CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

CONFESSIONÁRIO

Interessantes os argumentos usados para criticar o Barcelona. A impressão que dá é que são, todos, efeitos colaterais do assombro que o time de Guardiola provoca no mundo. Porque, você sabe, há quem precise dizer que a unanimidade é… burra? Desculpe, o adjetivo deveria se aplicar às críticas.

Vejamos. Tem aquele do “sem Messi, é um time comum”. Não resiste a dez segundos de raciocínio. Pense num time, qualquer um. Agora pense nele com Messi, e depois sem ele. Como ficou? Existe algum time que seja tão bom sem Messi quanto com?

Esse tipo de “análise” comete dois crimes. Um é contra o próprio Messi, ao reduzi-lo à esperança de que sua ausência não seja notada. O outro é contra o clube que o formou. Como se Messi fosse um extraterrestre que passa a maior parte do tempo jogando a “Liga dos Campeões da Via Láctea”, e o Barcelona o alugasse de vez em quando para fazer diferença aqui no futebol terráqueo. Por favor… pensar no Barcelona sem Messi faz tanto sentido quanto pensar no U2 sem The Edge.

O pior é que a tese do “time comum” é mentirosa. Piqué, Alves, Busquets, Fàbregas, Sanchez, Xavi, Iniesta… sem mais. E se a ideia é distanciá-los de Messi, faça o contrário. Pense em Messi sem o Barcelona e terás… a Argentina de hoje. Gostou?

Tem também o “posse de bola não é tudo, é preciso ser produtivo”. O problema aqui é a falta de capacidade de entender o que o Barcelona faz. Eis uma equipe cuja identidade é o passe. Seu jogo é baseado na circulação da bola e na superioridade de posicionamento. A posse serve para atacar, para defender e até para descansar. Nesse sistema, não existe “passe improdutivo”, pois o objetivo é manter a engrenagem em funcionamento e alijar o oponente do jogo.

E tem o “a defesa é ruim, não acompanha o resto do time”. Cegueira absoluta. Seria bom que alguém definisse, exatamente, o que é “a defesa” do Barcelona.

Há várias formas de se jogar futebol. É permitido gostar e desgostar. Nenhuma é “moralmente” inferior às outras, desde que a relação qualidade/desempenho seja coerente. Se você nasceu na década de 70, não viu nada que funcione tão bem quanto o Barcelona de Pep Guardiola. Ou não compreende o que vê.

Admita.

DEGRAUS

A qualidade individual dos jogadores do Santos resolveu o jogo contra o Kashiwa Reysol (aliás, fantástica faixa no Toyota Stadium: “Somos o Kashiwa, estúpidos”). Lindos gols de Neymar e Borges, apesar do goleiro de futebol de botão japonês ser um anfitrião e tanto. Não se deve projetar o rendimento na final – provavelmente, contra o FCB – com base no que o time santista mostrou na semi. O nível de prontidão será outro.

BALANÇA

O único aspecto positivo de enfrentar o Barcelona na decisão do Mundial de Clubes é o senso de responsabilidade. Se acontecer o que se espera na semifinal desta quinta-feira, toda a obrigação de fazer o resultado no domingo, em Yokohama, será dos catalães. Mas se o mundo estiver em estado de choque (é futebol…) e o Catar em festa com a classificação do Al Sadd, quem entrará em campo carregando o peso extra será o Santos.



  • Luiz

    A única (ênfase no ÚNICA) coisa que eu diria do Barcelona é a lateral esquerda. Abidal é um baita de um jogador, no Barcelona ele rende horrores, mas ainda assim está um nível abaixo dos demais. Algum tempo atrás o Barcelona queria contratar o Lahm. Se isto tivesse acontecido eu parava de assistir futebol.

  • Matheus

    Bom dia AK,

    Já vi muita gente falando sobre isso. Que o Barcelona não é imbatível(de fato não é), que a defesa é fraca, que sem o Messi é um time comum. Já li por aqui até que o Iniesta não era nada disso que falam. Na vitória sobre o Real, por exemplo, teve gente dizendo que ele só jogou nos últimos 20 minutos. Enfim, eu devo ter visto outro jogo.
    É preciso ser mais abrangente para se analisar esse time do Barça. Não adianta focar a análise em um jogador, embora ele seja “só” o Messi. Não vejo ninguém se perguntando por exemplo, o motivo de, apesar da marcação pressão que o time exerce sempre que não tem a bola, ele sempre está mais inteiro fisicamente na parte final dos jogos do que qualquer outro adversário. Isso se deve a esse “toca,toca,toca” “improdutivo” como alguns dizem. Com esse sistema ele faz o adversário correr o tempo todo, e mesmo com a movimentação constante para se desmarcar e receber os passes, é notório que o desgaste é muito menor quando você faz o outro correr. Psicologicamente, ainda exerce uma grande carga no emocional dos adversários, pois passa a impressão que o time não quer jogo naquele momento, e vai vencer quando quiser. Imagine o Real no Bernabéu correndo atrás do Barça, com a torcida fula da vida, e Xavi, Iniesta e Fábregas tocando bola como se não quisessem jogo. É preciso deixar claro que isso nada tem haver com menosprezo ao adversário, é puramente sistema de jogo. Já disse há alguns dias aqui mesmo no blog, temos o privilégio hoje de ver a história acontecendo. Esse time ficará na história, daqui a 30 anos ele será comentado, como o Santos de Pelé é comentado hoje, ou a seleção de 70 e 82. Estamos vendo uma mudança tática sem igual, o que a Holanda iniciou na década de 70 o Barcelona aprimorou. O futebol total nunca foi tão total. Zagueiro vira lateral, volante vira zagueiro, lateral vira atacante, meia joga de centroavante. Em qual time do mundo o Fábregas sentaria no banco? e o Villa? Eles sabe que esse time será histórico. Além disso, se não entrarem em campo, pelo menos tem o privilégio de assistir do banco o balé do Barça. Não pense o Santos que, se por um milagre conseguir a vitória domingo, será o melhor time do mundo. O melhor do mundo é indiscutivelmente o Barcelona. Que pode perder títulos em um jogo só, como perdeu recentemente para o Real.
    Enfim, Não vi o Santos de Pelé, Não vi os grandes times das décadas de 60,70 e até os da década de 80. Mas como estudioso e apaixonado por futebol, consegui assistir já vários jogos de grandes times dessas épocas. O mais importante destacar nessa mudança no curso da história do futebol que o Barça está promovendo, é que diferente de outros momentos, essa mudança promove um futebol lindo de se ver, diferente da introdução dos volantes botinudos, dos zagueiros-zagueiros, da saída dos atacantes e da perda dos meias. Obrigado Deus por me deixar acompanhar esse momento com muita saúde e uma visão perfeita.

  • Willian Ifanger

    Eu cheguei naquele ponto que, pra mim, esse time do Barcelona não precisa provar mais nada. Os títulos glorificam, claro, mas mesmo nas derrotas, o time que o derrotou vai ter aquilo como um troféu. Então, pra mim, o time chegou no nível máximo na escala do futebol.

    Sabe que eu achei que o Real iria ganhar fácil do Barcelona no Clássico. Fui pra SP na hora do jogo ouvindo pela rádio e já estava 1×0 pro Real e pensei: “é, hoje já era…..e se bobear devolvem os 5”. Como a transmissão ficou ruim só fui ver o resto do jogo quando cheguei no destino. E tinha acabado de sair o 1×3. Essa foi pra eu aprender.

    E “Liga dos Campeões da Via Láctea” foi sensacional…ri sozinho aqui.

  • Matheus

    Willian Ifanger,

    Você disse tudo. Esse time não precisa provar mais nada. Se eu tivesse pensado nisso não teria feito um comentário tão longo.

    AK,

    Você por acaso teria o número de derrotas do Barça nos últimos três anos? Sei que são pouquíssimas mas não sei quantas são. O que sei é que teve time grande da série A esse ano que venceu menos partidas do que o Barça perdeu nos últimos anos.

  • Fabricio

    Penso exatamente a mesma coisa. Sou a favor da liberdade de opiniões, mas acho que “quem não gosta de samba, bom sujeito não é”, ou seja, quem não gosta de ver este Barça jogar, deve não gostar na verdade de futebol.
    Este time está mudando, para o bem, o futebol mundial. Vai criar nos clubes a inveja sadia, a tentativa de imitação, pela valorização das categorias de base, valorização do passe, do ataque, da marcação sob pressão, sem violência, sem volantes botinudos, da valorização da troca de posições e esquema de jogo, da valorização enfim do futebol bonito.
    Até para isso torço pelo Barça neste domingo. Será o confronto da equipe contra o individualismo, o confronto do planejamento contra o acaso de Neymar e Ganso. A vitória do Barça, ainda mais se for por goleada, poderá significar a busca do futebol brasileiro pelo planejamento.

  • André, ouvi/li em algum lugar que somente os brasileiros e, obviamente, os torcedores veneram o Barça atual, mas de resto, a camisa azul-grená não desperta a mesma admiração. Achei dificil acreditar, isso confere? Um abraço.

    AK: Não. É um time admirado pelo mundo. Um abraço.

  • Jorge Casoni

    Ainda bem que estamos falando de futebol e não de basquete, vôlei. Tudo é possível no domingo. Ooo Vamos ser TRI Santos!!! Vai pra cima deles Santos!!

  • Sidney

    Vou torcer muito para o Barça domingo. Não que tenha algo contra o Santos ou coisa assim, mas se o Santos vencer poder dar ainda mais a impressão que o estilo Muricy (jogando sempre na defesa esperando um contra ataque ou uma bola parada) é o certo para o futebol brasileiro. Após o sucesso alcançado por ele no tri campeonato brasileiro frente ao SPFC, até nossa seleção passou a apostar nesse estilo de jogo com o Dunga e até mesmo o Tite sendo campeão frente ao Corinthians esse ano. Esse estilo pode até conquistar títulos, mas não é nada agradável de se assistir. Na minha opinião, por mais contraditório que possa parecer, uma vitória do Barça faria um bem enorme ao futebol brasileiro, pois quem sabe assim nossos técnicos não resolvam tentar jogar um futebol mais agradável de se ver.
    Abraço

  • Carles Martí

    Apesar de toda a teorização sobre o sistema de trabalho implantado por Guardiola, é possível que muito pouca gente tenha entendido a sua transcendência. Mais que a revolução no futebol, Pep estabeleceu no Barça um sistema de comando baseado na confiança. Explico. Faz uns dias, relacionei o sistema atual do Barça com a laranja mecânica holandesa dos anos 70, mas o mais provável é que a verdadeira inspiração, quiçá inconsciente, seja Charles Chaplin e o seu personagem, operário da fábrica de filme Tempos Modernos. Para quem não viu, era um operário que deveria apertar componentes numa linha de produção de forma contínua e sem muita consciência da próprio trabalho ou do que isso repercutia na produção final. O sistema de produção parodiado por Chaplin é, em última análise, responsável nos tempos ditos modernos, por que os trabalhadores se especializem em tal medida que cheguem a perder a versatilidade, a capacidade de adaptação ou de improvisação. No futebol não é diferente. Durante muito tempo, os zagueiros têm-se dedicado a rebater, os atacantes a finalizar e os meio campistas a fazer a transição do jogo. O mérito do atual Barça, eu me atreveria a dizer que não se resume a que “zagueiro vire lateral, volante vire zagueiro, lateral vire atacante, meia jogue de centroavante”, mas que rompe, adotando um sistema de trabalho menos passivo e sem o habitual imobilismo dos seus trabalhadores. Todos têm responsabilidades múltiplas na produção e isso lhes permite (e obriga) a que sigam aprendendo e evoluindo para desenvolver novas habilidades.

  • Marcos Vinícius

    Acho que quem diz que a defesa do Barcelona é fraca deve estar se referindo a qualidade individual de seus jogadores.Não que sejam ruins,mas destoam do resto do time. Um time que encanta quando está com a bola,e que,na minha opinião,só é forte defensivamente porque praticamente todos,senão todos,os jogadores exercem função defensiva quando o time está sem a bola.

    Cara,você não acha que esse time do Barcelona é a versão século XXI do Carrossel Holandês de 74?

    AK: Não vi a Holanda de 1974. Mas pelo que li/ouvi, o impacto é parecido. Um abraço.

  • Lucas

    É impressionante como qualquer time deste país que não seja no momento, o Corinthians, o Todo Poderoso Timão, do ex-presidente Lula, do PT no governo e de grande parte dos jornalistas especializados brasileiros, verdadeiros mascates da informação, pode ser diminuído facilmente! Acabei de ler uma nota do Lance e percebi que tem até “corrida de construção de estádio”, onde em país desenvolvido de verdade, veríamos mais união. O Barcelona é um dos maiores times de futebol que vi na vida, mas gostaria que os ditos cronistas esportivos estivessem falando sobre as muitas qualidades do time do Santos (não é o meu time), que deveria reunir o Brasil inteiro no momento! Em tempos de futebol negócio (também moeda política), os lobbies acabam falando mais alto… Pobre Santos, assim como Vasco, Internacional, Grêmio e Palmeiras, no passado, que parece que não pode mesmo conquistar o Mundial neste ano! No perde-ganha desta política suja que envolve este hoje simulacro de esporte, “Neymaru”, como está sendo chamado pelos torcedores japoneses, já perdeu suas características de “simpatia”, em função de factóide ocorrido nesta antevéspera do jogo decisivo e terá de jogar muito no Maracanã (talvez?) em 2014 para se tornar realmente campeão do mundo! Tudo muito triste mesmo! Até lá, vamos continuar celebrando o Todo Poderoso Barcelona! Hahahahahaha… Parece piada o cinismo de certos jornalistas! Mas, tudo bem né, que a Terra Brasilis nunca foi séria mesmo e agora que desfruta de ares novo-ricos…

  • Anna

    Todos os jogadores são bons. O time joga por música. Eu só acho o Valdés fraco, o calcanhar de Aquiles desse timaço. Adoro o Messi, mas meu jogador preferido é Xavi! Grande abraço, Anna

  • Matheus

    Charles Martí,

    Perdoe minha ignorância, mas você criticou meu comentário ou entendi errado. A passagem citada por você entre aspas está no meu comentário, e acho que você não entendeu o que eu quis dizer. Digo que há hoje sendo praticado pelo Barcelona uma clara evolução do futebol total do carrossel Holandês dos anos 70, onde teoricamente os jogadores não tinham posição definida.
    “O mérito do atual Barça, eu me atreveria a dizer que não se resume a que “zagueiro vire lateral, volante vire zagueiro, lateral vire atacante, meia jogue de centroavante”, mas que rompe, adotando um sistema de trabalho menos passivo e sem o habitual imobilismo dos seus trabalhadores”. Ou eu sou ignorante demais, ou você apenas corroborou com o que eu falei usando um palavreado acadêmico, com pitadas de Marxismos que acabaram andando em círculos e voltado justamente para o que eu havia dito. Se não foi isso me desculpe.

  • Nilton

    Lendo a coluna, lembrei do Parreira que montou o time do Corinthians jogando na base do toque de bola.
    Com relação a defesa, time com boa defesa tem que ter 3 zagueiro, 2 laterais marcadores, mais 3 volantes, sendo um na sobra. Aonde se viu no futebol moderno jogar sem zagueiro isto é uma blasfêmia ao futebol atual, e sempre vai acabar em goleada. (em ON)
    Domingo levantarei cedo, para preparar a pipoca e o Tererê.

  • Carles Martí

    Matheus, não cirtiquei seu comentário.

    E é Carles, como Puyol. Abç.

  • Juliano

    André, desculpe a ignorância, mas o que os japas queriam dizer com esta faixa? Estava endereçada a quem??

    Sobre meu Santos x Barça, não tem muito o que dizer. Esse Barça é um espetáculo. Com ou sem Messi. Espetáculo e ponto. Guardiola tem uma variação tremenda de escalações. Os jogadores são tão bons que podem jogar em mais de uma posição (facilmente) e sempre bem. Fazem mais de uma função. Estão muito acima da média. Ponto.

    O que dizer de um elenco que sente a falta do cumpridor Adriano? Não tem reposição. Elano mal (segundo semestre cheio de lesões), sem reposição. Léo cheio de lesões, sem reposição (entre outros exemplos mais). Foi assim no brasileiro todo, quando esteve desfalcado ou por convocações ou por lesões. Não havia variação possível. Escalava o que dava. E é isso.

    É possível vencer? Claro que é, vemos isso no futebol o tempo todo. É provável? Claro que não, a chance nao é pequena, é ridícula! MAAAAS… em UM LANCE genial de Ganso com Neymar, pode sair um gol. Enfase em “um lance”, porque, sem a posse de bola, quantas chances voces acham que o Santos terá? É esticar uma bola (sim, esticar em contra-ataque, pra que nao de tempo de a defesa se montar) e torcer por uma luz no Neymar. Ou alguém imagina outro cenário?? Estamos completamente sem saída de bola, vai ser um passeio.

    Uma sorte do Santos: o ataque do Barça é baixo, e não vive de chuveirinho (porque nao precisa), pois acho que o time que mais tomou gols de cabeça, em sua área, neste ano, no mundo todo, foi o Santos. Nunca vi coisa igual. Esse pode ser um medo a menos.

    Messi é superior a Neymar e ponto. A comparação é um tanto burra. Mas, HOJE, vejo o Neymar superior em apenas um fundamento: a finalização (e olhe que o Messi não finaliza mal, pelo contrário). O gol contra os japas, de canhota, com aquela precisão e categoria, é de impressionar (dentre outros lances ao longo dos 2 ultimos anos). Quem não conhece poderia cravar, ao ver apenas este gol, que ele é canhoto. Não é. Considero ambidestro.

    E é isso, torcer por aqueles resultados improváveis que só o futebol pode oferecer.

    Grande abraço, sucesso!

    AK: A faixa era para as pessoas que chamaram o time de KashiMa Reysol, confundindo com o outro time japonês. Um abraço.

  • Juliano

    Marcos Vinícius, sobre o que voce disse de todos desempenharem função defensiva sem a bola, concordo. Me lembra um time de basquete (meu esporte). Todos atacam, todos defendem. Cada um na sua posição. O Barça faz isso num cenário “macro”, que é um campo enorme com 11 jogadores. Talvez por isso seja tão bom, por se assemelhar em algumas filosofias desse esporta fantástico que o bola-ao-cesto. Boa observação, só quis traçar o paralelo do que eu achava.

  • Juliano

    Ah… ainda, sobre o Barça ter muita variação de escalação (o time principal tem uns 20 jogadores bons, e ainda tem o Barcelona B), e o Santos – como qualquer outro time do Brasil e Américas – sentir falta de um Adriano e não ter reposição, eu tenho um pensamento utópico para resolver o problema.

    Teto salarial. Intervenção da FIFA (???). Regras. Na NBA funciona assim. Tem o piso, pro jogador no primeiro ano, e tem o teto para a franquia. O resultado disso é esse campeonato espanhol com 2 grandes, meia dúzia de times médios e o restante muito fraco. E quando isso se estende para competições continentais e inter-continentais, continua evidente. No Brasil é ainda mais bisonho com a medonha divisão das cotas da TV. Grande continuará sempre grande. Pequeno, sempre pequeno. Com um lampejo de um ou outro esporadicamente. E é isso. O sistema assim definiu.

    Só com um teto salarial seria possível impedir um clube-empresa de montar um time de galáticos. Teria de escolher os melhores. Os demais deveriam procurar outros ares. E baixar seu preço. E hoje, qualquer preço é muito, pra um jogador profissional de qualquer série A na Espanha e no mundo. Um Neymar vive da mesma forma recebendo 1,5 mi ou 3 mi mensais. Da mesma forma. E o futuro estará garantido também da mesma forma. Acho que estou viajando demais… o ser humano não funciona assim… e um teto via FIFA no futebol é muita utopia.

    O que acham, senhores?

    Sucesso!

  • Emerson Luiz Fonseca

    O campeonato brasileiro 2012 tera 25% de aumento na audiencia internacional,caso o santos ganhe. Neymar arrebentando com o jogo vai pra 32,84%.Neymarketing!

  • Carles Martí

    Audiência internacional para o Brasileiro? Segundo a informação direta do pessoal do Canal+ da Espanha, a Globo é lamentável na hora de negociar os direitos de transmissão. E não só com relação à barganha, mas pela pouca credibilidade como parte negociadora (na verdade, é até melhor não ouvir as transmissões da Globo). A gente depende dos piratas da rede para poder assitir algum jogo do Brasil no exterior.

  • Emerson Luiz Fonseca

    No caso o produto é bom(campeonato).O vendedor é fraco.
    Acho que isso muda um pouco em 2012.

  • Raposo

    Na boa,
    Nasci em 74 e acho o Flamengo de 81 melhor e mais completo que o Barcelona. Certamente eh mais facil se impressionar na infancia, mas aquele time me encantava mais.
    E o pior eh que sou Tricolor entao nao eh facil admitir…

  • Paula

    O barcelona eh o xavi e o iniesta.ah, tem tb piquet, busquet, fabregad. Sim, daniel , pedro , puyol e tiago. Enfim, timaço. Mas eles jogam matando o contraataque adversario. Se estiver minimamente desarrumado. Igual o gremio de 2007 acho. Ou seja time completo. Joga pequeno qdo precisa e grandioso a maior parte dos 70% de posse.

  • Carles Martí

    Madre mía, cuantas tonterias.

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo