CAMISA 12



Tive alguns assuntos pessoais a resolver nos últimos 3 dias. O blog retorna hoje ao seu ritmo habitual.

______

(publicada ontem, no Lance!)

NÃO HÁ UM TIME?

Será possível que as coisas mudaram tanto assim? Essa é uma pergunta honesta, com 0% de ironia ou sarcasmo. Assim como serão todas as outras neste texto. E serão muitas.

O assunto é a maneira como a Seleção Brasileira jogou ontem em Stuttgart. Deixando a bola com o adversário, tentando encontrar uma solução sistêmica para finalmente – com a atual comissão técnica – vencer um time bem ranqueado. Com Fernandinho como titular e Ganso no banco, mais preocupada com o que Phillip Lahm pode fazer do que com qualquer outra coisa.

É essa a realidade atual da Seleção? Uma realidade em que (momentaneamente, que seja) é preciso assumir a incapacidade de encarar a Alemanha da forma como o mundo estava acostumado a ver? Se a resposta é sim, então nada do que vimos na derrota por 3 x 2 foi anormal. O Brasil assimilou sua ampla inferioridade, tentou competir com estratégia e perdeu. No futebol, o pior time perde na maioria das vezes.

A Alemanha tem uma ótima seleção, sem nenhuma dúvida. Há quem pense (não me incluo) que tenha sido o time que jogou mais bola na Copa da África do Sul. A equipe que venceu o Brasil é praticamente a mesma. Bem formada, bem treinada. Em casa ou em qualquer lugar, está à frente de um Brasil que se renova e pensa no futuro. Mas quanto? O suficiente para que Fernandinho jogue e Ganso não? Não se trata apenas de usar um jogador em vez do outro. A questão é de conceito.

Se você está fazendo um trabalho de longo prazo, que depende da maturação de jogadores talentosos, por que abdicar de uma situação tão rica em lições quanto enfrentar – de verdade – a Alemanha como visitante? Talvez porque o resultado, ontem, era mais importante do que o trabalho. Se a resposta é essa, de novo, está tudo certo.

E pode-se dizer que quase funcionou. A Seleção equilibrou o jogo após os primeiros minutos. Ao final do primeiro tempo, não parecia um time inferior ao alemão. A chance de ouro para quem joga “no erro” veio logo no recomeço. Pato não fez. Outra pergunta 100% honesta: quantos gols o promissor atacante do Milan perderá pela Seleção?

É claro que é preciso ter paciência e seguir trabalhando. Mas é preciso ter um time. Ontem, só se tinha um plano.

PRODUÇÃO

Belíssima jogada no segundo gol da Alemanha. A tabela entre Kroos e Klose foi a senha para Goetze entrar em diagonal, no espaço entre Daniel Alves e Thiago Silva. Ninguém acompanhou o atacante que, logo em sua estreia pela seleção, finalizou uma jogada que só os times entrosados são capazes de fazer. Triangulação pelo meio que hipnotiza a defesa e obriga o goleiro a ser super herói. Já o terceiro gol foi um presente de André Santos.

MALDIÇÃO

O árbitro húngaro Viktor Kassai teria feito melhor se não tivesse marcado nenhum dos dois pênaltis. O de Lucio em Kroos foi altamente duvidoso, do tipo que pode passar num amistoso. Mexeu no placar do jogo e fez a Seleção Brasileira desandar de vez. O de Lahm em Daniel Alves simplesmente não aconteceu. Fez com que o Brasil – aleluia – convertesse um pênalti, com Robinho, que não teve a chance de bater o dele na Copa América.



  • André, concordo com você sobre Fernandinho jogar e Ganso ficar no banco. Sei que a Seleção esta em reformulação, mas nao podemos aceitar Ganso (O camisa 10 do treinador,lembra?) ficar no banco. Agora com sequencia de Egito Mexico e Gabão conseguimos deslanchar.

  • Anna

    Excelentes perguntas. O Brasil até deu uma equilibrada, a base de contra-ataques, no primeiro tempo, mas depois se perdeu em campo. E com todo o respeito ao Mano, coisa que tenho e muito, Paulo Henrique Ganso nao pode ficar no banco, nem quando estiver fora de forma. Um talento como ele decide, vide que deu o passe pro gol de outro gênio, Neymar. Só penso que Mano tinha que decidir antes do jogo: ganhar para acabar com a crise pós-copa América ou experimentar e se manter seguro dessa decisão? Agora, teremos adversários como Egito, Gabao e outros que tais para dar uma sobrevida e um fôlego ao treinador da seleção antes de Itália e Espanha. Os amistosos com a Argentina estão confirmados. Acompanharemos de perto. Mas eu sabia que ia perder pra Alemanha. Todos sabiam.

  • Bom dia, caro André. Todos queremos respostas, de certa forma. Algumas, infelizmente, só o tempo dirá. E, depois desses chavões, faço a pergunta que mais me intriga. Por que os jogadores brasileiros não crescem com a camisa da seleção, assim como vimos recentemente os espanhóis, uruguaios – principalmente, como foi o caso de Forlán –, alemães, e há algum tempo já franceses, italianos e até portugueses? Quer dizer, será que é simplesmente pelo fato de não ser nossa geração, junto com a Argentina, que também não mostra vontade alguma? Vamos comparar, por exemplo, dois jogadores que uso como símbolo pra classificar essa diferença: Pato e Diego Forlán. No Milan, o Pato é importantíssimo, marca gols, domina e tem visão; Na seleção, perde gols que faria facilmente no time italiano. Já Forlán, por mais que tenha feito uma temporada ruim no Atl. de Madrid (virou até banco…), foi o melhor jogador da Copa do Mundo de 2010 e foi importantíssimo na campanha da Copa América desse ano, mesmo só tendo feito os gols na final. Nossos jogadores põem a camisa da seleção e isso é um peso, ponto. Não há UM, repito, UM único jogador que fique visivelmente à vontade jogando pela seleção brasileira. Será que a camisa é tão feia assim? (Brincadeira à parte, a camisa realmente é horrível…). Será que não há ambiente? Será que é o Ricardo Cag…? Seja lá o que for, enquanto isso não mudar, esqueça. Enfim, ótima coluna André, e boa semana – te acompanho no SportSCenter. Abraço, do fã de esportes.

  • Alexandre Reis

    Irei discordar dos amigos na metade do dilema.

    Acho que o Ganso pode sim ficar no banco, desde que seu substitudo seja um meia. Mesmo com caracteristicas diferentes, pois o Ganso é o ultimo dos romanticos, mas precisa ser um meia de oficio.

    E outra coisa, chega de jogar dessa forma. Basta fazer o simples, um 4-4-2 basíco, Sendo dois bons zagueiros, dois bons laterais, dois cabeças de area, dois meias e dois atacantes.

    É o que eu acho né.

    Abs

    AK: Quarto parágrafo, duas últimas frases. Mas se o PHG foi convocado, tinha de jogar. Um abraço.

  • André Luis

    “Talvez porque o resultado, ontem, era mais importante do que o trabalho. Se a resposta é essa, de novo, está tudo certo.”

    AK, esse tipo de resposta é tudo que os burocratas, ou seria “burrocratas”, do futebol querem. Voltamos àquele “dilema” parreiristico: o gol é um detalhe. Não é detalhe coisa nenhuma. Se o cara trabalha para montar uma seleção para 2014 ontem era mais uma chance de botar o time para adquirir padrão, coisa que passa longe, diga-se, e criar um esboço do que pode ser na Copa.

    É inadmissível o MM continuar achando que alguns caras ali tem estofo para vestir a amarelinha. Vai ser idiossincrático assim lá nos pampas. Cheira muito mal algumas convocações. O Dunga era turrão, batia de frente mesmo, mas não se pode negar que a essa altura o resultado já era extremamente superior. E não acho que aquela seleção só se defendia.

    Se esse tonto que treina a seleção tem Neymar, Ganso e Pato em condições de jogo que os coleque para jogar. Ainda mais contra uma seleção bem montada como a alemã. E me incluo entre os que acham que os tedescos jogaram um bom futebol na última copa. É enfrentando seleções já montadas e com bons jogadores que podemos medir a eficência do trabalho realizado. Mas se ele joga tudo fora em troca de uma mísera vitória, não há trabalho de longo prazo que valha.

    Usando um pouco de humor negro agora. Dizem que o RT comprou o direito de sediar a copa, espero que tenha sobrado algum para comprar o título também. Pois com esse treinador ai…

    Ano passado eu tinha comentado que o prazo de validade desse tal MM era a CA. O prazo expirou. E vocês sabem o que acontece ao se consumir coisa estragada, né?

    SRN

  • Hey André!

    Sei que você não comentou no texto, mas só pra deixar uma opinião sobre o assunto “Neymar”: eu, diferentemente de muitos que tenho visto/lido/ouvido, acho que é o único dos “novatos” que têm se saído bem na seleção. Sempre se movimenta, tenta buscar espaços e, mais importante, faz gols. Como Messi, não rende na seleção o que rende no time, mas os motivos são os mesmos para ambos – com um parêntese: o brasileiro faz abusa de firulas, diferentemente do argentino.

    Já sobre o assunto “Alemanha” – este sim tratado no texto -, eu acho realmente que os caras têm jogado o segundo melhor futebol do mundo, perdendo somente para a Espanha. E o terceiro é o Uruguai, só pra deixar claro. 🙂

    Abraço!

  • Rafael Wuthrich

    Sou daqueles que acham que a Alemanha jogou o melhor futebol da última Copa. Mas concordo quando você diz que há diferenças consideráveis entre os trabalhos. Não só o time atuou de forma covarde, como também não se vislumbra um trabalho – os amistosos contra adversários fortes já deram lugar a jogos contra “ninguém”, para capitalizar vitórias.

  • Guga

    Acrescento uma pergunta: No Brasil é possível, com essa torcida e essa imprensa, realizar trabalho de longo prazo?

    Se a resposta for sim, então o Mano vem errando lamentávelmente ao convocar e escalar jogadores que não jogarão em 2014.

    Mas como a resposta é, provavelmente, não, então o Mano está se preocupando com seu emprego e montando a seleção para ganhar jogos pontuais (o que nem isso está conseguindo, mas aí é outro assunto).

    AK: Mas a resposta é sim. Dunga ficou 4 anos. Um abraço.

  • eduardo pieroni

    Boa ANDRÉ,

    a seleção tem que ser essa não acha?????

    JC,Maicon,David Luis,Thiago Silva,Marcelo(por enquanto mas também não é tudo isto que falam por ai tem que provar ainda).

    Sandro,Arouca,Hernanes,Neymar,Adriano(que se em forma e com vontade joga com um pé só muito,mas muito mesmo,mais que estes que estão juntos) e R10 (jogando o que esta jogando para cima) se não colocaria Ganso ou Kaka.

    o que acha????

    E o MAIS GELO não tem saido mas para jantar ou almoçar
    ta duro(rsrsrsrsrs)

    abraços

    AK: Sobre o MG, tem post recente lá. Um abraço.

  • Guga

    Ainda sobre trabalho de longo prazo: se a idéia é mesmo realizar um trabalho de longo prazo e tentar ignorar o imediatismo da torcida e da imprensa, o Brasil deveria montar uma seleção com idade média de, no máximo, 23 anos. Como a Alemanha, por exemplo.

    E prepará-los para jogar Olimpíadas e Mundial-2014. E ainda tendo consciência que a seleção brasileira não é a melhor do mundo individualmente. Tem um problema crônico nas laterais (não se forma mais jovens laterais!) e no meio-campo. Além de coletivamente não termos um esquema e padrão de jogo definidos (até tínhamos com o Dunga, mas faltavam todas as outras coisas).

    Espanha, Alemanha e Uruguai, citados aqui, estão bem na frente pois tiveram paciência para montar um time e agrupar algumas boas individualidades.

    Espanha: Utiliza a base e o estilo do Barcelona reforçado por jogadores do Real Madrid.
    Alemanha: Treina o mesmo estilo de jogo desde 2006. Consegue apostar nos jovens que entram em um time montado.
    Uruguai: Utiliza uma base e um esquema de jogo faz algum tempo. Mantém uma estrutura de time.

  • Francisco

    Mano continua provando que não é técnico de seleção e que não seleciona bem — ou seleciona bem demais: mais de 50 jogadores desde o ano passado. Deve ser um recorde, não? Aliás, quantos jogadores escolhidos têm o mesmo empresário que o dele? Hmmm… e segue o discurso de que a seleção vai evoluir… E por falar em ‘maturar’ jogadores talentosos, dizem que o Mano vai chamar o Ronaldinho Gaúcho e o Kaká. Talvez em breve o Luis Fabiano e/ou o Adriano voltem também. Será que evita-se assim novos vexames contra as poderosas seleções do Egito, Costa Rica e Gabão?

  • Guga

    André, acho que a resposta é não.

    Dunga ficou 4 anos porque montava o time para ganhar os jogos de qualquer maneira. E ganhava, até entrar no “campeonato de verdade” em 2010.

