CAIXA-POSTAL



Aos assuntos da semana:

Fernando escreve: Estamos vendo o Figueirense a apenas 2 pontos da Libertadores, apesar de possuir cerca de 10% da receita do último que está se classificando (Flamengo). Diante disso, você acredita que os ditos “Grandes times do Brasil” não são muito mal administrados? Nos outros grandes campeonatos ao redor do mundo, acompanhamos sempre 2 ou 3 times com chance de ser campeão, geralmente os que possuem maiores receitas, sendo raro os casos em que os chamados “times pequenos” conseguem alguma coisa. E uma outra pergunta: o nosso campeonato não seria mais emocionante ainda se a distribuição ocorresse de forma mais uniforme? Eu acho que seria ótimo, mas o único problema é que numa situação dessas muitos dos “times de massa” iriam disputar a 2ª divisão, tamanha a incompetência de sua administração.

Resposta: A campanha do Figueirense e o trabalho do técnico Jorginho, como já escrevi, merecem muitos elogios. Quem disser que imaginava que o time catarinense estaria na disputa por uma vaga na Libertadores 2012 estará mentindo. Não há dúvida de que os clubes de futebol no Brasil, com raras exceções, são mal administrados. A situação é resultado do nível dos dirigentes que temos e, principalmente, dos incentivos que esses dirigente têm. Explico: independentemente da realidade financeira, que varia de clube para clube, os estímulos que cartolas brasileiros têm são, todos, para que trabalhem contra a instituição, nunca a favor. Quando digo contra, me refiro à saúde dos clubes. É preciso gastar sempre mais, o que significa endividar (ainda mais) o clube, e nenhum dirigente se sente constrangido ao fazê-lo porque sabe que não terá de responder por isso. Isto dito, é preciso lembrar que o Figueirense não vai disputar o título. Não acredito nem que se classifique para a Libertadores. De forma que não temos aqui (e eu não acharia ruim que tivéssemos) um time considerado pequeno com chance de ser campeão brasileiro. Para finalizar: divisão igual de receitas não respeita as diferenças de representatividade e exposição, e não garante, por si só, o equilíbrio da competição. Mas é claro que os patamares não podem ser tão distantes, como vimos na última negociação do bolo da TV. Futebol é orçamento, mas os clubes deveriam estar unidos na hora de negociar.

______

João Guilherme escreve: Não pega mal para um árbitro pedir camisa de jogador? Há punição por parte da FIFA nesses casos? Se ele pedisse em “off” seria mais ético?

Resposta: Muito. Não. Não.

______

João Luiz (entre muitos, sobre o tema): André, vou na contra-mã0. Acho que o Neymar errou ao ficar no Brasil e mostrou pouca ambição na carreira. Gostaria de saber o que você pensa.

Resposta: Eu concordaria com você se ele tivesse declarado que nunca jogaria na Europa. O que me parece é que ele decidiu que não vai, até 2014. Escrevi isso aqui no blog: Neymar terá 22 anos quando jogar a Copa do Mundo, ainda será muito jovem e terá todas as possibilidades que se apresentam agora. O desejo profissional de estar entre os melhores poderá ser realizado.

______

Renato (entre vários, também) escreve: André, o Ricardo Teixeira conseguiu unir pessoas em torno de alguém como Romário. Veja o ponto que chegou o futebol brasileiro…

Resposta: Creio que muita gente está confundindo a personalidade e o histórico de Romário quando jogador, com sua atuação como parlamentar. O que vejo é algo raro no Brasil: um político fazendo seu papel. Se no futuro percebermos que havia outras intenções, que as criticas sejam feitas. O país é beneficiado a cada vez que alguém, na posição e com as possibilidades de um deputado federal, faz os questionamentos que Romário tem feito.

______

Como sempre, obrigado pelas mensagens e perdão pela falha na semana passada. A conversa continua no próximo sábado.

(emails para a CP do blog: akfouri@lancenet.com.br, ou clique no link abaixo da foto)



  • Clayton

    Controle de orçamento é levado à risca no São Paulo, que diga-se de passagem, é o único clube brasileiro que publica o seu balanço desde 1952.

