CAMISA 12



O Lance! passou por uma reforma editorial e a Camisa 12 tem novo formato. O texto principal ficou um pouco menor, e as notas dobraram de tamanho. A partir de hoje, publicarei também as notas.

______

(Publicada ontem, no Lance!)

GRAVATA BORBOLETA

É justo que eu não possa escrever sobre a final da Liga dos Campeões, só porque o jogo foi no sábado e hoje é quinta-feira? Não, não é. Mesmo porque deixei um assunto encaminhado na coluna da contracapa no dia da decisão, sobre a experiência de conhecer Wembley. Lamento, preciso voltar ao tema.

Partindo do princípio de que só conhecemos um estádio quando o visitamos num dia de jogo, o novo Wembley é assustador. Tem a roupa das arenas modernas, mas a alma dos templos do futebol. Você vê a aglomeração do lado de fora e não percebe nada diferente. Entra, olha aquele lugar cheio de gente e demora um pouco até recuperar os sentidos. É imediata a sensação de estar num local sagrado.

Não é a antiga catedral do futebol, erguida em 1923 e demolida oitenta anos depois. Não são as mesmas paredes, as mesmas cadeiras, o mesmo campo. Mas é o mesmo simbolismo, a mesma linhagem. É como se o atual prédio fosse um monarca recém-coroado. A nobreza está lá. Para quem vê o futebol de forma romântica, como eu, o desgosto pelo desaparecimento do velho Wembley permanece. Mas é preciso saber apreciar o que existe. E o que existe, nesse caso, é de tirar o fôlego.

Evidente que o jogo ajudou muito. Decisão de Champions League é o top do top, o jogo de futebol que você quer ver se só puder escolher um. Em Wembley, um palco feito sob medida para grandes momentos, o ambiente ganhou a fleuma característica dos ingleses. A imagem da taça entrando em campo, carregada pelos famosos Guardas da Rainha, diz tudo. Final de Liga dos Campeões tem todo ano. Final de Liga dos Campeões em Wembley é outra conversa.

E acho que ainda precisamos de um tempo para entender completamente o que vimos. Quando foi a última vez que, num jogo desse nível, um dos times reconheceu sua inferioridade e, a 15 minutos do fim, disse “ok, para mim já deu”? Foi o que o Manchester United (veja de quem estamos falando) fez. A distância para o Barcelona era tamanha que o jogo nem chegou ao estágio da deslealdade, subproduto da frustração. Os ingleses capitularam, com classe.

Isso é o que o Barcelona é capaz de fazer com os outros. Todos os outros.

CHARADA

Boa conversa com Mano Menezes e Milton Leite, no avião. O técnico da Seleção Brasileira falou sobre o drama de um treinador que sabe que seu time é inferior ao adversário. Negar o fato é encomendar o desastre. É preciso assumir essa condição, deixar isso claro aos jogadores, mas evitar que o time entre em campo se sentindo derrotado. Esse é o dilema que o time catalão apresenta a quem pensa em vencê-lo. Hoje, só com mágica.

TRISTEZA

O estádio mais belo que conheço é o Olímpico de Berlim. Um monumento onde se joga futebol. Uma obra de arte da década de 1930, modernizada para a Copa do Mundo de 2006 sem que sua essência fosse violada. Uma aula de preservação da História e respeito pela modernidade. A Fifa, esse bizarro circo que hoje está exposto ao mundo, quis que os alemães fizessem com o Olímpico o que nós estamos fazendo com o Maracanã. Eles disseram não.



  • André,

    por que (você que é jornalista talvez saiba) não fizeram com Wembley o que fizeram com o Olímpico de Berlim?

    Abraço!

    AK: Porque os ingleses decidiram que precisavam de outro estádio. Um abraço.

  • Fábio Enik

    Não concordo com a afirmação: “O jogo que eu gostaria de ver se só pudesse escolher um é a Champions League.”
    Pra mim, uma final de Copa do Mundo é muito mais importante…

    AK: Não é isso que está escrito. E não tem nada a ver com importância. Um abraço.

  • Leonardo Pires

    Quem sabe a decisão dos brasileiros de que também precisam de um outro estádio possa fazer com que este tire o fôlego de muitos sem que se desconstrua a sensação de estar em lugar sagrado, como continuará sendo o Maracanã. Se Wembley manteve sua alma e sua linhagem mesmo tranformando-se em uma arena moderna, nada impede que o Maracanã preserve sua aura tornando-se um palco mais moderno, confortável e contemporâneo.

  • Marcelo Coelho

    André,

    Concordo com você. O Estádio Olimpico de Berlim é lindo, antigo e se renovou mantendo a arquitetura.
    O Maracanã acabou. Fosse eu parente do Jornalista Mario Filho pediria para retirar o nome do estádio.
    Aliás acho que o Maracanã começou a acabar quando retiraram a geral.

    Abraço

  • Alex

    Não concordo que fazer outro estádio a história “morre”, vide o próprio Wembley.

    Concordo por outro lado que fazer como fizeram com o estádio de Berlim fosse melhor pra preservar a essência do maior do mundo.

    A diferença está no tamanho da corrupção que a oportunidade dá. E aqui não se pensa 2 vezes pra decidir. Talvez lá pensaram, talvez…..

    AK: Escrevi que “a história morre”? Um abraço.

  • Anna

    Retalharam o Maracanã. Ele está desfigurado totalmente. Tinha vontade de conhecer o Estádio Olímpico de Berlim. Sugiro o livro A menina que roubava livros que o descreve bem e parece que estamos lá junto com o personagem.

  • Leonardo atleticano

    André, a África do Sul, assim como nós, tem problemas de corrupção e é terceiro mundo, não sei se semelhante a nossa corrupção, mas tem.
    Esses períodos que antecedem a copa, foram mais ou menos parecidos com o nosso? Aconteceu essa multiplicação dos custos e gastos? A roubalheira foi tão gritante?
    É impressionante como o limite de roubalheira no brasil cada dia atinge níveis impressionantes. Vai ter um teto? Iremos nos indignar e tormar atitudes?
    Confesso que há muito tempo minha satisfação pela conquista da copa e da olimpíada, deu lugar à frustração e a revolta.

  • Adriano Lopes

    Olá André, o fato que você descreveu sobre o Mitico Wembley, me faz ter uma Pergunta. Nem com toda tradição e alma que o Belo estadio traz, Foi suficiente para A FIFA, sim aquela que deveria ao menos prezar pelo futebol, escolher como sede de uma eventual final, pois acredito que numa copa na Inglaterra o Wembley seria o Palco Ideal, e Historico, Preferiram algum Estadio Russo ou alguma Estadio de ouro com ar condicionado no Quatar!

  • André Luis

    AK, entendo suas razões. Mas acho que a aura do estádio, e isso é só uma opinião, se deve muito mais às partidas realizada ali. A construção é simbolica, sem dúvida, mas só vira o grande mito, ou a “catedral”, por tudo que foi feito no campo.

    Sem querer ser hipócrita ou pouco sentimental com essa questão, vejo uma analogia, tosca é verdade, com um belo show de rock. Não importa se o show foi no CBGB ou no Cavern Club ou numa arena mega moderna. O que fica é o show. O local acaba sendo uma espécie de sinônimo do espetáculo.

    Não sei se enrolei na explicação.

    SRN

  • Sancho

    AK, sobre o que disse o Mano, acho que a chave está em “o quanto ganhar é importante?”. O discurso do Al Palcino no “Any Given Sunday” reflete isso. Aliás, o título do filme também ajuda: se num domingo qualquer de futebol, é possível qualquer um vencer qualquer um, por que hoje não seria o nosso dia? A resposta me parece estar no esquema “entremos lá, comamos grama, suemos sangue, nos divirtamos, e o Barça que se vire para ganhar da gente!” Abraço.

    AK: Mais do que isso, a resposta passa pela execução de um plano de jogo. Um abraço.

  • Marcel Souza

    Porque será que os alemães disseram não e os brasileiros disseram sim???? 😉

    André, desculpe voltar num tema que você já respondeu aqui nos comentários, mas também gostaria de comentar: “Decisão de Champions League é o top do top, o jogo de futebol que você quer ver se só puder escolher um. ” Mas e os jogos de Copa do Mundo? Seria aí um indício que realmente as Copas do Mundo estão mesmo perdendo o encanto devido a todas essas “presepadas” da FIFA? Sei que não foi isso que você quis dizer no texto, mas fiquei curioso em saber se essa sua frase tem um algo a mais. Abraço!

    AK: Não me entenda mal, eu adoro a Copa do Mundo. A questão é que, em jogos de Copa, mesmo em países apaixonados por futebol, tem muita gente que vai ao estádio porque bem… é Copa. Na final da UCL, as pessoas estão lá por paixão. O ambiente é diferente. Um abraço.

  • Marcel Souza

    Faz sentido isso que você falou, sobre a paixão. Arrisco a fazer um paralelo sobre jogos do seu time e jogos da seleção. O sentimento é diferente. Obrigado pela resposta! 1 abraço,

  • Marcos Vinícius

    Por favor,me corrija se eu estiver errado,mas se não me engano o que a FIFA exige é que os estádio tenham,internamente,formato de arena.E o Olímpico de Berlim já tinha.Então,internamente,não havia em que mudar as características do estádio.

    Estou certo?

    AK: Não. Não sei o que você quer dizer com “formato de arena”, mas a Fifa exige uma série de coisas. Queria, por exemplo, que os alemães retirassem a pista de atletismo do Olímpico. Um abraço.

  • Marcos Vinícius

    O formato de arena é uma tipologia para jogos cobertos ou ao ar livre, na qual o campo fica abaixo da plateia, que o envolve. Subdivide-se pela disposição da plateia com relação ao campo: circular, semicircular, ovalado, defasado, quadrado ou triangular.

    AK: Não conheço nenhum estádio de futebol em que o campo fique acima da plateia… um abraço.

  • Marcos Vinícius

    Muito bem.Diga isso para quem escreveu o texto.Apenas colei.

  • Paulo Pinheiro

    Ok.
    Não resta dúvida que o Barcelona tem hoje o melhor time do mundo. Mas há um certo exagero também.

    É o melhor, mas não é TÃO melhor assim que não possa ser derrotado.

    E vai acontecer cedo ou tarde. É questão de tempo.

    AK: É óbvio, não existe time invencível. Mas o Barcelona é, sim, muito superior. Um abraço.

MaisRecentes

A diferença aumentou



Continue Lendo

Sabotagem



Continue Lendo

Vertigem



Continue Lendo