O GRANDE ERRO DO FLU



A saída de Muricy Ramalho significou vários problemas para o Fluminense.

Além do óbvio, a falta de um treinador, o clube tem de lidar com os motivos que levaram MR a pedir as contas.

É mais ou menos como um cara ser abandonado pela namorada porque ela não aguenta mais seus hábitos de higiene, e depois confidencia a todas as amigas que ele não escova os dentes (que fique claro: não havia como Muricy sair sem dizer por quê).

Quem vai querer?

A despeito de suas trapalhadas no departamento de comunicação, são compreensíveis as dificuldades que o Fluminense enfrenta para contratar um técnico.

Profissionais empregados (Dorival Júnior, Levir Culpi, Felipão, Cuca e Renato Gaúcho), por um motivo ou por outro, não deixaram seus clubes.

Pelo menos um técnico disponível (Adílson Batista), não aceitou o convite.

E ontem, até mesmo um treinador que não pensaria um décimo de segundo para tomar um táxi em direção ao aeroporto, preferiu ficar onde está.

Não se pode perder de vista que o responsável por todas as recusas é o próprio Fluminense. Principalmente, pelo “não” de Gilson Kleina.

Por que um técnico, empregado, aceitaria um convite com apenas 3 meses (2 meses e meio, segundo o próprio Kleina) de validade?

Não vale aqui, a comparação com o caso de Celso Roth no Internacional.

Roth chegou ao Inter no meio da Copa Libertadores do ano passado, sabendo que conquistá-la era, provavelmente, a única forma de garantir sua permanência.

Apostou e ganhou.

Kleina foi “convidado” para cuidar da lojinha até Abel Braga chegar.

Eu sei, o nome de Abel não foi mencionado nas conversas com Kleina. E você acha que seria (“olha, meu caro Gilson, nós gostamos muito do seu trabalho, mas só queremos você aqui até o dia da apresentação do Abel. Confiamos muito em você…”)?

Se o plano não era contratar outro técnico, por que a proposta tinha prazo?

O fato de o Fluminense ainda ter um interino no comando, na véspera de um jogo decisivo pela Libertadores, prova que nem um dos dois maiores salários do mercado brasileiro é suficiente para garantir um “sim”.

E o grande erro estratégico do clube é não saber como tratar com um técnico que está disposto a dizer “sim”. Aliás, já disse.

Abel Braga está no Catar. De lá, declarou com todas as letras possíveis que quer trabalhar no Fluminense. Não parece nem um pouco preocupado com os graves problemas estruturais do clube. Mas não pode vir agora.

Se o Fluminense não gosta da ideia de tê-lo, precisa dizer isso publicamente.

Se gosta, está fazendo tudo errado.

O certo seria perguntar a Abel quem ele indica para sentar no banco até o dia de sua apresentação. Depois, acertar tudo e dizer à torcida, em caráter oficial: “contratamos o Abel Braga, que só chegará tal dia. Enquanto isso, fulano de tal, indicado pelo próprio Abel, será o técnico do time.”

A Libertadores é importante? Lógico. Mas a temporada do Fluminense termina com a Libertadores? Lógico que não.

É hora de fazer uma escolha e seguir em frente.

O próximo técnico do Fluminense* terá, obrigatoriamente, de ser convencido de duas coisas: 1) que as condições de trabalho serão decentes, e 2) que ele não será um esquenta-banco de Abel Braga.

Abel não precisa ser convencido de nada. É muito difícil enxergar isso?

Agora, anunciar a contratação de um técnico sem que ela esteja 100% acertada é algo que não ajuda a recuperar a imagem do clube.

É como o cara que não escova os dentes espalhar que arrumou uma namorada. E depois todo mundo descobrir que era uma “modelo e atriz”, que não topou o cachê.

______

* Pode ser Joel Santana, que o Botafogo equivocadamente perdeu hoje pela manhã. Desde que, é claro, Joel seja convencido dos dois pontos acima.

De qualquer forma, primeiro, o Fluminense precisa decidir se quer ou não quer contratar Abel.



  • Leandro Azevedo

    Li hoje mais cedo (no Blog do Renato Mauricio Prado), que o Fluminense (na figura do Peter Siemsem) queria o Gilson Kleina em carater definitivo para treinador do clube, mas a Unimed (na figura do Celso Barros) quer um figurao, e o Abel e o nome mais cogitado.

    Como sabemos quem manda realmente no clube, coube ao Gilson dizer um nao, muito obrigado.

    Se os rumores se materializarem, o carrosel dos treinadores vai ficar perfeito… um sai do Fluminense para o Santos… que saiu de lah para o Botafogo, que por sua vez vai para o Fluminense, e como bem falou o Juca hoje na CBN, treinador nunca fica desempregado e ainda acaba ganhando mais apos uma demissao.

  • Anna

    O post é perfeito. Não tem nada que tirar, nem por. O Flu pagou o maior mico, um verdadeiro papelão com essa história de indefinição de técnico. Nem parece que tem uma Libertadores pra jogar… tipo, amanhã, né? foi um tiro no pé. quanto ao Joel, acho que a química com o Bota acabou, ele teve o feeling de achar a melhor hora para sair. Vamos ver o que acontece, depois.

  • Marcos Vinícius

    Duvido que Joel aceite esse mandato-tampão,ainda mais ele,que diz que é o Rei do Rio.Se vier,será definitivo.

    André,gostaria da sua opinião a respeito de dois assuntos,um deles referente ao post:

    1)Celso Roth agiu corretamente ao largar o Vasco no meio do campeonato?

    2)O Corinthians fechou com a Globo.O Grêmio também.O Cruzeiro,idem.Provavelmente outros grandes seguirão o mesmo caminho.Além,claro,dos valores,vc acha que mudou alguma coisa?

    Abraço.

    AK:

    1) Por conceito, não acho correto que treinadores de futebol rompam seus contratos. 

    2) Provavelmente, apenas as diferenças de valores entre alguns clubes. 

    Um abraço.

  • Caio

    Amadorismo como sempre no futebol brasileiro.
    Duvido que o Fluminense se classifique…

  • Leonardo atleticano

    André, é impressionante ouvirmos ao mesmo tempo assuntos tão distantes, contratos de bilhões, salários de milhões, ratos em vestiários e falta de lugar para se treinar, está muito errado esse papo. Olha que o Galo fez um baita centro de treinamentos mergulhado em dívidas e com receitas bem inferiores aos clubes de Rio e São Paulo. O que existe é muito roubo, desvio de dinheiro, má fé e falta de profissionalismo.

  • Marcos Vinícius

    André,deixa eu explicar o pq da primeira pergunta:

    Diferente de vc,acho que treinador sair do time é uma via de mão dupla.Tanto ele pode pedir demissão como o clube pode demiti-lo.É direito de ambos.

    Perguntei sobre o Roth pq achei uma baita sacanagem o que ele fez com o Vasco.Veja bem:Entendo que houve um desgaste natural na relação Joel/Botafogo,e o Natalino teve tato o suficiente para pedir o boné na hora certa.No caso do Muricy,uma das partes não cumpriu o acordo feito verbalmente,tanto que representantes do clube nem questinaram ou reclamaram quando MR pediu demissão,sabiam que não tinham cumprido o que haviam prometido.Mas no caso do Roth foi totalmente diferente de ambos.Havia um planejamento,o clube esperava reforçar o elenco,era só abrir a janela de transferências que o time seria reforçado,Roth sabia disso,e de repente,de uma hora pra outra,ele liga pro presidente e diz:”Roberto,me desculpe,mas apareceu uma proposta do Inter e eu aceitei.Tô indo.”Entende?Não houve desgaste,até então estava tudo dentro do programado,havia um contrato (grande coisa!),e o cara pegou diretoria,torcida e elenco de surpresa.Ninguém esperava que ele fosse abandonar o barco,e ele simplesmente “saiu saindo”.

    É contraditório,eu sei,pois acho que o treinador tem o direito de sair quando quiser e o clube de demiti-lo quando achar mais conveniente,mas achei esse caso,especificamente,uma baita sacanagem.Não foi o fato de ele sair,mas sim deixar quem contava com ele na mão.

    Achei muito correto o que o Muricy fez quando recebeu o convite para dirigir a seleção brasileira.”Preciso falar com o Fluminense”,foi a resposta dele.Roth,pra mim,não é treinador top de linha,e depois desse epsódio deixou de ser,também,um profissional top de linha.

    Abraço.

    AK: Com relação a técnicos pedirem demissão, ou serem demitidos, não estou falando sobre direitos. O direito de alguém não querer mais trabalhar num determinado lugar é algo que não se discute. Minha opinião é sobre ser ou não ser correto romper um contrato. Um abraço.

  • Raposo

    Andre,

    Esta perfeito o seu blog.O Flu esta virtualmente desclassificado da Libertadores, o Estadual pouco interessa e o Abel eh un tremendo treinador. Seria a hora de o Fluminense fazer as coisas com calma, anunciar o Abel, colocar alguem que ele indicasse la e se um milagre acontecesse melhor ainda. Poderia usar esse tempo pra fazer uma reavaliacao do elenco pro segundo semeste, melhorar a estrutura, etc, existirao outras libertadores no futuro nao eh mesmo?

    A unica coisa que nao consigo concordar com vc eh a saida do Muricy. Na minha opiniao, ele nao teve um pingo de etica. Abandonou seus comandados no meio da batalha, isso nao eh comportamento de um lider. O Fluminense nao tem estrutura? Isso o Muricy estava cansado de saber. Por que nao largou o cargo ao final do Brasileirao? Asim dari tempo para a direcao procurar um substituto para a Libertadores. Ou se nao da mais, por que nao esperar ao menos o final da primeira fase? Ele literalmente “andou” para a torcida que sempe lhe tratou com muito carinho e “andou” tambem para os jogadores, abandonando eles a propria sorte sem dar a minima pro que vai acontecer. Acho que ele, no fundo, tem um grande desprezo pelo Fluminense, o que eh muito triste. Afinal de contas se ele deu um Brasileiro pro Flu, o Flu tambem deu um pra ele, nao eh verdade? (isso sem falar no Conca que foi heroi de verdade da conquista).

    Enfim, desculpe pelo longo texto. Concordo plenamente com vc em relacao ao que o Flu deveria fazer agora mas discordo em relacao ao Muricy, acho que faltou carater e educacao a ele.

    Adoro suas colunas Andre, um abraco forte

  • Gustavo

    André,

    Concordo que não havia como o Muricy omitir os motivos da demissão, mas acho que a revelação dos detalhes sórdidos sobre a (falta de) estrutura tricolor foi deselegante, como a ex-namorada mencionada por vc como exemplo.

    Abraço

  • Alexandre Reis

    Aqui no Rio se comenta que o no Mato do Fluminense tem muito mais cachorro do que o Muricy contou.

    Abs

  • Alberto Pereira

    Caro colunista, o que o Flu deveria fazer, ou deveria ter feito, e que vc descreve tão bem, é tão óbvio, que custa a acreditar, que não existam outros motivos, interferindo nestas situações.Muita coisa é noticiada, sem um minimo de consistencia, por exemplo:
    1- O Flu teria procurado Cuca, alguem acredita nisso?
    2 – Gilson Kleina não teria sido indicação do Abel, mas sim cavadinha do seu procurador.Alguem acredita nisso? sabendo que Gilson já trabalhou com Abel, em 3 ou 4 clubes.
    3 – MR saíu pela falta de estrutura fisica do Flu. Esse é o motivo oficial, na verdade várias figuras com quem o MR estava entrosado, foram demitidas por motivos politicos, e o próprio MR sentiu que se fosse desclassificado da Libertadores, daria motivo para ser fritado.Na realidade o presidente do Flu tem compromisso com seus pares, de apagar qualquer vestigio de mandatos anteriores, inclusive o próprio patrocinador no final do ano deverá sair, só resta saber que capacidade, essa turma, terá para dirigir os destinos do Flu, pela amostra, o futuro será negro!!!o que eles estão

    AK:

    1 – Acredite. Procurou.
    2 – Não foi indicação de Abel. Alguém achou que Abel iria gostar da ideia.

    Um abraço.

  • Marcel

    Quanta besteira, quanta má fé com um clube, ou simplesmente: “Taca pedra na Geni”!

    Ser a Geni do Futebol é difícil. São pelo menos 5 grandes nomes do futebol brasileiro e mundial que, ganhando salários altíssimos, sequer cogitam a possibilidade de deixar o clube. Estrutura ruim? “Homem que não escova os dentes”?
    A má estrutura então só afeta o treinador? Quer dizer que os jogadores que se machucam pelo campo ruim, que dormem em quartos sujos, que tomam banho chutando ratos do box do banheiro estão no clube ainda somente porque o salário é alto e ninguém mais os quer? Só o Murici está certo?
    Rato tem na redação do teu jornal tanto quanto tem no vestiário do Fluminense.
    São Paulo, Palmeiras, Inter, times estrangeiros, todos querem o Conca, e ele fica no Flu, tomando banho com rato e treinando em buracos…
    Mesma coisa com Emerson, Fred, Deco, Mariano, etc, etc, etc… Ficam no Fluminense “sem estrutura”, e o Murici não consegue.

    Em dezembro de 2010, após ter se tornado campeão brasileiro graças à estrutura e time fornecidos pela Geni do futebol brasileiro, o Murici disse no programa Bem Amigos que a estrutura ainda não estava boa, mas sabia que as coisas não se ajeitariam em dois meses, precisava de tempo… Dois meses depois ele vai embora e reclama da estrutura! Será? Estou com o Rabello, amarelou e feio!
    Siemsem demitiu o queridinho dele e aí ele resolveu sair, mas para não parecer que é um falso profeta, que prega o que não aplica em sua vida, teve de exercitar a desculpa pronta e dizer: “Abandonei o ‘projeto’, MAS A CULPA É DO FLUMINENSE”!

    Aí vem gente me dizer que o Atlético Mineiro é que é exemplo de estrutura… O Galo não ganha nem o Campeonato Mineiro, e olha que só tem dois times!! Mas o CT… Uma b-e-l-e-z-a…

    Aí vem essa nova agora, dizerem que “dinheiro não é tudo e técnicos rejeitam o Fluminense”. Nada mais distante da verdade…
    O único treinador desses aí que afirma ter rejeitado a proposta recebeu SONDAGEM, e não proposta (Adilson). O Felipão só não veio por causa de uma coisa chamada multa rescisória, com o Palmeiras. Nada nem remotamente `referente à estrutura do Fluminense, apenas dinheiro.
    Outros foram SONDADOS para ver quem topa ficar até o Abelão chegar. É o mais certo? Pode ser que não, mas é o que o Fluminense tem para oferecer, e pega quem quer. Ainda assim estamos longe da frase “dinheiro não é tudo”…

    O grande erro do Flu é ser a Geni do futebol brasileiro, e isso nunca vai mudar. Piorou com o episódio da virada de mesa e a vida vai ter de seguir aturando isso mesmo.

    E sabem o que é pior do que ser uma Geni, e atrair as pedras dos “machões”? Ser uma Geni que ainda ganha, contrata, encabeça… Vai faltar pedra, mas o Fluminense sempre sobreviverá…

    Saudações Tricolores.

    AK: Nunca vi um rato (o bicho) nos locais onde trabalhei. Se visse, ficaria indignado. Sobre os problemas do Flu, Belletti confirmou todos, e com detalhes. Lamento pela sua mania de perseguição. Um abraço.

  • Raposo

    Andre,

    Essa historia do rato eh o tipo do detalhe que poderia ter sido omitido pelo Muricy. Chega a ser patetico: me demiti por isso, isso e mais isso….ah e tambem tinha rato no vestiario. Falta de educacao e de respeito com um clube que lhe tratou bem. Isso nao se diz a imprensa…..
    Eu tenho um sitio, e volta e meia aparece um rato, a gente chama a empresa que cuida disso e pronto. 6 meses depois aparece de novo, a gente faz a mesma coisa. nao tem nada demais, mas chama atencao em jornal.
    Digo e repito: faltou educacao e carater ao Muricy e o que ele fez foi uma covardia sem tamanho.
    Abraco

  • Fred

    André, Evidente que um clube falido, que come na mão do patrocinador, não pode ter um técnico de 700 mil por mês.

    Mas, não concordo com suas colocações….Seguindo a sua comparação, será que só a hipotética namorada teria reclamações do namorado, que deveriam ser íntimas ? Quem sabe ela não poderia ter algum “problema” íntimo também? Você acha normal expor em público detalhes íntimos de ex-namoradas? Ainda mais um problema que você já conhecia antes de começar o relacionamento….? Eu não acho nem um pouco normal…..Se o defeito já existia e você aceitou por muito tempo, fica parecendo que você não tem respeito por si próprio ou não tem certeza das suas convicções.

    Aliás, desde pequeno aprendi que todos devem saber perder e nunca cuspir no prato que comeu…Parece que Muricy nunca ouviu falar dessas coisas. Pra ele só serve ganhar todas e não importa ter consideração pelos que ajudaram no seu sucesso…..”Belo ser humano”….. Lamentável é ver grande parte da mídia paulista defendendo uma coisa dessas…

  • Fred

    André, Também não concordo que o Botafogo tenha perdido o Joel. O trabalho dele é repetitivo e chega uma hora que fica saturado e passa a não convencer e motivar os jogadores.

    Os jogadores gostavam dele, mas o método de trabalho e sistema de jogo estavam mais do que desgastados. Muitas vezes é necessário motivação e métodos novos para sacudir um time. Tava na hora de mudar. Seria muito pior empurrar o problema com a barriga e precisar mudar no meio do brasileirão…..A mudança será boa para o Botafogo e, mais uma vez, os críticos vão ter que mudar de opinião e dizer que o time não é tão ruim…..blábláblá

  • Marcel

    André, sério? Belleti? O mesmo que foi colocado pra escanteio porque não rendeu nem 0,2% do esperado (e pago) pelo seu futebol? O mesmo que foi embora pela porta dos fundos, depois de ser banco 95% do tempo em que foi jogador do Fluminense? Quando foi banco!

    Respeito alguns jornalistas esportivos (há quem diga que a expressão sequer deveria ser usada, mas deixa pra lá), e você é um deles. Bem do lado da sua coluna o Tironi e o Abate fizeram colunas abordando o mesmo assunto, constatando exatamente o que vim dizer no meu último post, não estou sozinho.

    Sobre os ratos (bichos), desculpe a grosseria. Sobre a mania de perseguição, não é fácil ser tricolor… Como dizem por aí, o maior trunfo do diabo é convencer o mundo de que ele não existe. Alguma coisa parecida com a minha parábola da Geni.

    Um abraço digo eu, e saudações tricolores. (Se não quiser publicar este post, até pra não me dar tanta moral, confesso que nem mereço, tudo tranquilo).

    AK: Os problemas do Fluminense foram confirmados pelas próprias pessoas que trabalham no clube. Uma coisa é debater se deveriam ou não ser revelados como foram. Outra é querer negá-los. Aí reside a mania. Um abraço.

MaisRecentes

A diferença aumentou



Continue Lendo

Sabotagem



Continue Lendo

Vertigem



Continue Lendo