COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

ABRINDO A CAIXA

Imagine um clube em que cada jogador pode ver um vídeo com a análise específica de sua atuação, 24 horas após uma partida. Imagine que esse vídeo é produzido de forma a segmentar o desempenho do jogador, de acordo com os aspectos mais importantes de sua função. Por exemplo: um volante pode ver em que situações falhou na proteção aos zagueiros, quantos e que tipos de passes acertou e errou, em que região do campo fez mais desarmes, quantas vezes roubou uma bola que propiciou uma oportunidade de gol. Basta entrar numa sala do centro de treinamentos e se logar num computador.

Imagine um clube em que todos os jogadores titulares da defesa assistem, antes de cada rodada, a uma sessão de 15 minutos com imagens do jogo anterior. O objetivo é mostrar como todo o setor defensivo se comportou em cada uma de suas obrigações. Como fechou espaços quando o time perdeu a bola, como se relacionou com o meio de campo, quantas vezes permitiu jogadas de mano a mano.

Imagine um time em que um atleta machucado recebe um dvd com seus melhores momentos individuais, para estimular sua confiança durante o período de tratamento e recuperação.

Esse clube existe. É o Manchester City, atual campeão inglês. O City é vanguarda em coleta e interpretação de dados no futebol mundial. É um dos clubes que mais gastam dinheiro na área, com seu departamento de análise de desempenho composto por dez pessoas, quatro delas diretamente ligadas ao time profissional. O orçamento direcionado à descoberta de valor que escapa ao olho humano já orientou contratações e dispensas, já influenciou até na forma de atuar. Mas não revolucionou o uso de estatísticas no futebol da forma como os profissionais do clube imaginavam. O City decidiu contar o que sabe.

Nesta semana, a versão eletrônica do jornal britânico The Guardian apresentou um artigo (nele constam as informações publicadas nesta coluna, e muito mais) informando que o Manchester City resolveu dividir o que descobriu com a “comunidade do futebol”. Ontem, o site oficial do clube abriu uma porta para que qualquer pessoa tenha acesso a dados sobre todos os jogadores de todos os clubes em todos os jogos da Premier League na temporada passada.

A ideia é oferecer essa enorme quantidade de informações a pesquisadores, matemáticos, cientistas ou blogueiros, gente que não tem qualquer relação profissional com a indústria. E aguardar a explosão. A análise de dados no futebol avançou muito nos últimos anos, mas esteve sempre restrita aos clubes que investem no tema. Novas maneiras de avaliar jogadores podem estar dormentes justamente porque há pouca gente trabalhando nos números.

O Manchester City acredita que o Bill James (autor das descobertas que transformaram o beisebol nos EUA, inspiraram o livro “Moneyball” e o filme estrelado por Brad Pitt) do futebol está em algum lugar, esperando a matéria prima para conduzir o jogo a uma nova era, como aconteceu em outros esportes.

Os interessados só precisam visitar www.mcfc.co.uk/mcfcanalytics.



  • Marcos

    Muito interessante a notícia e parabéns a você André Kfouri por divulgá-la , até mesmo como uma espécie de serviço aos profissionais do futebol brasileiro. Estou curioso em saber se haverá interesse dos profissionais, como treinadores, educadores físicos, fisiologistas, gestores e fisioterapeutas, em se inscrever no MCFC Analytics para receber e discutir os dados do OPTA.

  • Anna

    Sensacional!

  • Rodrigo
  • Adriano Ghilardi

    Bom muito interessante isso,mais no brasil já existe isso em vários clubes do brasil,inclusive no corinthians,com seu departamento de TI(tecnologia da informação),nele no CT do corinthians,são estudados,os adversarios,e os próprios jogadores,eles recebem um Pen drive com todo tipo de informação,até eles mesmo tão acostumados com isso eles pedem logo que seja fornecido,enfim isso já foi divulgado em varios jornais e sites do brasil,isso não é nenhuma novidade!

  • Joao CWB

    Duvido que no Brasil mais de 20% dos jogadores dos grandes times se dariam ao trabalho de tal análise.

    Abraço

  • Emerson

    Interessante!

  • André

    André,

    Sou tricolor, mas este tipo de análise é feita no Botafogo pelo Marcelo Xavier que é o analista de desempenho do time. Tem mais 2 pessoas na equipe e a base usada é a do STATDNA, pode procurar na internet …
    ele possui a base dos brasileiros séries A e B desde 2009 e cariocas também…tem todas as estatísticas possíveis com vídeos e ele faz exatamente como falado no seu post…manda os vídeos para os jogadores no dia seguinte aos jogos…
    ele chegou a comentar que a contratação do Elkeson foi balisada com as informações do sistema. Quando o Bota foi ao mercado, foi feita uma análise constatando que no ano anterior o Bota não havia feito nenhum gol de chutes de fora da área(sem contar bola parada) e buscaram nesta base jogadores com potencial neste quesito…

    outros clubes estão começando a se movimentar neste aspecto…

    Abraço!

    AK: Muitos clubes ao redor do mundo investem em coleta e análise de dados. Alguns dão mais importância ao tema do que outros. O Manchester City, como está escrito, é considerado de vanguarda nessa área. Um abraço.

  • Rodrigo

    Véio, na boa, eu pensava que isso era o básico do básico. Quando vejo um jogo do Coringão, às vezes eu penso: pô, de novo vai acontecer isso? Será que ninguém assiste o jogo e depois fala pro cara que tá errado?

    Me assusta saber que isso acontece com pouca frequência. É muita grana e muito amadorismo. AK, já que vc tocou no assunto, qualquer dia comenta aí aquele software que o Nelsinho fala que é dele, o Luxa diz que é dele, enfim, essas paradas aí.

    abr

  • joão paulo tricolor

    Puxa vida! Igualzinho ao São Paulo!
    Brincadeiras a parte tem alguem em terras brasileiras que chega perto disso? Abraço

    AK: Perto, é provável que não. Mas muitos clubes brasileiros dão importância às estatísticas e análises de desempenho. Um abraço.

  • Thiago

    André, não é muita frescura não?

  • Edu Machado

    tem alguns clubes no brasil que vem se mexendo pra terem profissionais p fazerem o mesmo serviço.

    santos, são paulo, atlético mg, atlético pr, flamengo, gremio e internacional.

    agora, departamento propriamente dito e estruturado, no brasil não existe, e na europa deve ter muitos poucos clubes que tenham.

    no brasil eu sei o que tem é pequenos grupos de 1 – 4 pessoas que apenas prestam serviço p um determinado clube. mas departamento propriamente dito n

  • Denis Tobias

    Excelente coluna André, parabéns!

    Pegando um gancho em sua matéria, gostaria de saber o que você pensa a respeito da negativa do neymar em se transferir para a Europa antes da copa 2014. Ao passo que, indubitavelmente, o seria A do campeonato brasileiro é enriquecida com a “ilustre presença” de um craque do quilate do neymar, não vejo equipes defensivamnete competentes para colocá-lo em dificuldade dentro de uma partida. Até onde chegará um jogador com a qualidade do Neymar, que aos 20 anos já venceu quase tudo em seu país, mas que os adversários não o forçam mais a improvisar e nem dar tudo de si durante os jogos? Uma transferência da jóia para uma liga forte na qual atuam os melhores do mundo (como a liga esponhola ou a inglesa, por exemplo) não acelerariam uma possível evolução do garoto? Sinceramente adoraria vê-lo atuar no Brasil por toda sua carreira, mesmo sendo corinthiano, tamanha é sua habilidade, mas não consigo vê-lo motivado e muito menos empenhado ao máximo para enfrentar zagueiros e equipes cujo sistema defensivo não oferecerão dificuldades nem exigirão o máximo de seu talento.

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo