O ANTÍDOTO?



Conversar sobre futebol é um prazer que, felizmente, só aumentará com o tempo.

Fazê-lo por aqui tem sido uma grande satisfação.

Temos conseguido nos manter imunes ao que chamo de “imbecilidade clubística”, esse efeito colateral da internet que dá razão à vida de quem se relaciona miseravelmente com o futebol.

A esses, dedicamos a pasta simbolizada pela lixeira, e a fantástica tecla “block” no twitter.

Mas voltemos ao assunto do post. Meu camarada Arnaldo Ribeiro é um parceiro desses papos infindáveis sobre times, jogos, sistemas, gols…

Em seu blog no site dos canais ESPN, Arnaldo escreveu um interessantíssimo texto sobre o drama dos técnicos que têm de enfrentar o Barcelona.

Como parar o extraordinário time catalão? Ele tem uma ideia: com uma equipe sem zagueiros.

Curiosamente, o próprio Barcelona pode ter oferecido o antídoto para sua superioridade no jogo de ontem, contra o Villarreal.

Sem Piqué, Puyol, Adriano e Daniel Alves, Guardiola estreou no Campeonato Espanhol com um time basicamente formado por jogadores de meio de campo e atacantes.

Só havia um defensor de origem: Abidal.

A única coisa certa a respeito do sistema que engoliu o quarto colocado da última Liga (com 74,9% de posse e permitindo apenas 1 chute no alvo) é que o time tinha três “zagueiros”: Mascherano, Busquets e Abidal.

O que começou como um 3-4-3 pode ter evoluído durante o jogo para um 3-3-4, com Messi e Fàbregas se revezando na função de falso centroavante.

Especialistas em tática, por favor se apresentem…

A tese do Arnaldo faz sentido. Um dos grandes problemas que o Barcelona apresenta a seus adversários é mesmo a atuação de Messi.

Flutuando entre as linhas de marcação, ele abre espaços para seus companheiros porque os zagueiros ficam em dúvida sobre o que fazer.

Jogadores de marcação mais móveis, como os volantes, estariam em teoria mais aptos a evitar essa situação.

Outro benefício apareceria na hora da retomada da bola. Nos pés de meio-campistas, a saída seria mais eficiente.

Tudo no papel, claro. E também é claro que esse tipo de sistema teria de ser exaustivamente treinado.

Mas há uma questão inicial: jogadores rápidos como Pedro e Villa ficariam à vontade para cortar em diagonal da lateral para o meio. Teriam der ser impecavelmente acompanhados pelos laterais.

Além disso, não sei se mais mobilidade solucionaria a forma como o Barcelona empurra seus oponentes para o fundo do campo, com sua chamada “segunda bola”.

Não confundir com rebote. A segunda bola do Barcelona é o segundo momento de sua movimentação ofensiva. O primeiro é, sim, um tipo de ligação direta entre defesa e ataque.

Quando Piqué está em campo, ele é um dos principais responsáveis por fazer a bola chegar aos atacantes Villa e Pedro (pelos lados) ou Messi (pelo meio). Eles, por sua vez, dão sequência ao lance chamando os articuladores.

Os meias entram em ação no momento seguinte, por dois motivos: quando a bola volta dos atacantes, Xavi e Iniesta estão de frente para o gol adversário (se recebessem dos zagueiros, estariam de costas), ou seja, com visão e condições para o passe mortal.

A segunda razão é que, se algo der errado e o adversário recuperar a bola, os meias também estarão de frente para o lance, mais aptos a atuarem como marcadores.

Falando sobre alternativas que já existem, parece-me que a receita que o Real Madrid aplicou nos dois jogos da Supercopa da Espanha é a mais indicada.

Pressão em cima, controle da bola sempre em jogadas curtas e indução ao erro. A questão é que nenhum time consegue atuar dessa maneira por um longo período.

O Barcelona é um time que não pode se sentir à vontade. Quando isso acontece, fica muito difícil. Quem viu a Super Copa da Uefa percebeu.

Em Mônaco, o Porto teve uns bons 20 minutos de periculosidade, graças a sua ousadia e ao gramado ruim do estádio Louis II.

Aos poucos, duas coisas aconteceram. O ímpeto portista diminuiu e o Barcelona passou a controlar a bola. Bastou um erro na defesa, justo com Messi, para o 1 x 0.

No segundo tempo, o Porto cansou, o número de faltas subiu (jogadores cansados têm muito mais dificuldade para controlar os próprios movimentos) e o Barcelona ficou com um jogador a mais.

Game over.

O problema é tamanho que até o técnico mais bem pago do mundo, no comando do elenco mais caro da História, parece ter se convencido de que não dá para resolvê-lo apenas dentro do campo.

Desde a temporada passada, José Mourinho tem procurado elevar a tensão dos confrontos, com o objetivo de tirar o Barcelona dessa zona habitual de conforto.

Até agora, não conseguiu.

A conversa é ótima, dessas que parecem não ter fim.

Passe no blog do Arnaldo. E volte sempre.



  • Danilo Xis

    Então André, eu acho que a solução é um sistema defensivo com 5 volantes e 2 laterais. Porém um desses volantes atuaria somente pra marcar o Messi, mas tem de ser um cara leve como o Piris seguindo o Neymar no último domingo e com os volantes originais seguindo de muito perto o meias do Barça. Essa seria a minha tentativa de parar o Barça.

  • Joao CWB

    O Barcelona é um timaço porque tem um grande técnico ou o Pepe Guardiola é um grande técnico porque tem um timaço? Claro que a questão não é tão simples assim, mas acho que o sucesso se deve na maior parte pela equipe e seus jogadores e o Pepe é um bom técnico que apareceu no lugar certo, na hora certa.

    Abraço

  • BASILIO77

    Defensivamente, só sei que NÃO adianta jogar em linha contra os caras.
    Seria necessário, uma defesa postada mais atrás, entre a marca do penalti e a linha da área grande. Tres “zagueiros” com boa recuperação, rápidos, que consigam fazer o giro, cobrir e interceptar o passe que quase sempre é enfiado na grande área. É incrível a quantidade de gols que vejo do Barça, em que o passe sai dentro da grande área, o goleiro sai quase sempre em desvantagem, aí, ou leva o drible, ou leva a cavadinha…e adeus.
    A ultima defesa que ví jogar dessa maneira, que poderia dificultar as coisas para o Barça, teoricamente, foi a do SPFC de 2006, se não me engano…aquela que levou pouquíssimos gols no brasileirão em que foram campeões.
    Enfim, não jogar em linha e marcador rápido e veloz junto ao Messi.
    Acho que seria o principio para TENTAR não perder feio…e é claro, além de evitar que o jogo dos caras flua, tem que ter qualidade para quando tiver a bola, saber o que fazer…e aí mora outro problema, como dificilmente o Barça é atacado, acho que pouco se sabe sobre os possiveis pontos fracos da defesa deles…
    Como dizia um treineiro aqui do futebol de praia de santos: “é pobrema”.
    Abraço.

  • André Luis

    AK, esse papo de parar o Barça é surreal.

    Só da para fazer isso como o Mou fez com a Inter. Colocar 10 na defesa, chutar pra onde o nariz apontar e torcer para o jogo acabar logo.
    Pensar em parar esse time deveria ser considerado crime hediondo contra o futebol.

    SRN!

  • eduardo pieroni

    Boa André,nestes tempos para ganhar do barça eles tem que estar em um dia muito + muito ruim,e o oponente estar em uma jornada inspirada e matar o jogo, só equilibrar o jogo não dá pois messi desequilibra a qualquer instante.

    é raro muito raro, nunca vi um time assim e olha que sou fã da seleça de 82, ela é meu paramêtro.

  • Sidney

    Bom, por mais louco que possa parecer, eu acho que talvez daria certo especificamente contra o Barcelona. O problema é que como você mesmo disse André, esse tipo de sistema teria de ser exaustivamente treinado, e como treinar exaustivamente apenas para jogar contra um adversário? Penso que a solução está em tentar aprimorar de alguma forma o que o Mourinho fez na final da Supercopa da Espanha.
    Agora o que me deixa impressionado é um time que joga tão bem ao ponto de jornalistas e torcedores do mundo inteiro ficarem tentando imaginar um jeito de pará-lo. E fico imensamente feliz de porder assistir esse time jogando, mesmo que pela tv… Deixa a impressão de estarmos presenciando a história.

    Abraço!

  • Juliano

    O antidoto seria veneno na agua do Messi.E na do Iniesta tambem.Talvez entrar com um jogador a mais (armado com uma bazuca) para parar o Messi.kkk Falando serio ,o principal do Barcelona é a confiança e uma certa prepotência em sua forma de jogar.

  • Leonardo atleticano

    André, você mesmo respondeu como parar Messi, e por consequência o Barça.
    Somente com as teorias mesmo, de preferência de quem nunca entrou em um campo de futebol. Quem sabe nos campeonatos de video game, quem sabe nos sonhos, quem sabe nos pesadelos.
    Na pratica, creio que a única forma é a feliz coincidência de um ótimo time e muito inspirado, trombar com o Barça em um dia ruim.
    Messi é monstruso, o Barça é letal e seus adversários já entram com a confiança em baixa. É uma conjunção de fatores impressionantes a favor da máquina.
    Quanto a jogar sem zagueiros, isso é pelo fato de avaliarmos que zagueiros são menos jogadores que meias, não é o caso, muitos são tão habilidosos quanto, só são em menor número.

  • Juliano

    Quanto a imbecilidade clubística,acabo de ter um comentário meu no site da Espn publicado tendo logo abaixo um comentário racista da mais alta ignorância.Se faz necessário um controle também do que é publicado.Fiquei com nojo de ter minha opinião na mesma pagina.

    AK: Concordo plenamente sobre a moderação de comentários. É o que se faz aqui. Um abraço.

  • Carlos Lyra

    O Barcelona é um time que só sabe jogar COM a bola, por isso ele valoriza tanto ela. 

    O time que jogar contra ele tem que usar a posse de bola como se fosse uma arma nuclear. Nunca lançar, forçar passes ou coisas que possam fazer você “perder” a bola de bobeira.

    Fabregas, Iniesta e Xavi; Villa, Messi e Pedro Rodriguez, não são conhecidos por serem bons marcadores.

    Fazer o Barça correr atrás do adversário também é uma hipótese a ser levantada.

    AK: Ôps… O Barcelona é um dos melhores times do mundo em bolas recuperadas. O time inteiro marca. Fora isso, já são quase 190 jogos seguidos com mais posse de bola do que o adversário. “Fazer o Barcelona correr atrás da bola” é muito mais difícil do que ganhar o jogo. Um abraço.

  • matheus

    Meu caro AK,

    Sinceramente, acho difícil funcionar. Esse sistema é quase uma referência à seleção de 82, cujos jogadores de defesa hoje seriam meias titulares em qualquer seleção do mundo. Acho que uma forma eficiente seria talvez pensar o contrário do que tanto se tem tentado sem sucesso. Parar de encher o time com marcadores. Eles até as vezes conseguem tomar a bola, mas logo a devolve por não saberem o que fazer com ela nos pés. Acho que o ideal seria rechear o meio campo com jogadores leves, habilidosos: Um meio por exemplo com ganso, Renato(Botafogo), Arouca, Alonso e 01(um) volante mais marcador, para grudar no messi. Dois zagueiros e laterais ofensivos, principalmente pelo lado esquerdo para segurar Dani alves. O esquema teria um atacante de ofício que seria o Neymar, por ter condição de desequilibrar como o messi o faz além de saber fazer gols. A questão seria fazer com que os meias marquem os volantes do Barça sob pressão, pois são o início da magia desse meio campo catalão.
    Esse meio tem talento suficiente para não entregar a bola de bandeja quando retomá-la e sair pro jogo. Teria no ganso e no renato a cadência necessária para evitar afobamento na hora de sair pro jogo. Além disso tudo, muito treinamento e principalmente, tem que pelo menos achar que dá pra vencer, pois com medo o time entra perdendo de 2 a 0 contra eles.

    Outra coisa, alguém já tentou jogar com dois pontas abertos segurando os laterais e um centroavante? seguraria na defesa pelo menos 4 catalães. acho que um time tem sim chance de sucesso se coloca um cara numa ponta como o Neymar, em outra ponta o Lucas, e um jogador centralizado mas também de velocidade. Não colocaria um centroavante de ofício. Usaria o remédio deles como antídoto. Usaria um jogador como o Aguero. O x da questão é que os três teriam condição de voltar até o meio e povoar esse setor junto com Ganso, Arouca e Renato, protegendo uma defesa de 2 zagueiros e dois laterais(o direito mais marcador, mas o esquerdo, insisto, deve ser ofensivo). Assim posto formaria um um 4-2-1-3 que se defendendo ficaria com 4-6 um ponta na esquerda, junto com um ala forçariam o Barça a destacar 3 jogadores para ficarem ali. Agora é só mandar o real ir às compras e levar essa galera. ficaria: Goleiro(podem dizer suas preferências, não muda o esquema). Maicon,Dedé,lúcio e Marcelo;Arouca,Renato e Ganso; Neymar, Aguero e Lucas. Repararam que só tem um extrangeiro. Pois é, temos talento para vencê-los, o difícil é colocar no mesmo time.

  • Juliana

    EU gosto de ler sobre futebol, acho que não tenho conhecimento o bastante para tentar propor uma teoria para “PARAR” o Barcelona.

    Mas eu acho que é quase impossível!!!!!!!!!!

    O Barça tem conjunto, tem um bom técnico e todo mundo do time sabe jogar bola

    Talvez um clone do Barcelona resolveria o problema……..

    Como eu disse, não tenho conhecimentos para teorizar sobre futebol mas lendo o blog estou adquirindo…..

    Boa Semana a todos : – )

  • Caio

    Será?
    Será??????????????????
    SERÁ???????????????????????????

    Acho difícil. Tudo bem, vários volantes, mas penso que dois ou três deles acabariam trabalhando como zagueiros mesmo, ficariam mais postados. E, falando em Messi, a tal dúvida permaneceria nos volantes improvisados…

    Essa “supermovimentação defensiva” é quase inimaginável.

    Mas, enfim, é uma idéia nova. Seria ótimo vê-la em prática.

  • Danilo Xis

    Conversando com um amigo chegamos a uma solução meio radical. Entraria com um 3-6-1 com 2 zagueiros pegando os pontas e um libero rápido com saída de bola ( um volante cairia bem). No meio seriam 2 alas mais defensivos, mas que com a bola sairiam como os pontas do time espetando nos laterais e alargando o campo. E no meio seriam 4 volantes com três deles pegando individualmente o Messi, Iniesta e Xavi, fazendo assim com que sempre haja uma sobra entre os zagueiros pra cortar o passe no meio da defesa. E um atacante habilidoso para que possa prender a bola e dar um respiro a defesa. Quando o time pegar a bola a ideia é passa-la ao atacante para que ele possa dar um respiro aos defensores com a habilidade dele e ao menos um dos volantes sair pro jogo e tentar chutes de fora da área, forçando o Valdés a dar rebotes pros alas e pros atacantes. Claro que pode dar errado, mas acho uma ideia válida. Abs

    AK: Seria um desastre. A razão pela qual a grande maioria dos técnicos não gosta de marcação individual (e quem usa, usa uma só) é porque é algo muito perigoso. Uma falha, e a casa cai. Nesse caso, seriam três, marcando três dos melhores jogadores do mundo. É tudo que eles querem. Um abraço.

  • Marcos Vinícius

    Podem me chamar de sem noção,mas tenho uma proposta radical para encarar o melhor time da atualidade:Um time sem laterais e com mais jogadores de meio de campo.

    Entenda:O forte do Barcelona não é propriamente jogar pelas laterais.Na verdade,creio eu,Daniel Alves e Adriano são jogadores que compõem bem aquela faixa de campo,se apresentam para tabelas e como desafogo quando os meias estão sobrecarregados.Mas,pelo que vi,poucas vezes vão à linha de fundo.Quanto a marcação,o time todo se recompõe,e muito bem,quando está sem a bola.Esse é o grande diferencial do time,defensivamente falando.

    Então,o que fazer?Abrir mão dos laterais e colocar mais dois meias,dois volantes de qualidade,por exemplo,que fechem o meio (e,claro,as laterais do campo) quando o time está sem a bola e sejam “falsos meias ofensivos” quando o time a possui.Congestionaria o meio de campo,permitiria uma marcação mais agressiva e ocuparia mais espaços.Marcar individualmente os jogadores do Barcelona é loucura,o time tem Messi,Iniesta,Xavi,Pedro,Cesc Fabregas,e marcar um daria espaço para outro.Com um meio de campo congestionado teriam menos espaços.

    Se era para dar uma idéia,ei-la.

    Te cuida,Guardiola!!

  • Thiago Mariz

    Eu concordo com o Sidney: independente da fórmula que deve ser exaustivamente treinada, surge o problema básico: quem vai treinar exaustivamente só para o jogo contra um time? Talvez o Real Madrid, porque Barça e Real estão tão a frentes dos outros times do Campeonato Espanhol que nem esforço vão fazer pra chegar nas duas primeiras colocações.

    Dizer que o Barça é ruim em recuperar bola, como disse o amigo aí em cima, só faz sentido se o cara nunca tiver visto um jogo desse time. É impressionante como eles conseguem ter sempre 2 na marcação do homem com a bola.

    Honestamente, eu até tentei pensar em alguma ideia pra jogar contra o Barcelona. O problema é que volta ao mesmo dilema: Messi. Acho que cheguei à conclusão de que, com Messi, não há antídoto. Sem o Messi, a equipe seria extremamente competitiva e difícil de ser batida. Com ele, é o que vemos.

    Por fim, André, não lembro se foi em janeiro último que uma das dicas para o ano que você deu foi: assistir ao Barcelona, pois não sabemos até quando vai durar. Poderia renovar a dica, porque cada vez mais eu fico pensando que estamos num momento único da história do futebol e, futuramente, estaremos contando do Barcelona do final da década de 2000 início da 2010 como os mais vividos falam hoje do Santos de Pelé e do Brasil de 82.

  • Thiago Mariz

    Nossa. Correção do meu comentário:

    tão a frente.

  • Rafael

    O problema é que estamos apenas pensando em como não tomar gols de um time que pouco erra.
    O ideal seria um time feito defensivamente com a maioria de “segundos volantes” e com leves laterais, porém isso pode ocasionar um erro fatal, tentar jogar no contra ataque contra o barça seria uma suicídio.
    O ideal é, com a bola, blits ofensiva com toques curtos e rápidas triangulações.
    Sem a bola, marcação homem a homem com todos os jogadores (por mais irreal que isso seja) todos os jogadores de seu time devem marcar um jogador específico do barça, independente se ele trocar de posição. Para marcar Messi e Iniesta, o ideal são volantes com a característica do Arouca, por exemplo, bom no desarme e no passe.
    Só que tudo isso, leva um bom tempo de treinamento para apenas um jogo.
    Será que vale desestabilizar toda a defesa em função de um time? Ou essa “defesa de meias” seria útil para bater a todos?

