AS COPAS



Por um tempo inteiro, e pela segunda vez, o Corinthians (1 x 1 com o Santos: Neymar e Danilo) esqueceu-se de jogar.

De jogar como deve, como sabe, quando está em casa.

Apenas esboçou uma marcação mais agressiva no campo do adversário, nos minutos iniciais. Conformou-se com um posicionamento recuado, pouco característico. Já tinha sido assim no primeiro tempo do jogo contra o Vasco.

Necessário dizer, e isso é importante, que essa postura de espera não era o que estava combinado. Tite pediu várias vezes para que o time se adiantasse no gramado.

O fato de não ter sido atendido tem a ver com a atitude equivocada dos jogadores em campo e, claro, com a qualidade do Santos.

Não era de se esperar que o Corinthians tivesse o controle das ações, ou mais posse do que o Santos. O que se imaginava era que o time repetisse o que fez na primeira etapa do jogo na Vila Belmiro.

Que tivesse personalidade e oferecesse risco.

Mas o que se viu foi  o Santos ocupando o campo de ataque e, ainda que o número de chances não fosse alto, rondando a área de Cássio.

Quando se chama um adversário para o seu campo e se produz pouco em termos de contra-ataque, o risco aumenta muito. Risco de uma jogada bem construída por jogadores do nível de Ganso e Neymar. Risco de um chute que desvia e toma o caminho do gol. Risco de um lance pelo lado do campo se transformar num gol no rebote.

1 x 0, merecido. Para ambos.

Em outras épocas, já vimos momentos parecidos tantas vezes, o gol sofrido seria o início do fim para o Corinthians. Pressão, desequilíbrio, erros, eliminação.

Um segundo gol santista certamente faria o Pacaembu desmoronar.

Mas foi no momento mais perigoso, mais sensível, que o Corinthians se sustentou e começou a mudar os rumos do clássico. Encerrou o primeiro tempo sem sofrer e voltou do intervalo modificado.

Haverá quem diga que a entrada de Liédson (em lugar de William) não surtiu efeito prático. Ou que não teve tempo para tanto, já que o empate saiu aos dois minutos.

Mas foi Liédson quem sofreu a falta que originou o gol de Danilo. Danilo… notável como ele se apavorou no momento de dominar a chutar cruzado, não?

A partir daquele instante, o Corinthians – aí, sim – lembrou-se de como deve jogar.

Vigiou Ganso, apagado como no primeiro jogo. E conteve Neymar, que procurou diferentes áreas do campo, mas não se desvencilhou de Ralf.

A noite de ontem ficará na história do Corinthians e na memória do corintiano como “a primeira”.

A primeira vez em que o nome do time e as palavras “final” e “Libertadores” puderam ser relacionadas diretamente.

Para chegar ao título, será fundamental que o time recupere sua forma de atuar em casa.

______

Só pude acompanhar os melhores momentos de Coritiba (2 x 0: Émerson e Everton Ribeiro) e São Paulo.

O time paranaense, organizado e competente, recuperou em casa a desvantagem que não deveria ter permitido no Morumbi.

A segunda decisão consecutiva de Copa do Brasil mostra que o resultado do que se faz no Coritiba não vem por acaso.

E o São Paulo amarga a quinta eliminação seguida num mata-mata, após vencer o jogo de ida por 1 x 0:

Grêmio, Libertadores 2007 (2 x 0 na volta).

Fluminense, Libertadores 2008 (3 x 1).

Avaí, Copa do Brasil 2011 (3 x 1).

Libertad-PAR, Sul-Americana 2011 (2 x 0).



MaisRecentes

Vencedores



Continue Lendo

Etiquetas



Continue Lendo

Chefia



Continue Lendo