    Dunga não revelou ninguém para a seleção, não aproveitou jovens e não montou nenhuma estrutura de time aproveitável. Isso não pode ser considerado um trabalho de longo prazo e sim um “trabalho” imediatista pra tentar ganhar uma Copa mesmo não tendo um bom time. Quase como um Once Caldas.

  • Willian Ifanger

    Mas há um nítida evolução do time após a Copa América: o penalti foi bem cobrado.

    Brincadeiras a parte gostei do seu post, como sempre.

    Você tocou no mesmo ponto que o Lúcio de Castro: a partir do momento que uma Seleção brasileira troca um camisa 10 e coloca um terceiro volante é porque alguma coisa está muito errada. E se isso faz parte do plano, é melhor o trabalho do Mano parar por aqui.

    Desculpe, mas um técnico escalar um time pra, sei lá, deixar sua situação no comando mais tranquila é abusar de um egoísmo do qual ele não tem o direito.

    E outra coisa…..se não há nenhum jogador capaz de usar a camisa 10, por favor, deixa ela no vestiário.

  • Povo escolheu o André Santos p/ malhar… mas qualquer ala ofensivo sofrerá jogando de lateral convencional! Pode ser o André Santos, Marcelo, Dani Alves ou o Papa…

    Marcelo, no Real, joga sem posição fixa, flutuando por todo o campo, como bem fazia Sorín, nos bons tempos.

    André Santos era praticamente um meia avançado no Corinthians, fazendo muitos gols e sendo devidamente resguardado por Christian e Elias. Dani Alves, nas devidas proporções, também, pelo Barcelona.

    Me surpreende, e MUITO, o Sr. Mano Menezes indo contra tudo o que já pregou, nesse sentido! Quer que os alas sejam laterais convencionais e que os volantes avancem e façam papel de meias…

    Não dá pra entender!

    Aproveitando, André, não seria Götze ao invés de “Goetze”? Abraços…

  • Rogerio Jovaneli

    Uma nova pergunta, desta vez para o dono do blog responder (se puder): se é para tentar ganhar jogos na paupérrima opção do contragolpe, havia necessidade de trocar de técnico na seleção? O interior ao menos era mais competente nessa proposta. Tinha Luis Fabiano para a jogada aérea, é verdade, coisa que o atual não possui, mas Mano não é aquele que costumava dizer que a vantagem de treinar a seleção é a de poder escolher quem quiser na montagem do time, coisa que não é possível em clubes?
    Não tenho saudade alguma do Dunga (profissional e pessoa mal-educada) comandando a seleção brasileira, mas sinto que é preciso haver mais justiça na análise. Fosse Dunga o técnico da seleção após essa trajetória do Mano de 1 ano à frente da equipe brasileira e as críticas sobre o trabalho (teórico+prático) seriam menos suaves. Infelizmente, a maioria (não todos, claro) dos jornalistas esportivos e pessoas que comentam futebol não tem sido coerente na hora de avaliar o trabalho de Mano Menezes. Não falo de resultados, mas da missão de montar um time e de fazê-lo propor o jogo. Os jogadores também têm culpa.

  • Caio

    Na boa, acho que agora o Mano se perdeu legal.

    Não sei se é empresario, se é simplesmente opção técnica/tática, mas Ganso no banco e Fernandinho jogando não da!
    E nem o André Santos, pelamordedelz….

  • Deu errado, a culpa é do camisa 10.

    É ele quem deixa o time lento.

    Não marca.

    Não tem pegada.

    Jogar com o 10 significa jogar com dez.

    E não importa se os volantes são “burrocráticos”.

    Os laterais, inoperantes.

    Os atacantes, inofensivos.

    A culpa é do camisa 10.

    Caramba, como mudou o futebol.

    Na minha época de pelada era simples. O mais habilidoso, o que driblava melhor, o que era capaz de realizar lançamentos precisos recebia logo a camisa. A camisa 10. E só saía do campo se quisesse ou cansasse. Porque ele era o mais habilidoso, o que driblava melhor, o que era capaz de realizar lançamentos precisos, o que definia o jogo a nosso favor.

    Hoje, não. No futebol que pregam os pseudoprofessores, os mais habilidosos, os que driblam melhor, os que são capazes de realizar lançamentos precisos têm de “cumprir funções táticas”.

    Ora, quem tem que cumprir esse negócio de função tática é quem não tem habilidade, não dribla e não é capaz de realizar lançamentos precisos. Porque, caso contrário, morre de fome.

    Craque tem é de jogar. No sentido amplo da palavra. Craque tem de estar em campo. Tem de ter liberdade. Para acertar e para errar. Porque ele é o mais habilidoso, o que dribla melhor, o que é capaz de realizar lançamentos precisos, o que definirá o jogo a favor do seu time.

    Ontem, confesso, fiquei triste ao ver Paulo Henrique reserva de Fernandinho.

    E juro tentei achar explicação no 4-4-2, no 4-3-3, no 4-3-2-1 ou no 4-4-1-1. E em todo esse papo de bêbados que virou o esporte mais popular do mundo.

    Mas, no fim, não me conformei.

    Porque em um Brasil de Ralf, Ramires e Fernandinho “burrocráticos”, Daniel Alves e André Santos inoperantes e Alexandre Pato inofensivo, a culpa, definitivamente, não era do camisa 10.

    Boa quinta!

  • Robert

    Extra
    Extra
    as ultimas da cidade olimpica e do estado do RJ, direto do lgo do machado
    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/958569-juiza-e-assassinada-a-tiros-em-niteroi-rj.shtml

    brincadeira o governo do rj parece ter descoberto a soluçao para a educação publica nacional
    http://odia.terra.com.br/portal/educacao/html/2011/8/faltam_professores_mas_sobram_notas_em_ciep_184262.html

    O perigo é virar moda e exportar esse modelo para o resto do brasil

    Reitero o q disse em post anterior
    cabral e sua gang afundam o RJ
    Rio rumo ao fundo do poço 2011

  • Marcos Vinícius

    Quando Mano assumiu a seleção (todos lembram que ele era a segunda opção,a primeira era Muricy,que o Fluminense não liberou),achei que era o nome certo para o cargo.Tinha feito excelente trabalho no Corinthians,deu padrão de jogo ao time,mostrou que é possível sim jogar com três atacantes,enfim,achei que era o cara que mudaria a cara da seleção,que faria uma equipe combalida e chamuscada reaprender o caminho das vitórias.

    Acho que ser treinador da seleção brasileira é o melhor emprego do mundo.Não trabalha todo dia,pode escolher alguns melhores do mundo em suas respectivas posições para jogar,ganha bem,assume um time que naturalmente tem características ofensivas,enfim,é tudo que qualquer treinador quer.

    Mas não foi bem assim com Mano.Aparentemente não consegue administrar internamente a seleção,não deu padrão de jogo ao time,não escala bem (concordo com ele:Ganso tem que ficar no banco.Sabe jogar,mas não está jogando.Banco pra ele!),não substitui bem,o time ainda não teve atuações convincentes,ele insiste em jogadores que ficaram devendo outras vezes,como André santos,por exemplo,enfim,o Mano do Corinthians ficou no Parque São Jorge,o Mano da seleção em nada lembra aquele.

    Com toda a sinceridade,torço para que a seleção continue com resultados ruins,pois quem sabe assim Mano passa o boné.

    Para fechar:

    Entrevista de Rafael Cortez,repórter do CQC da Band,com Denílson,hoje comentarista daquela emissora:

    RC-Denilson,tem jogador mascarado na seleção?
    Denílson-Tem.
    RC-Quem?
    Denílson-André Santos.

    É isso aí,Denilson.Falou e disse.A derrota caiu na conta dele.

  • Felipe

    Eu não entendo essa adoração de parte da imprensa, principalmente do Kfouri pai, com PHG. O cara é bom de bola, sem dúvida, mas desinteressado. Jogou bem um semestre na carreira, se machucou e é isso. Não entendo esse desespero em vê-lo na seleção quando parece claro que ele é tipicamente um “jogador de clube” como tantos outros tão bons ou melhores (Djalminha) que não tiveram a mesma torcida da imprensa.
    Outra coisa: peçam logo a cabeça do Mano. A imprensa não gosta do cara, sabe que existem opções melhores mas fica com esse discurso apaziguador para fingir isenção.

  • Marcos Vinícius

    Robert…
    Meu jovem,se você acha que o Rio de Janeiro tem problemas atípicos,por que você não se muda para Passárgada?

  • Moçada,
    O Mano sabe disso tudo. É provável que concorde com 90% do que vocês falaram. Ele não é burro. Entende e vê o jogo de futebol.

    Problema é a gente que precisa ver o que está acontecendo de verdade.

    Cá pra nós, tenho aqui uma escolha.

    Se você quer continuar analisando a seleção pelo único viés do futebol, do que acontece dentro das quatro linhas, como foi o jogo, etc., etc., boa sorte. Tome aqui a pílula azul.

    Agora, se você quer ver como é a realidade, aqui está a pílula vermelha: Fernandinho não deixou Ganso no banco por opção tática do treinador. Ele jogou porque de titular porque você precisa descobrir quem é o empresário dele e qual a ligação deste empresário com o Mano Menezes.

    Aliás, não apenas Fernandinho. André Santos, Jádson, Renato Augusto e vários outros cracaços convocados nos últimos tempos.

    É com vocês.

    AK: A relação é amplamente conhecida. Um abraço.

  • Leonardo

    Um técnico que tem como ápice da carreira a “Batalha dos Aflitos” só poderia dar nisso mesmo.
    Para quem achou 0x0 com a Venezuela bom, tá tudo normal.

  • BASILIO77

    Resultados.
    É disso que vive o profissional de futebol, seja qual for. Alguns podem até ter uma gordurinha a mais devido a conquistas anteriores(FELIPÃO)….não é o caso de MM.
    O cara tem uma carreira que beira os 5 anos…é muito pouco para suportar uma sequencia negativa. Ainda não caiu em desgraça total porque substitui um treinador que deixou o cargo debaixo de chuva grossa da grande mídia.
    Pediu-se a cabeça de Dunga e a convocação dos “jovens”, agora tem que dar um tempinho…

    Dunga aliás, que só guentou tanto tempo no cargo devido a eles: OS RESULTADOS!
    Não importa como os consiga, convencendo ou não, o cara consegue se manter no emprego…até dá pra comprar briga com boa parte da imprensa.
    A seleção de Dunga NUNCA convenceu, OU QUASE NUNCA.
    Ganhava vários jogos das eliminatórias na base do contra ataque. Julio Cesar fazendo milagres lá atrás e Adriano ou L.Fabiano decidindo na frente. E houve até placares elásticos…mas nunca me convenceram…não para um padrão digno de seleção brasileira.
    Jogavamos “no erro” no adversário…NUNCA ou quase nunca chegamos perto do dominio territorial e de posse de bola exercido hoje em dia pelo Barcelona.
    Mas os resultados bastavam para ser mantido no cargo.

    No jogo da seleção de MM contra a Alemanha, SE Pato tivesse aproveitado a chance que teve…TALVEZ a historia se repetisse. Mesmo sem uma exibição convincente, a vitoria poderia ter vindo…
    Enfim, a sorte do treinador, e da seleção toda, tem ficado nos pés do atacante que tem a dura missão de aproveitar as pouquíssimas chances, talvez a única, que tiver nos 90 minutos.

    Aí fico me perguntando…qual a última seleção que VENCEU e convenceu?
    1994?
    2002?
    Copa America de 2004?
    Copa da confederações 2005?

    Pra mim, nenhuma delas. Não se levarmos em conta um periodo maior do que a propria Copa que dura APENAS um mes. Se analisarmos um periodo de tempo maior dos trabalhos anteriores..não veremos grande coisa não.
    Mas…ainda vivemos aquela máxima de que a seleção tem que sair para a Copa “desacreditada”…ora, se sai desacreditada é porque há motivos pra isso…a torcida NÃO é tão burra assim. Faz tempo que a seleção NÃO é um TIME, mesmo tendo levantado taças.

    Discutiu-se a seleção Uruguaia…
    Acho que a seleção brasileira tem que ir pro divã.
    Se temos valores individuais de qualidade inegável…porque a seleção não convence?

    Acho que parte da resposta está na personalidade do jogador brasileiro.
    Não há mais “fominhas”.
    E se o cara não é “fominha”, ambicioso…com a quantia de dinheiro que TODOS GANHAM ANTES DOS 25 anos…corpo e mente amolecem.
    Hoje, não há espaço pra isso. Ou corre, ou corre. Vide seleção alemã…
    Pra não falar de falta de uma “identidade” com o Brasil.
    Patriotismo? isso não existe maisem nossa sociedade.

    O treinador que conseguir com que nossos melhores jogadores joguem “com sangue nos óio” terá alguma chance de sucesso. A situação atual é mais dificil, na medida em que NÃO HÁ JOGOS de eliminatórias, JOGOS PRA VALER…só “AMISTOSOS”.

    Ou ficaremos na dependencia da “sorte”…jogando no erro do adversário.
    Isso pode, e já deu certo várias vezes.
    Mas não me convence.
    Tomo minha cerva quando meu time ganha assim…mas não me dá a mínima esperança de repetir o feito no próximo campeonato.

    Abraço.

  • Ricardo Carvalho

    Acho que o MM está meio perdido entre formar um time e conseguir resultados. A verdade é que o time da Alemanha hoje é superior ao nosso e normalmente o melhor time vence.
    Acho que não dá mais para Julio Cesar, Lucio e até Robinho porque eles não estarão em 2014. Bota o Victor e o Davi Luiz e deixa os caras jogar. Se o MM manter o mesmo critério usado em relação ao Douglas que entregou o gol para o Messi o André Santos não pode mais jogar na seleção.
    Por fim, não acredito que o MM convoque jogadores por causa do empresário, sinceramente acho que ele não iria correr este risco e colocar o próprio emprego em risco, agora Ganso na reserva de Fernandinho, que até não é mau jogador, é brincadeira.

  • Fabio

    André.
    O Mano precisa parar de convocar atletas dente de Leite.
    Se o Leite quiser vender mais. Que vá ser dentista.
    Abs

  • Marcos Vinícius

    Basílio 77…

    A seleção de 2002 disputou os sete jogos da Copa.Sete vitórias,todas convincentes,mesmo a contra a Bélgica,onde o árbitro anulou mal um gol belga,e ainda aplicou duas goleadas.Fez 18 gols e sofreu 4.

    Como assim não convenceu?

  • BASILIO77

    M.Vinicius, aquele jogo contra a Belgica…se o erro é contra a gente…tava sendo reprisado até hoje. Mas o SE não joga, né?
    E veja, eu disse para olharmos os trabalhos anteriores NÃO apenas no periodo de copa do mundo que dura apenas um ano, e sim para todo o trabalho de preparação.

    Olha só onde o Dunga está, para os numeros e as estatisticas:
    Zagallo: 79,1% (133 jogos)
    Telê Santana: 78,7% (55)
    Vicente Feola: 78,6% (75)
    Dunga: 77,9% (68)
    Vanderlei Luxemburgo: 73,1% (57)

    O que eu quero dizer é que nós, torcida e imprensa temos que analisar, COMO os resultados, os bons, são obtidos. Vitorias “no erro adversário”, jogar APENAS no contra ataque e contar com boa dose de sorte nos momentos decisivos…isso não tem vida longa no futebol. Na seleção, Dunga conseguiu ficar um bom tempo(4 anos), mas em termos de numero de jogos, foi aproximadamente o que um time de série A joga em um ano, 68 jogos.

    Claro que resultados são o que importa, mas a gente não pode se enganar. No caso do futebol, numeros são uma ferramenta a ser analisada…mas que se usem também números pouco usados nas analises: posse de bola e finalizações, por exemplo. Vide Barcelona.

    Eu sou um questionador da QUALIDADE do trabalho do Muricy, mas o cara tem os NÚMEROS TOTALMENTE FAVORÁVEIS…porém, ele não é meu treinador preferido. Felipão e Luxa estão a sua frente, em minha opinião.
    Abraço.

  • Marcos Vinícius

    Basílio…

    Veja:

    Geralmente o que se vê durante a Copa é o resultado do que foi feito antes dela,na fase de preparação.Quando um time chega na Copa,já está formado,foi feito um trabalho a longo/médio prazo,e já se tem um padrão de jogo.A Copa é o resultado final,uma espécie do prova,onde vai se mostrar se o trabalho feito anteriormente foi ou não eficiente.Não há time que durante a preparação seja meia boca e na Copa arrebente.

    Falando do Dunga,acho que foi o treinador que mais contou com a sorte na seleção.Na Copa América que ganhou só chegou na final porque um uruguaio mal preparado desperdiçou um pênalti que colocaria seu time na final da Copa.Durante as eliminatórias da Copa,Dunga teve o mérito de convocar certo,mas quem fez a diferença foram jogadores extra classe,que decidiram muitos jogos.Quem não lembra daquele Brasil 2×1 Uruguai no Morumbi,quando Luis Fabiano acabou com o jogo?Ou daquele Chile 1×3 Brasil,quando Ronaldinho fez toda a diferença?Mesmo assim,e só por isso,Dunga resistiu até a Copa.Mas acho que Felipão,que não entrou na sua estatística,e Parreira foram os únicos treinadores que conseguiram dar um padrão ao time canarinho

    Posse de bola e finalizações não são números pouco usados,como vc disse.Afinal,são,principalmente,esses dois quesitos que definem quem vai sair de campo vencedor ou não.É o scout,os números do jogo,e todo treinador se atenta a eles.No Barcelona,o time da moda,isso fica mais evidente.Mas todo time usa esses números.

    Não concordo em questionar a qualidade do trabalho de Muricy.O cara ganhou quatro dos últimos cinco Brasileiros.Números.Mas prefiro o Felipão,que tá conseguindo tirar leite de pedra com aquele time do Palmeiras.
    Abraço.

  • Juliano

    Excelente mais uma vez André. Assim como é excelente tambem a visão do Juca.

    Assino embaixo as duas.

    Quando o Brasil vai jogar como Brasil? Afinal, quem é o pentacampeão desse esporte? Chega de se inferiorizar!! O Brasil nao está se inferiorizando apenas contra os grandes como a Alemanha. Na CA o Brasil se inferiorizou contra todos, e no final dava o discurso de que “não há mais bobos no futebol”. Chega disso. Suas perguntas são pertinentes e excelentes.

    Mas a resposta está no técnico. Enquanto colocarem técnicos gauchos no comando veremos isso. É a cultura do futebol do RS. Mesmo com Scolari foi assim (mas esse tinha mais que um neuronio e o time fazia outras coisas tambem). Dunga sucumbiu na Copa com um equipe carente de talento, pois estava lotada de Felipes Melo. Mano disfarça com 3 atacantes, mas não escala nenhum meia e 3 volantes. De que adianta? Está queimando uma geração talentosa que sofre para a bola chegar na frente. As oportunidades de gol são tão remotas que quando chegam não se pode dar o luxo de errar – e Pato tem errado, muito!

    Quem são, na ordem do dia, os jogadores do empresário do Mano que são convocados? São um zero a esquerda! Tem uma bola muito pequena. Essa seleção do Mano perderia para o hoje embalado Flamengo ou para o meu Santos embalado da Liberta.

    Fora MM, urgente! Que alguém resgate o nosso verdadeiro futebol. Quem deve jogar pra não perder são os outros!

    Apenas para discordar de ti pela primeira vez:
    “penalti duvidoso que pode deixar passar num amistoso”. Bom, a regra é a mesma para jogos amistosos ou de competição. Achei o Lúcio imprudente. O lance gera dúvida sim. Mas, se o arbitro está convicto, porque não marcar? É apenas um amistoso, a torcida quer ver gol, e o derrotado não sofrerá grandes consquencias como perder em um campeonato. Certo?
    Já o lance seguinte, no DA (ruim que só, a vaga é do Maicon), não foi penal mesmo, foi a velha compensação.

    Abraço, sucesso!

  • M. Silva

    Caro André,

    por um lado, penso que a Alemanha foi sim o time que mais jogou bola na Copa. O que me faz ficar dividido é o fato de que a Espanha conseguiu anular as principais virtudes da Alemanha (não anular a equipe como um todo, que jogou bem contra a Espanha) sem abdicar do seu jogo e sem ser defensiva. Ou seja, a Espanha conseguiu impor o seu jogo à Alemanha, uma equipe muito forte e que jogou mais contra adversários melhores (Portugal e Paraguai x Inglaterra e Argentina).

    Um abraço,

    M. Silva

  • BASILIO77

    M.Vinicius, a estatística não é minha, copiei do IG, Dunga é o quarto em aproveitamento. Concordo contigo, ele teve MUITA sorte.
    A sorte acaba enganando, mascarando muita coisa.
    SE o Brasil tivesse ganho o jogo contra os alemães, na base do contra ataque e com JC sendo o melhor em campo, as criticas ao MM provavelmente NÃO existiriam e poderíamos estar incorrendo no mesmo erro de avaliação que se cometeu ao se analisar o trabalho de Dunga, onde a maioria se rendeu aos RESULTADOS.
    Deu no que deu.

    A torcida Corinthiana, eu inclusive, fez o mesmo ao analisar o trabalho de MM, os resultados do primeiro semestre de 2009 foram supervalorizados…deu no que deu.
    E MM está na seleção agora…
    Abraço.

  • Alexandre

    Sob qualquer ponto de vista, o trabalho do Mano na Seleção tem sido aquém do mínimo que se espera.
    Sem querer ser imediatista, mas 1/4 do período até a Copa já se passou. E não há Eliminatórias…

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo