS:

    Pois é, nosso problema é cultural!

    E o pior é saber que muitos de nós, inclusive críticos fervorosos, tomariam semelhante atitude, aceitariam trocas de gentilezas, agrados, mesadas, com a ideia de que qualquer um faria o mesmo.

    Para uma sociedade que acha normal pagar uma cervejinha para a PM não encher muito o saco, e admira quem devolve dinheiro perdido ao seu dono, tem muita gente boa por ai com revoltas hipócritas, isso sim.

    • Vaz

      É o que mais tem. Aliás outro dia alguém saiu com uma frase que era algo mais ou menos assim mas resume bem: Toda a ética e indignação termina quando é o o adversário que se dana (era um palavrão). E eu acrescentaria ainda: ou quando o meu leva alguma vantagem.

  • Esse sistema feudal, caso não acabe, ainda vai destruir ou deixar o futebol brasileiro ainda mais fraco

    E se depender da grande maioria dos cartolas (seja eles divididos em dons, consigliere e capos) isso não vai mudar tão cedo

    • Dyl Blanco

      Por que não vai mudar tão cedo ?
      Por acaso a vontade de uma legião pode ser oprimida indeterminadamente?
      Imagine a seguinte situação. Uma emissora de TV por Assinatura, como por exemplo a ESPN BR, abraça a causa de derrubada da estrutura vigente e conclama todos os torcedores a boicotarem seus times, deixarem os estádios ainda mais vazios, deixarem os produtos licenciados mofando nas prateleiras, deixarem seus carnês de sócio torcedor sem pagamento. Todos se reuniriam em locais onde pudesse ser assistido o jogo em Pay per View. Todo o sistema teria que se voltar para a ESPN BR (apenas um exemplo) para negociar e formatar o Negócio Futebol de uma maneira mais decente.
      Para a esmagadora maioria também era impossível derrubar Fernando Collor do poder. E deu no que deu. Basta atitude.

      • Matheus Brito

        Pelo público que está indo aos estádios hoje em dia, bom, podemos dizer que esseboicote já existe, mas como em toda guerra, alguém sempre cresce na crise. Vai dizer as torcidas de Flamengo e Corinthians para pararem de ir no estádio porque a divisão do dinheiro está fazendo Mal futebol brasileiro.

        • Flavio

          A do flamengo já não está indo. Ou você não observou as rendas do campeonato carioca??

  • RENATO77

    Nunca chegaremos a um nível de segurança que impeça que um maluco qualquer largue uma mochila com explosivos no meio da aglomeração de pessoas comuns.
    Enquanto houverem seres humanos capazes de bizarrices como a de Boston ou áquela na escola Sandy Hook…não há muito o que fazer em termos de “segurança”.

    Quanto à entrevista do Kalil, ele deve, ou deveria, ser encarada como uma entrevista do Kalil e não como um “tratado sobre a verdade dos fatos”.

    Abraço.

    • Perfeito, Renato!

      Não existe e nunca existirá um sistema de segurança perfeito e infalível, que não permita um doente mental de entrar em um cinema com uma submetralhadora e matar várias pessoas!

      Tragédias como a de Boston, Realengo, 11/9 etc. só serão evitadas quando o ‘bicho-homem’ for extinto desse planeta!

  • Anna

    Não sou casada, nem tenho filhos ainda. Mas amo maratonas. Estive em Nova York três meses antes da queda das Torres Gêmeas. Tudo que envolve os Estados Unidos em relação ao terrorismo, me toca. Poderiam estar ali pessoas que amamos: familiares,amigos, colegas de profissão. Fiquei realmente muito sensibilizada e triste.Temos dois eventos esportivos próximos, mas a prova de fogo será a Jornada Mundial da Juventude, com estimativa de dois milhões de pessoas em que o Papa Francisco estará, já em julho próximo. Que Deus nos ajude, de verdade! Linda coluna! Um alento,obrigada!

  • francotimao

    André, o fato das explosões em Boston são terríveis e lamentáveis, sabemos q isso “lamento” não vai mudar o rumo das “coisas”, mas é o minimo q podemos fazer diate de um atentado, e, pessoalmente temo sim pela segurança das equipes q virão ao Brasil no ano q vem, não somos exatamente sumidades neste quesito, haja vista, q os Americanos q possuem décadas de experiencia neste “campo” ainda não conseguem neutralizar essas ações, imagine nós???…qto ao “adoça boca” da CBF as Federações, tipico do Brasil e é também lamentável, que dirigentes ainda se “vendem” por “trocados”, pois os prejudicados são sempre os torcedores de futebol, como nós, q sempre gostaríamos de ver o melhor vencer no campo e o dirigente fazer o seu papel de forma honesta e competente, afinal os desmandos da Confederação e dinheiro “jogado” no ralo, não sei se jogado no Ralo??, não aposto minhas fichas nisto, continuam tudo com dantes no quartel de Abrantes, lamentável, simplesmente lamentável..Abs!!!!!!!!!

  • Vamos protestar pessoal por que do jeito que se encaminha a nossa política interna acharia por bem cancelarmos a Copa do Mundo aqui no Brasil.
    Sugestão: Estados Unidos.

  • O Fato ocorrido em Boston foi ato de dois deletérios indivíduos residentes nos USA um já foi morto pela polícia e outro preso são irmãos, portanto nada haver com terrorismo esperemos pois que não haja nenhum maluco entre nos para perpetrar atos dessa natureza duante a realização da Copa, portanto não há porque pensar em cancelamento do evento pelo menos por esse motivo.

    • Flavio

      Você viu de qual país esses canalhas sairam? Desgraçados metem o pau nos estados unidos e vivem por lá comendo e dormindo à vontade. Parecidos com muitos que eu conheço.

  • Agora falando de futebol espero que o Exmo. sr Titemania não ocorra no erro de “Danilo e mais dez” e prepare uma equipe capaz de ganhar essa Liberta que se for bem jogada não tem prá ninguem, afinal o elenco é bom e se for bem treinado e melhor escalado não o que temer, agora o Timão necessita de reforços em determinadas posições já que ha vários jogadores com selo de validade vencido. Treino é p\ a avaliação do técnico que busca um título importante sem se preocupar com “os preferidos” e com sistemas mirabolentes que não resolvem nada.

  • Somos todos manipulados como gado e nem percebemos. Toda reportagem que vai ao ar, tem um fundo de comentario que fica subentendida a inserção da mensagem a uma maneira de formar opinião do povo. Infelizmente, a maioria do povo brasileiro não consegue dissossiar o que é a “manipulação das massas ” através da imprensa. O futebol que até a tempos atrás era tido como esporte virou paixao. A paixão leva a atos incontrolaveis pelos torcedores profissionais, e a mídia que pouco faz para que exista a rivalidade mas não exista a violencia. Tudo é sensacionalismo. Infelizmente, o Brasil não é um país sério. Não que o Estados Unidos sejam um país sério, pois são somente quando os convém. Hj já estamos em guerra e nem percebemos…… creio que a copa será um de nossos menores males…..

    • Flavio

      Se os ESTADOS UNIDOS não é um país sério então eu acho que realmente acabou o mundo mesmo. Sério deve ser a china, a russia, a chechenia, a turquia, a moldavia, a malásia, a tainlãndia, o paquistão, o afeganistão, o irã, o brasil e outros formadores de terroristas.

  • Teobaldo

    Permita-me discordar de um ponto ” … Os clubes são dependentes porque querem”.

    Na realidade (ou na realidade que eu enxergo) os dirigentes usam os clubes para obterem ganhos pessoais e “aceitam” acordos que, claramente, prejudicam os clubes, afinal tais instituições não têm donos, não é verdade? Não existe ninguém a quem prestar contas. Nem o governo, verdadeira mãe-credora, se sente na obrigação de cobrar os clubes. Eu sei que entre opinar e provar a distância é muito grande, mas nada tira da minha cabeça essa teoria… talvez até esteja, eu, errado.

    Um abraço!

  • Minha gente o Brasil é um país torto, ficou torto depois de ser entregue a atual troupe que gerencia a nação, quem entregou foi o tal de eleitor se vai indireitar ou não não sei, mas nem por isso vamos privar o povão da Copa agora é outra coisa, pois a seleção também está torta o maior jogador do Brasil é o Neymar e dizer que iqual a ele vi vários mas que não tinham uma mídia burra para enaltecê-los e melhor que ele viu ás centenas, enfim…….fui.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo