A COPA



Há sentido em analisar um jogo decidido, aos 39 minutos do segundo tempo , por um menino que, uma semana atrás, nem sonhava em disputá-lo?

A resposta correta é não. Mas vamos tentar.

O Corinthians – como bem disse Émerson, mentor do gol de empate – fez uma atuação bem abaixo do que pode, no primeiro jogo contra o Boca Juniors (1 x 1, na Bombonera: Roncaglia e Romarinho).

Mas conseguiu um resultado muito bom.

A marcação sobre Riquelme não foi feita como o planejado. Especialmente no segundo tempo, Ralf e Paulinho deram até alguma liberdade para o 10 do Boca, que perdeu um gol e deu outro para Mouche perder.

Desta vez não foi nem uma questão de fazer o bloqueio alto ou baixo, agredir ou esperar o adversário. O Corinthians teve momentos diferentes em campo.

Passou o primeiro tempo com as coisas sob controle, sem sofrer, até Jorge Henrique pedir substituição. A saída do terceiro atacante/marcador pelo lado complicou a ideia defensiva e obrigou Tite a mudar o time com a entrada de Liedson.

Riquelme, inteligente como poucos, passou a ocupar o setor em que JH estaria.

O grosso da pressão do time argentino aconteceu no segundo tempo, quando o Corinthians pouco passou da metade do campo e teve de lidar com a bola perto de sua área com perigosa frequência.

O gol na sequência de um escanteio saiu numa das poucas falhas da defesa. O primeiro cabeceio não poderia ter sido permitido.

Acerto absoluto da arbitragem ao observar o lance até o final e marcar o gol em vez do pênalti, e mostrar amarelo ao invés de expulsar Chicão. Roncaglia toca para a rede no rebote do toque de mão. Recomenda a Fifa que, quando o toque não impede o gol na jogada, o árbitro deve exibir o amarelo, se assim quiser. Não havia nem mesmo a obrigação de advertir Chicão.

Só que o lateral do Boca não deveria estar ali. Roncaglia, como atestou o Diário Olé, deveria ter sido expulso no primeiro tempo, ao fazer falta violenta em Émerson quando já tinha um cartão.

O lance do empate foi o resultado final de uma improvável sequência de eventos que não tem explicação.

Romarinho foi o último jogador inscrito pelo Corinthians na Libertadores. Fez dois golaços na estreia, contra o Palmeiras, jogando pelos reservas do Corinthians no domingo passado.

O primeiro, lembremos, de letra.

Os gols animaram Tite a levá-lo a Buenos Aires, e escolhê-lo para ficar no banco no lugar de Willian.

É provável que, no momento em que resolveu tirar Danilo do jogo, o técnico optasse por Liedson. Mas Liedson já estava em campo por causa da lesão de Jorge Henrique.

Então entrou Romarinho, aos 37 minutos. E na final da Copa Libertadores, na mística La Bombonera, no segundo toque na bola, o menino aplicou uma vaselina no goleiro do Boca Juniors.

1 x 1.

É preciso observar o seguinte: a jogada começa com Paulinho desarmando Riquelme e servindo Émerson. Sheik, jogador que não se omite, se livrou de Schiavi e deu um caramelo para o novato.

O passe – assim como no lance com Adriano contra o Atlético Mineiro, no BR-11 – foi simplesmente magistral e metade do gol.

Mas só aconteceu porque Romarinho fez a opção mais ousada.

Ele poderia ter ficado aberto pela lateral do campo e se apresentado para uma tabela com Émerson. Mas escolheu a diagonal para dentro da área, para o gol.

Instinto, ambição, falta de noção, chame como quiser.

Mas numa situação em que muitos atacantes experientes já falharam, Romarinho luziu.

Devagar com o andor, claro. Os três últimos gols de Romarinho nada dizem sobre seu futuro. Mas gritam tudo sobre seu presente.

E são sinais de que as coisas conspiram a favor do Corinthians, assim como a cabeceio no travessão de Cássio nos acréscimos.

O empate fora não é vantagem alguma. Significa que a decisão da Libertadores acontecerá em apenas um jogo, na casa do Corinthians e com mais meia hora de futebol, em caso de empate.

O Boca é tranquilo e venenoso fora de casa, sabe explorar as pressões com as quais o mandante precisa lidar.

Palmeirenses, santistas e gremistas conhecem a dor.

É preciso jogar mais do que na Bombonera, e mais do que contra Vasco e Santos no Pacaembu.

O Corinthians pode.



  • Bem frisado no fim do texto. O Corinthians precisa jogar mais. O evento de ontem não é algo que se repita toda hora. É bom não contar tanto com o imponderável de almeida no Pacaembu.

    Abraço e parabéns pelo texto!

  • André,
    como neutro, fiquei decepcionado com o jogo de ontem. O Corinthians foi claramente mal e o Boca, se não foi mal (foi o 1º jogo dele que vi no ano), é bastante limitado. Vários erros de fundamento básicos, incluindo furadas bisonhas. Torço para que o time vá melhor mesmo fora de casa, pra pelo menso termos um jogo.

    Achei que até o Riquelme deixou a desejar – embora fosse nítida a sua irritação com o ‘elenco de apoio’ – só participando de dois dos 5 lances mais agudos do Boca no jogo. Pensei que o time usasse mais o seu cérebro que joga com a 10, mas não foi o que vi ontem. Parece mais um time esforçado que ainda tem o Riquelme do que um time do Riquelme com mais uma galera esforçada. Parece que ele é o agregado, não o dono do time.

    Enfim, espero que o jogo de volta tenha mais futebol. Emoção é bom, mas mais pra quem tá envolvido no jogo…

  • Alexandre

    Copa do Mundo de 2010. Quartas-de-final. Uruguai x Gana.
    No último minuto da prorrogação, o uruguaio Suárez usa a mão para defender o que seria o gol da classificação de Gana para as semifinais. O árbitro expulsa Suárez e marca pênalti para o time africano. Asamoah Gyan cobra a penalidade, perde, acaba a prorrogação e os uruguaios garantem a classificação nas cobranças alternadas de pênalti.
    Até hoje esse lance não sai da minha cabeça, pois considero um verdadeiro absurdo que a regra premie uma atitude de extremo antijogo, e no maior campeonato de futebol do mundo, uma jogada de várzea, vergonhosa, tenha sido bem sucedida.
    Para mim, em situações como esta, o gol deveria ser validado E o infrator deveria ser expulso.
    “Ah, mas como dar o gol se a bola não ultrapassou a linha?” Oras, no basquete, se o jogador dá o toco com a bola na descendente a cesta é validada. Simples assim. A bola iria entrar, então deveria ser gol.
    “Ah, mas se saiu o gol logo depois, não precisa punir quem tentou evitá-lo, pois não foi bem sucedido.” Discordo completamente. A punição é pela atitude ignóbil, não pelo resultado final desta atitude.
    “Ah, mas a regra não diz isso.” Pois deveria…

  • ThiagoFC

    “Yes, we can”
    “Sí, se puede”
    “VAI, CORINTHIANS!”

  • Ricardo Inocencio

    Parabéns André…como sempre um texto bem elaborado e uma análise bem feita.

    Acredito que no Pacaembu, o clima será outro, a pressão será diferente, e tudo pode acontecer para ambos os lados.

    Mas o Corinthians está numa excelente mescla de competência + sorte + equilíbrio.

    Só mais duas observações, e uma pergunta :

    1) Pegue qualquer guia da Libertadores 2012 e veja se encontrará por lá alguma referência a Cássio e a Romarinho…já ouviu aquele ditado : no lugar certo e na hora certa ???

    2) Aposto que Ronaldo Fenômeno e sua equipe publicitária passarão os próximos dias de olhos bem abertos em Romarinho.

    Pergunta : A continuar nesse ritmo de gols e boas atuações, Romarinho torna-se uma opção para a Seleção Olímpica, ou você acha que já é tarde pra isso ???

    Abraço,

  • BASILIO77

    “É provável que, no momento em que resolveu tirar Danilo do jogo, o técnico optasse por Liedson. Mas Liedson já estava em campo por causa da lesão de Jorge Henrique.”
    Cara, MUITO bem observado!
    Acho que está em aberto. Falar em “sorte de campeão”…só depois que se É campeão. Afinal, temos o Boca do outro lado.
    Achei esse time do Boca melhor do que era falado. Os caras NÃO ERRAM PASSES…esse sempre foi um diferencial das escolas argentina e brasileira. Eles erram menos. O Boca tem um estilo próprio, há muitos anos.
    Os clubes brasileiros precisam encontrar o seu.
    Vamos aguardar quarta feira. Que São Jorge nos ilumine.
    Abraço.

  • BASILIO77

    Alexandre, sua tese é bastante forte. Acho que tens razão. Aguardo as contra argumentaçoes.
    Abraço.

  • Vai escrever bem assim lá na Bombonera!

    Dito isto, tudo conspira a favor… agora falta pouco!

    Agora, que frieza do moleque, hein? Qualquer outro teria dado uma pancada!

  • Leandro Azevedo

    “Recomenda a Fifa que, quando o toque não impede o gol na jogada, o árbitro deve exibir o amarelo, se assim quiser”

    O toque impediu SIM o gol na jogada… eu posso estar interpretando errado a recomendação, mas o gol em seguida em nada muda o fato do Chicão ter impedido o gol no começo do lance.

    Quanto ao restante do jogo, Paulinho e Castán foram mais uma vez os melhores em campo. Mas nesse Corinthians quem mais brilha, na minha opinião, é o Tite. Ano passado barrou Chicão quando deveria e o reintegrou no momento certo, usando como mérito esforço e performance. Fez o mesmo com Cássio e agora com Romarinho em detrimento ao William que vinha sendo o jogador de escolha em situações parecidas como a de ontem.

    Claro que o resultado de empate ontem foi bom para o Corinthians, mas o perigo é gerar um certo “comodismo” de não precisar sair pra ganhar o jogo desde o início e acabar tendo um primeiro tempo como contra o Santos.

  • “Instinto, ambição, falta de noção, chame como quiser.” – André, você é muito bom de escrita! 🙂

    Sabe quem Romarinho me lembrou nesse jogo? Tupãzinho! Entrava no fim do jogo e marcava o gol decisivo e matador! 🙂

    Abraços!

  • Charles

    Achei mta sorte de novo …
    O Boca pressionou o jogo todo, bola na traven sufoco, e numa bobeada do Riquelme, fizeramo gol….

  • Alexandre

    Basilio77,
    Pois é.
    Me intriga que as pessoas fiquem indignadas quando o árbitro aplica mal a regra, mas não se preocupem muito quando a própria regra é absurda.
    No lance do Chicão a coisa toda não chegou a ser revoltante porque o gol do Boca saiu mesmo assim e, além disso, o próprio Roncaglia já poderia ter sido expulso antes.
    Já no lance do Suárez (na Copa), o que mais me indignou foi que não vi nenhum comentarista esportivo recriminar o que ele fez e nem ressaltar o ridículo da situação.

    PS: Quarta que vem o seu nick muda para “Romarinho12” ??????

  • Mario

    André,
    Vejo que no próximo jogo, o Corinthians deve também se ter atenção nas bolas aéreas do Boca. O Fábio Santos perdeu em duas jogadas cruciais. A defesa com Paulo André e Leandro Castan daria mais segurança. O goleiro Cássio parece que estava jogando de tënis. Escorregou em várias jogadas. O William fez falta na saída do JH.

  • Não acho que o Corinthians tenha que jogar muito mais do que jogou contra o Santos. Julgo o Santos mais perigoso (ainda mais jogando contra o Corinthians) do que o Boca. Claro, futebol, tudo pode acontecer. Mas o frio na espinha de jogar contra o Santos foi maior do que no jogo de ontem. Lembrando que o Boca passou raspando contra o Fluminense, num gol improvável no último minuto.

  • Alexandre

    Duas curiosidades:

    -O aproveitamento do Boca Jrs em La Bombonera em finais de Libertadores não é lá essas coisas, afinal: 4 vitórias, 4 empates e 2 derrotas (53%).

    -Por ter feito melhor campanha na primeira fase, o Corinthians decide em casa na final, mas a campanha geral do Boca Jrs é um pouco melhor: 8 vitórias, 4 empates e 1 derrota (72%) , contra 7 vitórias e 6 empates (69%).

  • jonathan

    Eu não vi nem um comentarista falar o porque o Chicão do Corinthians não foi expulso, afinal na jogada do gol do Boca ele colocou a mão na bola impedindo que ela entrasse em primeiro momento. O arbitro deu a lei da vantagem para o Boca mas não deu o cartão vermelho e deixou por isso mesmo, uma expulsão na quele momento poderia colocar o jogo todo a favor do BOCA e o TITE não colocaria o ROMARINHO, mas sim mais um zagueiro.

    AK: Você também não leu o post. Um abaço.

  • Cris Pinheiro

    Senhores:
    Algo me intriga: o Santos jás foi, o SP já foi, o Palmeiras já foi.
    Cada conquista foi entendida como normal, poucos comentários a respeito.
    Agora que o CORINTHIANS está prestes a ser, parece que tudo deverá ser revisto, as regras do jogo estão sendo contestadas, a “sorte” corre o risco de sofrer interdição, não me surpreenderá se alguém escrever que o menino Romarinho deveria ser proibido de jogar, pois seus cabelos são desgrenhados, e por aí vai…
    Quando todos vocês vão entender que chegou a nossa vez?
    Nunca?
    Ah! Agora entendi.
    Assim é melhor, mais gostoso.
    Vão pentear macacos, estão procurando pêlo em ovo.
    VAI CORINTHIANS!!!!!!!

  • José Luiz

    Entre tantos comentários que li a respeito do jogo de ontem, pra mim o seu foi o melhor. Você sabe muito bem distinguir vibração de isenção. De minha parte, como corinthiano que sou, gostei da atuação do time enquanto o JH esteve em campo. Até ali o único momento de perigo enfrentado foi a cabeçada do Schiavi, conseguida numa falha de marcação, mas que foi pra fora. Após a saída do JH passamos a perder a disputa no meio de campo e as coisas se complicaram, principalmente pela fraca atuação do Danilo. Felizmente, após tomarmos aquele anunciado gol, que mais uma vez foi iniciado por uma falha de marcação sobre o Schiavi, num momento de iluminação o Tite resolveu colocar o Romarinho em campo. Espero que se confirme como jogador, e que possa fazer muito ainda pelo nosso time, embora em apenas três dias tenha entrado para a história do Clube.

  • jonathan

    Ainda não tinha lido alguns comentários, mas vi que o Alexandre também percebeu o lance assim como todo o Brasil e a Argentina. Quando o palmeira e o São Caetano jogaram contra o Boca na final da libertadores todos reclamaram da arbitragem contra esses dois clubes mas ninguém reclamou da arbitragem de ontem por quê ?

  • Cristina Pinheiro Pereira

    Senhores:
    Vão pentear macacos!
    VAI CORINTHIANS!!!

  • Edouard

    Peço licença para discordar dos que acham que Chicão deveria ter sido expulso ontem, em razão do pênalti não marcado em razão da vantagem. Ao contrário do que se falou, o fato de que o gol saiu em seguida (no mesmo lance, é bom que se diga) muda tudo. Tudo. O cartão vermelho é aplicado apenas nos casos em que o jogador troca o gol pelo pênalti. A regra pode ser deficitária neste ponto porque não representa sanção suficiente, como mostrou a Copa do Mundo, mas não me parece que punir o jogador pela tentativa infrutívera com o meso rigor que se pune quem comete, com sucesso, a infração seja a melhor solução. Não por outro motivo, a regra deixa margem de atuação para o árbitro aplicar ou não o amarelo em casos tais, porque a infração de jogo não repercutiu para a “vítima”. Se Chicão tivesse se jogado numa ponte, tentando pegar a bola, mas não a alcançando, por exemplo, nem amarelo se aplicaria, muito embora a lei de jogo puna a infração consumada ou tentada.

    Achei que houve pênalti em Liedson.

    Ninguém no mundo acha que está ganho para qualquer lado. Não passa pela cabeça de nenhum corintiano que a semana que vem reservará menos sofrimento. Mas parece haver algo de místico, sobrenatural, misterioso em andamento. Esse time joga como se lutasse por um prato de comida, e isso criou uma conexão incrível com a torcida. O Corinthians pode mesmo.

    Achei que o mundo ia acabar quando o Boca colocou a bola na trave e o rebote quase foi pra dentro…

    Parabéns. Você pratica um tipo raro de jornalismo.

    Um abraço.

  • Os anti pira

    O S4n7os queria o Romarinho.
    Q U E R I A. E vai ficar querendo.
    Vai Corinthians, prá cima delas timão.

  • Murilo sc

    Ola Andre, na minha cidade aqui em Santa Catarina teve buzinaço e foguetorio apos o jogo. Bela analise, abraços.

  • rubens

    Parabéns pro Romarinho que não se omitiu e teve a qualidade e frieza para concluir o lance, realmente fantástico. É uma pena ver o Liedson sem condições de correr, o Willian fez falta quando JH machucou, a partida do Ralf não foi boa – por incrivel que pareça – Castan e Emerson Sheik, dois monstros, mas o nosso técnico, o contestado TITE, errou quando deixou Willian de fora e deu uma sorte tremenda com Romarinho. Alex e Danilo não jogaram bem, se repetirem a má atuação no Pacaembu gostaria de ver o Douglas jogando junto com Romarinho. E VAI CORINTHIANS!!!!!

    AK: Imagine se Tite tivesse acertado… Um abraço.

  • Matheus Brito

    Rubens, para sorte dos Corintianos o Tite não irá fazer o que você gostaria.

    AK, Desde a primeira fase o Corinthians vai conquistando os resultados e o que se vê são os mesmos comentários: Passou por esse mas contra aquele precisará jogar mais. E esse “mais” não está acontecendo e o time está avançando. Me parece que todos os deuses do futebol finalmente olharam para o Corinthians na CSLA. Aquela bola do Diego Sousa, o gol achado na Vila, o gol do Romarinho, que não entraria se o Jorge Henrique não tivesse se lesionado, gol esse que saiu de uma “entregada” do Riquelme, e essa bola no travessão na Bombonera aos 45 do segundo tempo, me parecem coisas de título que não pode ser tirado.
    Só um detalhe para o jogo de volta. O Corinthians conseguiu o resultado contra o Vasco aos 43 do segundo tempo num jogo em que a vaca não foi pro brejo por questão de centímetros, e fora isso o Vasco não foi muito incomodado, e também não incomodou muito. Empate sem gols não levará o Corinthians ao Japão, então terão que jogar pra vencer. Acredito que dará Corinthians, mas é o tipo de jogo que o Boca gosta. O Corinthians terá que sair e o Boca vai querer que ele saia.
    Pra mim, disputa por pênaltis e Corinthians no Japão.( infelizmente )

    AK: Tenho sérias dificuldades para qualificar o gol de Émerson na Vila como “achado”. Um abraço.

  • rubens

    poxa AK, o erro do TITE foi ter levado pro jogo o Liedson que está visivelmente fora de condições, com o Willian em campo o Boca não teria tido a facilidade que teve no segundo tempo. Lógico que na entrada do Romarinho brilhou a estrela do treinador e uma boa dose de sorte também!

  • Junior

    A regra do jogo foi devidamente explanada no post. Não é possivel avaliar a atuação de um jogador (seja este o Chicão ou o Suaréz) através de uma regra alternativa que, de acordo com a opinião de alguns, deveria fazer parte do jogo.

    Existem dezenas de lances e jogadas que me desagradam no futebol, mas elas existem justamente porque a rega permite isso. Não tem como condenar quem as executam. Tampouco exigir que o árbitro invente uma “regra moral” na hora da jogada para punir um atleta. Logo terá que defenda que deveria ser marcado gol + pênalti + expulsão.

    Para aqueles que acham que não houve reclamação da arbitragem, acompanhem o “Olé”. Lá falaram sobre o assunto. Mas infelizmente não se encontrará o conteúdo que alguns gostariam.

    PS: no post passado eu disse: bola parada, Boca tem mais opções nessa jogada… mas justo na cobrança fatal não foi o Riquelme quem bateu na bola.

  • Santista el Cabrón

    Liedson não tem condições de ser relacionado contra o Boca, nessa o Tite quase matou o time. Nem para comemorar o gol ele conseguia correr direito. O William deveria ter sido relacionado no lugar do Liedson.

  • Juliano

    Todos os eventos citados no texto, TODOS, eu resumo em uma frase: estrela de campeão.

    A mesma que apareceu nas oitavas. A mesma ao achar em Cássio a segurança que Júlio César já não dava. A mesma ao contratar Romarinho antes do Santos, que demonstrara interesse. Antes da bola rolar no campo, as diretorias podem ajudar a mostrar como podem ser decisivas na conquista de títulos.

    Sou santista, como afirmo sempre. Mas este ano acaba a piada. Com a melhor defesa e invicto. Estupendo trabalho de Tite. Dormiremos com este barulho…

  • Elidio

    AK, achou que foi penalti em Liedson? Abc.

    AK: Nada. Um abraço.

  • BASILIO77

    Alexandre, baita coincidência voce comentar isso sobre meu “apelido”….pensei nisso no dia seguinte ao jogo.
    Espero realmente que tudo dê certo e o personagem lembrado seja o do Basilio em 77 e não passe nem de perto a lembrança do Ghighia50….pé de pato, mangalô tres vezes!!! XÔ ZICA!!!
    Abraço.

  • Matheus Brito

    AK, quando disse que o gol do Emerson na Vila foi “achado” não quis dizer que a bola bateu em todo mundo e sobrou pra ele não. Quis dizer que foi praticamente a única coisa que o Corinthians fez naquele jogo. Marcou no ataque, tomou a bola, saiu rápido e fez o gol. Mas para não polemizar posso substituir o “achado” por “a única coisa que fez no jogo”.

  • Matheus Brito

    Ak, Veja como são as coisas, se o Roncaglia não tivesse feito o gol, seria pênalti e o Chicão seria expulso. Cenário melhor do que o gol feito e o cartão amarelo apenas. Lógico que se perdesse o pênalti a vantagem seria só a expulsão do Chicão. Mas qual a possibilidade de isso ter passado ao menos pelo subconsciente do jogador do Boca que viu a bola sobrar em sua frente com o gol escancarado?

  • BASILIO77

    Matheus Brito, até os 35 minutos do primeiro tempo do jogo na vila, o SCCP tinha 60% da posse de bola.
    Não me parece pouco…
    Depois, sentou no resultado como quase todo clube brasileiro faz esperando acertar um contra ataque, SFC inclusive.
    Gostemos ou não do esitlo de jogar do SCCP, ele foi MELHOR nos 180 minutos da semi final. O que não quer dizer que seja um time melhor, apenas foi melhor naqueles jogos.
    Abraço.

  • Caio

    Muito bom cara, parabéns de novo!
    A bola na trave do Cássio no final do jogo me impressionou mais do que o gol.

    Não tem jeito, o futebol quer o Corinthians campeão.
    E, você sabe, futebol é coisa muito séria…

  • Alexandre

    Para aqueles que não entenderam meu comentário: em nenhum momento disse que o Chicão deveria ter sido expulso, porque a regra não diz isso.
    O que eu disse foi que, na minha opinião, esta regra deveria ser revista, pois premia um lance de máximo antijogo, como no exemplo da Copa citado por mim.
    Se o jogador souber que, ao colocar a mão na bola quando esta está cruzando a linha de gol, será expulso E o gol será validado, aposto que nunca mais sequer pensará em fazer este tipo de cafajestagem.

  • Matheus Brito

    Basilio77, O Vasco teve esse mesmo percentual de posse de bola contra o Cruzeiro sábado e levou um vareio. Só a posse não quer dizer nada. Mas concordo com você, não gosto nem um pouco do futebol do Corinthians. acho que se preocupar primeiro em criar deveria ser sempre prioridade, mas jamais negarei a eficiência com que o estilo está sendo empregado pelo time. Os resultados estão aí para não deixar ninguém contestar, desde que gostem do velho lema “os fins justificam os meios”.

  • BASILIO77

    M.Brito, ví boa parte do jogo entre Vasco e Cruzeiro e discordo de voce, não ví o vareio de bola do Cruzeiro…ví um time tendo um maior aproveitamento das chances de gol que teve, esse foi o Cruzeiro. Duvido que mantenham esse nível por muito tempo, o Cruzeiro tem que criar mais.

    O Corinthians não apresenta o futebol dos meus sonhos, mas um time que ganha o BR11 por pontos corridos, um sistema que não gosto, e chega na final da libertadores sem ter tido uma derrota, deve ter seus méritos além de se defender bem.
    APENAS defender-se bem pode até te levar ao título da libetadores, que é uma competição de tiro curto em mata-mata…o Once Caldas que o diga…mas para vencer o BR11 é preciso mais que isso, me parece que esse time é mais que isso…não MUITO…mas é mais que isso.
    Abraço.

  • Leon

    Poxa, André,
    Primeira vez que entro no seu blog. Cara, vc é muito melhor que o seu pai. Escreve muito!! Adorei seus comentários. Foi simplesmente a melhor análise do jogo que lí até agora. Vou passar a frequentar mais este espaço.
    Abs e vai Corinthians!!!

    AK: Seja benvindo. Um abraço.

MaisRecentes

Abraçados



Continue Lendo

A diferença aumentou



Continue Lendo

Sabotagem



Continue Lendo