MAIS DAS COPAS



Tende-se a dizer que quando um jogador é expulso numa partida equilibrada, a diferença numérica produz mais espaço para o adversário.

Nem sempre é verdade.

É mais provável que um time consiga fazer valer a vantagem de um homem a mais quando o oponente continua tentando construir algo.

Quando se trata apenas de proteger um resultado, é comum ver o time inferiorizado se defender com a mesma eficiência.

Foi o que aconteceu ontem, na vitória que classificou o Santos (1 x 0 no Vélez: Kardec, e 4 x 2 nos pênaltis) para as semifinais da Libertadores.

O jogo já estava difícil para o Santos, com 11 contra 11.

O time argentino marcava com notável aplicação e ainda oferecia algum perigo, numa clara proposta de controle do placar.

Quando perdeu seu goleiro, expulso corretamente, o Vélez não afrouxou. Talvez tenha acontecido o contrário.

A noção da inferioridade pode ter reforçado a mentalidade defensiva dos argentinos, àquele momento dispostos a correr ainda mais.

O Vélez perdeu a condição que tinha de contra-atacar, mas não de ocupar os espaços à frente de sua área.

Em situações como essa, como disse Muricy Ramalho, só há duas alternativas:

Girar a bola de um lado para o outro, esperando uma brecha na parede por onde a bola possa entrar.

E chutar de fora da área.

O gol que levou a decisão para os pênaltis saiu num lance em que Ganso (quem mais?) encontrou essa brecha, ao servir Léo, que fez a bola chegar a Alan Kardec.

O passe de Ganso é a aparição do jogador diferente, que enxerga o que a maioria não vê.

Importante a entrada de Léo no segundo tempo, sua participação no gol e nas cobranças decisivas.

Ele pode ser utilizado na solução que Muricy precisa encontrar para a ausência de Ganso.

A propósito: é sempre refrescante quando um jogador descreve, sem pudores ou preocupações, momentos como os que Léo viveu na hora dos pênaltis.

Ele declarou que comentou com alguns companheiros que não fazia ideia de como executaria sua cobrança.

E que não tinha noção de que o dele era o pênalti da classificação.

Léo merece aplausos pela honestidade.

O campeão da América foi testado nesses dois jogos contra o Vélez. Passou com uma dose de dificuldade um pouco maior do que se esperava.

A marcação argentina conteve Neymar, algo que não estamos acostumados a ver por aqui.

______

Na Copa do Brasil, o Grêmio (2 x 0 no Bahia: Miralles e Marcelo Moreno) será o adversário do Palmeiras nas semifinais.

Interessante confronto.

Teremos os palpites em breve.



MaisRecentes

Anormal



Continue Lendo

Saída



Continue Lendo

Em controle



Continue Lendo