COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

NÓS

O vestiário do mandante no Pacaembu tem um amplo espaço para aquecimento, numa área retangular que fica entre o local de entrevistas e os chuveiros. Um tapete verde imita o gramado, há um gol pintado na parede e até as marcações da pequena área e do pênalti. Quando o Corinthians está em casa, é ali que os jogadores começam a se mexer antes do jogo. Depois, o espaço é de Tite.

Ao contrário dos atletas, o técnico corintiano utiliza o “campo” do vestiário para se desaquecer. A ideia não é entrar no jogo, e sim deixá-lo. Por vinte minutos, às vezes mais, Tite anda em círculos, olhando para o chão, em silêncio. A cena faz lembrar os prisioneiros catatônicos de “O Expresso da Meia-Noite”, excepcional filme de Alan Parker.

Somente depois de reviver o que se passou do outro lado do túnel, Tite se sente em condições de atravessar uma porta lateral e enfrentar as perguntas dos repórteres. A descompressão é uma medida de segurança contra a eventual incapacidade de manter a calma. Nas últimas semanas, o treinador tem precisado de mais e mais tempo sozinho, respirando, antes de ser entrevistado. E de mais e mais paciência para tratar de questões que considera inoportunas e insistentes, sejam sobre as fraquezas do líder do Campeonato Brasileiro, sejam sobre a relação umbilical entre o título e seu emprego no ano que vem. Tite já cogitou não falar depois dos jogos, acabou sempre convencido a fazê-lo.

Os jogadores perceberam. No último domingo, após a vitória sobre o Atlético Paranaense, a coletiva de Tite foi dominada pela visível queda de desempenho do Corinthians no segundo tempo. Como sempre fez, o técnico externou seu ponto de vista recusando-se a transferir responsabilidades. Explicou o que lhe convinha, reconheceu problemas pontuais, mas em momento algum soou como um diretor de cinema que comenta os defeitos do próprio filme como se nada tivesse a ver com eles. Os jogadores também perceberam.

De fato, o que chamou a atenção do grupo foi a postura do técnico logo após a derrota para o América-MG, no dia 6/11. A presença da torcida do Corinthians no Parque do Sabiá, em Uberlândia, fez do time o mandante de um jogo fora de casa. O que transformou a derrota para o então lanterna numa frustração ainda mais dolorosa. No vestiário, Tite disse aos jogadores que iria “lá fora, dar a cara”. A entrevista protegeu a equipe dos estilhaços de uma atuação constrangedora.

A retribuição veio na noite da última quarta-feira, em Fortaleza. Os jogadores celebravam o triunfo crucial sobre o Ceará, quando Paulo André e Alessandro procuraram o assessor de imprensa Guilherme Prado, com uma proposta. Queriam falar aos jornalistas no lugar de Tite. O gesto foi discutido com o treinador, que não se opôs. Evidentemente, sentiu-se abraçado.

O vestiário de um time de futebol profissional tem mandamentos quase sagrados, que não se encontram escritos em lugar nenhum. Adeptos do “eu ganho, nós empatamos, vocês perdem” são identificados e eliminados. A primeira pessoa do plural deve reinar, seja qual for o idioma. Por saborosa ironia, o vestiário do Corinthians fala “titês”.



  • André, Tite é um cara responsável e humilde. Por isso, consegue manter a serenidade na maioria das vezes.

    Lembro de uma cena, quando ele era técnico do Palmeiras, Tite ficava na porta do túnel cumprimentando um a um cada jogador que ia subindo pro gramado. Para muitos, aquilo não significava nada, mas para outros aquilo servia de conforto e incentivo.

    Tite é um cara que consegue mostrar grandeza com gestos triviais.

    Abraço.

  • BASILIO77

    Não, ele não é tão ruim como as vezes dizem.
    Mas jogar com Alessandro é quase inexplicável.
    Como pessoa, me parece diferenciado no meio em que trabalha.
    Abraço.

  • Anna

    Adorei a coluna! Corinthians muito perto do título após o gol épico de Adriano, o Imperador. Cirúrgico. 😉

  • No Brasil, de uma maneira geral tanto time quanto técnico é assim: se ganhar é o melhor, se perder não vale absolutamente nada.
    Mesmo vcs da imprensa ao invés de elogiar o trabalho do adversário (vide Tite ontem sobre o gol do Galo), ficam procurando culpados e isso serve principalmente para a seleção brasileira. Ser técnico da seleção deve ser algo que após o cidadão estar estabelecido no cargo ele deve pensar que não vale a pena. Um abraço.

    AK: “Vcs da imprensa”… sei.

  • Bela coluna. Não gosto do Tite, mas não tem como negar que ele tem o time nas mãos. Nem o Mano, tinha a equipe completamente sob controle. A maior mostra de lealdade entre técnico e time, foi o pedido de desculpas ao Morais na coletiva de domingo, após o jogo contra o Atlético MG.

    Parabéns pelo blog.

  • Marcel Souza

    André, só não entendi porque os jogadores quiseram dar entrevista na vitória e o Tite “se sentiu abraçado”. Não seria melhor receber o apoio na derrota? 1 abraço,

  • alan luiz

    por isso vamos ser campeões !!!!!!!!! vai timãoooooo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Alexandre

    O Tite é o principal responsável pelo Corinthians estar onde está.

  • Renato

    Andre, acho sua coluna oportuna e em alguns momentos eu concordo com vc (ter o time nas maos/fechado), mas discordo das qualidades “tecnicas” do tecnico. Sendo mais um louco no bando de loucos, odeio esse tecnico e o esquema medroso que ele pratica.
    Minha opiniao eh simples. Nao vai mudar a cotacao do dolar, definir quem vai ser o campeao ou nao, mas o fato de o Corinthians ser lider e com grandes chances de ser campeao eh importante discordar pq eh facil de meter pau quando o time ta em crise.
    O Corinthians nao tem padrao de jogo, ou se tem, eh um padrao covarde. A imprensa esportiva analisa, infelizmente, em cima de resultados. Parece que alguns jornalistas vem outro jogo. A vitoria contra Avai, Atletico-MG e Ceara tiveram os mesmos ingredientes da derrota pro America-MG. Time covarde, que nao ataca, jogando pelo empate com estadio cheio. A diferenca que a bola entrou. O numero de ataques enquanto o Corinthians nao estava perdendo o(s) jogo(s) foi o mesmo da derrota.
    Pq ninguem comenta que o time foi covarde no primeiro tempo? Que o tecnico ao inves de fazer alguma alteracao no segundo tempo, voltou com os mesmos jogadores e com a mesma covardia ja que o empate lhe daria a primeira colocacao no desempate tecnico. Que ele so muda aos 15, 30 e 45 do segundo tempo salvo algum jogador se machuque? A verdade que o Corinthians ACHOU um gol contra o Ceara. As mudancas tao exaltadas pela imprensa “Moraes-Liedson” e a entrada do Peruano nao trouxeram nenhum resultado pratico no jogo. O Corinthians tinha uma superioridade de posse de bola e nada mais. Dai, numa daquelas coisas que so acontece no futebol, repito o time ACHOU um gol.
    O time nao tem jogada ensaida de ataque/bola parada. Deve ser o unico da competicao. Ontem, o Willian resolveu que ele iria bater uma falta direta pro gol! O time nao sabe bater escanteios e nem cruzar bolas na area. Parece que falta forca pra bola chegar ou vai rasteira.
    Tem um goleiro de baixa estatura, inseguro e que falha em momentos decisivos e mesmo assim nao eh “penalizado” com o banco, indo em direcao contraria ao que o tecnico diz sobre quem tem o melhor momento joga. Danilo, canhoto, muitas vezes eh escalado na ponta direita e vira um inutil. Inutil tb eh o fato de nao respeitar as caracteristicas do Danilo, que eh lento, esperando que ele num jogo em casa que a velocidade era a chave pro sucesso comandasse o meio campo. Isso sem esquecer que a revelacao do Brasileiro do ano passado, Bruno Cesar foi colocado no banco pelo atual tecnico pq nao estava rendendo. Pq a imprensa nao falava que o cara era canhoto e tava jogando de ponta direita? Vejo os jogos do Benfica no Sportv, e ainda que Bruno Cesar nao seja o Zico pelo menos quando joga na posicao faz um bom trabalho.
    Pior ainda, eh a inexistencia de ligacao entre defesa e meio campo. So tem chutao e bola rifada. Isso nao se resolve em mais de um ano de treinamentos? Ou pq o time so ataca com chuveirinho e tem so “anoes” como atacantes e nunca consegue vencer na bola area? Ou quando Adriano entra em campo, o time inexplicavelmente para de usar a bola area?
    Quando falo da imprensa, nao falo de vc e nem de outro nome especificamente, mas tem cada bagre trabalhando no jornalismo que infelizmente a coisa nivelou por baixo. Falta personalidade pra criticar e discordar da maioria. Negocio pelo visto, eh puxar o saco dos dirigentes e jogadores e meter o pau quando todo mundo o fizer. Ja dizia o saudoso Nelson Rodrigues: “toda unanimidade eh burra”.
    Sempre vou ao Pacaembu, e deve ser algum tipo de karma, fico sempre na linha que o Alessandro atua. Eh uma vergonha! O cara nao ataca, nao defende, nao apoia e nao chuta. Nao tem mais condicoes fisicas de ser lateral e o que acontece? Ao inves de ser afastado do grupo, eh premiado com a faixa de capitao. Nao entendo pq a alguns setores da imprensa, sempre na busca de fofocas e afins nao escreve sobre isso. 75% dos gols sofridos no segundo turno foram feitos explorando falhas do Alessandro. TODO santo time joga nas costas do Alessandro. O Botafogo, explorou o setor dele no primeiro tempo e quando ele foi transferido pra lateral esquerda no segundo tempo, o Cortes sumiu do jogo pq o Botafogo passou a jogar somente pelo lado esquerdo da defesa do Corinthians. E o cara ainda eh premiado com a faixa de capitao? E o tecnico eh genio? Para!
    Pra fazer gol no Corinthians eh simples. Todo mundo faz isso, nao eh segredo. Joga nas costas do Alessandro e/ou cruza bolas na pequena area pq o Julio Cesar nao sai em nenhuma bola. Claro, se for falta e a bola passar da barreira a chance de gol eh 100%.
    Entao, nesse momento que o Corinthians esta praticamente com as maos na taca, fica aqui a minha revolta com esse cara que eh festejado pela imprensa brasileira. Que tecnico no melhor das suas funcoes celebrais, escala e/ou integra no elenco alguem do nivel do Moradei. Ele nao joga nem no time do meu bairro, ainda mais num time de profissional com grandes chances de ser campeao.
    E alguem deveria falar pro Tite. Num pais de miseraveis e anafalbetos funcionais, o grande charme nao eh tentar falar dificil e errar ou ainda nao ser entendido por quem esta vendo a entrevista. O charme eh so fazer o feijao com arroz. Concordancia verbal, uso do S. So isso ja seria um diferencial pra 99% dos tecnicos e jogadores do Brasil.

  • Teobaldo

    Prezado Zenóbio Saraiva, não só no futebol, mas na vida, as coisas são assim: Somos os melhores, enquanto acertamos… até errarmos. A partir daí…

    Um abraço a todos.

  • Paulo Pinheiro

    É verdade. Que seja exaltado esse lado do Tite. Falta isso ao Luxemburgo, por exemplo, que fritou o Felipe, agora frita o R10, vivia fritando o Negueba, o Thomás, …

MaisRecentes

Invasões bárbaras



Continue Lendo

Flamengo 1 x 1 Independiente



Continue Lendo

Relíquia



Continue Lendo