NOTAS PÓS-RODADAS



Que a Copa Libertadores seja uma competição caracterizada por arbitragens mais permissivas, jogos mais violentos e visitas a estádios inóspitos, tudo bem.

Faz parte do que é jogar futebol na América do Sul.

Significa que você precisa montar um time que suporte essas condições e ir à luta.

Mas nenhuma competição de futebol profissional pode ter cenas como as que vimos ontem, no empate que classificou o Santos (3 x 3 com o Cerro Porteño) para a final.

A responsabilidade, claro, é da Conmebol, que é tão inerte que parece gostar desse tipo de episódio, em que ônibus de delegações são apedrejados e o mesmo acontece com a torcida, técnico e jogadores visitantes durante a partida.

É “o clima” da Libertadores…

Dá a impressão que a Confederação Sul-Americana tem saudade da época em que não havia controle de doping e transmissão pela televisão, quando se praticava todo tipo de barbaridade e nada acontecia.

No jogo, o gol de Zé Eduardo deu a falsa impressão de que não teríamos emoção em Assunção. Mudei de canal e fui a São Januário (mais sobre a Copa do Brasil adiante). Mas os avisos de mudança no placar no Paraguai me obrigaram a voltar.

Em quantidade de talento, o Santos é fácil o melhor time da Libertadores. Será favorito contra Peñarol ou Vélez Sarsfield.

Pessoalmente, gostaria de ver os uruguaios na decisão. Uma final entre Santos e Peñarol teria algo de romântico, um encontro de duas camisas que nos remete a um outro tempo.

Desde que, é claro, as referências não incluam o que acontecia na Libertadores quando, mais do que vencer jogos, era preciso sobreviver a eles.

Entre Pacaembu e Morumbi para a partida de volta das finais, a decisão deveria ser puramente técnica. O Santos deveria escolher o local onde o time preferir jogar.

______

Não há time que rejeite o placar de 1 x 0, em casa, no primeiro jogo de um mata-mata. A vantagem do Vasco na decisão da Copa do Brasil é boa.

E se lembrarmos que nas últimas três fases o time não venceu em São Januário, o resultado fica melhor.

Na maior parte do jogo, a disposição ganhou da técnica. É o que normalmente acontece em finais. Os jogadores mais experientes do Vasco fizeram um bom papel no sentido de controlar o time.

O Coritiba marcou muito, mostrou que tinha um plano e o seguiu à risca. Foi superado num lance em que a técnica de Alecsandro foi decisiva.

Os dois times têm motivos para ir ao Couto Pereira confiantes. O Vasco está invicto como visitante na Copa do Brasil.

O Coritiba venceu todos os jogos em seu estádio, e só tomou um gol.



  • André, concordo com você que a Conmebol tem parte da culpa. Mas acho que não é a Confederação que entrega pedras para serema tiradas. A conmebol pode até punir os vândols e abrandar o problema, porém os torcedores violentos continuarão a existir.

    Acho que a solução passa pela cultura dos torcedores e ações mais efetivas dos Governos sulamericanos e m relação à violência nos estádios.

    Abraços!

  • Só para lembrar que o ônibus do Coritiba também foi apedrejado em São Januário. Não é uma exclusividade da Conmebol ser permissiva com esse tipo de coisa.

    AK: Não escrevi que é. O que quero dizer é que esse tipo de episódio, diferentemente do que acontece em outras competições, é uma marca da Copa Libertadores. Um abraço.

  • Faço minhas as palavras do Caio Ribeiro no GE de hoje, após comentário cretino do Thiago Leifert (“Ah, isso é Libertadores, né!”): “Não, isso não é Libertadores, é falta de educação.”

    [OFF TOPIC]

    E o “Comendo em Londres”, quando sai? 😛

    Abraço!

  • Leandro Azevedo

    Eh realmente um absurdo o que se acontece na Libertadores sem punicao severa alguma para os clubes participantes.

    Quanto ao jogo, o Santos “complicou” o jogo no segundo tempo, mas foi normal tirar o pe… agora o que foi inadmissivel eh o Edu Dracena, cara veterano, ser expulso a segundos do fim do jogo e desfalcar uma defesa que ja nao eh forte para as finais.

    Abraco

  • anna

    A vantagem e boa, mas nada esta definido. E dificil jogar no Couto Pereira.

  • Roberto Junior

    André, acho o resgistro do Francisco válido. Violência e impunidade não são mais marcas exclusivas da Libertadores, mas, infelizmente, das competições organizadas no país. Pegue os últimos grandes eventos futebolísticos daqui. Em todos tivemos registro de confusões. Abraço!

  • Roberto Junior

    Corrigindo, digo “registro”.

  • Marcos Vinícius

    O Fluminense jogou contra o mesmo Cerro,no mesmo estádio pela Sulamericana em 2009,se não me engano, e após o apito final,com boa vitória do Fluminense,os jogadores e a comissão técnica do clube tiveram que ficar sentados no centro do gramado,cercados por policiais com escudos,para escapar da chuva de pedras.Naquela ocasião o Cerro não foi punido,tudo passou em brancas nuvens e o time continuou a mandar seus jogos no mesmo estádio,e o pior:as mesmas cenas de selvageria continuam ocorrendo,tudo sob os olhares permissivos da CSA,que parece achar que isso faz parte do espetáculo,é a “rivalidade sulamericana” em campo,e também fora dele.

    Nada aconteceu para punir o Cerro naquela ocasião.Não será dessa vez que isso vai acontecer.

    Mas e o Barreto,hein?Que frangaço!

    O time do Coritiba,se não é brilhante tecnicamente,mostrou que não chegou na final á toa.É muito bem armado,marca muito bem,em momento nenhum se acorvadou com o bom time do Vasco e a festa que sua torcida fez,deixou claro que não veio ao Rio para empatar,como fez o Avaí,e deixou tudo em aberto para a grande final no Couto Pereira.Ainda acho que o Vasco leva,o time é,individualmente,melhor que o Coxa,mais maduro,com jogadores acostumados a decisões,e um gol do Vasco pode mudar tudo.A vantagem,muito boa,por sinal,é do Vasco.Mas nada está decidido.

    A única certeza que todos temos é a de que será um baita jogão.

    Copa do Brasil de 2009,semifinais.Leonardo Gaciba não marcou um pênalti escandaloso do Chicão em cima do Élton.Corinthians na final e Vasco eliminado devida a um erro de arbitragem claríssimo.

    Copa do Brasil de 2010.Quartas de finais.Evandro Rogério Roman utilizou dois critérios em situações idênticas:Pênalti pro Vitória,último homem e jogador do Vasco expulso (Nílton).Depois,pênalti pro Vasco,último homem.e cartão amarelo pro jogador do Vitória (Viáfara,goleiro).

    O Vasco (ainda) não foi prejudicado pela arbitragem nessa edição da CB.

    Tomara que não seja.

  • o que importa e que o santos e o santos.. pode ter chuva de canivete que ta ali e cumpre seu papel .. mais e inadimissivel o que aconteceu …mais vai ficar tudo do msm jeito.. essas autoridades nao movem nem uma poeira sobre isso ..
    e sobre a copa do brasil………………………….

    quem viu o jogo viu que nao foi facil… coritiba teve perto de empatar… e axo melhor o vasco nao axar que o coxa é o avai que se acovardou…. o negocio la e tenso…
    e acredito que o coxa sai de la com o titulo.. e mais uma vez o vasquinho amarelando como sempre …rsrsrs

  • Leandro Azevedo

    Andre,

    Ontem me lembrei desse post que voce fez:

    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/02/15/duvida-cruel-2/

    E ai, sera que um post “Duvida Cruel 2” hoje, teria uma decisao diferente? Na epoca eu falei do Ganso, mas depois da maturidade e mudanca em campo que o Neymar tem mostrado (e tb por conta das lesoes do PHG), acho que o Neymar seria a opcao.

    Abraco

    AK: As lesões do PHG impedem a resposta. Mas, sem dúvida, Neymar já mostrou muito. Um abraço.

  • Renato Oliveira

    André, faltou um “s” na palavra experiente nesta frase do post: “Os jogadores mais experiente do Vasco fizeram um bom papel no sentido de controlar o time.”

    Abraço

    AK: Obrigadooooo. Um abraço.

  • Luiz Felipe

    Esses tempos vi uma entrevista do Lugano, falando que, jogando UCL, vc é recebido com um tapete vermelho na casa do adversário. Já libertadores não é para qualquer jogador. Que tem muito orgulho local envolvido, etc e tal. Palavras dele.

    Eu concordo e faço o seguinte paralelo: UCL é NFL. Libertadores é RUGBY!!!

    um abraço

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo