OS MEDOS DE MOURINHO



Tive uma interessante conversa com Diego Torres, repórter que cobre o Real Madrid para o jornal El Pais, sobre José Mourinho.

O excepcional (se você não o acompanha, deveria) trabalho de Diego tem se notabilizado por revelar ao público o que realmente acontece dentro do vestiário do clube, e não o que o Real Madrid quer que as pessoas saibam.

É jornalismo da melhor qualidade.

Ao contrário do que se poderia supor, tendo em vista o ótimo momento do time (14 vitórias seguidas, 3 pontos de vantagem – com um jogo a menos – sobre o Barcelona na Liga Espanhola), Diego crê que o Madrid não será uma equipe ofensiva no clássico de sábado.

Por duas razões principais:

1 – Mourinho tem medo de ser goleado em casa.

2 – A vantagem na tabela lhe dá mais motivos para ser conservador.

Sobre o segundo motivo, um adendo: imagine que o jogo termine empatado. Se o Real Madrid vencer a partida que lhe falta, terá 6 pontos de folga sobre o rival. O que significa que poderá ir ao Camp Nou no segundo turno, perder, e mesmo assim estará em posição de ganhar o campeonato.

Sobre o primeiro, uma revelação: Mourinho tem dito a seus jogadores que jogar de forma a esperar o Barcelona, recusando-se a disputar a posse de bola, não é uma estratégia covarde. Ao contrário, é uma postura inteligente e honrosa.

Os jogadores espanhóis do clube, especialmente aqueles formados no Real Madrid, consideram essa ideia uma aberração. São jogadores que se acostumaram a se sentir superiores ao Barcelona. Que por toda a vida viram o Real Madrid mandar no futebol espanhol.

De repente, se percebem fazendo parte de um sistema conservador, que não condiz com a história do clube, que insiste em enfrentar o maior rival com receio.

Assim foi em todos os clássicos desde que Mourinho chegou. Exceção feita, talvez, ao primeiro jogo da Super Copa da Espanha, no início da temporada.

De acordo com Diego, o técnico português disse à sua equipe que um empate no sábado seria um ótimo resultado.

O que leva a crer que o Madrid começará o jogo usando o famoso “trivote” (três marcadores no meio de campo), e com Kaká no banco.

O time treina nesta sexta, com portas fechadas. Uma entrevista coletiva está marcada para depois do treino.

Mourinho deve falar.

ATUALIZAÇÃO, sexta-feira 09/12, 10h30 em Madri – Ops, negativo.

O Real Madrid informa que quem falará na coletiva de hoje é Aitor Karanka, auxiliar de Mou.

Sim, é isso. Vépera de clássico, treino fechado e sem entrevista do técnico. Que tal?

E a parte amiga da imprensa da cidade – ou seja, quase todo mundo – vai dizer que “‘é estratégia”…



  • Leandro Azevedo

    O Real, como bem mencionou o de Boer na entrevista pro El Pais, joga melhor e tem jogadores que se adequam melhor a um jogo de roubar a bola e sair em velocidade. Se tentarem controlar o jogo na posse de bola, se tornam vulneraveis e perdem a velocidade que e a principal arma desse time.

    Vai ser interessante ver a postura do time no comeco do jogo, e como vai reagir a torcida caso o Barca domine o controle da bola no comeco. Sera que uma torcida frustrada com um “falso dominio” (falso pq e parte da estrategia do Mourinho) seria capaz de alterar a maneira do time jogar?

  • Alexandre

    André,
    Você entende que se o Madrid for bem sucedido amanhã, pode ajudar a “ensinar” o Santos a bater o Barça, ou os times do Real e do Peixe são tão diferentes que pouco pode ser aproveitado pelo Muricy?

    AK: É complicado fazer esse tipo de “transferência”. Mas acho que o jogo pode mostrar um caminho. Um abraço.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo