NOTAS PÓS-RODADAS



A final do Campeonato Paulista comprovou, uma vez mais, a lei número 1 dos mata-matas: o melhor time prevalece.

O atrativo do formato (isso não é crítica nem elogio) mora na possibilidade de oponentes se encontrarem em momentos radicalmente diferentes na semana dos confrontos.

Já vimos favoritos caírem algumas vezes, diante de adversários que esquentaram na hora “certa”. Mas não veríamos isso acontecer na decisão entre Santos e Corinthians.

Porque o Santos, hoje, não é apenas melhor do que o Corinthians. É muito melhor.

E se a diferença entre os times não estava suficientemente clara, evidencia-se quando observamos que o Santos conquistou o estadual em meio a uma série de jogos e viagens desgastantes.

Enquanto o Corinthians dedicou-se apenas ao Campeonato Paulista.

Por isso, e só por isso, os confrontos deram uma impressão de equilíbrio. O título não estava decidido até os 38 minutos do segundo tempo do segundo jogo, quando Júlio César aceitou um chute juvenil do craque Neymar.

Em condições normais e iguais para os dois times, suspeito que a dúvida não duraria tanto.

Impressionou o fato de o Santos, apesar do cansaço e do limite físico, ter feito um primeiro tempo mais móvel, mais ágil que o Corinthians. O atual time de Tite é previsível, monotemático.

O título está em mãos óbvias. O Santos de Muricy é talentoso como nas últimas temporadas, mas também mostrou que pode ser seguro. O primeiro (e esperado) impacto do técnico foi corrigir a defesa.

O que fica da decisão estadual, para os dois times, revela o tamanho da distância entre eles.

Se conseguir se manter basicamente com o elenco do momento, o Santos é um dos candidatos ao título do BR-11. A questão é como uma possível (provável?) conquista da Libertadores influenciará o segundo semestre do time.

O Corinthians tem muito a fazer. A contratação de Alex é ótima. Mas não resolve tudo.

______

A instituição chamada Gre-Nal viveu mais um dia épico ontem.

Na redação da ESPN, enquanto tentava escrever o programa sobre os clássicos espanhóis (aos interessados: em breve, informarei dias e horários das exibições), dividia minha atenção entre duas telas. Uma mostrava Santos x Corinthias. A outra, Grêmio x Internacional.

A cada gol perdido, a cada gol marcado, os comentários de colegas mais próximos eram sempre no sentido de “imagine o que está acontecendo lá…”, com o Inter conseguindo virar a desvantagem do primeiro jogo.

O futebol, às vezes, não espera o próximo jogo para oferecer a oportunidade de erros se transformarem em acertos. Renan falhou novamente, mas os pênaltis vieram para consagrá-lo.

A experiência de cobrir os últimos jogos entre Barcelona e Real Madrid reforçou minha sensação de que é preciso ser espanhol, e viver na Espanha, para ter a medida do significado desses encontros.

Creio que o Gre-Nal apresenta uma situação semelhante.

______

Como já deixei claro, o programa que estamos editando para a ESPN tem tomado praticamente todo meu tempo.

Não pude acompanhar o domingo de decisões, além do que escrevi acima.

Parabéns aos campeões.



  • O Corinthians tinha uma chance apenas para ser campeão paulista. Era segurar o Santos até a segunda metade do segundo tempo e aproveitar o cansaço do rival. Tava conseguindo até o Julio César, infelizmente, falhar. Não seria justo o Timão ganhar. Parabéns ao Santos.

    Achei legal o Inter ter ganhado para dar mais fôlego ao Falcão. Renato já se estabeleceu como técnico, então a derrota é menos corrosiva para sua carreira.

    Estou ansioso para assitir ao especial! abraços e bom trabalho!

  • Marcelinho

    André,

    Aproveitando que comentou sobre clássicos nesse tópico, queria saber se você já vivenciou (desculpe minha ignorância) um clássico entre Boca x River ? Estive em B.Aires esse fds, foi lindo, invejável.. mas o que acontece com esse “esquema de ingressos” aos turistas, com milhares de pessoas “pulando” a catraca com a conivência de todos, é absurdo!

    um abraço

  • Enquanto o Tite for tecnico, meu Corinthians nao ganha nada.

    Nem mesmo o sorteio no cara ou coroa.

  • Anna

    O gre-nal foi épico, mesmo. Estava torcendo peloIinter e creio que Falcão merecesse essa vitória pois mal chegou e já estava sendo questionado. Neymar joga demais, desequilibra.

  • BASILIO77

    Sem surpresas no paulista. Venceu o melhor.
    Mas continuo com minha cisma(má vontade?) com o Muricy.
    Com um time bem superior teve menos posse de bola nos dois jogos das finais. A soma dos placares foi de vantagem mínima. Acho que Muricy, como a esmagadora maioria dos treinadores, pensa que um a zero é goleada. Ontem, só foi ter “folga” no placar aos 38 do segundo tempo num frangaço do goleiro adversário…
    Ele que costuma dizer que “a bola pune”, deu mole pro azar. Não seria a primeira e nem a última vez que veriamos um time pior levantar a taça frente a um melhor…BEM melhor. A possibilidade dos penaltis esteve viva por 80 minutos…na medida em que ele deixava a posse de bola com o adversário…por pior que ele fosse.
    Acho que Muricy passa por uma fase com o a que Luxa e Felipão JÁ passaram. Sorte dele e de quem o contratou.
    Venceu o melhor e é isso que ficará na historia.

    Sobre Neymar…acvho que ele subiu mais um degrau ontem. Faltava-lhe uma atuação de alto nível sobre o maior rival e NUMA FINAL. Teve isso na vila e no pacaembu.
    Embora Neymar conte com a má vontade de muita gente, não eu, ele vai calando a todos. E reitero, Neymar pode fazer o que Ganso faz. O contrario não.
    Neymar é superior.
    Abraço.
    PS…como é bom ver uma final sem chororô de perdedor.

  • André;
    Acho que os dois gre-nais foram, disparado, o que de melhor aconteceu no futebol brasileiro neste ano. Jogos tensos, disputados com vontade (mas sem violência), excelentes arbitragens, e dez gols em dois jogos, além de várias defesas espetaculares dos goleiros e bolas na trave ou raspando.
    Fiquei triste do meu Grêmio ter perdido nos pênaltis, mas ficou a sensação de que os dois times devem fazer bom papel no Brasileirão.
    Detalhe importante; para comprovar o bom nível dos dois times, os 14 pênaltis batidos foram todos no gol (ninguém chutou para fora, nem isolou, como uns e outros fazem por aí). Victor e Renan é que fizeram milagres. No fim, alguém tinha que ganhar, e ganhou o time mais experiente.

  • Marcos Vinícius

    A final do Campeonato Paulista comprovou, uma vez mais, a lei número 1 dos mata-matas: o melhor time prevalece.

    Então o antigo sistema de disputa do campeonato brasileiro,com mata-mata,sempre premiou o melhor time?Posso te afirmar com absoluta certeza que,desde que comecei a acompanhar futebol,poucas vezes isso aconteceu.

    Vejamos:O sistema de pontos corridos foi adotado a partir de 2003,certo?Vamos buscar os campeões dos anos anteriores e comparar pra ver se eles foram os melhores times daqueles anos.

    2002-Campeão Santos.Melhor time São Paulo.Ressaltando que o Santos se classificou em oitavo.No mata mata cresceu e eliminou o São Paulo em pleno Morumbi,dando notoriedade à geração de Diego,Robinho,Elano,Léo,Paulo Almeida,Renato,etc.É questão de lógica:Se o santos fosse o melhor time não seria o último classificado.

    2001-Campeão Atlético-PR.Melhor time São Caetano,disparado.Nas finais Alex Mineiro arrebentou e deu o título pro Furacão.Mas o Azulão foi a sensação daquele ano,e foi vice.

    2000-Campeão Vasco.Melhor time Cruzeiro,então treinado por Felipão.

    96-Campeão Grêmio.Melhor time Portuguesa.

    95-Campeão Botafogo.Melhor time Santos.

    92-Campeão Flamengo.Melhor time Vasco.

    Resumindo:O mata-mata é o mais injusto modo de determinar o campeão de qualquer campeonato,pois nem sempre o melhor time prevalece.Isso é fato.

    Claro,o Santos é,hoje,muito melhor que o Corinthians.Com o reforço do Muricy,então,é barbada.Mas no mata mata nem sempre o melhor time prevalece.Arrisco dizer que não fosse o frangaço de Júlio César a história do jogo seria outra.

    AK: Por favor, tente entender. Já expliquei minha posição mil vezes: quando dois times se enfrentam em dois jogos, na grande maioria das vezes o melhor time passa. É só isso que eu quero dizer, nada mais. Um abraço.

  • joão paulo tricolor

    E aí André td bem? Vc acha que algum clássico em são paulo e rio de janeiro pode ser comparado a granal, Boca x river, barça x real?

    Abraço

  • Milton

    Parabéns pelo texto sobre o Gre-Nal André, foi perfeito.
    Tenho para mim que o Gre-Nal é o clássico de maior rivalidade do Brasil e esses dois em particular, apesar de campeonatos estaduais já não terem grande importância, foram como Marcio disse, jogos bons, pegados mas não desleais, com muitas emoções (o que não é tão comum em Gre-Nal, que normalmente é mais truncado), com muitos gols, etc.
    Só foi uma pena que meu Grêmio perdeu, mas tudo bem, sem fanatismos, agora é esperar o Brasileiro e torcer para que meu time não fique na luta contra o rebaixamento somente.
    E parabéns ao co-irmão Colorado que conseguiu reverter a situação.

  • Sancho

    Marcos Vinícius, veja assim: mata-mata é pontos corridos entre dois clubes.

  • Alex

    Marcos Vinicius, fica tranquilo…..nosso timão entregou o jogo pra pagar o Ganso, hehehehe….. Já estava tudo arranjado. E nós é que fizemos o 2º gol deles, lembra?, hehehehe

    Não esquenta cara, é assim mesmo…. ora se ganha ora se perde.

    Quanto a Gre-Nal é dificil mesmo…. já viu uma biba ceder o macho pra outra na moleza? é puxa cabelo mesmo, hehehehehe……

  • Marcos Vinícius

    Alex,discordei por ter uma visão diferente da opinião do blogueiro.

    Mas sou,como a maioria sabe,vascaino.

  • Alexandre

    Concordo apenas parcialmente com o André.
    De fato, quando dois times se enfrentam em dois jogos, na maioria das vezes o “melhor” time passa, mas não na “grande” maioria das vezes.
    Isso porque uma única partida ruim pode arruinar as chances do melhor time, mesmo que na outra partida tenha feito ou venha a fazer um bom trabalho.
    Vejam o caso do Cruzeiro, que era muito melhor que o Once Caldas, jogou bem fora, ganhou. Mas foi mal em casa, teve um jogador expulso, uma pitada de azar, e já era.
    Até a definição do que é o “melhor time” varia pelo tipo de campeonato. As qualidades fundamentais para o sucesso num campeonato por pontos corridos são diferentes daquelas importantes para um campeonato com mata-mata. No primeiro caso, capacidade técnica e elenco homogêneo. No segundo, consistência tática e determinação.

  • Alexandre

    Não acho que o Santos esteja entre os favoritos para conquistar o Campeonato Brasileiro, embora seja um dos melhores (senão o melhor) times brasileiros da atualidade.
    Isso porque o calendário do futebol brasileiro é mortal para os times bem sucedidos no primeiro semestre (e em 2011 há o agravante da Copa América).
    Ir bem na Libertadores, como regra geral, faz desabar o rendimento no primeiro quarto do Brasileiro. Se o time não chega a ser campeão sulamericano, a decepção e a crise daí decorrente termina o serviço. E se o time é campeão sulamericano, são a falta de gana e a sombra do mundial que fazem o time não ter forças para se recuperar de um mau início de campeonato.
    Se não me falha a memória, nos últimos 8 anos, só Santos (2003) e Inter (2006) conseguiram ir muito bem na Libertadores E no Brasileiro, ainda assim, nenhum dos dois foi campeão Brasileiro.

  • Miranda

    Boa tarde André.

    Acompanho o blog do Juca, Birner e outros que considero bons. Mas tenho uma critica a fazer a todos. Na final do campeonato paulista teve uma entrada dojogador Elano em Bruno Cesar era lance para cartão vermelho, carrinho por trás, porém não houve um comentário sobre o lance (já imaginou se quem tivesse dado o carrinho fosse o Kleber, Fabricio ou o Richarlesson), acredito que o santos ganhou por ter um melhor time, o Corinthians teria que se superar e jogar com muita raça para vencer, mas Julio tomou um frango e tudo ficou como a imprensa gosta o melhor venceu, sendo que o bom do futebol é que isso não é regra. Mas cabe a imprensa comentar com imparcialidade independente de atleta, time ou fase de campeonato. Olhe a entrada novamente, um forte abraço. Miranda

  • Kurt

    Prefiro o sistema mata-mata.

    O futebol é um esporte coletivo onde nem sempre o melhor time vence a partida, afinal é por isso que assistimos os campeonatos, torcemos e etc. Caso contrário não seria necessário nada disso, o time com o melhor elenco já seria declarado o campeão (simploriamente falando)

    O fato é que nenhuma das formas de competição vai garantir que o melhor time seja o vencedor. Prefiro o mata-mata porque os famosos erros de arbitragem ao longo de toda a competição não exclui a possibilidade de um time ser campeão, pois lhe dá uma margem para terminiar a classificação entre os 8 primeiros, dependendo do formato. Já na fase mata-mata os jogos tem maior notoriedade, claro que não garante que não venha ocorrer erros, mas o outro modelo também não oferece nenhuma garantia.

    Por fim, o melhor do mata-mata, o que torna esse modelo infinitamente melhor que o de pontos corridos (no meu ponto de vista, é claro) é que ambos os times que estão na disputa jogam para vencer. Pode até ter time que entregue jogo na fase de classificação para que um determinado rival não se qualifique para disputar o título, mas não tem como o time A ser campeão vencendo um time já rebaixado enquanto o outro recebeu mala preta pra empatar com o time B ao mesmo tempo que o rival do time D está entregando o jogo para o time C entrar na libertadores…

    Final é final, fez o resultado é campeão, não fez é vice. Nada de deixa que eu deixo.

  • joão paulo tricolor

    E aí André, vc acha q há algum clássico aqui em SP que possui este clima Gre-Nal??
    Abraço

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo