EL CLÁSICO 2.0



A atuação do Real Madrid (1 x 0: C. Ronaldo) na final da Copa do Rei me lembrou muito o que a Internazionale fez no ano passado, no jogo em casa pelas semifinais da Liga dos Campeões.

Falo em termos de postura, já que foram jogos diferentes em muitos aspectos.

Nas duas partidas (ontem, no primeiro tempo) o time de José Mourinho teve a mesma atitude corajosa. E até quando ficou sem gás, o que se viu claramente no segundo tempo em Valência, não sucumbiu.

Mourinho tem em mãos o time mais caro da História do futebol. Jogar defensivamente é sempre uma escolha discutível, mais ainda com os jogadores que ele possui. Mas nada vai convencê-lo de que essa não é a melhor, talvez a única, maneira de enfrentar o Barcelona.

O Real Madrid encontrou um caminho e com ele venceu o rival após seis jogos. Ganhou a Copa do Rei depois de 18 anos, primeiro título desde 2008. E entrou na cabeça do time que o dominou totalmente nos últimos encontros.

A série de clássicos está na metade. Pensando nos próximos dois confrontos, os mais importantes, a vitória do Real Madrid foi ótima. O time que é superior perdeu um jogo, um título e ganhou um motivo para se preocupar.

Na próxima quarta-feira, em Madri, a temporada do Barcelona atingirá um ponto crítico.

O Bernabéu estará quente. E nós estaremos lá.

______

O Barcelona sofre terrivelmente por causa da má fase de Pedro e Villa.

Onde estão eles?

______

Ontem, no fim do jogo, Di Maria era lateral e Piqué, atacante.

O argentino jogou demais.

______

5h12 da manhã, um novo recorde do blog.

Hora de ir.



  • Andrei

    Acho feíssimo o jogo do Real: travado, travando a maravilha que é o Barcelona. Mas acho maravilhosa a competência tática do Mourinho e dos jogadores, para conseguir executar isso… Resta saber se vai continuar funcionando.

  • Ciro Nogueira

    o jornalista vinha falando mal do mourinho seguidamente. sempre alfinetando, sempre custando a acreditar que ele fosse realmente sensacional. e claramente pronto pra chegar depois da final com alguma ironia cretina querendo dizer que tudo que o técnico fez foi pra nada. tá aí o resultado. que se aprenda a respeitar o fenômeno que é este português como treinador, como líder… e como o centro das atenções. com todas as suas particularidades e extravagâncias, dentro ou fora da cartilha de bons modos que os moralistas da espn e da folha costumam pregar por aí; mourinho é uma evolução de sua espécie. ponto. um abraço

    AK: O comentarista tem dramáticos problemas para compreender a língua portuguesa. Mas certamente entende de cretinices. Um abraço.

  • rodrigo

    di stefano deve estar feliz agora.

  • Willian Ifanger

    (Como eu sempre digo em madrugadas de corrida de F1: “Dormir é para os fracos”…..hehehehe).

    Vejamos, se me perguntassem o que aconteceria se tívessemos 4 clássicos seguidos, eu diria: 2 vitórias do Barcelona, 1 do Real e 1 empate. Bom, só estão faltando as 2 vitórias do Barcelona.

    O Real apostou muito na marcação e nos contra ataques rápidos. Convenhamos que a zaga do Barcelona é bem atrapalhada e o Cristiano Ronaldo estava correndo como nunca. Pode até ser que esse seja o jeito certo de ganhar desse Barcelona.

    Essa derrota precisa acordar o Barcelona e encarar os dois outros jogos de uma outra forma. Messi também some diante de uma marcação forte. Já tinha sido assim em Madrid.

    Como o jogo derradeiro será em casa, muito provavelmente o que importará desses 4 embates é o que acontecerá no Nou Camp. Se o Barcelona chegar a final da UCL, esse título da Copa do Rei nem será lembrado.

    Eu não gosto do Real (coisa de torcedor), não gosto do Mourinho e acho que criaram um mito em cima dele. Claro que é um grande treinador. Mas montar um time pra destruir é sempre mais fácil do que montar um time para criar (ainda mais em clubes de orçamentos fartos). Guardiola, nesse quesito, dá um banho nele.

    Material humano importa? Claro que sim, mas ninguém vai me convencer que esse time do Real não saberia jogar pra frente.

    Times como os que o Mourinho monta, vez ou outra, podem se tornar campeões, mas jamais serão lembrados. Eu entendo quem veja beleza num belo sistema defensivo e num ferrolho bem executado. Só não acho que isso seja futebol.

  • Anna

    Foi surreal, mesmo. Mourinho disse a que veio. Foi a noite dos portugueses: Cristiano Ronaldo, Ricardo Carvalho e José Mourinho. Os portugueses do Real. Os jogos das semis da Champions serão ainda mais sensacionais depois disso. Mourinho percebe que descobriu um meio de neutralizar o Barça. Fim do segundo round. Aguardemos os próximos!

  • Leandro Azevedo

    Uma coisa que “pesa” ainda contra o Messi e o fato de nao ser “o cara” em jogos decisivos… Ontem ele teve um momento de genio, no passe para o Pedro, mas foi praticamente isso. Claro que o esquema do Mourinho tem muito a ver com isso, mas a pulga precisa se agigantar um pouco mais nesses confrontos.

    Quanto ao Mourinho, e o que o Cruyff bem falou, ele e um treinador de titulos, mas que nao gosta muito de futebol hehe

    E que falta faz o Eto’o nesses momentos para o Barca… nenhum outro jogador se encaixou tao bem nesse time quanto ele… quem sabe o Neymar consegue.

    Abraco

    AK: Não esqueça que Messi marcou na final da UCL 2009, contra o Man U. Um abraço.

  • Renato

    Andre, uma curiosidade. Como a imprensa espanhola pronuncia o nome do Mourinho. No tradicional portugues Jose ou da maneira espanhola (r)ose?
    Abraco!

    AK: Depende da pessoa. Ouvi dos dois jeitos. Um abraço.

  • Guilherme

    Realmente, o próximo jogo será um momento complicado para o Barcelona. Primeiro jogo da semi na casa do rival, cheio de moral, com a torcida empurrando. Será um teste de fogo para os catalães.

    Acho que esse duelo pode ser decidido pelos técnicos, sim.

    E o maior mérito do Mourinho até aqui é “se adaptar” ao rival. Depois do 5-0, Mourinho viu que não poderia manter o estilo ofensivo que vinha adotando até então. Teve que repensar, reposicionar e, mais importante, mudar a mentalidade do time para “correr atrás” do Barcelona. Mourinho criou um trio de volantes com o zagueiro Pepe, que se adaptou muito bem como volantão. Enquanto isso, Guardiola faz o esperado e manteve a característica do Barcelona. Posse de bola, troca de passes rápidos e ataque.

    Resultado: O Real se adaptou ao Barcelona e simplesmente anulou o Barça, que ficou refém das jogadas do Messi, já que Xavi e Iniesta ficaram presos no meio.

    Sobre a má fase de Pedro e Villa, ai está um grande problema para o Guardiola resolver. Se bem que a queda no desempenho do Pedro, na minha opinião, é absolutamente normal. Ele subiu da base na pré-temporada de 09/10. Até então, ele tinha jogado apenas algumas vezes. Fez uma temporada brilhante, foi para a Copa e fez a torcida esquecer o Henry. Depois começou a temporada muito bem, mas, na idade dele, cedo ou tarde essa queda chegaria. Pena para Guardiola e o Barcelona. Sobre o Villa, é difícil saber o que acontece. E ai está outro grande problema paraa equipe resolver….

    Agora, o duelo da Champions precisa ser algo totalmente novo. Guardiola precisa encontrar algum jeito de fugir da marcação implacável de Mourinho. Minha opinião? Reforçar o meio com Keita no lugar do Pedro. Devolver ao Real o golpe dos dois últimos jogos. Marcar pressão e sair na velocidade.

    Impossível saber o que o Mourinho vai aprontar. Mas não vejo a hora da próxima quarta-feira chegar.

    Um abraço

  • Hello, people!

    André, eu tendo a concordar com o PVC, de que o Real não cansou no 2º tempo. Aquilo foi estratégia. O Mourinho sabia que o Barça só conseguiria correr 90 minutos, então mandou seus comandados só se defenderem na derradeira etapa, poupando gás para a prorrogação. E foi isso que (eu, pelo menos) vimos: um Real voando na 1ª etapa do tempo complementar.

    [um parágrafo rápido sobre a CLA: que rabo tem o Fluminense, hein?! Além de se classificar na bacia das almas, caso todos os brasileiros se classifiquem, teremos nas quartas Cruzeiro x Santos e Gre-Nal. Ou seja: confronto “difícil mesmo”, o Flu só terá na semi.]

    Andrei, não sei se você já leu, mas, em todo caso, fica a dica: http://blogdojuca.uol.com.br/2011/04/polemizando-com-uma-unanimidade/

    Hey Will, ó nóis aqui ‘traveiz. Acho que a diferença não está nos técnicos, mas nos jogadores. CR7 não se encaixa no tipo de esquema do Barça, e creio que o Guardiola não conseguiria dar um padrão “catalão” aos jogadores Real (apesar de achar que alguns, como Sergio Ramos e Di Maria, se encaixariam perfeitamente nesse esquema).

    Anna, acho que o problema é exatamente esse: aguardar os próximos! Devia ter um a cada 3 dias…

    Abraços!

    AK: Respeitando todas as opiniões, não consigo acreditar que um técnico abre mão de um tempo inteiro de um jogo empatado, porque planeja ganhar na prorrogação. Um abraço.

  • Rita

    Triste não ter assistido nenhum dos dois jogos e pior saber que não assisterei aos próximos dois.
    Não sei se ele é o melhor técnico do mundo, mas na minha opinião é o coroa mais gato do futebol mundial.
    Mas, estarei torcendo pelo Barcelona, porque o futebol merece.

    Já tô pensando numa final do mundial de clubes: Santos (com Ganso e Neymar) x Barcelona.

    Se bem que hoje, o Flu já divide minha torcida. Graaaande classificação.

  • Anna

    Alejjandro, tb acho. Estou na maior expectativa quanto aos jogos da Champions League. Cheiro de mais emoção no ar!!!

  • Hey André!

    Só para esclarecer: a ideia de “ganhar na prorrogação” é minha; o PVC apenas disse em seu blog: “O Real era muito perigoso também na prorrogação. Diz-se que era só uma questão de preparo físico. Não era. Também foi estratégia.” (http://espn.estadao.com.br/pauloviniciuscoelho/post/187412_REAL+VENCE+MELHOR+TIME+DO+MUNDO+E+MOURINHO+MOSTRA+HA+VARIAS+FORMAS+DE+JOGAR)

    Agora, sobre acreditar se isso é possível ou não… apesar de ser bem difícil, por causa do adversário (quem seria louco, não é mesmo?), eu só acreditei por ser o Mourinho e este Real (com a Inter do ano passado eu também acreditaria). Aliás, eu acho que ele não abriu mão de um tempo inteiro… ele deve ter tentado ganhar o jogo na primeira etapa. E quando viu que não dava… 😀

    Abraço!

  • xandeboy

    O real jogou bola tbém…..soube marcar e saía na boa,como todo time deve fazer contra o barça…marcava sob pressão e voltava recompondo o espaço……jogo do espanhol não vi mas parece q foram mais medrosos,ou não….

  • Ciro Nogueira

    ironia cretina. prefere ela ao debate, jornalista?

    AK: Não é ironia.

  • Willian Ifanger

    Grande Alejjandro,

    Eu até concordo que os jogadores tem muito a ver com a forma do time jogar, mas concorda que montar um elenco com jogadores que saibam valorizar a posse de bola não seria um problema para um clube como o Real Madrid (por exemplo)? E tem sempre dedo do técnico nas contratações.

    Citar o Guardiola nessa conversa é complicado porque ele só treinou um time até hoje e o Barcelona tem essa mentalidade de futebol bem jogado no estatuto.

    Mas o Mourinho já passou por outros clubes e os times que ele monta sempre tem a mesma cara. Respeito quem gosta dele, mas não sou fã não.

    E pra mim esses times que entram em campo achando que pra ganhar tem que correr e marcar os 90 minutos, e acertar um ou outro contra ataque, só serão lembrados por terem derrotados times como o Barcelona.

    Pode ter certeza que daqui uns dez anos essas conquistas do Mourinho serão lembradas assim: “Verdade, naqueles jogos o Mourinho parou o Barcelona marcando o jogo todo….e aquele time do Barcelona era foda!”. Vão sempre lembra de Xavi, Messi e Iniesta….mas dificilmente do meio de campo do outro time (a não ser que você esteja conversando com o doido do PVC).

  • Leandro Azevedo

    O site do AS e Marca (que normalmente tem materias parecidissimas) trazem hoje um artigo sobre a falta de pecas no elenco do Barcelona, e citam essa umas das razoes para um rendimento “aquem” do esperado nesse fim de temporada.

    Esse tem sido um topico bastante abordado por ai, ou apenas pelas publicacoes Madridistas, Andre?

    Abraco

    AK: Sim, esse é um tema. E agora que o Adriano se machucou, mais ainda. A diferença de tamanho de elenco entre Real Madrid e Barcelona é notável. Um abraço.

  • Ado Marcelo

    Eu já disse vááááárias vezes e repito. Villa é enganação, tem um punhado de jogador melhor que ele no interior de São Paulo jogando bola.

  • Ao Ciro Nogueira.
    Desde sempre acompanho o blog do André, mas com mais atençao e assiduidade desde que barcelona e real madrid tiveram a confirmação dos 4 jogos seguidos.
    Tive o cuidado de reler todos os posts relacionados aos jogos, o que significa todos os posts do blog, desde o dia 13/04, as 18:07, seguem os links

    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/13/saudacoes-do-portao-11-de-cumbica/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/14/que-suerte/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/15/camisa-12-45/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/15/mou-apertou-mute/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/16/el-clasico-1-0/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/18/coluna-dominical-em-plena-segunda/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/18/o-mestalla-resiste/
    http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2011/04/19/e-mou-falou/

    Peço que os releia tambem. Eu os reli, procurando a imparcialidade, as alfinetadas, a torcida contra mourinho, e criticas ao portugues, do autor deste blog.
    Nao encontrei absolutamente nada na primeira vez, tampouco na releitura.
    Apenas a costumeira e nao necessaria imparcialidade (nao nesse caso, pois se trata de jogos da europa, e ele nao teria porque esconder, caso e se, torcesse para algum dos 2 times) de sempre.
    Analise fria e correta. Brilhante.

    Sei que o blogueiro, nao necessita que ninguem o defenda, ou de puxa-saquismo, mas sinto-me na obrigação de dizer que sua interpretação de texto está num nível péssimo, sugiro-lhe aulas sobre isso. Melhor do que ser tao tendencioso, parcial e distorcer como voce fez.

    Ao André, parabéns pelos textos, e sinto dizer-lhe que te invejo. Como diria a moça da PF Espanhola, “que suerte”!!! Hehehe

    Abraços!

  • Ciro Nogueira

    pareceu que foi por causa do “este português”. acharia interessante. até porque mantenho a minha interpretação sobre o seu texto; não acho que faltou compreensão nenhuma de minha parte quando o comentei. o fato – o título do real – que parece ter dificultado que o debate continuasse, por escolha do jornalista. abraço

  • Daniel Lobo

    Não foi o Real que mostrou ser possível vencer o Barça, foi Mourinho. Ele demonstrou ser o melhor técnico do mundo pois pela segunda vez, primeira com a Inter de Milão nas semifinais da Champions 2010, conseguiu anular o melhor futebol do mundo. Os confrontos mais importantes desse mega clássico ainda ocorreram mas agora sem favorito. O Barça terá que provar que pode vencer Mourinho , o que não é nada fácil.

  • Ciro Nogueira

    Ícaro, me referia especificamente ao último post do jornalista. Rapidamente:

    “Numa entrevista coletiva em que realmente falou, José Mourinho conseguiu algumas proezas. Primeiro, dispensou a opinião de Alfredo Di Stefano. O presidente de honra e símbolo do madridismo criticou a forma como o Real Madrid jogou no último sábado. Após frisar que Di Stefano é uma das figuras mais importantes na história do clube, Mourinho disse que ele – Mourinho – não era nada na história do Real Madrid, mas era o técnico. E é o técnico quem decide.”

    Se não há ironia, a palavra proeza está mal empregada. Mourinho agiu com precisão. Teve o cuidado – obviamente necessário – de não arranhar a imagem do maior ídolo do clube, e, ao mesmo tempo, manteve a sua convicção como treinador. Nada mais justo. Lembrando que os jgadores precisam confiar cegamente no esquema proposto pelo treinador, e que isso é uma das chaves do sucesso do Mourinho. Poderia, nesse momento, ser mais difícil, já que críticas impacientes surgiam de todos os lados, inclusive do Di Stefano. ( Lembrando que, após a final da Copa do Rei, Sergio Ramos disse: “Com Mourinho iremos até a morte”, ou seja, a defesa da convicção de Mourinho, por Mourinho, deu resultado ). Queriam que ele concordasse, dizendo que seu time, realmente, jogou como se fosse um “rato”?

    “Mas o grande momento da coletiva do melhor treinador do mundo veio na sequência. Ainda falando sobre a forma de jogar, Mourinho acrescentou que a torcida está com ele, que abriu os olhos para a realidade de que um time precisa se defender com 11 jogadores. É sensacional. Depois de mais de 100 anos de história, e nove títulos europeus, o madridismo finalmente acordou para o futebol.”

    Se esse “É sensacional” não é irônico – desnecessariamente irônico -, não sei mais o que poderia ser. Me desculpem, mas é praticamente unanimidade entre os jornalistas brasileiros que acompanham futebol internacional o fato de que o Real Madrid não tem conseguido, nos últimos tempos, montar times competitivos. Mesmo na época de Zidane, Ronaldo e cia; o time teve um ano de grande sucesso, e depois foi se perdendo – de acordo com a opinião geral, porque tinha estrelas do meio campo para a frente, que não marcavam, e jogadores fracos atrás. O Mourinho dizer que a torcida está com ele – e pesquisas recentes do “Marca” mostram que, em grandíssima maioria, está mesmo – e que esta apoia que agora os onze jogadores – e não apenas seis, como antigamente – participem da marcação, não é ignorar o século inteiro que se passou com o clube acumulando glórias diante de sua torcida, mas é, sim, indicar que há uma renovação no pensamento dos torcedores do clube – necessária para o melhor funcionamento do time. Mesmo a torcida do maior clube do mundo precisa se renovar. Se dependesse da imprensa megalomaníaca local, isso não aconteceria. É um absurdo – ou é “sensacional” – dizer isso enquanto treinador do clube, sabendo mais do que ninguém o que seu time precisa?

    Caro comentarista, não considerei o seu comentário um puxa-saquismo ao André Kfouri. Pelo contrário. Acho que você me estimulou a debater, o que deveria ser o objetivo desses comentários, mas que no meu caso foi coisa que o jornalista se negou a fazer. O que disse sobre “alfinetadas” fica bem claro aqui, sendo necessário apenas citar esses dois trechos do último post antes desse, analisando-os dentro do contexto real dos fatos.

    Abraços

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo