CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

O ANTI-SÉPPTICO

Grant Wahl é um jornalista americano. Escreve para a tradicionalíssima revista Sports Illustrated sobre futebol. Futebol mesmo, o nosso. É autor de um livro sobre David Beckham, esteve em cinco copas do mundo, tem 37 anos.

Wahl quer ir para o andar de cima. Não do prédio da SI, mas do esporte que é objeto de seu trabalho. Na verdade, ele quer ir direto para a cobertura. Wahl pretende ser presidente da FIFA.

Essas coisas inspiram cuidados. Muitas vezes, o objetivo é apenas fazer barulho, aparecer. O sujeito sabe que a chance é zero, põe a cara na janela e aproveita (no linguajar dos ex-BBBs) “a mídia”. Não parece ser o caso de Wahl. Ele tem bons motivos e interessantes ideias para tentar o que aparentemente não passa pela cabeça de ninguém – ser adversário de Sepp Blatter na eleição que acontece em junho.

A possibilidade de Wahl se eleger não é zero. É negativa. É mais provável que eu seja o atacante da Seleção Brasileira na Copa de 2014. Mas ele resolveu ser o representante de todos os torcedores que acham que há algo errado no quartel-general do futebol mundial. Num pleito com voto aberto aos fãs, suspeito que ele ganharia. O slogan da campanha é insuperável: “Wahl, o anti-SÉPPtico” (fica melhor em inglês, porque não tem acento).

Mas o voto é fechadíssimo, como se sabe. Qualquer pessoa pode se candidatar, desde que seja indicada por pelo menos uma associação nacional filiada à Fifa. Se algum país indicar Grant Wahl, terá de lidar com a ira de Blatter para toda a eternidade. Mas ele diz que está conversando com possíveis interessados no risco.

A plataforma é atraente. Wahl é a favor da introdução da tecnologia para ajudar a arbitragem, é contra o cartão amarelo para jogadores que erguem a camisa quando comemoram um gol, quer uma mulher como secretária-geral da entidade. Ele também acha que os melhores árbitros do mundo devem apitar na Copa, sem limite por país. E que os apitadores têm obrigação de explicar publicamente suas decisões polêmicas.

O mais importante: Wahl pretende limpar o prédio divulgando todos os documentos oficiais. Promover uma investigação independente depois que a caixa preta for aberta. E acabar com o sistema de reeleição que permite que apenas duas pessoas tenham presidido a FIFA nos últimos 37 anos.

O problema é que a FIFA é um clube exclusivo que só se interessa por poder e dinheiro. O modelo se replica na CBF e em nossas federações. O adversário de Blatter dificilmente virá de fora da sala. Dentro, as ideias de Wahl provocam gargalhadas.

Mas o noticiário tem mostrado que coisas mais surpreendentes estão acontecendo no mundo. Jovens egípcios, armados com telefones celulares inteligentes, derrubaram um governo tirano. As mudanças no futebol não precisam acontecer com Wahl. Mas podem começar com ele.



  • Caio

    Ah seu André Kfouri, forçando a barra pra ser convocado pra seleção né????????????????????
    ahauhauahauah!!!!!

    AK: Estou trabalhando dia a dia, tentando conquistar o meu espaço e, se Deus quiser, receber uma oportunidade do professor.

  • Teobaldo

    Nunca vi você jogar, mas pior que o Afonso Alves eu tenho certeza que você não é. E ele já esteve lá, heim!

    Em tempo, não indicarei e não votarei no Wahl porque ele é contra o cartão amarelo para quem levanta a camisa no momento da comemoração do gol. Na minha opinião o patrocinador deve aparecer sempre, ainda mais na hora do gol. É um raciocínio simplório, eu sei, exceto para quem paga e quer (exige) o maior retorno possível.

    Um abraço.

    AK: A regras disciplinares do jogo não deveriam ter nada com isso. É questão interna do clube. Um abraço.

  • Teobaldo

    Se a FIFA manda punir é meu entendimento que, mesmo de forma sutil, a punição está na regra do jogo. Caso contrário, não poderia ser aplicada.

    AK: Lógico que está. O que escrevi é que não deveria. Mas a proibição de erguer a camisa nada tem a ver com patrocinadores. Um abraço.

  • Teobaldo

    Quedo ante o “deveria” e dou à mão a palmatória. Ou seria “dou a mão à palmatória”? Bem, acho que tanto faz. Mas em relação ao Afonso Alves concordamos, certo? Um abraço.

    AK: Eu deixo esse tipo de análise para vocês da imprensa. Vou seguir fazendo o meu trabalho.

  • Teobaldo

    Boa, mas agora quem responde é você: Quem é “a imprensa”?

    AK: São vocês da mídia. Escrita, falada e televisada.

  • Teobaldo

    E do eixo do mal! Nunca devemos nos esquecer daqueles vendidos!

  • Marcel Souza

    Em conversa justamente hoje na hora do almoço eu e alguns amigos comentamos que para alguém virar cartola, presidente de federação, etc, ou o cara é “farinha do mesmo saco” dos que já estão aí, ou não consegue nem entrar. É uma pena que não tem alguém com a cabeça arejada realmente com chances de virar presidente da FIFA…

  • Rita

    Seria o “acopalipse”!!!
    As propostas dele são pra lá de interessantes.

    Tenho a impressão que se vc tinha vontade de ser atleta antes de decidir pelo jornalismo,
    com esse texto vc realizou um pouco do seu sonho, não??? rs.

MaisRecentes

Escolhas



Continue Lendo

Gracias



Continue Lendo

Abraçados



Continue Lendo