COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

CORAGEM E AÇÃO

Não seria um despropósito excluir o Corinthians da Copa Libertadores de 2013, por conta do envolvimento de (pelo menos) um torcedor do clube na morte de um garoto num estádio boliviano. Há situações que exigem que se trace uma linha, e esse momento chegou para o futebol sul-americano. Mas traçá-la é estabelecer uma fronteira, providenciar mudanças. Definir as diferenças entre o antes e o depois. A eliminação de um clube, por si só, não seria suficiente.

Só há uma forma de honrar uma vida perdida: trabalhar para garantir que algo semelhante jamais acontecerá de novo. Multas, perdas de mandos de jogos e outras simulações nem iniciam a conversa. Vetar torcedores – como a Conmebol fez com o Corinthians – é muito melhor do que nada, ou o quase nada a que a confederação nos acostumou, mas também não funcionará. É um esparadrapo para um paciente que precisa de um transplante.

Apurar e contemplar responsabilidades, de todos, é a única maneira de nos lembrarmos de Kevin Espada, 14, morto por um sinalizador marítimo enquanto assistia a um jogo de futebol, como um símbolo. Do contrário, ele será mais um verbete da Wikipedia. A memória de Kevin merece – e o futebol nesta parte do mundo pede urgentemente – uma revolução.

Revolução que só pode ser feita pela aplicação de medidas amplas, drásticas, corajosas. O Corinthians, visitante, deveria ser excluído por causa da participação de seu torcedor. O San Jose, mandante, deveria ser excluído pelo ocorrido em seu estádio. A Federação Boliviana, organizadora do jogo, deveria ser punida pelas falhas de segurança. E a Conmebol, organizadora do torneio, deveria ser proibida pela Fifa de realizar competições enquanto não apresentasse um caderno de providências para reformar a Copa Libertadores e a Copa Sul-Americana.

A Confederação Sul-Americana de Futebol é a principal responsável pelo que se vê em jogos no continente, há muitos e muitos anos. As pedras nos vidros dos ônibus, a pressão sobre a arbitragem, o tratamento ao visitante, os gramados, as pilhas, os escudos, os sinalizadores. A supervisão cínica de Nicolás Leoz estimula o vale tudo e lava as mãos quando a coisa foge ao controle. Agora a Conmebol tem uma morte – dentro do estádio, sem situação de conflito – para considerar.

É absolutamente revoltante que o jogo entre San Jose e Corinthians tenha prosseguido, como se morrer em estádios fosse trivial. Mais de doze horas depois, a Conmebol conseguiu divulgar uma nota de pesar endereçada não à família de Kevin Espada, mas ao presidente da Federação Boliviana, “pelo falecimento de um jovem” durante a partida. Desfaçatez que não conhece limites.

Basta do juridiquês dos regulamentos, das punições preventivas, dos recursos. Basta das posições clubistas, dos ataques e das defesas oportunistas. Basta das relações políticas e promíscuas. Basta. É hora de pôr fim a atrocidades como a que se deu em Oruro. Que não aconteceu em outras noites, em outros lugares, simplesmente por sorte. Um menino de 14 anos morreu atingido por um foguete. Pode ter sido um acidente, mas não foi uma fatalidade.

Fatalidades são eventos que não podem ser evitados.

MCFLY

Wagner Ribeiro, agente de Neymar, declarou que se Pelé jogasse hoje seria inferior ao atual astro santista. A “lentidão” de Pelé, estrela maior de uma época em que o futebol era menos dinâmico, o prejudicaria diante da marcação moderna. Comparação impossível. Se Pelé jogasse hoje, e tivesse a mesma idade de Neymar, seria um atleta totalmente diferente, e provavelmente ainda melhor. O futebol tem eras, cada era tem suas características e seus craques. Melhor deixar assim. Fez bem Neymar em não entrar na conversa.

RECOMPENSA

Na vitória que mudou a situação do Grêmio na Libertadores da água para o vinho, Barcos jogou para palmeirense nenhum botar defeito. O Grêmio venceu o Fluminense ao lhe dar campo, estratégia arriscada para quem estava obrigado a vencer. Deu certo.

TAPETE

Aqui se fizeram diversas críticas, por isso é justo que se faça o elogio: o gramado do Engenhão está ótimo.



MaisRecentes

Anormal



Continue Lendo

Saída



Continue Lendo

Em controle



Continue Lendo