  • Marco

    Grande André! que tal fazer um post sobre a pífia atuação do Messi contra a Bolívia como símbolo de sua performance pela seleção argentina até agora… abs, Marco

  • Romário e Figueirense: as grandes surpresas de 2011 (pelo menos, nesta caixa-postal).

    Assim como você disse que “Quem disser que imaginava que o time catarinense estaria na disputa por uma vaga na Libertadores 2012 estará mentindo”, penso o mesmo do caso Romário.

    Muitos o enquadravam na categoria de ex-jogador que estava falido e que iria utilizar a força da sua imagem para se tornar parlamentar e mamar nas tetas do governo, como tantos outros.

    Até o momento, somente elogios, admiração e respeito, o que não exime um olhar crítico sobre as suas iniciativas em Brasília.

    Admirável.

  • Rodrigo

    Os “diferenciais” que os caras usam para enaltecer o São Paulo estão a cada dia que passa mais patéticos…

  • Rodrigo

    Sobre o Romário, nunca gostei muito dele como pessoa. Como jogador era gênio, mas como pessoa era bem complicado. Tenho a impressão que o nascimento da filhota, uma linda garotinha especial, mudou alguns conceitos em sua vida. Espero que chegue ao fim do mandato em alta, com honestidade e dignidade. Quanto às declarações contra Pelé e afins, há que se criticar, mas não crucificar. O cara é humano e erra, como todos nós. Afinal, nem que ele queira, vai acertar tudo.

  • Clayton

    Impressão minha ou alguém passou o recibo de clubista-recalcado. Quanta perda de tempo…

  • Roberto Carlos

    André
    A grande maioria dos clubes sejam grandes ou pequenos estão endividados, porem não ouço falar que tem clube fechando por falta de presidente, pelo contrário, sempre existe briga acirradada nas eleições, e quem disputa o cargo não são aqueles simples torcedores abenegados e sim profissionais bem sucedidos, o normal não seria estas pessoas fugir deste “abacaxi” que pelo que eu sei não é remunerado?
    Abraços

  • Thiago Mariz

    Realmente, devo concordar com o Rodrigo. Essa do São Paulo publicar o balanço desde 1900 e votz foi risível mesmo.

  • Vitor

    Como o São Paulo incomoda, ha ha ha.

  • Edu Soares

    André,

    Baseado nos fatos recentes, tenho duas perguntas que estão martelando minha cabeça:
    1-Provavelmente o futebol é o esporte mais desafiador no que diz respeito ao quesito “lógica”. Supondo-se que o Vasco seja campeão brasileiro em 2011, teríamos três clubes cariocas vencendo os últimos três campeonatos. Times com CT´s de primeira classe e estrutura impecável (dentro dos padrões brasileiros) ficaram de fora. Historicamente, paulistas, mineiros e sulistas (entenda-se RS, PR e até SC) sempre tiveram melhor estrutura que os cariocas. Historicamente, jogadores renomados sempre preteriram os times do Rio sob alegação de que estes estavam aquém (financeiramente falando) dos demais clubes do mega eixo SP-MG-Sul.
    Que raios está acontecendo com o futebol? Os (mais) ricos estão perdendo para os (menos) pobres? Estrutura perde para motivação (pura e simples)?

    2-Neymar ficará no Santos por mais algumas temporadas. Não fará carreira, como foi o caso do Maldini (Milan). Mas aquela máxima de “nós, europeus/japoneses,catarianos, por qualquer merreca levamos os sul-americanos” parece estar perdendo força. Antes da bancarrota européia, nomes como Fred e Adriano (este num irritante vai e vem continental) já estavam atuando no Brasil. Aliado a isso temos a crescente valorização do Real. Com o possivel legado social deixado pela Copa (Deus me ouça), será que começamos a vivenciar uma fase inimaginável de permanencia de jogadores renomados e futuro êxodo invertido? Se continuar assim, daqui a dez anos teremos craques nacionais e “exportados” (sem idade de fim de carreira) atuando em terras tupiniquins?
    Sonhar ainda é permitido…resta ver se estamos acordando de um sonho vidente.

MaisRecentes

Escolhas



Continue Lendo

Gracias



Continue Lendo

Abraçados



Continue Lendo