COLUNA DA TERÇA



(publicada ontem, no Lance!)

HACKERS

A delinquência eletrônica do Comitê Olímpico Brasileiro nos leva de volta ao dia 12 de agosto. Foi quando o COB reuniu jornalistas em Londres, horas antes da cerimônia de encerramento dos Jogos, para uma entrevista coletiva de avaliação do desempenho dos atletas brasileiros. Não fosse uma altercação entre Carlos Arthur Nuzman e uma funcionária do comitê, o ponto alto do evento teria sido a pérola proferida pelo superintendente executivo Marcus Vinícius Freire, que declarou, sem o mínimo sinal de constrangimento, que “não tem ninguém no Brasil que entenda mais de esporte do que o Comitê Olímpico e as confederações filiadas”.

O diálogo entre o presidente e a funcionária não deveria ter sido público. É o tipo de episódio que estimula a curiosidade e levanta suspeitas. Mas se deu de frente para as câmeras e com o microfone ligado, algo impossível de se ignorar. Nuzman se preparava para o início da coletiva, demonstrando dificuldades com a tampa de uma garrafa de água e com o controle dos próprios nervos. A moça ajeitava alguns papeis à frente do dirigente, quando foi repreendida diante dos presentes. “Não dá mais para fazer reunião e fazer merda. Tô de saco cheio. Tô cansado… tô cansado de fazer merda. Me encheu.”, esbravejou Nuzman.

O motivo da irritação do presidente do COB não foi esclarecido até hoje. De modo que a interpretação é livre. À luz da divulgação do flagrante delito de espionagem – e estupidez – envolvendo funcionários do comitê durante a Olimpíada, é razoável questionar se os fatos estão relacionados. A cronologia embasa essa hipótese. A cópia ilegal de arquivos confidenciais do comitê organizador dos Jogos de Londres foi descoberta antes do final do evento. A coletiva do COB aconteceu no último dia. Faz sentido imaginar que Nuzman foi informado, momentos antes de sentar-se para falar, de que a Scotland Yard queria conversar com ele.

Antes de qualquer outra coisa, o COB é culpado de falta de caráter. Convidado a participar de um programa de transferência de conhecimento, decidiu se aproveitar da confiança dos ingleses e se apropriar de alguns documentos. É como ir a uma festa na casa de alguém e roubar a toalha de mãos do lavabo. Coisa de cleptomaníacos. É possível que o material afanado fosse liberado após os jogos, bastaria aguardar e perguntar. Mas os incorrigíveis não resistem a certas tentações.

Dez pessoas foram demitidas até agora. O COB quer convencer a opinião pública de que o assalto não passou de um caso isolado. Quer que você acredite que a operação foi idealizada e executada apenas pelos demitidos. Que ninguém mais sabia. E que nenhum carregador de malas de Nuzman autorizou. Conversa mole amparada pelo silêncio preguiçoso do Ministério do Esporte, inerte diante de um escândalo oficial.

Naquele 12 de agosto em Londres, depois da bronca na funcionária, a assessoria de imprensa do Comitê Olímpico informou que Nuzman teria de se ausentar da coletiva. Tinha sido chamado, assim, sem aviso, para uma reunião do COI. Fique à vontade para acreditar.



  • Emerson

    Este caso será apenas o primeiro de muitos que virão. Porém, fiquem todos tranquilos, afinal alguém aí já viu algum caso de corrupção não ser devidamente apurado e seus responsáveis exemplarmente punidos, aqui por estas terras?

  • Edouard

    O caso é consequência de um choque cultural. Estudantes brasileiros copiam trabalhos inteiros da internet, pessoas de todos os extratos sociais acham normal comprar CDs e DVDs pirateados, as comunidades tem Tv a Cabo escancaradamente pirateada, pessoas colocam “macacos” nos relógios e água e luz para baixar a conta, baixar música na internet, então, é parte do cotidiano. Não é que isto não ocorra em outros lugares. Mas lá se tem plena consciência do ilícito, enquanto que aqui isso é “absolutamente normal”, “todo mundo faz” e, afinal, “pra que eu vou pagar se tem de graça?”.
    Esse furto de documentos – porque é disso que se trata – aconteceu na base do sorrateiro “copia aí, copia aí, ninguém vai saber mesmo, não tem mal nenhum!”.
    Foi gentileza dos britânicos dar o caso por encerrado diante da retratação dos funcionários do COB.
    Que vergonha.
    Um abraço.

  • thiago

    Off-topic André: Estou do seu lado na discussão sobre a utilização de recursos eletrônicos no futebol. Porém, temos que saber que o jogo de ontem entre Seahawks e Packers será, para sempre, usado como argumento contra nossa opinião. Foi desastroso.

    AK: Não creio que possa ser usado. O replay de nada adianta se for analisado por amadores. Um abraço.

  • Luiz Ribeiro

    Não concordo que a cópia seja ação de cleptomaníacos. Os acometidos dessa doença agem por impulso. No caso envolvendo o COB, não é possível que 10 (dez) cleptomaníacos ajam por impulso ao mesmo tempo. Foi, isso sim, mais uma ação comandada, que atesta a incompetência dos dirigentes envolvidos em conduzir um evento como a Olimpíada. Tais dirigentes não passam de aproveitadores oportunistas, gente sem escrúpulos, e que ocupa seus cargos movidos por interesses exclusivamente pessoais, e que sequer são capazes de cercar-se de auxiliares com o mínimo de capacidade de planejamento e administração. Lembro que o próprio logotipo da Olimpíada 2016 foi escandalosamente copiado da Telluride Foundation. Uma pergunta: é normal o envio de 200 (!!) agentes para acompanhar uma Olimpíada? Ou é mais uma evidência de que o interesse era chupar o máximo possível?

    AK: Cleptomaníacos não apenas roubam por impulso. Não resistem a fazê-lo. E não me refiro a quem fez, mas a quem mandou fazer. Um abraço.

  • Junior

    Considerando os acontecimentos em nossa política que estamos presenciando (ainda que com dez anos de atraso), aliado aos acontecimentos políticos no esporte, não sei, mas de repente a tese de defesa do Ricardo Teixeira não me parece tão absurdo assim.

  • Teobaldo

    Sem querer ser advogado do diabo e nem ingênuo, mas esse tal roubo não poderia ter sido um ato isolado, feito por algum espertalhão que teria vislumbrado “naquele momento” uma futura venda dos arquivos ao COB, como consultoria? O que mais incomoda-me, neste caso, é que não tenham sido dados “nomes aos bois” e que os infratores ficarão impunes; talvez, até, por saberem demais.

    Vou no mesmo “off-topic” do thiago. Eu também não entendi aquela decisão da arbitragem no jogo GBP X Seahawkes, uma vez que as imagens, vistas de várias formas e com toda a calma, mostram a clareza do lance. Seguindo a mesma linha: no caso da utilização dos recursos eletrônicos no futebol, prezado Colunista, como seria tratado aquele lance do jogo Náutico X Fluminense? Pergunto isso porque pareceu-me absurdo que os três árbitros envolvidos no lance, com o campo de visão praticamente sem nenhuma interferência e com ampla condição de decisão, tenham tido a mesma impressão de que o lance não tenha sido irregular. Dessa forma a marcação da possível penalidade viria através da intervenção de um árbitro com o recurso eletrônico?

    Um abraço e, desculpe-me, pois não consigo deixar de ser prolixo!

  • luiz

    André, sua leitura foi perfeita…a melhor até agora. No contexto geral, tem começo, meio e fim…o fim será a entrega do cargo e um pedido de desculpa. Não há outra saída!!

  • Robert

    Caro Andre
    Legado de eventos como copa e olimpiadas?
    Piada

    se copa/olimpiadas fossem bons p/ os paises sede nao teriamos esta situação: Italia (copa 90): semi quebrada; Espanha (jogos 92): semi quebrada; França (copa 98): a beira da recessão; Japao (copa 2002): a beira da recessão; Grécia (jogos 2004): quebrada; africa do Sul (copa 2010): pais com graves problemas sociais e imerso em dividas dos elefantes brancos herdados em 2010;
    Portanto pq as pessoas tem ideia de que sediar copa e jogos seja uma coisa boa? fatos provam o contrario!

    depois de 2006 onde a FIFA efetuou a copa na alemanha e viu restritas as suas oportunidades de lucro, por se tratar de país sério e com povo esclarecido e atuante;

    A estratégia da FIFA passou a ser a seguinte:
    Copa somente em países onde a corrupção corre solta e/ou o povo é ignorante, a cidadania é precaria, etc
    Assim a possibilidade de lucro é otimizada ao extremo

    Fato é que a partir de 2010 e pelos proximos 12 anos a Copa irá passar/ter passado por países como: Africa do Sul; Brasil; Russia e Quatar

    Convenhamos nenhum destes países se destaca pela eficacia do combate a corrupção…

  • Nelson Junior

    Caro André. Escrevi sobre meu sentimento em relação ao fato do roubo das informações no meu blog aqui do Lance Ativo. Segue o link. Espero que possa ler. Parabéns pelo texto.

    http://www.lanceactivo.com.br/Blog/Post/PostView?profileId=31313&postId=87514

  • Joao CWB

    Eu ia perguntar porque o povo brasileiro tem que passar por esses vexames internacionais, mas a minoria não representa um povo.

    Infelizmente o jeitinho brasileiro está enraizado em grande (enorme) parte da nossa população e é a menor parte que acaba sentindo-se constrangida de verdade. Pois falar que sente-se envergonhando e que esse país não tem jeito qualquer um fala, mas não tomar atitudes indignas quando a oportunidade aparece é para poucos.

  • leonardoatleticano

    Teobaldo, discordo de você. Infelizmente todos os envolvidos tinham plena consciência do ocorrido. Aquele lance foi prova clara de desonestidade. Não foi impedimento de centímetros, não foi interpretação, não houve dúvida, houve certeza de má fé.

  • Francisco Jose Muniz

    Se o Presidente da República nada sabia de mensalão, o Presidente do COB iria saber de cópia de arquivos?

  • Teobaldo

    Prezado leonardoatleticano, pelo que li de seu comentário, nós estamos de pleno acordo (e não em desacordo), embora você seja categórico ao afirmar “Aquele lance foi prova clara de desonestidade” e “… houve certeza de má fé”.

    A minha intensão era apenas provocar o debate sobre o uso de tecnologia como auxílio para a arbitragem num lance de tão grande clareza como aquele, que não poderia, nunca, ter como justificativa a interpretação, afinal, todos que estavam no estádio e os outros que viram o lance pela TV ao redor do mundo não tiveram dúvida do lance (exceto os três árbitros que tinham a obrigação de VER E AGIR CORRETAMENTE… ou, talvez, VER E AGIR HONESTAMENTE, mas isso nunca saberemos).

    Um abraço!

  • LM_RJ

    Venho por meio desta mensagem pedir desculpas a todos os brasileiros
    pela vergonha generalizada pela qual estamos sendo submetidos graças a
    funcionarios de um comite sediado aqui na minha cidade, Rio de Janeiro

    Não conheço a fundo os outros estados do Brasil
    mas quanto ao RJ posso falar com segurança de quem nasceu, cresceu e viveu aqui a vida toda:
    Infelizmente aqui no RJ impera a Lei de Gerson

    Não quero com isso generalizar a todo o povo carioca, não é isso, mas que a cultura do jeitinho e da malandragem é muito forte aqui no RJ acho que ninguem pode negar.

    Infelizmente pelo que leio e ouço imagino que no resto do Brasil seja igualzinho

    Triste país
    Triste Brasil

  • Junior

    André, você pretende escrever sobre a NFL? Na sua opinião, você acredita que os erros desta temporada são propositais, para forçar um acordo profissional entre a NFL e Zebras?

    AK: Não tinha pensado em escrever sobre. Mas como os erros podem ter sido propositais, se quem errou acaba de perder o emprego? Um abraço.

  • Junior

    Bom ponto. Obrigado

MaisRecentes

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo

Sozinho



Continue Lendo