    Abraços e grato pelo debate.

  • daniel

    Ola Andre,

    O Barcelona realmente impressiona demais. Eu, particularmente, nao gosto de ver jogos do Barca e torco contra: acho irritante a posse de bola absurda, e principalmente feio, mas sei que e’ um time imbativel. Para mim, parece um time a la Parreira, mas que deu muito mais certo. Claro, tambem tem o melhor jogador do mundo, que joga muito mesmo (e bonito).

    Ha 2 questoes importantes. A primeira e’ como parar o Barca. A segunda e’ se o time — historicamente– realmente e’ tao bom assim. Coloco essa questao para quem tiver lendo. Qual time venceria: esse Barcelona ou o Brasil de 2002? Claro, que comparar um time com uma selecao parece desigual, mas o Barcelona e’ melhor que a Espanha, entao fica esse o desafio. Eu nao tenho a menor duvida em apontar o Brasil, de Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho e Felipao. O talento vence a tatica.

    Em suma, acho — como o resto do mundo — que o Barca esta redondinho e quase perfeito. Mas so’ quase, porque joga feio demais.

    Abracos,

    Daniel

    AK: Sua opinião de que o Barcelona “joga feio” é uma das mais originais que já li. Pessoalmente, creio que poucas coisas são mais bonitas no futebol do que a habilidade de negar a bola ao adversário – seja quem ele for. E vejo muita beleza nas movimentações ofensivas. Acho impossível comparar times de momentos diferentes e que nunca se enfrentaram. Principalmente clube x seleção. Mas não tenho dúvida de que esse Barcelona de 2006 para cá é um dos maiores times da História. Um abraço.

  • Leandro Azevedo

    O texto do Arnaldo foi pensando mais no possível encontro do Santos com o Barça no mundial, e nesse contexto não resta outra alternativa ao Muricy do que inovar o seu conceito tático. Os zagueiros Santistas são muito lentos e pesados para ter alguma chance contra o ataque do Barça, e até acho que o Léo vai acabar sendo um problema para cobrir as investidas de Dani Alves e as tabelas com Messi e outros por aquele lado.

    E como alguns falaram, o time precisaria praticamente mudar o esquema para jogar uma partida, mas como para o Santos essa é A partida, não seria lá uma loucura absurda. No lugar do Muricy, abriria mão de Dracena e colocaria o Durval na sobra com dois jogadores mais rápidos nas outras duas posições na zaga. Tiraria o Léo e usaria um esquema de 3 volantes que sabem jogar com a bola e Elano e Ganso complementando a meia e Neymar e Borges na frente.

  • Thiago Mariz

    Grosseiramente, dá pra resumir o Barcelona em: enorme capacidade de manutenção da posse de bola e avanço rápido da marcação sobre a equipe adversária para a retomada da posse de bola.

    A marcação pesada já foi exaustivamente tentada por inúmeros times que jogaram contra eles. Então, só resta a segunda opção: manutenção da posse de bola. Acredito que um time que queira vencer o Barcelona precisa assemelhar-se a ele no desejo (e na capacidade) pela posse de bola. Assim, a retomada da posse de bola não seria tão fácil assim pelo Barcelona, tirando-os da zona de conforto.

    Entretanto, mesmo que seja feito um clone do Barcelona, voltamos ao fator Messi. Nenhuma equipe teria esse diferencial.

    Sobre o comentário do colega Marcos Vinícius:

    o Barcelona joga sim pelas laterais. Eles não cruzam porque vão das laterais ao centro tocando a bola. Um time sem laterais seria uma loucura, pois como o Barcelona tende a ir das lateris para o centro, quando eles abrissem o jogo, os meias teriam de fazer essa marcação onde não estão acostumados e desestruturaria a ideia básica sugerida por você.

