SEM LUZ, COM EMOÇÃO



20130205-030319.jpg

Acima, o momento que decidiu o Super Bowl XLVII. A série em que a defesa do Baltimore Ravens impediu o touchdown que muito provavelmente daria o título ao San Francicos 49ers.

É apropriado que a última série de jogadas da carreira de Ray Lewis tenha sido uma parada na linha do gol. Depois de tudo o que aconteceu no Superdome, o jogo terminou com um “tudo ou nada” para os dois times. A defesa liderada por Lewis ganhou do ataque comandado por Colin Kaepernick.

Acredito que Kaepernick ainda levará os 49ers a um título, ou mais, mas a noite foi de Joe Flacco (o vigésimo-sexto quarterback a ser eleito MVP do Super Bowl, o sexto nos últimos sete anos) e John Harbaugh.

Flacco teve um desempenho estelar no primeiro tempo, período em que igualou Joe Montana ao lançar para três touchdowns. Praticamente tudo o que ele lançou encontrou um alvo.

No momento em que a energia caiu no estádio, era difícil imaginar um segundo tempo como o que vimos. A explicação para a falha elétrica foi que o sistema que controla a iluminação detectou “uma anormalidade” e se desligou. O Superdome ficou pouco tempo sem força, mas o restabelecimento da iluminação demorou quase 35 minutos.

Perto de onde eu estava, no lado de San Francisco do campo, havia um grupo de seguranças. Foi nítida a preocupação deles no momento em que as luzes se apagaram. Imediatamente todos começaram a falar nos rádios. No inconsciente dos americanos, um estádio no escuro é mau sinal.
Para nós, é apenas um apagão.

Necessário dizer que algo assim não pode acontecer no momento mais nobre do esporte no país. Eles têm uma organização exemplar, sem dúvida. Estão em outro patamar. Exatamente por isso, o Super Bowl XLVII ficará marcado por uma constrangedora falha de energia.

Uma falha que, de certo modo, beneficiou o jogo. A furiosa reação dos 49ers aconteceu depois que a iluminação voltou. Mas apesar de 17 pontos em 4 minutos e 10 segundos, não foi suficiente.

O ambiente no estádio durante os dois minutos finais era de pura eletricidade. É o que vou lembrar deste Super Bowl.

Se você acompanhou a cobertura e a transmissão da Espn, obrigado. O período sem jogos da NFL é o maior de todos os esportes nos EUA. Longa espera até a primeira semana de setembro.

O Super Bowl XLVIII acontecerá em Nova York, num estádio aberto (que fica em Nova Jérsei) e no meio do inverno. Possibilidade de um jogo sob neve, para tudo ficar mais intereressante.



  • Willian Ifanger

    Grande jogo…….grande transmissão.

    Os minutos finais foram realmente tensos.

    O maior problema dos 49ers, na minha opinião, é a incrível quantidade de infrações que o time comete. Todas elas ajudaram os Ravens a pontuar. Os nervos precisam ser controlados.

    Vai ser uma longa espera.

  • Bela transmissão, AK. Tive que viajar para BH algumas horas antes do jogo, e no hotel que fiquei não tinha ESPN (nem como “contratar a la carte”). Fiquei ouvindo pela rádio, até descobrir o link do Live CAM. Fantástica a cara do Paulo Antunes quando deu o “semiapagão” (semi-apagão? semi apagão? semiiaapagão?). Mas o mais legal foi ver que o Everaldo Marques foi interrompido uma série de vezes, e para quem não está vendo nem dá pra perceber, pois a voz dele continua normal!

    Enfim, parabéns!

    Abraço!

  • Alexandre

    “Imediatamente todos começaram a falar nos rádios. No inconsciente dos americanos, um estádio no escuro é mau sinal.
    Para nós, é apenas um apagão.”

    Se acontece aqui, a crítica é duramente direcionada ao Brasil. Se acontece lá, também.
    Vai entender…

    AK: Entender é o ponto. Você não o alcançou. Um abraço.

  • Andre Couto

    Ótima matéria e ótimo jogo. Só uma correção: eh Joe Flacco, não John.

    Abs e saudações de Sao Francisco, CA.

    • Julio

      Na verdade Joe é diminutivo, o nome dele é Joseph.

  • anna

    O jogo foi muito alem das expectativas. Fiquei com medo dos Ravens perderem… Emocionante! Parabens a todos pela cobertura!

  • Marcos Vidal

    Caro André, belo texto…ótimo trabalho…fantástica cobertura do Superbowl!!! Pena que comentaristas da casa (ESPN) denigrem o espetáculo. Se for verdade o que o Flavio Gomes escreveu no twitter vcs transmitiram um estelionato e a emoção (tão bem retratada por vc) não passou de teatro:
    @flaviogomes69 Não se iludam. Os baltimóricos vão ganhar. Tem esquema nisso aí. Escrevam o que eu estou dizendo.
    @flaviogomes69 Bem, merdinhas, chega de papo. Amanhã vocês me contam de quanto os Ravens ganharam. Não haverá virada. Tá tudo combinado.
    Prefiro acreditar no que vc escreve…na transmissão do Everaldo…prefiro acreditar que a emoção foi real.
    Abraços

    • Felipe Lima

      Cara, não leve o Flávio a sério nessa daí!
      Hehehe!!

  • Wallace

    André, está havendo algum problema técnico com o blog? Só consigo acessar pelo telefone. Pelo tablet, computador ou notebook, o último texto que aparece é de dezembro…

    Um abraço.

  • Junior

    André, só estou conseguindo acessar seus novos post pelos links do twitter. O endereço principal do blog está com o texto do Mourinho como mais novo.

    Abraço.

  • Caio

    O único fato que lamento no futebol americano é esta longa espera… mas isto também serve para nos deixar mais entusiasmados com o início de uma nova temporada…

    Quanto ao jogo.. SENSACIONAL!
    E a transmissão, idem, estão de parabéns!

  • Leandro Azevedo

    *Joe Flacco (ou Joseph) – pequena correcao no 3o paragrafo.

    Quanto ao jogo, o 49ers vacilou bastante no goal to situation que tiveram no fim do jogo. O timeout que o Jim usou para nao ocorrer o “delay of game” foi um vacilo grande do Kaepernick e 3 jogadas consecutivas de passe tendo um dos melhores RBs e running QB da liga foi outro grande vacilo.

  • Ricardo Gasbarro

    André parabéns a todos pela transmissão um show. O grande detalha do jogo e que passou desapercebido por todos e que antes dessa jogada estava tocando Van Halen Right Now, e do nada o DJ parou, por isso os 49ers não anotaram TD. Abraços.

  • Emerson

    O apagão foi uma vergonha. O jogo foi muito bom, em dado momento do segundo tempo achei que os 49ers virariam o que faria do SB XLVII, uma epopéia para São Francisco. De qualquer forma, foi tocante ver R. Lewis se despedir da melhor maneira possível e acompanhar o subvalorizado Flacco com uma atuação memorável.

  • Pascoal

    Antes de mais nada, pelo Chrome acontece a mesma coisa relatada acima, quando entro no blog, aparece o Post do Mourinho…

    Estou virando fã de futebol americano, comecei a assistir em um SB de uns anos atrás, e desde lá acompanho todos anos.

    Mas como não é um esporte que entendo completamente, fico com algumas dúvidas (parece que acontece o mesmo com o Eve), por exemplo: Não passou pela cabeça do 49niners, aquela última jogada de safety?? Não era melhor ter ajoelhado após receber a bola, pra tentar um último lance com o Kapernick??

    Ps.: tem gente que ainda não entende o humor canalha do Flávio Gomes, rs!

  • Alexandre

    Meu velho, logo ali embaixo eu vi que tu criticou a organização do Super Bowl. Eu só coloquei aquilo porque achei ABSOLUTAMENTE desnecessário citar o Brasil, mais uma vez em tom de crítica, por algo que ocorreu nos Estados Unidos. Sim, eu tenho plena consciência que as coisas funcionam melhor lá do que no Brasil. Mas acho totalmente desnecessário enaltecer isso toda hora, mesmo quando o fato ocorrido é uma falta de organização absurda num grande evento que acontece há quilômetros daqui. Não precisa disso, já basta todo o pau que dão quando acontece isso por aqui, como na inauguração do Mineirão.

    “Entender é o ponto. Você não o alcançou. Um abraço.”

    Encerro enviando a mesma frase que tu direcionou a mim, porque é o que tenho pra te dizer também sobre meu comentário.
    Um abraço.

    AK: Citei o Brasil para diferenciar a reação das pessoas, lá e aqui, quando esse tipo de coisa acontece. Lá, raro. Aqui, comum. Nenhuma crítica, só fatos. Acho que está claro. Um abraço.

    • Alisson Sbrana

      Adoro quando o cidadão insiste.

  • André, eu já tinha assistido outros dois Super Bowls. Porém, esse foi primeiro que assisti entendendo as regras do jogo, antes assistia mais pelo show. Fez toda diferença saber o que estava acontecendo.

    Ainda estou me aprimorando (não decorei completamente os nomes das posições dos jogadores), mas foram as transmissões dos SB pela ESPN que me atraíram para o esporte. Parabéns a todos!

    PS: Acho que Arthur Jones merecia ser MVP. Afinal, um retorno de 109 jardas em SB não é algo de jogador comum, né?

    AK: Legal saber, obrigado. Você se refere ao Jacoby Jones, certo? Um abraço.

    • Felipe Lima

      Também acho que o Jacoby Jones deveria levar esse MVP, mas acho que o prêmio coroou o pós-temporada do Flacco!

    • Willian Ifanger

      Quando você começa a entender do jogo, dos jargões, das formações, do funcionamento do jogo, a parte dos espetáculos/shows/entretenimento fica totalmente de lado…o que temos ali é um grande esporte.

      Nada contra aqueles que assistem o Superbowl apenas pelo show/evento. Infelizmente não conseguem aproveitar nem 10% do que está realmente acontecendo.

      • Willian, você tem razão! Quando entendemos o jogo em si, a experiência é totalmente diferente, muito melhor!

    • Isso mesmo! Jacoby Jones, me confundi. Coisa de iniciante. rs

  • Rogerio

    Se fosse aqui vc e seu pai estariam metendo o pau dizendo que a organização é uma porcaria.

    Qu os politicos roubam, aonde já se viu, etc!!

    Mas como é lá vale só uma crítica!!!

    Vai entender né!!!!

    AK: Exato. A frequência desses acontecimentos lá e aqui é semelhante, né? Tente outra vez. Um abraço.

  • Fábio Minghetti

    Não sou o que se pode chamar de fã de futebol americano, porém me empolguei muito com o jogo. Parabéns pelo trabalho. Abraço

  • Flávio

    André, você achou que teve uma segurada na última jogada dos 49ers?
    Abraço

    AK: Sim, clara. Um abraço.

    • Teobaldo

      Prezado AK, você diz que a falta foi clara, mas eu só vi uma “segurada sutil” quando o lance é mostrado pela câmera lateral. Qual foi a repercussão daquela falta na imprensa americana?Porque nesse lance não foram consultadas as imagens? Um abraço.

      • Felipe Lima

        Se não me engano, os 49ers não tinham mais “timeouts” pra poder pedir o desafio.

        • Leandro Azevedo

          Nesse tipo de jogada nao existe revisao e nos ultimos 2 minutos de cada tempo a revisao e automatica, os times nao podem pedir.

      • Luciano Santos

        Por que falta não dão o direito de revisão. Na verdade o lance era do arbitro lateral que não teve peito de lançar a flanela amarela que daria first down automatico com mais 4 tentativas para o san fracisco a 1 jarda da end zone.

  • Luciano Santos

    Qual a sua expectativa para a proxima temporada já que a NFL está com uma safra tão talentosa de Quaterback, como brady, manning, flaco, lucky, Kaepernick, rogers e RGIII?

  • Fabio Alencar

    Pra mim, dois lances foram emblemáticos na partida. Primeiro, aquela tentativa de quarta para 9 jardas com o Kicker/Punter (nãolembro qual). Um técnico tem que ter muito peito pra fazer isso num SuperBowl, e o Jonh teve. Depois, o não punt, que deu um safety para o 49ers e tirou segundos preciosos do ataque. Isso mostra que o jogo não é só pancadaria, como muita gente acha aqui no Brasil. O jogo é muito mais estratégia que qualquer outra coisa. Jonh foi mais inteligente e muito mais ousado que seu irmão, e acabou ganhando. Como falou alguém aí em cima, era para o cidadão ter ajoelhado no último lance e o San Francisco ir para o tudo ou nada num Hail Mary. Apesar de ser fã do San Francisco (comecei a assistir futebol americano nas transmissões da Bandeirantes, quando o Joe Montana arrasava) estava torcendo não para o Ravens, mas para o técnico, o Jonh. Seu irmão é muito “midiático”, gosta muito de aparecer naquelas “reclamações explosivas”. Seu trabalho é muito bom nos 49ers, mas essa sua faceta me faz crer que ele gosta de aparecer mais do que os verdadeiros astros, os jogadores (lembra daquele “aperto de mão” que ele deu em um outro técnico no final de um jogo?). Por outro lado, Jonh me parece uma pessoa mais verdadeira, que demonstra suas emoções de forma simples e não teatralizada, como Jim. Acho que o troféu foi para boas mãos.

    Parabéns pela transmissão. Foi muito boa, apesar de achar que você estava um pouco nervoso. Depois que o Everaldo falou da Araci cornetar o show, e da sua risada, acho que você se soltou mais. Muito boa a ideia de apresentar algumas jogadas com os estudantes e naquele cenário montado como um campo.

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo