SOBRE MESSI E GANSO



(rápido aviso: com mais tempo do que nos últimos dias, dei uma passada na área de comentários e respondi vários. Obrigado pela participação e, como sempre, fiquem à vontade para treplicar, se quiserem.)

É maravilhoso que tanta gente tenha “descoberto” o Barcelona desde a manhã do último domingo.

Verdadeiramente maravilhoso.

Até no que diz respeito a jornalistas que trabalham com futebol e que, de certa forma, são responsávais pela pérola “o Barcelona não é tudo isso”, influenciando a opinião de quem acha que só existe futebol no Brasil.

Ninguém é obrigado a gostar, mas é preciso ver. Tinha muito “não vi e não gosto”, o que configura estelionato.

E agora, em meio a tantas confusões e análises apressadas (há de se compreender que quem foi apresentado ao Barça nos 4 x 0 contra o Santos ainda esteja meio grogue), é preciso comemorar o desaparecimento – momentâneo, creio – de outra pérola.

Aquela do “Messi não é tudo isso”.

Após o jogo de Yokohama, a coleção de gols em finais do argentino subiu para 17.

É isso. Dezessete gols em jogos que valem taças.

Lógico que não vai demorar para alguém voltar a cobrar de Messi que ganhe uma Copa do Mundo sozinho. Ou tentar diminuir sua trajetória dizendo que “no Barcelona é fácil brilhar”.

De qualquer forma, o silêncio constrangido dos que teimam em não ver é cômico.

Já a perseguição a Ganso é trágica. Um jogo serviu para que queiram riscá-lo do mapa.

Eis um jogador que já mostrou o que pode ser, e não é pouco. Machucou-se demais e não recuperou o melhor nível.

E os critérios usados para avaliá-lo são o brilho de Neymar (o que tem a ver?), o retorno de Kaká (não jogam na mesma posição) e a tumultuada condução de sua carreira fora de campo (fato, mas questão particular, não?).

Ganso deveria estar jogando mais, sem dúvida. A comparação é com o que já o vimos fazer. Mas as pessoas parecem ignorar, intencionalmente, as lesões nos últimos meses.

E há um aspecto que, já que surge uma vontade repentina de “discutir o futebol brasileiro em termos filosóficos”, não pode ser deixado de lado.

Ganso é o tipo de jogador que o Brasil deixou de produzir há muito tempo, e que deveria ser o ponto central de qualquer debate sobre forma de atuar.



  • Luciano Silveira

    Eu particularmente acho que o teto do Ganso é mais alto que o do Neymar. Esse cara pode ser maior que o Zidane. Assim que ele conseguir continuidade física e psicológica (não adianta dizer que essas abobrinhas de agentes e clube, contratos, etc não atrapalham o jogador), e puder se concentrar exclusivamente em jogar bola, será um dos maiores na posição por muito tempo.

    O problema é exatamente o “se”.

    Agora, sobre os míopes que não enxergam o Barcelona, que falam mal do Messi e ainda são pagos para proferir estas asneiras, realmente não entendo. São despreparados, que realmente não sabem o que fazem e falam. Me espanta que se mantenham empregados, com excelentes salários.

  • Jorge Casoni

    Excelente André. Mais um bom post.

  • alex

    O Santos tá meio ressabiado com o Ganso, manda ele o ano que vem para o Corinthians do jeito que ele tá. Aceito na hora e ainda aumento o salário em 200%.

  • Rodrigo Mendes

    Eu acho que o problema do Ganso é maturidade. Enquanto ele não era tão “falado” por praticamente TODOS da imprensa, ele jogava um futebol bonito, sem maiores preocupações. Quando o time do Santos começou a chamar mais a atenção, tanto por ele quanto por Neymar, o futebol dele começou a ser inconstante. E, ao contrário do Neymar, que adora um holofote, o Ganso parece que ficou meio tímido, um tipo de “me deixem em paz, só quero jogar bola”. E quando ele se recuperou da lesão e da cirurgia, me lembro claramente diversos veículos da imprensa fazendo uma reportagem especial sobre “A volta do Ganso”, que não foi tudo aquilo que se esperava.
    Outro exemplo de imaturidade, apesar de ter se passado quase 3 anos, foi o primeiro instante do primeiro jogo na final do campeonato paulista de 2009. O Corinthians deu a saída de bola, com Ronaldo, e o Ganso veio e deu uma paulistinha no corinthiano. Depois, na rádio, disse que foi proposital: “A entrada no Ronaldo foi para dar uma acordada nele. Para dizer ‘você não está no Pacaembu, está na Vila Belmiro’. Foi de propósito”. Ora, se isso não era já sinal de imaturidade, não sei mais o que é.

    Portanto, hoje, eu acho que ele necessita mais de um preparo psicológico pra carregar nas costas o 10 santista e da seleção do que treino físico propriamente dito. Ele não está preparado para a responsabilidade que jogaram em cima dele, ao contrário do companheiro de equipe, o showman Neymar.

  • Álvaro

    André,
    eu vi vários jogos do Barcelona, inclusive esse último com o Real. Não tinha dúvidas de que era o melhor time, que é o melhor time do mundo etc etc. Mas estou até agora tonto com o desnível. A impressão que eu tenho é que se eles jogassem 100 vezes com o Santos, iriam ganhar todas. Eu tinha aquela esperança, “Pujol é lento”, “futebol é imprevisível”, “um contra-ataque com Borges e Neymar”… Nada, nada, nada. Nem mesmo se tivesse acontecido aquele gol, ou outro gol do Santos, algo iria mudar. Parece basquete: posse de bola, os triângulos do Bulls e o melhor sempre vence. Massacre, chocolate. E o Muricy, sei não…
    Já o Ganso, tomara que recupere o futebol, mas não sei se um jogador, mesmo um craque, com esas características consegue espaço para jogar nesse futebol de correria. Tomara que sim.
    Abraço

  • Rafael Travassos

    André,

    Mal comparando, o Corinthians de 2002 tinha um estilo que predominava a posse de bola. O time foi o grande vencedor daquele ano, vencendo Paulista, Copa do Brasil e foi vice brasileiro.
    Acontece que os jornalistas àquela época, Trajano inclusive, diziam que o Corinthians era um time chato, que não produzia nada, o que como torcedor, lógico, discordava totalmente.
    Concordo que não dá nem para o começo compararmos os dois times, mas o “estilo Barcelona” já era pregado pelo Parreira há muito tempo.
    Como você vê essa relação? Faz sentido? Ao invés de os treinadores adotarem o estilo, burocratizaram tudo trazendo os esquemas europeus da década de 80?
    Abs.
    Rafael

  • leonardoatleticano

    André, no meu entendimento, quem mais se preocupa em comparações com Neymar é o próprio Ganso. Toda vez que Neymar assinava um grande contrato, ou aparecia de maneira mais destacada, Ganso criava alguma situação para também aparecer. pode ser por vários motivos diferentes, mas a mais de um ano não vemos aquele Ganso.
    Messi é fantástico, participa, toca, corre, marca, ataca, faz gols, da assistência, não se machuca e ainda por cima fala pouco e é humilde. Fosse ele um Neymar, um Romário, um Ronaldo , um Cristiano Ronaldo, um Eto ou outro marrento qualquer, já estaria exigindo o título de maior de todos os tempos.

  • Marcos Vinícius

    Tinha muito “não vi e não gosto”, o que configura estelionato.

    Estelionato:Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

    O cara dizer que acha não quer dizer que ele esteja induzindo alguém a crer nisso.E que vantagem há em fazer alguém seguir sua opinião,se fosse o caso?

    Tem certeza?

    Cara,discordo totalmente da sua opinião a respeito de Ganso.Acho que ele teve uma fase excelente,depois caiu. Sabe jogar,tem qualidade,mas parece que ele mesmo não sabe como voltar aos bons tempos.

  • leonardoatleticano

    André, uma coisa que acho muito engraçado na mídia brasileira, que agora quer salvar o futebol brasileiro, que tem toda a fórmula necessária, que só tem gênio.
    Perder para Mazembi, para Tolima e outras babas, não seria muito mais sinal de decadência do que tomar de quatro do Barça?
    Estamos numa draga técnica há tempos, agora é que nossos especialistas perceberam isso?

  • Lucas

    Concordo plenamente André. Mas o pior é que muitos que desdenhavam o Barcelona e idolatravam o Neymar, agora dizem que o Neymar não é tudo isso, que tem que amadurecer e tudo mais. Dá vontade de chorar. Como se um jogo apenas fosse capaz de analisar um time ou um jogador. O Barcelona é espetacular não por esse jogo, mas é espectacular há pelo menos três anos. E o Neymar continua sendo um excepcional jogador, mas muito inferior ao Messi e isso não é por causa desse jogo. Duro é ver que muitos que dizem isso são considerados “especialistas” e só foram descobrir isso agora. Como disse o Lédio Carmona, parece que descobriram a pólvora. E pra finalizar, você disse que ninguém é obrigado a gostar do Barcelona, o que eu concordo. Mas na minha opinião, quem ver esse time jogar e ainda assim diz que não gosta, podemos afirmar que essa pessoa definitivamente não gosta de futebol. Abraço.

  • Juliano

    Excelente outra vez André. Encontramos o que há de mais sensato no que diz respeito a análise de futebol (e também outros esportes) em textos assinados com o sobrenome Kfouri. Ambos têm o meu respeito e admiração.

    Assim como é maravilhoso que só tenham descoberto (de fato) o Barça após no último domingo terem batido com extrema facilidade (e com bastante dó e piedade, senao teriam sido 7 ou 8) um time da terra brasilis, tido, nos 2 ultimos anos, como o melhor – ainda acho o de 2010 melhor, jogava mais futebol e menos retrancabol, descobriram também que nosso futebol produz cada vez menos craques e a coletividade já nao existe mais. Qual é o intervalo entre o surgimento do Rivaldo, para o Kaká, e agora para Ganso (considerando os “camisas 10” da seleção). Descoberto isso, vem a preocupação com 2014.

    ORA, senhores descobridores, a seleção está mal desde 1990. Não fosse Romário não teríamos o tetra em 94, em uma copa marcada pelo baixo nível técnico de todas as seleções. Em 1998 foi aquela coisa na França. 2002 veio e Felipão fez algum milagre. Mas e 2006???? Foi vexaminoso.
    Em 2010, a geração Felipe Melo. Sim, geração. Era um time com volantes com características totalmente opostas às características da campeã Espanha/Barcelona. E eram muitos, os volantes. Veio a Copa América 2011 e foi novamente medonho. Não por ter perdido, mas por ainda não termos um time. E então, agora em 2011, a turma cai na real?

    Agora a culpa é do Neymar e seu cabelo. Que Messi sim tem postura. Faz gol (17 em finais, ave!) e não faz dancinha. As coisas, que até tem algum sentido, começam a se misturar. Falar da grife de C. Ronaldo e D. Beckham ninguem fala. Igualmente fregueses de Messi e cia.

    E a CBF tem a coragem de veicular aquela propaganda medonha ressaltando as conquistas da seleção nos ultimos anos. Estrutura, vem debaixo. Planejamento, poderia haver um modelo nacional a ser seguido pelos times. O Barça é o exemplo a ser seguido. Será que alguem está vendo isso??? Será que o exemplo começará a ser seguido ou ainda ficaremos culpando o cabelo e as danças do principal jogador???

    Ter Ricardo Teixeira na CBF, com A. Sanches como seu fiel escudeiro (e sucessor), e com Mano Menezes dirigindo a equipe é o maior exemplo de como NÃO seguir o exemplo do Barça. E 2014 será um Deus nos acuda. Aguardemos cenas dos próximos capítulos.

  • Paula

    Eu acho que a expectativa e a vontade de ter um jogador como o Ganso projetado fez justamente isso: criou um Ganso não verdadeiro.

    Ele será mais marcado e, em todos os jogos que vi dele, ele se mostrou pouco adepto da luta. Fica lá solitario achando que um toquinho rapido vai resolver. Mas ele não consegue pq a marcação chega rapído e ele é pessimo em se desmarcar e se mostrar para o jogo. acho ele desleixado em campo. Depois desse time do barça, todos vão querer marcação feita pelos 10. Ganso não vai sobreviver….
    Eh uma pena… quero, daqui há 2 anos, voltar aqui e dizer EU ERREI!

  • Pedro

    André,

    Concordo (pra variar) inteiramente com vc.
    Tentar rebaixar o Messi, colocando-o na posição de um jogador qualquer, é ridículo.
    Não há nenhum argumento que, colocado à luz da razão, se sustente por 15 segundos.
    Dizer que falta jogar na seleção o que joga no clube e que o Maradona ganhou uma copa “sozinho” é realmente algo a ser estudado pela psicologia.
    Se analisarmos simplesmente os fatos, veremos que Maradona “ganhou” a copa de 86 com 26 anos (iria completar em 3 meses). Messi tem 24. Portanto, terá 27 em 2014 e 31 em 2018. Irá conduzir a seleção Argentina ao título nesses dois mundiais? Não dá nem pra chutar, mas dizer que não irá é impossível tbm. Mesmo que encerre a carreira sem um título pela seleção, em nada terá sua condição de gênio abalada pois a época em que vive é muito diferente dos anos 80, quando seleções nacionais eram levadas muito mais a sério do que hoje em dia.
    Em clubes (ou clube, no caso do Messi), Maradona não conquistou metade do que seu conterrâneo. Nem por isso deve também ter sua glória abalada.
    Acho bobagem dizerem também que a seleção de 1986 não tinha ninguém. Não é verdade. A zaga tinha Ruggeri e El Chuchu. O primeiro campeão da Libertadores e muito seguro, o segundo com muita habilidade. No meio havia o Batista, Enrique e Giusti, ambos campeões da Libertadores e da então Taça Intercontinental. Na frente, além do próprio Maradona, havia o Burrochaga, que se não era excepcional, fazia seus gols. Sem falar no Passarela que estava em final de carreira. Ou seja, não era um timinho qualquer e ganhou sim porque Maradona jogou muito, mas também porque o time se achou durante o campeonato e virou uma equipe coesa.
    Messi ainda não teve a oportunidade de jogar o que pode na seleção, é o que eu vejo. Muito talvez porque nenhum treinador montou a equipe para que o jogo do próprio Messi flua. Coisa que o Billardo fez muito bem em 1986 (quando o próprio Maradona era bastante questionado meses antes do mundial). É a mesma bobagem dizer que a copa de 1994 foi ganha pelo Romário. Nosso 11 foi sim, fundamental, mas uma seleção que tinha Zinho, Mazinho, Bebeto, Marcio Santos e Aldair, não poderia ser chamada de timinho. Só acho que o Parreira montou o time para o jogo do Romário muito mais por receio de perder do que ímpeto de ganhar…mas é a minha opinião apenas.
    Assim, vejo que Messi é um dos poucos jogadores que ultrapassou a barreira do craque (onde estão Zico, Sócrates, Zidane, Cruyff e outros) para atingir o patamar de gênio, onde, na minha galeria, só estão Pelé, Garrincha e Maradona (os dois primeiros por interpretação, o último por verificação pessoal). Coloco Messi nesse patamar, ou seja, acima dos mortais, já que mito.
    Quanto ao Ganso, acho que sofre os efeitos da pressão exacerbada que colocaram sobre seus ombros. Talvez porque jogue ao lado de Neymar (mais midiático e fantástico jogador). Mas é um talento que precisa ser trabalhado com todo cuidado e conduzido com carinho, o que não me parece estar acontecendo.

  • Anna

    Tenho certeza que Ganso voltará a ser o que era. É questão de tempo de recuperação física e psicológica. Gosto muito de seu futebol!

  • Ótimo post por dois motivos, André: 1) Por ver todos aqueles que não assistem campeonatos europeus dizer que aqui é mais difícil e que times como o Barça sofreriam mais; e 2) Por relembrar a jóia que é Paulo Henrique Ganso.

    É notório que o preparo e a estima do meia santista caiu com as seguidas contusões. Assim como aconteceu com Elano, não dá para negar a falta de ritmo do camisa 10. E, ainda assim, ele deu três belos passes para gol no domingo.

    Fazendo aquela velha brincadeira, responda, por favor: se pudesse encaixá-lo em algum time europeu hoje, qual seria?

    Abrazzo.

  • Massara

    O Ganso é um jogador diferente, claro. Mas acho que ele ficou deslumbrado com os elogios que lhe foram feitos no seu começo no Santos e passou a achar que já tem a bola que, provavelmente, um dia terá.

    O que o Ganso tem feito fora de campo deixa claro que ele está tentando passar a carroça à frente dos bois. É impossível ignorar suas lesões e como elas têm afetado o seu desempenho em campo. Mas creio que isso deveria servir para que ele tivesse ainda mais paciência. Talvez não seja o momento ideal para se transferir para a Europa. Quem sabe uma boa temporada aqui, sem tantos problemas físicos, não poderiam credenciá-lo a um grande clube europeu em uma condição ainda melhor, para ele e para o Santos?

    A questão é que para fazer uma grande temporada é necessário estar concentrado nisso. É necessário estar focado em treinar para melhorar o seu condicionamento físico, o seu posicionamento em campo, para aprimorar a parte técnica etc. E me parece que ele está concentrado em qualquer outra coisa, menos no campo e na bola.

    Futebol ele tem. Mas se quiser ser um grande, vai ter que começar a se comportar como um. E idade não tem nada a ver com isso. O Messi está aí pra mostrar pra gente.

    Abs.

  • André, concordo quando você diz que as questões referentes à condução da carreira do Ganso são de cunho particular. No entanto, é visível que, sem intervenção externa, a carreira do garoto não trilhará pelos caminhos que imaginamos. Agora, para piorar, vem o senhor Roberto Carlos querer confiná-lo, junto ao Lucas, no “mundo russo”. O problema do futebol brasileiro é que ele vem sendo canibalizado pelos seus próprios ídolos recentes. Não bastasse o Ronaldo aliado a RT, agora vem esse cidadão tentar levar duas das nossas poucas e maiores promessas para os confins do planeta. Em contrapartida, dá toda pinta que o futebol brasileiro continuará um albergue de rejeitados, vide as especulações. Abraço!

  • Nesta final, nem Ganso nem Ney(cacofonia)mar fizeram uma boa partida, mas o ¨aquático¨ teve mais lampejos que o ¨gramático¨ (¨midiático¨?), o que me deixou otimista. Talvez tenha, primeiro, que resolver o extra-campo e definir sua carreira, mas ele, obviamente, seria muito bem-vindo em qualquer clube brasileiro ou do exterior – eu, pelo menos, o ¨aceitaria¨ no meu, assim, sem pensar…
    Um abraço e obrigado por responder minha dúvida, três posts abaixo!

  • Lucas

    Desculpe-me André! O Barcelona é uma das maiores equipes de futebol que assisti, jogando bola, desde 1972, quando comecei a acompanhar o jogo das multidões. Só que isso não invalida a opinião de muitos sobre a atitude “profissional” dos jogadores do Santos e de seu técnico, cada vez mais, pra lá de mercenário! O Santos FC está em crise e será o pior concorrente do Todo Poderoso Timão, do povão, da mídia especializada, dos empresários que vendem jogadores e do PT, na disputa da próxima edição da Taça Libertadores de América. Ganso e Neymar são fantoches de empresários, jogadores habilidosos, geniais e criativos, sem dúvida, mas também são malandros, malacos (reforçando a gíria mais apreciada pelo bando de loucos) e agiram de má fé, não se esforçando ao máximo para enfrentar o grande Barcelona… Ninguém marcou o Messi! Muricy (São Paulo FC) Ramalho bagunçou o time, tirando um volante, para escalar mais um zagueiro (demonstrando medo do adversário) e depois ao final do jogo, durante a coletiva de imprensa teve a cara de pau de falar de tática, com toda a soberba que lhe é peculiar… O Santos já estava derrotado antes de entrar em campo! Nunca esqueço que o Lance, na ocasião em que o São Paulo FC disputou com o Liverpool da Inglaterra, o seu último título mundial, deboxando dos ingleses (que tiveram na ocasião quatro gols anulados) lembrando com máximo mal gosto, da tragédia do Titanic! Isso foi capa do jornal sensacionalista que hoje mantém sites, blogs e pré-advoga resultados definindo um time que atrasa a bola, quando quer, como “a melhor quintessência do futebol do mundo”. Gostaria que o cinismo de vocês não chegasse a tanto? Será que se o Corinthians, do ex-presidente Lula, estivesse enfrentando o Barcelona, o tratamento seria o mesmo dedicado ao Santos? Forte abraço…

  • Rogerio Jovaneli

    Concordo 100% sobre Ganso. E o tipo de jogador que você disse (e é verdade) que o Brasil deixou de produzir é o jogador cerebral do meio-campo, que pensa o jogo. É o meia clássico “antigo” ou o volante “atual” da maioria dos times europeus. Gente que dá dinâmica ao setor do campo mais valioso para o andamento de um jogo de futebol. Não existe bom futebol (no mais alto nível de exigência) sem pensadores no meio-campo. Fiz um post sobre o assunto, aproveitando as sábias palavras do pensador Tim Vickery. Caso queira ler, aqui o link: http://br.esportes.yahoo.com/blogs/redacao/jornalista-ataca-futebol-resultado-muricy-e-pergunta-cad%C3%AA-135408708.html. Gostaria de saber o que pensa sobre o que escrevi no post, bem como sobre este meu comentário em seu blog. Respeito demais a sua forma de fazer jornalismo, bem como das empresas para as quais trabalha. Infelizmente, vocês são exceção. Felizmente, vocês existem. Ainda bem.
    Abraço forte. Saiba que tem um companheiro de “batalha”.

  • Rogerio Jovaneli

    Acrescento: mesmo em um momento não tão brilhante, Ganso colocou dois jogadores na cara do gol na final. Neymar e Borges perderam. Falta mais participação ao meia, mas como não valorizar um cara que “dá dois gols” num jogo? Muita calma.

  • Mario

    Afinal quem assisti os jogos internacionais já tinham observado a muito tempo este jogo do Barcelona. Tanto é que, os italianos tem muita dificuldade de vencê-lo. O próprio Real Madri com seu jogadores milionários, ainda não encontrou a fórmula correta para enfrentá-lo. Os alemães com o time do Bayer de Munique estão próximos de igualá-lo. Tanto é que a seleção brasileira levou um vareio de bola no último amistoso contra os alemães.Alguns conceitos que os técnicos brasileiros pregam devem ser revisados, tais como:
    1) Muito treinamento só com bola parada (faltas, escanteios, etc).
    2) Jogador não pode mudar muito de posição.
    3) Lateral bom é o que sabe cruzar. (Lateral do Barça não cruza, ele passa).
    4) Defesa é bola pro mato que o jogo é campeonato,
    5) Menino baixinho não é valorizado pelos técnicos de categoria de base.
    6) Importante no goleiro é saber defender com as mãos. (Goleiro do Barça sabe jogar também com os pés).
    7) “Dois toques” só em treino. (O Barça pratica em todo o jogo).

  • Joao CWB

    Duas perguntas ao André ou a quem quiser responder: Ronaldo fenômeno dos tempos de Barcelona seria o mesmo nesse time de Messi?

    A equipe conseguiria jogar em função da velocidade do Ronaldo ou o Ronaldo teria qualidade para as trocas de passes alucinantes do time catalão?

    Abraço

  • Juliano

    Ronaldo foi um dos genios da bola. Com sua inteligencia, certamente conseguiria se encaixar neste time. Mas, a grande questão começa antes: será que o atual treinador iria querer um Ronaldo no elenco? É ele quem faz os planos. Depende, em primeiro lugar, dele.

    Mais ou menos nesta linha vale o mesmo para o Romário. Com algumas diferenças. Acho o Romário mais inteligente, mais habilidoso e mais genial. E, ainda na década de 90, Romário se movimentava e muito, sim. Aqueles que o viram no fim de carreira em busca do gol 1000 com o título de “genio da grande área” por favor não se manifestem dizendo que ele vivia na banheira.

    Épocas muito diferentes. Mas basicamente iria depender se Pep gostaria de jogadores assim no time. Se sim, certamente faria funcionar. Na minha mais humilde opinião.

  • Matheus

    Bom dia AK,

    Sensacional: “Ninguém é obrigado a gostar, mas é preciso ver. Tinha muito “não vi e não gosto”, o que configura estelionato.”kkkk, muito boa.

    Esses dados sobre Messi são interessantíssimos. O tipo de jogador que não se omite em decisões. Mais fácil jogar mal em partidas menores(menos difícil), mas na decisão o Barça sabe que pode contar com ele. Como o Jordan no Chicago dos anos 90. se o jogo fosse decidido no último arremesso, podia botar na mão dele que ele não iria se omitir. Poucos na história foram assim. Mais injustificável do que torcedores terem “descoberto” o Barça só no domingo é o fato de muitos jornalistas e pseudo comentaristas também o terem feito só no domingo, pois eles trabalham com isso. É até uma obrigação.
    Ganso será muito grande ainda, e ainda tenho a mesma opinião de um ano atrás. Ele será um grande camisa 10 da seleção. Mas ao contrário de muitos, acho que ele precisa sim mudar de ares. A relação dele com o Santos já se desgastou demais e embora eu ache que ainda não influenciou seus resultados em campo, principalmente depois desse último episódio dos 10% dos direitos, sua relação com a torcida vai estremecer muito, e se os resultados não vierem Neymar será poupado com certeza, mas ele…

  • Matheus

    AK, ouvi essa semana no esporte interativo que o Barça poderia ir atrás do lateral alemão Lahm. Algum fundo de verdade? se for verdade e se concretizar, como diz o Trajano, parei com isso. Pra mim, melhor lateral em atividade. Que acha?

  • Pra mim, Romário ou Ronaldo-v2009 funcionaria no time catalão de hoje, sim. Mas Ronaldo não era o Messi da época dele. Talvez o Rivaldo, mas o Ronaldo não.

    Falando em jogadores que poderiam jogar no Barça de hoje, se eu fosse contratar (tá, eu sei que o foco do Barça é a valorização da base e tal, mas vamos imaginar um pouco, ok?), acho que 3 jogadores poderiam ser úteis: Thiago Silva (eu dispensaria o Masch), Neymar e Rooney (é sério, tá?!).

    Alguém se habilita?

    (vixe, me ocorreu agora: Marcos Assunção? :-O)

  • Rodrigo

    Alejjandro, concordo com sua opinião sobre Romário e Ronaldo. Quanto ao Ronaldo, não era o Messi da época dele, mas acho que o Ronaldo tinha um papel mais essencial naquele time do que o Messi no time de hoje. Me lembro que via vários jogos na ESPN (com a dupla Pietro-Calçade, tempinho bom) e o time não tinha esquema tático. Era bola pra frente que o Ronaldo resolve. E o cara resolvia…

    Pra matar, concordo com Rooney e a dispensa do Macherano. Putz, esses caras tem uma seleção espetacular… a maioria dos “caras” já estão lá (risos)….

  • Cristiano

    Cometário sobre o Messi! Para a geração que não viu o Pelé o jogar, certamente o Maradona foi o maior jogador que surgiu nos campos (ao menos pós Pelé). Pelos vídeos, DVDs, filmes, estatísticas etc.. fica difícil dizer que Maradona foi maior. Depois do Maradona, aí tem gente que acha que o Ronaldo foi o maior, tem gente que fala do Platini, do Zico, do Romário, do Zidane… não há muito consenso.
    Porém Messi é um novo consenso, e a discussão é se ele é maior que Maradona! E em seu final de carreira pode ser se é o maior de todos.
    Messi tem uma regularidade espantosa, é jovem e a cada ano parece que melhora. Messi é disciplinado, tem bom comportamente extra-campo, não se machuca (apesar de tantas pancadas que leva), o que leva a acreditar que continuará nesse alto nível muitos anos ainda. Maradona não foi capaz disso (tinha problemas com a balança, que invariavelmente o expunha a mais lesões).
    A diferença é Maradona fez parte de uma geração argentina muito boa (tinham grandes goleiros, bons defensores, atacante dos melhores do mundo e o gênio) e brilhou num clube mediano (sim, o Napoli era um time mediano apesar do Careca e do Maradona) que teve feito e tanto em vencer o Campeonato Italiano.
    Messi por outro lado faz parte da pior geração argentina dos últimos 30 anos ao menos. Dificilmente essa seleção brilhará. Por outro lado este Barcelona tem tudo para fazer história e se tornar o time mais brilhante de todos os tempo (do que eu vi certamente é!). A média de gols do Messi é absurda para qualquer época do futebol, ainda mais para os tempos atuais, suas atuação em alto nível nos jogos importantes também! Ainda tem as assistências, movimentações… Sim, Messi não é tudo isso, é mais que isso que falam!
    Grande abraço,

  • Marcos Lacerda

    André concordo com seu comentário,mais um detalhe:
    Neymar é craque, hj sem dúvida é omelhor jogador do Brasil,mas o Ganso,na minha opinião é claro,pode ser gênio.ele é o clássico camisa 10 que todo time devia ter.
    Se alguem concorda ou deixem um comentario.

    um abraço

  • João

    O SANTOS NÃO É O BRASIL.

    O Barcelona massacrou, apequenou e humilhou o Santos, não o Brasil.

    Não há porque socializar um fracasso que é, primordialmente, do Santos (até porque, em caso de triunfo, o Santos iria querer capitalizá-lo privativamente).

    O Santos não faz parte do “Top 5” dos mais importantes clubes do futebol brasileiro. Faz, provavelmente, parte do “Top 10”. Logo, o Barcelona goleou uma potência de segunda grandeza do futebol brasileiro.

    Quando se procede à análise da campanha santista em 2011, percebe-se que o time foi supervalorizado. No Paulistão, o time foi o quarto colocado em pontos ganhos; na fase do mata-mata, em nenhum momento sobrou até a conquista, sem maior brilho, do título. Na Libertadores, por pouco não foi eliminado na fase de grupos; classificado, acabou chegando, de modo sofrido, ao título.

    No Brasileirão, a grande competição da qual tomam parte os clubes brasileiros, foi apenas o décimo colocado, a 18 pontos do campeão Corinthians (em 2010, o então campeão da Libertadores, o Internacional, foi sétimo colocado no Brasileirão). Quando quis deixar a competição de lado (primeiro, envolvido com a Libertadores; depois, já com a cabeça no Mundial), chegou muito próximo da possibilidade de rebaixamento.

    Na reta final, já despreocupado do rebaixamento, e quando muitos ainda insistiam em apontá-lo como o melhor time brasileiro (que, se levasse o Brasileirão, a sério, “seria campeão com 10 pontos de vantagem”), o Santos tentou, por duas vezes, “entrar com tudo”, para “dar show” e “ganhar embalo” para o Mundial. Foi contra o Atlético-Go e contra o Bahia (respectivamente, nas “despedidas” do Pacaembu e da Vila Belmiro). O que se viu? Atuações medíocres e nervosas do Santos, que, a duras penas, conseguiu apenas empatar com seus limitados adversários.

    ESSE FOI O TIME QUE O BARCELONA ENFRENTOU NO JAPÃO.

    Um peixe pequeno.

    Não um gigante do Brasil.

    O resultado desastroso verificado no Japão não serve para indicar o estado de saúde do futebol brasileiro.

    Muito menos, para identificar o privilegiado, abençoado, DNA do nosso futebol.

  • Matheus Brito

    João, é tudo brincadeira o que você disse não é? O Santos é sim um TOP 05, aliás é um top 04, junto hoje com Corinthians, Vasco e Fluminense. Se o Santos não é um gigante do nosso futebol, se não representa o que HOJE há de melhor por aqui, então a coisa está muito pior do que estão falando os torcedores, treinadores e jornalistas. O Santos não tinha time pra vencer, tinha time para não fazer tão ridículo. Assim como o faria Vasco, Corinthians e Flu. Como disse o AK, respondendo a uma pergunta minha no Post anterior,” se tivessem uma postura insanamente defensiva perderiam de menos menos”. E amigo, acorda pra vida, esse é o futebolzinho que temos hoje aqui. Nos acostumamos durante muitos anos a dizer que temos jogadores para montar três ou quatro seleções de bom nível. Desafio inclusive o AK a montar pelo menos e a qualquer um leitor do blog a montar pelo menos UMA seleção capaz de fazer frente a Espanha e Alemanha hoje. Lembre-se da Copa América antes de mais nada.

  • JEFFERSON FERNANDO DA SILVA

    André, depois do que vimos no domingo, o que mais preocupa até agora, é que a seleção brasileira na copa de 2014 tem tudo para repetir o feito de 1950. é bem provavel que tenhamos um novo ‘maracanazzaço”. Quanto ao Ganso, uma pergunta que não quer calar, ele entrou em campo? Ah, ele é aquele jogador que estava andando no meio de campo, que não combatia, e queria só receber as bolas nos pés, enquanto passava por ele correndo, o Iniesta, Xavi, Fabri, etc. Se o Ganso é o futuro da seleção, estamos perdidos. E para finalizar, os jogadores brasileiros são certamente os mais habilidosos jogadores com a bola nos pés, e só. E detalhe somente habilidade hoje não ganha jogo, tem que haver comprometimento de toda a equipe para ganhar alguma coisa, nós ainda estamos naquele velho hábito de que o craque não precisa marcar, que há qualquer momento ele vai fazer uma jogada de gênio e resolver a partida num unico lance, quem pensa assim deve estar vendo outro esporte que não seja o futebol. E para finalizar, uma coisa que eu não vejo ninguém na mídia comentando, como são fracos os nossos técnicos de futebol.

  • Anna

    Feliz Natal para todos! Tentarei passar aqui no dia 24, mas não sei se conseguirei!

  • Andre,quero comentar apenas sobre o ganso:ele ta muito caro nai vai dar pra fazer nesse natal!!!

  • Iran Né

    Caro André, você mais uma vez foi perfeito em seu comentário. Eu não sou jornalista esportivo, e já sabia ou conhecia e conheço a muito tempo o poderio deste Barça, e não é só de hoje, desde aquele Barça, de Ronaldinho Gaúcho que perdeu para o Internacional em uma estocada só. Já era um time diferenciado e para quem gosta ou ama o futebol dava gosto ver jogar. Lembremos que o time catalão, realmente prega uma filosofia no futebol pois mesmo quando foi eliminado pela Inter de Milão, na época do Mourinho, não mudou sua postura nem modo de jogar, relembremos que a posse de bola foi maioria nos dois jogos.( Fôsse no futebol brasileiro teria cobrado-se um mudança total de opostura) Claro que esse Barça é mais espetacular que os do passado, por alguns motivos simples os espanhóis que cresceram muito, Xavi, Iniesta e a chegada do Fabrégas, Daniel Alves que lá joga demais e Principalmente ele o Messi, que como já falei aqui várias vezes está a anos luz de qualquer futebolista atualmente.
    Quanto ao Ganso sua análise tambem é perfeita, eu acredito muito nele, por isso sou muito criticado. Não entendem ou não querem entender as contusões que ele sofreu, ora bolas quantas partidas o Ganso jogou depois da última contusão ? Não chega a cinco, vamos deixar o rapaz entrar em forma pegar ritimo de jogo. E depois veremos.
    Um grande abraço !
    Iran Né

  • Felipe

    André, sei que não tem nada a ver com o assunto, mas e o Mais Gelo, morreu?

  • manuel

    Comparação!!!!

    Por exemplo compararmos Ganso e Gerson,o 1º fez seu grande jogo e único contra o Santo André o outro conquistou o jargão de Craque sendo Campeão por todos os times que passou inclusive a seleção Brasileira.
    Quem foi Ganso nunca será Gerson,Rivelino,Pedro Rocha,Ademir da Guia,Zico,etc…
    Porquê!!! Devido ao sr. Ganso ser um jogador mediano e Mercenário,inventado pela Imprensa,já que não temos um jogador parecido com os anteriores citados, nos últimos 15 anos.

  • manuel

    COMPARAÇÃO!!!!

    Entre Messi e Ganso a distância a favor do Messi é tanta, que nego-me em fazer tal comparação!!!

    AK: Não foi feita nenhuma comparação.

  • Paula

    Eu não espero jogadas magnificas de Ganso enquanto ele não está em forma. Espero dedicação e empenho. Não é o que vejo em campo. E essa postura de incomoda.

  • Manuel,

    além do André não ter feito comparação alguma entre os dois, seu conceito para comparar alguém a outro é completamente equivocada.

    Não é porque “a distância a favor” de um “é tanta” que não se pode compará-lo a outro. Se você compara coisas iguais, você pode chegar à conclusão que um é muito melhor que o outro.

    O que não é o caso de Messi e Ganso. E por isso nem houve comparação.

    Abraço!

  • Manu

    Andre
    alem das questões sobre Messi, o Barca e Ganso, existe uma outra que eu considero mais grave e sobre a qual pouca gente se posiciona com coragem. Falo da bagunça (por não falar outra coisa) que cerca o simples ato de assistir um jogo de futebol no Brasil e na Espanha. Tive a sorte de ir no camp nou assistir um jogo do barca. Ingresso numerado comprado em uma das lojas oficiais do clube, fui e voltei de metro bem tranquilo e desci a 5 quadras do estádio, entrei na boa, procurei meu lugar, curti o jogo, muita criança, fui em local bem popular, mesmo longe da. P assistir muito bem. Fiquei imaginando um torcedor do barca ir ver um jogo no morumbi ou no pacaembu…. Melhor não imaginar…

  • Rita

    Eu acredito no Ganso. Para mim, ele é isso que vc definiu na útlima frase.
    Mas ele tem de tá com foco.

  • Alexandre

    O Ganso não me parece ter condições psicológicas para se destacar na Seleção ou mesmo em um grande clube europeu.
    Claro que ele é novo, pode mudar, mas a comparação neste quesito com o Neymar, por exemplo, são muito desfavoráveis.
    Vejam o quanto o camisa 11 amadureceu entre 2010 e 2011, enquanto o Ganso parece cada vez mais preocupado em implorar por valorização, sem apresentar as devidas contrapartidas profissionais.

  • Alexandre

    Sobre Messi, dizer mais o quê? Um dos 3 maiores de todos os tempos, sem dúvida. E, com 24 anos apenas, tendo chances de se tornar o maior.
    E o mesmo poder ser dito sobre este time do Barcelona…

  • Luis Jorge

    Repito, para provar que silêncio não existe:

    Real de Puskas e Di Stefano venceu 5 de 6 Ligas dos Campeões disputadas, Santos 5 Taças Brasil seguidas, Flamengo 4 Brasileiros em um década (Santos e Flamengo fizeram isso em épocas que os torneios daqui ainda contavam com jogadores fortes tecnicamente e não com o que sobra), Milan esteve em 5 finais de Liga do Campeões entre o final da Década de 80 começo da de 90, ganhou 4… Quando Barça fizer qualquer coisa igual a um desses que citei, será um dos maiores times de todos os tempos, por enquanto é um time ótimo como foi o Benfica de Eusébio por exemplo, e já que alguém arma algo que os derrubará de forma mais constante, como já fez de forma não seguida Mourinho e seus comandados do Inter na Semi de uma Liga dos Campeões, na qual depois foram campeões, e depois Real na Copa do Rei!!!!

    AK: Lamento que você não perceba que, quando se fala neste Barcelona, não se fala – necessariamente – em títulos. Lamento ainda mais que você veja alguma relação deste time com o Benfica de Eusébio. O futebol é mesmo incrível. Um abraço.

MaisRecentes

Presente



Continue Lendo

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo