COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

ANESTESIA GERAL

Seria interessante se pudéssemos fazer uma comparação. O percentual da população brasileira que era a favor da Copa do Mundo em nosso país, logo depois do anúncio em 2007, versus os números atuais.

Impossível saber o que o exercício revelaria, mas dá para imaginar uma queda sensível no apoio. Sim, a realização do Mundial no Brasil independe da opinião pública. As “autoridades” que comandam o processo, no governo ou fora, estão se lixando (pensei em usar outro termo…) para o que as pessoas pensam. Mas valeria a pena.

Por exemplo: como os atrasos nas obras dos estádios repercutem no pensamento de quem os via como “o legado” da Copa em nossas cidades? Será que alguém se assusta com os milhões e milhões dos orçamentos, jogados para o alto como se fossem centavos? Ou se incomoda com os claros sinais de que, contrariando tudo o que foi divulgado e prometido, as contas serão pagas com o dinheiro de impostos?

Outro temas: a tentativa de aprovação da “MP do sigilo”, aquela que faria com que os contribuintes pagassem a conta sem saber do valor, pegou bem? O adiamento, para outubro, da decisão sobre as sedes é bom ou mau sinal? Utilizar nossos aeroportos aumenta ou diminui a expectativa de um fluxo decente de passageiros durante o Mundial?

E seria obrigatório falar da reportagem feita pela revista Piauí com o presidente da CBF e, nunca se pode deixar de frisar, do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014. O perfil de Ricardo Teixeira, traçado magistralmente pela jornalista Daniela Pinheiro, teve qual impacto na opinião geral sobre o dirigente?

Se você não leu, leia o quanto antes. Se leu apenas as, digamos… asquerosas aspas divulgadas por jornais e sites, saiba que a matéria não é só o que Teixeira disse. Na verdade, é muito mais. Há sutilezas no texto, imunes a leituras apressadas ou malfeitas, que revelam mais sobre o personagem do que as grosserias ou “conceitos” ali publicados. Saborosas histórias desnudadas com habilidade pela autora da peça. Na eventualidade de você nutrir simpatia pelo principal cartola do futebol brasileiro, é possível que termine a leitura gostando mais dele.

Mas se você tem senso crítico e capacidade de colocar assuntos em perspectiva, a reportagem da Piauí o surpreenderá por outro motivo. Na sociedade brasileira, não apenas é possível viver ignorando toda e qualquer instituição, como também é possível oferecer bananas a elas, publicamente. Nas páginas da revista, o presidente da CBF esculacha o país. A três anos da Copa, para o mundo ler.

Estamos tão acostumados a conviver com absurdos (e diga-se: há coisas incomparavelmente piores acontecendo todos os dias) que ficamos anestesiados quando eles se repetem. Quem os comete, ri. A maioria aplaude ou finge que não viu. Pouquíssimos agem.

Há um email voando por aí contando que aquele ex-deputado federal, o que era ministro e deixou o governo recentemente, correu de um restaurante paulistano por causa das vaias dos clientes. Não posso crer, essas coisas não acontecem aqui.



  • Marcel Souza

    É incrível como uma pessoal como o RT consiga ainda se manter no poder da CBF depois de uma matéria dessas da Piauí. Ele falou tudo aquilo sabendo que nada poderia acontecer com ele. E como você disse, tem coisas muito piores acontecendo, como deputados, governadores, prefeitos, etc que também tem a mesma atitude e nunca acontece nada (e todo mundo sabe disso). Sinceramente a situação desse país é ridícula, não sei se tem solução.

  • lucio

    Marcel: não, não tem solução. Pois a minha passividade como a de muitos, só fortelece esse tipo de coisa. Aqui temos que utilizar praticamente toda a nossa energia para sobreviver. Trabalho mais de 12h por dia, tenho que admistrar minhas contas, pois o meu salário não é aquelas coisas, fora preocupações constante com a minha estabilidade no emprego, eventuais problemas de saúde em minha família e segurança da minha filha que estuda a noite…. infelizmente o resto de força que me sobra é para me indignar, pois mesmo que consiga me movimentar e organizar algum tipo de manisfestação ou protesto, seri visto como baderneiro e desocupado.

    abs

  • Marcio

    O meu protesto, anonimo, isolado, ineficaz mas ainda assim o meu protesto é não comprar ingresso pros jogos do time do Tricky Ricky. Ah se o país inteiro fizesse isso…

  • Anna

    Adorei o Andrew Jennings tê-lo chamado de Tricky Ricky. Ótimo texto!

  • Leandro Azevedo

    E o pior eh que aquela declaracao do RT de enquanto as denuncias nao sairem no JN nada vai acontecer, eh a mais pura verdade…

  • Mário

    André,

    Continuo a favor da Copa 2014 no Brasil.
    Em 1950, o Brasil sem as mínimas condições de infraestrutura, 4° mundista, realizou uma Copa e não a venceu porém difundiu este esporte. Posteriormente ganhou 5.
    Atualmente apesar de todo estes desmandos vejo que um dos únicos investimentos públicos de grande porte no Brasil que são acompanhados pela imprensa e população são a Copa e Olimpíadas. A função do BNDES e incentivo fiscais ficaram muito mais conhecidos para o publico brasileiro devido a Copa 2014.
    Poucos brasileiros sabem como está sendo investido dinheiro do governo no pré-sal, ferrovia do nordeste, infra estrutura nos portos , aeroroportos, etc.
    Eu não morro de amores pelo João Havelange e nem RT. Porém após a morte de Havelange(não que eu a deseje), a imprensa vai comentar, assim como foi com Itamar, esse sim foi um grande administrador. Ganhou várias copas, foi presidente da FIFA, um grande brasileiro.
    É muito fácil criticar qualquer dirigente de clubes e entidades no Brasil porque a cooperação é pouca e ficar na arquibancada é bem melhor.
    Estes que falam que o Brasil precisa de mais dinheiro na educação e saude são iguais aos que na década de 70 criticavam para que investir tanto dinheiro no Metro de SP? Para que investir na Embraer? O Brasil não tem condições de fabricar aviões. Eu concordo que a educação e a saude é importante mas para isso tem os orçamentos anuais dos ministérios.

  • Joao CWB

    Populares vaiando político em um restaurante? Deve ter sido na França.
    Abraço
    Joao – Curitiba/PR

  • Bruno

    Tens algum link, André? Fiquei interessado demais nessa reportagem…

    Sabe, fiz um curso de leitura dinâmica. Mas cheguei a conclusão de que é impossível utilizar os métodos que aprendi quando estou diante de um bom texto.

    Aqueles que sabem o real sabor de boas palavras, tomam todo o tempo do mundo para degusta-las.

    Tua parte para que mudemos este país fazes muito bem. Mas é preciso que as mentes pensantes e inquisidoras se unam para que essa força escondida tome Forma e bata de frente com o arcaico.

    Acho que já sei como fazer a minha…

    AK: Não há versão eletrônica. Compre a revista, que vale a pena. Um abraço.

  • Bruno

    Precisamos de alguém que divulgue os “autores” da MP do sigilo.

    Estou mais preocupado em saber como diabos faço para que o “configure.in” procure automaticamente pelo programa “ar” durante um script de auto-configuração no Linux. Sigh.

  • Bruno

    Ó, céus, eu li os 2 últimos parágrafos de forma errada.

    Queria muito saber que email é esse. Sigh.

  • É interessante ver que ninguém liga, nem os patrocinadores da CBF, nem os jogadores da seleção, nem os presidentes dos clubes, nem a maior emissora do país. Apesar de, como você disse, Ricardo Teixeira (desculpe o termo) cagar para e sobre elas!

    Mas daqui a pouco essa história vira piada e cai no esquecimento…

  • Bruno

    Qual o número da revista? 58?

    Aliás, ótimo site. Talvez a assine-a… mas depende de muitos fatores. Sigh.

  • Henri Coelho

    André, boa tarde.
    Por que o pessoal não repercutiu muito o trecho onde ele fala que a Globo fez uma reportagem onde ele era investigado, ele em seguida mudou o horário de um jogo Brasil x Argentina para o horário da novela, pra atrapalhar, e a Globo nunca mais disse nada contra ele?
    Não vi os jornalistas destacando este trecho nas reportagens sobre a brilhante matéria da revista Piauí.
    Abraços,
    Henri

  • Meu caro andré,

    Seu pai foi brilhante no comentário sobre Copa América, que é apenas o retrato da atual Argentina: um fracasso. Pobre futebol da seleção brasileira, comandada pela PODEROSA, Ricardo e Gavião, interessados em promover e vender jogadores ao milionário futebol europeu. Como diria meu amigo Bóris casoy: Isto é uma vergonha!

  • Meu caro André,
    Seleção brasileira de futebol é um patrimônio nacional e deveria ser tratada com mais respeito.

MaisRecentes

Pérola



Continue Lendo

Escolhas



Continue Lendo

Gracias



Continue Lendo