    Postagem e debate interessantíssimos esses.

  • Alexandre

    Tecnicamente tem alguns dos melhores do mundo e um dos melhores de todos os tempos. Taticamente é inigualável.
    Então, como já dizia o provérbio, não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe.
    Só será derrotado pelo adversário implacável: o tempo, o tempo…

    AK: É o que eu penso. Letra por letra. Um abraço.

  • Marcos Vinícius

    Thiago Mariz:

    Cara,é radical minha proposta,eu sei,mas a idéia de colocar mais dois jogadores no meio e não usar laterais é para evitar justamente que o Barcelona chegue tocando,ao invés de cruzar,como fazem 99,99% dos times.Entenda:Com mais dois jogadores compondo o time defensivamente,mas sem necessariamente estarem presos a determinada faixa do campo,dificultaria o Barcelona de executar sua principal característica,que é penetrar nas defesas inimigas com toques rápidos,devido a,principalmente,constante movimentação de seus meias.Com menos espaços,o time teria mais dificuldades de penetração.Veja:a maioria dos times joga com dois volantes,alguns com três.Com cinco ou seis jogadores para marcar os habilidosos meias do Barça,que geralmente chega com três jogadores de frente,os espaços ofensivos do time seriam reduzidíssimos.

    Pode ser loucura?Claro que pode.Mas enquanto ninguém colocar em prática não dá para saber exatamente.

  • Joao Vitor

    André, acho que a solução seria… Três “zagueiros” com um na sobra, este de velocidade, uns 4 volantes que saibam sair para o jogo, uns 4 meias de criação que também possam ajudar na marcação e mais 3 atacantes para segurar a defesa… Ou seja um 4-3-4-3… Isso mesmo, o time tem que ter uns 15 jogadores!!!! rs
    Somente o tempo poderá destruir o timaço do Barça…

  • Atrasado, mas com tempo de pensar no assunto…

    Sim, concordo com o comentário do Alexandre, três aí para cima. Mas os clubes não podem ficar esperando o tempo passar pra derrotar o barcelona. Até por que o time vai se renovando, a filosofia de jogo se fortalecendo e o clube juntando dinheiro para repor peças importantes…

    Assim sendo, acho que se eu fosse um técnico que fosse enfrentar o barça, com um time inferior, daria prioridade, principalmente, à marcação sob pressão no campo adversário. É lá, acredito eu, que estão as maiores chances de erros.

    Contudo, para garantir uma boa performance voltada para essa estratégia, apostaria em jogadores de frente em sua plena forma física, para aguentar o ritmo de marcação e a correria. Talvez até 4 homens de frente fazendo essa função, com dois deles flutuando no meio campo e dois bem enfiados lá na frente pra incomodar (muito!) os zagueiros. Esses jogadores estariam protegidos por dois alas, dois volantes de ótima pegada e dois zagueiros rápidos, apostando que o barça não vai se dar bem em jogadas aéreas. Seria praticamente um 2-2-2-2-2.

    Ou seja, o segredo do meu time seria, principalmente, o preparo físico, para se sobrepor à técnica dos catalães. Depois disso, forçar o erro daqueles que, teoricamente são os bagres do time, a zaga. Quem sabe, forçando o chutão lá de trás, ou melhor, roubando a bola ainda no campo de ataque, os gols não apareçam com maior facilidade?

    Além disso, a disposição física do meu time forçaria, a certa altura do jogo, os jogadores do barça correrem mais do que o de costume, aumentando as chances de erros.

    Enfim, é um principio de ideia. Mas acho que quanto mais se forçar o erro do time grená, por meio da força física, da pressão e da velocidade, maior a chance de vitória.

    Abs!!!

  • marcos

    o tempo, o tempo. ate lah eh se deliciar com essa aula e tentar replicar o maximo essa escola, com pitadas de holanda 74, brasil 82.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo