E MOU FALOU



Numa entrevista coletiva em que realmente falou, José Mourinho conseguiu algumas proezas.

Primeiro, dispensou a opinião de Alfredo Di Stefano. O presidente de honra e símbolo do madridismo criticou a forma como o Real Madrid jogou no último sábado. Após frisar que Di Stefano é uma das figuras mais importantes na história do clube, Mourinho disse que ele – Mourinho – não era nada na história do Real Madrid, mas era o técnico. E é o técnico quem decide.

Depois, numa resposta que comecou exemplar, apontou para “a imprensa” de Madri. A pergunta tinha sido sobre o estilo de jogo de seu time. Mourinho começou dizendo que “vocês estavam acostumados a um Madrid em que seis defendiam e quatro atacavam. Hoje, todos trabalham. Meu time pode não ganhar amanha, pode não ganhar a Champions, mas não está longe de conseguir porque todos trabalham. E isso parece um problema para alguns de vocês. Só que, como diz meu amigo Messina, nós temos dúvidas se a imprensa de Madrid quer que o Madrid ganhe ou quer que o Madrid perca.”

Algumas ponderações sao necessárias:

1 – É difícil encontrar um time que seja mais apoiado nos jornais de sua cidade do que o Real Madrid.

2 – o discurso de vítima é batido, mas ainda funciona.

3 – o Messina citado está em dificuldades.

O italiano Ettore Messina era técnico do time de basquete do Real Madrid até o mês passado e é amigo de Mourinho. Não sei se ele já disse publicamente o que Mourinho afirmou. Se não disse, agora está mal na foto com “a imprensa” e não pode desmentir o amigo. Deve ter adorado.

Mas o grande momento da coletiva do melhor treinador do mundo veio na sequência. Ainda falando sobre a forma de jogar, Mourinho acrescentou que a torcida está com ele, que abriu os olhos para a realidade de que um time precisa se defender com 11 jogadores.

É sensacional. Depois de mais de 100 anos de história, e nove títulos europeus, o madridismo finalmente acordou para o futebol.

A modesta sala de imprensa do Mestalla, superlotada, apreciou a declaração.

______

Informação interessante sobre uma preocupação dos organizadores da decisão desta quarta. O hino nacional da Espanha será tocado a 120 decibéis no estádio.

O objetivo é abafar as vaias da torcida do Barcelona e evitar o que aconteceu antes da final de 2009, no mesmo Mestalla.

O rei Juan Carlos estará presente e quer ouvir o hino.

Uma campanha divulgada em redes sociais aproveitou o tema Espanha x Catalunha, que se apresenta sempre que Real Madrid se enfrentam: “um madridista, um coração, uma bandeira”. A campanha pede que torcedores do Real Madrid levem bandeiras da Espanha para o estádio.



MaisRecentes

Em voo



Continue Lendo

Não estamos prontos



Continue Lendo

Ferido



Continue Lendo